AN­GO­SAT E BAN­DA LAR­GA EN­TRAM NA CESTA BÁ­SI­CA?

Folha 8 - - DESTAQUE -

OGo­ver­no an­go­la­no es­ti­mou que 80% da po­pu­la­ção de­ve­rá ter con­di­ções de aces­so com ser­vi­ços de ban­da lar­ga até 2025, re­fe­rin­do que as me­tas cons­tam da “Es­tra­té­gia Na­ci­o­nal de Ban­da Lar­ga” e es­tão ali­nha­das aos ob­jec­ti­vos re­gi­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais. En­quan­to não se exo­ne­rar a de­ma­go­gia, até o pa­raí­so se­rá pro­me­ti­do. Du­ran­te um en­con­tro en­tre o Ins­ti­tu­to An­go­la­nos das Co­mu­ni­ca­ções (INACOM) e ope­ra­do­res do sec­tor, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra as Te­le­co­mu­ni­ca­ções de An­go­la, Má­rio Oliveira, apre­sen­tou a es­tra­té­gia, sa­li­en­tan­do que es­tá em cur­so a pre­pa­ra­ção de con­di­ções pa­ra a con­cep­ção e im­ple­men­ta­ção da Es­tra­té­gia Na­ci­o­nal de Ban­da Lar­ga e sua ope­ra­ci­o­na­li­za­ção, pe­din­do o con­cur­so dos ope­ra­do­res pa­ra que tu­do te­nha êxi­to. A Es­tra­té­gia, adi­an­tou, vi­sa con­cre­ti­zar os Ob­jec­ti­vos do De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel das Na­ções Uni­das, da Agen­da 2030 da União Afri­ca­na (UA), cu­jas ac­ções, re­al­çou, se en­con­tram ex­pres­sas nos com­pro­mis­sos no âm­bi­to da Co­mu­ni­da­de de De­sen­vol­vi­men­to da Áfri­ca Aus­tral (SADC) 2025. Má­rio Oliveira dis­se igual­men­te que a ma­te­ri­a­li­za­ção des­ses com­pro­mis­sos tam­bém es­tá ex­pres­sa no Pla­no de De­sen­vol­vi­men­to Na­ci­o­nal (PDN) 2018-2022, cu­ja me­ta, en­tre ou­tras, “é co­brir 80% da po­pu­la­ção an­go­la­na com ser­vi­ços de ban­da lar­ga”. Na oca­sião, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra as Te­le­co­mu­ni­ca­ções re­cor­dou que 50% dos la­res em ca­da es­ta­do mem­bro da SADC de­ve es­tar co­nec­ta­do à in­ter­net e que os ser­vi­ços bá­si­cos de ban­da lar­ga têm de es­tar aces­sí­veis na re­gião, re­pre­sen­tan­do, pe­lo me­nos, 2% do PIB men­sal. Com a im­ple­men­ta­ção e ope­ra­ci­o­na­li­za­ção da Re­de Na­ci­o­nal de Ban­da Lar­ga, ex­pli­cou Má­rio Oliveira, o Go­ver­no an­go­la­no pre­ten­de tam­bém au­men­tar o Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB), a pro­du­ti­vi­da­de, a ta­xa de em­pre­go e er­ra­di­car a po­bre­za, en­tre ou­tros. Re­des de fi­bra óp­ti­ca e uma re­de de mi­cro-on­das, que ser­vi­rão pa­ra su­por­te das regiões de bai­xa in­ten­si­da­de po­pu­la­ci­o­nal e em­pre­sa­ri­al, bem co­mo a re­cu­pe­ra­ção do ca­bo de fi­bra óp­ti­ca do­més­ti­co cons­tam da Es­tra­té­gia Na­ci­o­nal de Ban­da Lar­ga que se pre­ten­de im­ple­men­tar em An­go­la. Sob a ges­tão de João Lou­ren­ço An­go­la es­tá mes­mo a ca­mi­nho do pa­raí­so. Foi is­so mes­mo que co­me­çou a acon­te­cer, em­bo­ra sob a di­vi­na ba­tu­ta de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, com o pri­mei­ro sa­té­li­te an­go­la­no (An­go­sat), que co­lo­cou o país nos anais de ac­ti­vi­da­de es­pa­ci­al do país e do mun­do. Es­sa foi, aliás, uma ga­ran­tia do en­tão Se­cre­tá­rio do Es­ta­do das Te­le­co­mu­ni­ca­ções, Aris­ti­des Sa­fe­ca. As ex­pli­ca­ções de Aris- ti­des Sa­fe­ca fo­ram de tal ma­nei­ra elo­quen­tes que nos ga­ran­ti­ram que de­pois de cons­truí­do o sa­té­li­te se­ria lan­ça­do no es­pa­ço. De ac­to, é sem­pre de enal­te­cer tal pre­ci­são dos nos­sos go­ver­nan­tes. É que, pre­su­mi­mos, não fa­ria sen­ti­do lan­çar o sa­té­li­te an­tes de ele es­tar con­cluí­do. Mas, re­co­nhe­ça-se, tu­do é pos­sí­vel. Ao con­trá­rio do que pen­sa­vam os an­go­la­nos o sa­té­li­te, tal co­mo a Ban­da Lar­ga, não tra­zem nem pro­du­zem co­mi­da, nem me­di­ca­men­tos, nem ca­sas, nem es­co­las, nem res­pei­to pe­los di­rei­tos hu­ma­nos. Im­por­ta, con­tu­do, com­pre­en­der que há pri­o­ri­da­des bem mais re­le­van­tes. E o sa­té­li­te e ban­da lar­ga são cla­ra­men­te pri­o­ri­da­des. Pa­ra o en­tão res­pon­sá­vel pe­la pas­ta das te­le­co­mu­ni­ca­ções no Go­ver­no, Aris­ti­des Sa­fe­ca, o An­go­sat mar­cou a en­tra­da do país “nu­ma no­va era das te­le­co­mu­ni­ca­ções, o que pres­su­põe a con­du­ção de um pro­gra­ma es­pa­ci­al que in­clua, fu­tu­ra­men­te, o lan­ça­men­to de sa­té­li­tes sub­se­quen­tes”. Re­cor­de-se que foi no Con­se­lho de Mi­nis­tros de 25 de Ju­nho de 2008 que foi apro­va­do o pro­jec­to de cri­a­ção do sa­té­li­te “An­go­sat”. Em co­mu­ni­ca­do, o Con­se­lho de Mi­nis­tros re­fe­riu nes­se dia que fo­ram apro­va­das as mi­nu­tas do con­tra­to a ce­le­brar en­tre o Mi­nis­té­rio dos Cor­rei­os e Te­le­co­mu­ni­ca­ções de An­go­la e o con­sór­cio rus­so li­de­ra­do pe­la em­pre­sa “Ro­bo­nex-sport”, ten­do em vis­ta a cons­tru­ção, co­lo­ca­ção em ór­bi­ta e ope­ra­ção do sa­té­li­te an­go­la­no. O pro­jec­to per­mi­ti­rá, já se di­zia na al­tu­ra, a dis­po­ni­bi­li­za­ção de ser­vi­ços e o aces­so in­ter­na­ci­o­nal, de su­por­te e ex­pan­são da In­ter­net de ban­da lar­ga, de trans­mis­são pa­ra os ope­ra­do­res de te­le­co­mu­ni­ca­ções e tam­bém a dis­po­ni­bi­li­za­ção pa­ra su­por­tar ser­vi­ços de re­de de te­le­vi­são e de ra­di­o­di­fu­são. Por me­ra cu­ri­o­si­da­de re­fi­ra-se que no mes­mo Con­se­lho de Mi­nis­tros foi fei­to um re­a­jus­ta­men­to nos sa­lá­ri­os da fun­ção pú­bli­ca, sen­do que – se­gun­do o Go­ver­no – a al­te­ra­ção es­ta­va em con­so­nân­cia com o Pro­gra­ma Ge­ral do Go­ver­no que pre­via co­mo me­di­da de po­lí­ti­ca sa­la­ri­al o re­a­jus­ta­men­to dos ven­ci­men­tos dos fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos, ten­do em vis­ta a re­po­si­ção do po­der de com­pra dos sa­lá­ri­os de­vi­do à in­fla­ção es­pe­ra­da de 10 por cen­to. “Es­te Sa­té­li­te é o pri­mei­ro e mar­ca a en­tra­da de An- go­la nu­ma no­va era das te­le­co­mu­ni­ca­ções, o que pres­su­põe a con­du­ção de um pro­gra­ma es­pa­ci­al que in­clua, fu­tu­ra­men­te, o lan­ça­men­to de sa­té­li­tes sub­se­quen­tes,” re­fe­riu em 2012 Aris­ti­des Sa­fe­ca, co­or­de­na­dor do pro­jec­to. Ao que tu­do in­di­ca, com o An­go­sat e com a Ban­da Lar­ga, o nos­so país dei­xa­rá de ter 68% da po­pu­la­ção afec­ta­da pe­la po­bre­za, ou uma ta­xa de mor­ta­li­da­de in­fan­til que é a ter­cei­ra mais al­ta do mun­do, com 250 mor­tes por ca­da 1.000 cri­an­ças. Se­rá tam­bém gra­ças ao sa­té­li­te à ban­da lar­ga que não mais se di­rá que ape­nas um quar­to da po­pu­la­ção tem aces­so a ser­vi­ços de saú­de, que, na mai­or par­te dos ca­sos, são de fra­ca qua­li­da­de, ou que 12% dos hos­pi­tais, 11% dos cen­tros de saú­de e 85% dos pos­tos de saú­de exis­ten­tes no país apre­sen­tam pro­ble­mas ao ní­vel das ins­ta­la­ções, da fal­ta de pes­so­al e de ca­rên­cia de me­di­ca­men­tos. Do mes­mo mo­do, com o An­go­sat e com a Ban­da Lar­ga não mais se afir­ma­rá que a ta­xa de anal­fa­be­tos é bas­tan­te ele­va­da, es­pe­ci­al­men­te en­tre as mu­lhe­res, uma si­tu­a­ção agra­va­da pe­lo gran­de nú­me­ro de cri­an­ças e jo­vens que to­dos os anos fi­cam fo­ra do sis­te­ma de en­si­no. Ou que 45% das cri­an­ças so­fre­rem de má nu­tri­ção cró­ni­ca, sen­do que uma em ca­da qua­tro (25%) mor­re an­tes de atin­gir os cin­co anos. Tam­bém se aca­ba­rá com es­sa re­a­li­da­de de 80% do Pro­du­to In­ter­no Bru­to ser pro­du­zi­do por es­tran­gei­ros; de mais de 90% da ri­que­za na­ci­o­nal pri­va­da ser sub­traí­da do erá­rio pú­bli­co e es­tar con­cen­tra­da em me­nos de 0,5% da po­pu­la­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.