AGO­RA É SÓ ESPERAR… SENTADOS

Folha 8 - - DESTAQUE -

Con­ve­nha­mos que é uma lei, mais uma, po­pu­lis­ta e in­con­se­quen­te que, no má­xi­mo, vai pa­rir um ra­to anão e cas­tra­do que nem os chi­ne­ses vão que­rer. Es­ta ideia de João Lou­ren­ço é, no con­tex­to de um país ri­co que ao lon­go de qua­se 43 anos não pro­du­ziu ri­que­zas mas ape­nas al­guns milionários, mo­ti­vo de sa­tis­fa­ção, so­bre­tu­do dos 20 mi­lhões de pobres que os su­ces­si­vos des­go­ver­nos do MPLA ge­ra­ram. O governo pre­ten­de obri­gar os angolanos que ao lon­go dos anos le­va­ram mui­to e mui­to di­nhei­ro pa­ra o es­tran­gei­ro, já qua­se to­do bran­que­a­do nas enor­me la­van­da­ri­as eu­ro­pei­as, a tra­ze­rem pa­ra o país to­dos es­ses mi­lhões. Se o fi­ze­rem vo­lun­ta­ri­a­men­te não te­rão de ex­pli­car a sua ori­gem e até po­de­rão be­ne­fi­ci­ar de um di­plo­ma de be­ne­mé­ri­tos… Não es­tá mal. Po­de ser di­nhei­ro rou­ba­do, po­de ter ori­gem em ac­tos de corrupção, de con­tra­ban­do, de trá­fi­co, de apoio ao ter­ro­ris­mo. Mas tu­do is­so não con­ta des­de que o re­gres­so se fa­ça de for­ma vo­lun­tá­ria. Ou se­ja, o la­drão, o cor­rup­to, o con­tra­ban­dis­ta, o tra­fi­can­te, o ter­ro­ris­ta pas­sa­rá lo­go à ca­te­go­ria de ci­da­dão im­po­lu­to e ho­no­rá­vel. É o MPLA no seu… me­lhor. É uma me­di­da po­pu­lis­ta que, exac­ta­men­te por is­so, me­re­ce mui­to mais aplau­sos do que crí­ti­cas. E co­mo acon­te­ce num pe­río­do de va­cas es­que­lé­ti­cas, o bran­que­a­men­to eco­nó­mi­co e po­lí­ti­co aju­da à fes­ta. Se os angolanos têm fome (e têm mes­mo), pou­co im­por­ta a ori­gem da fu­ba, do fa­re­lo, ou da man­di­o­ca que lhes pro­me­tem. O im­por­tan­te é mes­mo que a comida che­gue. Do pon­to de vis­ta des- ses “pa­tri­o­tas” que es­te­jam in­te­res­sa­dos em fa­zer re­tor­nar as pi­pas de dó­la­res, até po­de ser um bom ne­gó­cio. É que, pa­ra além do per­dão cri­mi­nal, os in­ves­ti­men­tos que fi­ze­rem em An­go­la po­de­rão ser mais ren­tá­veis do que os fei­tos, por exem­plo, na Eu­ro­pa. Além dis­so, co­mo são to­dos bons co­nhe­ce­do­res do ADN do MPLA (que pa­ra além de es­tar no po­der há qua­se 43 anos por lá quer con­ti­nu­ar mais 57), sa­bem que em ca­so de cri­se po­dem vol­tar a fa­zer a vi­a­gem em sen­ti­do con­trá­rio. O ce­ná­rio se­ria di­fe­ren­te se, com os mes­mos ac­to­res, An­go­la fos­se o que ain­da não con­se­guiu ser: um Es­ta­do de Di­rei­to De­mo­crá­ti­co. Não sen­do, nem sen­do pre­vi­sí­vel que o se­ja nos pró­xi­mos anos, a pers­pec­ti­va des­sa mal­ta que tem o di­nhei­ro lá fo­ra é tra­zer al­gum, in­ves­tir, lu­crar e man­ter o avião de re­gres­so pron­to a des­co­lar. Co­mo é pos­sí­vel sa­ber-se se es­se di­nhei­ro co­lo­ca­do no es­tran­gei­ro é lim­po/le­gal? Não é pos­sí­vel. Al­guém se atre­ve­rá a in­ves­ti­gar, por exem­plo, se os mi­lhões que a So­nan­gol ca­na­li­zou pa­ra o Mil­len­nium BCP são, ou fo­ram, le­gais? Nin­guém. Além dis­so, du­ran­te dé­ca­das, o Pre­si­den­te “es­co­lhi­do por Deus” (Jo­sé Edu­ar­do dos Santos) deu co­ber­tu­ra le­gal às ne­go­ci­a­tas, es­tri­ba­do que es­ta­va nas leis an­go­la­nas que man­dou fa­zer à me­di­da e por me­di­da. E se es­te e mi­lhen­tos ou­tros in­ves­ti­men­tos no es­tran­gei­ro fo­ram fei­tos, hi­po­te­ti­ca­men­te, de for­ma mo­ral e eti­ca­men­te cri­mi­no­sa, mas le­gal­men­te co­ber­tos, que le­gi­ti­mi­da­de tem João Lou­ren­ço pa­ra que­rer que os seus de­ten­to­res o tra­gam pa­ra An­go­la? Re­gres­san­do ao exem­plo da So­nan­gol, que é uma em­pre­sa do Es­ta­do, João Lou­ren­ço vai dar or­dens a Car­los Sa­tur­ni­no pa­ra ven­der as par­ti­ci­pa­ções da pe­tro­lí­fe­ra e tra­zer o di­nhei­ro pa­ra An­go­la? Co­mo, su­pos­ta­men­te, o exem­plo de­ve par­tir dos al­tos dig­ni­tá­ri­os do re­gi­me, ire­mos ver o ex-pre­si­den­te da So­nan­gol e ex-vice-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el Vi­cen­te, a ser in­ti­ma­do pa­ra ven­der os seus apar­ta­men­tos em Lis­boa e a tra­zer o di­nhei­ro pa­ra cá? Não. Não se­rá na­do dis­so. Se­rão ape­nas os ca­sos dos que des­vi­a­ram ile­gal­men­te o di­nhei­ro? Quem vai de­fi­nir o que foi des­vi­a­do le­gal e ile­gal­men­te? E mes­mo que al­guém o de­fi­na, co­mo con­tor­na­rá a Lei n.º 11/2016, de 20 de Ju­lho, que sa­bi­a­men­te am­nis­ti­ou to­dos os cri­mes on­de ca­be a ma­té­ria de fac­to ine­ren­te a es­tes cri­mes? “São con­si­de­ra­dos vá­li­dos e ir­re­ver­sí­veis os efei­tos ju­rí­di­cos dos ac­tos de am­nis­tia pra­ti­ca­dos ao abri­go de lei com­pe­ten­te”, diz o Ar­ti­go 62 da Cons­ti­tui­ção.

EX-DI­RI­GEN­TES DO MPLA, PAR­TI­DO NO PO­DER

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.