A DE­TEN­ÇÃO DE ZENÚ E A MU­DAN­ÇA DO PA­RA­DIG­MA JU­DI­CI­AL

Folha 8 - - CRONICA -

No dia 25 de Abril de 2018, Sin­di­ka Do­ko­lo afir­ma­va exis­tir uma es­tra­té­gia po­pu­lis­ta em An­go­la, di­zen­do que não te­mia o dia em que fos­se con­fron­ta­do pe­la jus­ti­ça an­go­la­na. No dia 25 de Se­tem­bro de 2018, o po­pu­lar ad­vo­ga­do Da­vid Men­des afir­ma­va que An­go­la po­de­ria es­tar a cor­rer o ris­co de adop­tar me­di­das po­pu­lis­tas. Tan­to um ros­to do an­ti­go re­gi­me, co­mo o ma­ri­do de Isa­bel dos San­tos, quan­to um ad­vo­ga­do pres­ti­gi­a­do e ad­mi­rá­vel que de­fen­deu opo­si­ci­o­nis­tas e con­tes­ta­tá­ri­os do an­ti­go re­gi­me fa­lam de po­pu­lis­mo na jus­ti­ça an­go­la­na. Dis­sen­go­mo­ka Wil­li­am “Strong”, de 27 anos, com­ple­tou a 23 de Ju­lho de 2016 oi­to anos em pri­são pre­ven­ti­va. O cri­me? Ter o “no­me su­jo”. Vá­ri­os agentes do Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal (SIC) co­bri­ram Jo­sé Lou­rei­ro Pa­drão “Ze­ca” com um co­ber­tor, e tor­tu­ra­ram-no com um pé-de-cabra e um mar­te­lo. Ze­ca so­freu três frac­tu­ras no crâ­nio, e mor­reu du­ran­te o es­pan­ca­men­to, a 31 de Agos­to de 2016. Aqui te­mos dois exem­plos, en­tre mui­tos, de atroz po­pu­lis­mo na jus­ti­ça, is­to é, de prá­ti­cas ile­gais e bru­tais em que o exer­cí­cio da jus­ti­ça, de acor­do com as nor­mas do Di­rei­to, é subs­ti­tuí­do por uma “lei” do fa­ro­es­te apli­ca­da pe­las for­ças po­li­ci­ais e pe­lo sis­te­ma ju­di­ci­al, que as­sim mos­tram à po­pu­la­ção a sua efi­ci­ên­cia. Se­rá que é con­tra es­tas prá­ti­cas que se in­sur­gem Sin­di­ka Do­ko­lo, Da­vid Men­des e mui­tos ou­tros que ago­ra fa­lam em po­pu­lis­mo ju­di­ci­al? Não, aqui­lo a que eles se re­fe­rem é às de­ten­ções de Zenú, Je­an-clau­de Bas­tos de Mo­rais e Au­gus­to To­más. Con­tu­do, a de­ten­ção des­tas dis­tin­tas per­so­na­li­da­des ale­ga­da­men­te ví­ti­mas da tal jus­ti­ça po­pu­lis­ta obe­de­ceu, do pon­to de vis­ta dos for­ma­lis­mos, aos pro­ce­di­men­tos pre­vis­tos na lei das me­di­das cau­te­la­res. Ne­nhum de­les foi pre­so fo­ra de pra­zo ou tor­tu­ra­do. Foi-lhes apli­ca­da a lei, ape­nas. A pro­ba­bi­li­da­de da prá­ti­ca de cri­mes é su­fi­ci­en­te­men­te gra­vo­sa, por tu­do aqui­lo que tem si­do tor­na­do pú­bli­co, pa­ra que lhes se­ja apli­ca­da a me­di­da de pri­são pre­ven­ti­va nes­ta fa­se do pro­ces­so. E a ver­da­de é que to­dos têm ao seu la­do os me­lho­res ad­vo­ga­dos de An­go­la pa­ra os de­fen­de­rem, bem co­mo a pos­si­bi­li­da­de de re­cor­re­rem aos tri­bu­nais, que pe­ran­te o in­ten­so es­cru­tí­nio pú­bli­co a que ago­ra es­tão su­jei­tos te­rão de de­ci­dir de for­ma ra­ci­o­nal e pon­de­ra­da. Ne­nhum des­tes três de­ti­dos fi­ca­rá em pri­são pre­ven­ti­va pa­ra além do pra­zo pre­vis­to na lei, nem se pre­vê que se­jam as­sas­si­na­dos na es­qua­dra a gol­pes de pé-de-cabra. In­jus­ta foi a su­jei­ção de Wil­li­am “Strong” à pri­são pre­ven­ti­va fo­ra de pra­zo. In­jus­tas e ina­cei­tá­veis fo­ram a tor­tu­ra e a mor­te de “Ze­ca”. Não é in­jus­to co­lo­car em pri­são pre­ven­ti­va in­di­ví­du­os sus­pei­tos de te­rem des­vi­a­do bi­liões do erá­rio pú­bli­co, com con­sequên­ci­as fu­nes­tas pa­ra a eco­no­mia e so­ci­e­da­de. Ob­vi­a­men­te que a pri­são pre­ven­ti­va é pe­no­sa. Mui­tos ino­cen­tes são pre­sos pre­ven­ti­va­men­te. Pes­so­al­men­te, pre­fe­ri­ria que não exis­tis­se pri­são pre­ven­ti­va. No en­tan­to, ela exis­te e es­tá na lei. To­dos os di­as a pri­são pre­ven­ti­va é apli­ca­da a ci­da­dãos co­muns, por ve­zes por rou­ba­rem ba­ta­tas pa­ra co­mer. En­tão, se a pri­são pre­ven­ti­va é apli­ca­da di­a­ri­a­men­te aos ci­da­dãos co­muns, por­que não há-de ser aos mais im­por­tan­tes e co­nhe­ci­dos? Não exis­te ra­zão al­gu­ma pa­ra se su­jei­ta­rem uns e não ou­tros a es­ta me­di­da ju­di­ci­al. O que es­tá em cur­so não é ne­nhum po­pu­lis­mo ju­di­ci­al, mas sim uma mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma ju­di­ci­al. Há uma ten­ta­ti­va – ve­re- mos se re­sul­ta – de tor­nar a jus­ti­ça an­go­la­na apli­cá­vel a to­dos, sem ex­cep­ção, sem imu­ni­da­des, va­li­dan­do o ve­lho mo­te que se apren­de nas fa­cul­da­des de Di­rei­to: “A jus­ti­ça é igual pa­ra to­dos.” É ape­nas is­so que qu­e­re­mos: uma jus­ti­ça que tra­te de igual mo­do ri­cos e po­bres, po­lí­ti­cos e ven­de­do­res de fru­ta. Ob­vi­a­men­te que to­das as mudanças de pa­ra­dig­ma sur­pre­en­dem, cus­tam a ser im­ple­men­ta­das. Mas es­ta mu­dan­ça é ine­vi­tá­vel em An­go­la, e há que dei­xar as ins­ti­tui­ções fun­ci­o­na­rem aci­ma dos ho­mens. Cho­re­mos por Wil­li­am “Strong” ou por “Ze­ca”, mas não cho­re­mos por Zenú ou por Je­an-clau­de. Qu­ei­ra­mos ape­nas que as ins­ti­tui­ções apli­quem o Di­rei­to.

Fon­te: Ma­ka An­go­la

RUI VER­DE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.