PGR VI­O­LA CONS­TI­TUI­ÇÃO HUMILHANDO DOS SAN­TOS

JOÃO LOU­REN­ÇO SA­BIA OU FOI À SUA RE­VE­LIA?

Folha 8 - - DESTAQUE -

Os “ter­ra­mo­tos da rou­ba­lhei­ra”, no ca­so an­go­la­no, não são uma fa­ta­li­da­de per­pe­tua, uma vez ser pos­sí­vel o seu com­ba­te, atra­vés de me­ca­nis­mos cons­ti­tu­ci­o­nais e le­gais. É in­dis­cu­tí­vel e im­pres­cin­dí­vel um sé­rio e re­pu­bli­ca­no com­ba­te a la­dro­a­gem, a qua­dri­lha de la­rá­pi­os de co­la­ri­nho bran­co, ins­ta­la­dos e na con­du­ção do po­der do Es­ta­do, atra­vés de ór­gãos e me­ca­nis­mos de in­ves­ti­ga­ção, ins­tru­ção pro­ces­su­al, ju­di­ci­al e ju­di­ciá­rio des­pi­dos de qual­quer de­pen­dên­cia fun­ci­o­nal ao de­ten­tor do po­der par­ti­do­cra­ta. No ac­tu­al con­tex­to, te­mos es­ta­do a as­sis­tir a um si­mu­la­cro de com­ba­te a cor­rup­ção, por ori­en­ta­ção e de­ci­são do pre­si­den­te do MPLA e Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo, ca­pi­ta­ne­a­do pe­la Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca, le­van­do a po­pu­la­ção ao ru­bro, com a de­ten­ção de al­guns an­ti­gos di­ri­gen­tes. É po­si­ti­vo ha­ver von­ta­de po­lí­ti­ca, pa­ra o de­sen­ca­de­a­men­to da ac­ção pe­nal, mas es­ta, não po­de es­tar na bo­ta dos in­te­res­ses de um par­ti­do, que de­ve, no qua­dro da trans­pa­rên­cia e es­pí­ri­to re­pu­bli­ca­no, inau­gu­rar uma no­va au­ro­ra, le­van­do a As­sem­bleia Na­ci­o­nal (par­la­men­to) a apro­var, sem ma­no­bras, a con­ces­são de mei­os fun­ci­o­nais e ver­da­dei­ra au­to­no­mia ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, pa­ra que os seus ór­gãos de ins­tru­ção pro­ces­su­al se­jam ca­pa­zes de, não exa­cer­ban­do com­pe­tên­ci­as, nem o co­me­ti­men­to de abu­sos de au­to­ri­da­de e po­der, res­pei­tem e se­jam, ex­clu­si­va­men­te, es­cra­vos da Cons­ti­tui­ção, da lei e da Re­pú­bli­ca de An­go­la. No ac­tu­al con­tex­to, a Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca não ins­pi­ra cre­di­bi­li­da­de, pe­los ví­ci­os que a mai­o­ria dos ma­gis­tra­dos, prin­ci­pal­men­te, os da DNIAP car­re­ga de acu­sar sem pro­vas, pren­der em­sen­ti­do con­trá­rio a lei. Co­mo cre­di­bi­li­zar pro­cu­ra­do­res que, ain­da num pas­sa­do, re­cen­tís­si­mo, man­da­ram pren­der, in­ves­ti­ga­ram, ins­trui­ram e acu­sa­ram os jo­vens 15+2 de ten­ta­ti­va de gol­pe de Es­ta­do, por es­ta­rem mu­ni­dos de 12 es­fe­ro­grá­fi­cas azuis, du­as ver­me­lhas, dois lá­pis de car­vão, uma bor­ra­cha, 6 blo­cos de apon­ta­men­tos e um li­vro so­bre de­mo­cra­cia e di­ta­du­ra? Uma au­tên­ti­ca aber­ra­ção ju­rí­di­ca e ma­tum­bez na in­ter­pre­ta­ção da nor­ma. Mais, es­tes mes­mos pro­cu­ra­do­res do al­to do pe­des­tal da sua mi­o­pia par­ti­do­cra­ta, de­fen­de­ram, em ple­no tri­bu­nal, mes­mo sa­ben­do das gri­tan­tes vi­o­la­ções co­me­ti­das pe­lo juiz da cau­sa, du­ran­te o jul­ga­men­to e na apli­ca­ção da pe­na de pri­são mai­or en­tre 2 à 8 anos de pri­são mai­or, a jo­vens ino­cen­tes, re­cor­re­ram pa­ra agra­va­men­to das pe­nas, na ló­gi­ca do fre­te a clas­se po­lí­ti­ca par­ti­do­cra­ta do­mi­nan­te. Ho­je, o qua­dro se mu­dou, pa­re­ce o mes­mo, pe­lo que cau­sa es­pan­to con­ti­nu­ar a as­sis­tir-se, tal co­mo no pas­sa­do re­cen­te, a mes­ma Pro­cu­ra­do­ria da Re­pú­bli­ca, que nun­ca pe­diu des­cul­pas so­bre o co­me­ti­men­to de er­ros mons­tru­o­sos, con­tra Fer­nan­do Gar­cia Mi­a­la, Jo­a­quim Ri­bei­ro + 21 po­lí­ci­as, Wil­li­am To­net, Jo­sé Ka­lu­pe­te­ka, li­de­rar tão no­bre com­ba­te. Os ma­gis­tra­dos par­ti­do­cra­tas do pas­sa­do, de­ve­ri­am ju­bi­lar, uns por an­te­ci­pa­ção, ou­tros por in­com­pe­tên­cia, co­mo for­ma de não con­ti­nu­a­rem, im­pu­ne­men­te, a ali­men­tar a divisão da so­ci­e­da­de. A PGR, atra­vés do seu bra­ço “se­mi ar­ma­do”: DNIAP, pre­ci­sa de uma lu­fa­da de ar fres­co, com pro­cu­ra­do­res mais isen­tos e com­pe­ten­tes, pa­ra con­du­ção exem­plar dos pro­ces­sos dos ca­sos me­diá­ti­cos, pa­ra não cair na ba­na­li­za­ção. Por ou­tro la­do a in­com­pe­tên­cia es­tá mais per­mis­sí­vel ao co­me­ti­men­to de er­ros aten­ta­tó­ri­os a li­ber­da­de hu­ma­na, qu­an­do in­ves­ti­ga, pren­de, ins­trui, man­tém a pri­são, in­de­fi­ni­da do ci­da­dão, sem o vis­to de um juiz com­pe­ten­te. Exis­tem ma­gis­tra­dos, co­mo os dou­to­res Co­e­lho Frei­tas e Jú­lia Or­ne­las, so­bre quem re­cai­em sus­pei­ções, uma pro­va­das de gri­tan­te ape­tên­cia pa­ra de­ter­mi­nar não só a con­du­ção co­er­ci­ti­va e pri­são dos in­ves­ti­ga­dos, mes­mo qu­an­do a lei im­põe, por exem­plo Ter­mo de Iden­ti­da­de e Re­si­dên­cia, nu­ma fla­gran­te sub­ver­são da nor­ma ju­rí­di­ca e do re­al pa­pel do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, cu­jo com­pro­mis­so mai­or de­ve ser a apli­ca­ção da jus­ti­ça. Não po­den­do por is­so, ser ins­tru­men­ta­li­za­da pe­lo abu­so de po­der e au­to­ri­da­de de al­guns dos seus ma­gis­tra­dos, per­mis­sí­veis a fa­zer fre­tes ao po­der po­lí­ti­co-par­ti­dá­rio. No ac­tu­al con­tex­to, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co exa­cer­ba com­pe­tên­ci­as, pois in­ves­ti­ga, acu­sa, pren­de e man­tém a pri­são in­de­fi­ni­da­men­te... Um pa­ra­dig­ma que vi­e­mos con­de­nan­do ao lon­go dos anos, por não ser ór­gão de so­be­ra­nia, pa­ra ma­nu­ten­ção in­de­fi­ni­da de pri­são, com­pe­tên­cia alo­ja­da na es­fe­ra do juiz e que ho­je, te­mos, fi­nal­men­te um ali­a­do, a ve­ne­ran­da juí­za con­se­lhei­ra ju­bi­la­da, do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal, Lu­zia de Al­mei­da. Ora, não ha­ven­do, em An­go­la a fi­gu­ra de juiz de ins­tru­ção de­ve­ria, pa­ra se cre­di­bi­li­zar o com­ba­te a cor­rup­ção a ur­gen­te im­plan­ta­ção, se pos­sí­vel re­cor­ren­do, a juí­zes já ju­bi­la­dos, mas com com­pe­tên­cia, isen­ção e sa­ber de­mons­tra­dos ao lon­go dos anos, co­mo os dou­to­res Ma­nu­el An­tó­nio de Mo­rais, Ti­to Sa­lo­mão, Ima­cu­la­da Me­lo, en­tre ou­tros, se­rem cha­ma­dos a are­jar a jus­ti­ça nes­te im­por­tan­te com­ba­te a cor­rup­ção.

Na edi­ção pas­sa­da aflo­ra­mos o fac­to de ter ha­vi­do a pre­ten­são do vi­ce - Pro­cu­ra­dor Ge­ral da Re­pú­bli­ca, Mota Liz ir a re­si­dên­cia de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, pa­ra lhe avi­sar que, eles PGR iri­am de­ter­mi­nar a pri­são do fi­lho, Jo­sé Fi­lo­me­no dos San­tos, ex-pre­si­den­te do Fun­do So­be­ra­no. Pa­ra a pros­se­cu­ção des­ta bar­ro­ca en­ge­nha­ria pre­ten­dia a com­pa­nhia de Le­o­pol­di­no do Nascimento e Car­los Feijó, mas es­tes de­cli­na­ram o con­vi­te uma vez, que na al­tu­ra, a no­tí­cia já cor­ria nas re­des so­ci­ais. Na tra­di­ção afri­ca­na, ain­da que se­ja um mons­tro, ne­nhum pai, que já te­nha exer­ci­do al­tas fun­ções no Es­ta­do, co­mo é o ca­so de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos es­ta­ria pre­pa­ra­do ou acei­ta­ria com a fri­vo­li­da­de oci­den­tal, tal in­for­ma­ção, no es­co­po da boa - fé ou do po­li­ti­ca­men­te cor­rec­to, mais a mais não vin­da de um an­cião, mas de um me­ni­no, pe­se as re­le­van­tes fun­ções que exer­ce. E nes­te pa­ta­mar, Dos San­tos na ló­gi­ca de ha­ver uma cla­ra ten­ta­ti­va de humilhação, por par­te da PGR e, qui­çá do pre­si­den­te do MPLA e da Re­pú­bli­ca, uma vez que já cor­ria nas re­des so­ci­ais, a no­tí­cia da pri­são do fi­lho, mos­trou-se in­dis­po­ní­vel pa­ra re­ce­ber o Vi­ce – Pro­cu­ra­dor Ge­ral da Re­pú­bli­ca. Nes­te di­a­pa­são, na opi­nião de pró­xi­mos de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, tu­do apon­ta, ale­gam, exis­tir um pro­jec­to que vai de humilhação em humilhação, até a humilhação fi­nal, pois mal es­ta­va re­fei­to do pri­mei­ro em­ba­lo (pri­são do fi­lho) e “re­ce­be a no­tí­cia de vi­o­la­ção do­mi­ci­li­ar da FESA, por par­te de agentes po­li­ci­ais, ao ser­vi­ço da DNIAP, for­te­men­te ar­ma­dos, co­mo se o lo­cal fos­se um co­vil de ban­di­dos, pa­ra pren­der o pre­si­den­te da Fun­da­ção, Is­ma­el Di­o­go, sem que da di­li­gên­cia ti­ves­se si­do no­ti­fi­ca­do, co­mo de­ter­mi­na a lei”, dis­se Man­guel Jo­na­fo, al­to fun­ci­o­ná­rio da ins­ti­tui­ção. “Eles en­tra­ram for­te­men­te ar­ma­dos, com as armas em ris­te, qu­an­do che­ga­ram no an­dar do dr. Is­ma­el co­lo­ca­ram a se­cre­tá­ria, de­ter­mi­nan­do que ela dis­ses­se on­de es­ta­va o che­fe, man­da­ram-lhe abrir a por­ta”, con­ta, acres­cen­tan­do, te­rem-lhe en­con­tra­do a “des­pa­char e foi apa­nha­do de sur­pre­sa, pois es­ta­va a des­pa­char e, na ho­ra, apon­ta­ram-lhe a ar­ma na ca­be­ça, man­dan­do-lhe as­si­nar o man­da­do de cap­tu­ra, pa­ra de­pois lhe apli­ca­rem as al­ge­mas e saí­rem com ele, em ri­sos e cha­co­ta, co­mo se ele fos­se um de­lin­quen­te al­ta­men­te pe­ri­go­so e a FESA um lo­cal de ban­di­dos”. Na sua opi­nião “se es­ta pri­são foi de­ter­mi­na­da pe­lo Pro­cu­ra­dor Ge­ral da Re­pú­bli­ca, ge­ne­ral Pi­ta Groz, co­mo for­ma de pren­der ho­mens que con­si­de­ram pró­xi­mos do ca­ma­ra­da Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, en­tão é por­que exis­te aval do Pre­si­den­te João Lou­ren­ço , nes­ta cru­za­da de lu­ta con­tra a cor­rup­ção, que tu­do va­le, mes­mo aten­tar con­tra di­rei­tos fun­da­men­tais da pes­soa hu­ma­na”. Is­ma­el Di­o­go, se­gun­do a Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca foi no­ti­fi­ca­do por três ve­zes e não com­pa­re- ceu, lo­go, no qua­dro da lei de­ve ser le­va­do por co­ac­ção, mas es­ta não sig­ni­fi­ca pri­são, mas con­du­ção pa­ra pres­tar de­cla­ra­ções, sen­do-lhe apli­ca­da, no fi­nal, al­gu­ma me­di­da ou não de res­tri­ção de mo­vi­men­tos. “Uma ques­tão, se o ex-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca tem imu­ni­da­des, du­ran­te cin­co anos, co­mo po­dem nes­te pe­río­do in­va­dir as su­as re­si­dên­ci­as e es­cri­tó­ri­os, co­mo fez o DNIAP, na FESA, fun­da­ção do Eng.º Edu­ar­do dos San­tos, sem no­ti­fi­ca­ção ao pa­tro­no, so­bre es­te trun­gun­gu po­li­ci­al, co­mo se fos­se num fil­me de ter­ror”. Art.º 300.º CPP (Pri­são de dia fo­ra de fla­gran­te de­li­to) De dia, é sem­pre per­mi­ti­da a en­tra­da em ca­sa do ar­gui­do ou em qual­quer lu­gar que lhe per­ten­ça ou es­te­ja na sua pos­se, pa­ra o pren­der por cri­me pu­ní­vel com pe­na mai­or. $ 1.ºa en­tra­da em ca­sa alheia, se­ja ou não ha­bi­ta­da, ou su­as de­pen­dên­ci­as fe­cha­das, qual­quer que se­ja o cri­me, ou em ca­sa do ar­gui­do por cri­me pu­ní­vel com pe­na cor­re­ci­o­nal, so­men­te se­rá per­mi­ti­da com au­to­ri­za­ção dos mo­ra­do­res da ca­sa ou seus do­nos, ou qu­an­do o man­da­do de cap­tu­ra ex­pres­sa­men­te o or­de­nar. $ 2.º Se, no ca­so do pa­ra­gra­fo an­te­ri­or, for re­cu­sa­da a en­tra­da e o man­da­do a não au­to­ri­zar, o ofi­ci­al, au­to­ri­da­de ou agen­te, in­cum­bi­do de efec­tu­ar a pri­são, cer­ti­fi­ca­rá o fac­to e os mo­ti­vos da re­cu­sa e as ra­zões do co­nhe­ci­men­to ou sus­pei­ta de que o acu­sa­do se en­con­tra aco­lhi­do nes­sa ca­sa e, jun­to lo­go aos au­tos o man­da­dao com a cer­ti­dãoo, de­ci­di­rá o juiz se de­ve ou não or­de­nar a en­tra­da nes­sa ca­sa e, em con­for­mi­da­de com es­sa de­ci­são, se pas­sa­rá no­vo man­da­do. Art.º 302.º CPP (For­ma­li­da­des pa­ra a pri­são den­tro de ca­sa) A au­to­ri­da­de ou agen­te da au­to­ri­da­de que pre­ci­sar de en­trar em qual­quer ca­sa ou su­as de­pen­dên­ci­as fe­cha­das, pa­ra efec­tu­ar uma pri­são, de­ve­rá mos­trar a or­dem de cap­tu­ra, sem­pre que lhe se­ja pe­di­da. Se a en­tra­da lhe for ne­ga­da, nos ca­sos em que a lei a per­mi­ta, po­de­rá usar da for­ça pa­ra a efec­ti­var, pas­san­do nes­se ca­so cer­ti­dão de ocor­rên­cia”. Por aqui po­de­mos ve­ri­fi­car ter ha­vi­do um cer­to ex­ces­so, abu­so de po­der, abu­so de au­to­ri­da­de e ex­tra­po­la­ção de com­pe­tên­ci­as do DNIAP, en­quan­to ór­gão do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Não es­ta­mos com is­so a di­zer que Is­ma­el Di­o­go se­ja uma vir­gem ino­cen­te, não, mas a for­ma co­mo foi le­va­do sob co­ac­ção, a ser ver­da­de, de­mons­tra a ce­guei­ra com que a nor­ma ju­rí­di­ca es­tá a ser apli­ca­da. Há le­gi­ti­mi­da­de das au­to­ri­da­des, le­va­rem sob co­ac­ção um ci­da­dão no­ti­fi­ca­do três ve­zes sem se ma­ni­fes­tar, mas es­ta vi­sa ape­nas a pres­ta­ção de de­cla­ra­ções e nun­ca a ma­nu­ten­ção car­ce­rá­ria, com ba­se na dis­cri­ci­o­na­ri­e­da­de do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, que sa­ben­do não exis­tir um juiz de plan­tão, re­a­li­za a di­li­gên­cia nu­ma sex­ta-fei­ra, por vol­ta das 16h00, tu­do pa­ra que o ci­da­dão fi­que de­ti­do o fi­nal de se­ma­na, de­bai­xo de to­da a humilhação. Art.º 294.ºCPP (Imu­ni­da­des) O che­fe de Es­ta­do não res­pon­de­rá pe­ran­te os tri­bu­nais por ac­tos pra­ti­ca­dos no exer­cí­cio das su­as fun­ções; por cri­mes es­tra­nhos ao exer­cí­cio das su­as fun­ções res­pon­de­rá pe­ran­te os tri­bu­nais co­muns, mas só de­pois de fin­do o man­da­to e tam­bém só de­pois de fin­do o man­da­to po­de­rá ser pre­so”. É pre­ci­so pois, que al­guém co­lo­que or­dem no cir­co, pa­ra não ser des­cre­di­bi­li­za­da es­ta cru­za­da im­por­tan­te de lu­ta con­tra a cor­rup­ção e os cor­rup­tos, em no­me da sal­va­guar­da dos seus no­bres e in­gen­tes pro­pó­si­tos.

SÍGLA DA PROCRURADORIA-GE­RAL DA RE­PÚ­BLI­CA

EX-PRE­SI­DEN­TE DE ANGOLAE DO MPLA JOSE EDU­AR­DO DOS SAN­TOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.