TER MAR É TER ( QUA­SE) TU­DO

Folha 8 - - DESPORTO -

Omi­nis­tro dos Transportes, Ri­car­do de Abreu, dis­se no 03.10.18 em Lu­an­da que a vi­ta­li­da­de das eco­no­mi­as dos paí­ses mem­bros da Or­ga­ni­za­ção Ma­rí­ti­ma da Áfri­ca do Oes­te e do Cen­tro (OMAOC), or­ga­nis­mo do qual An­go­la é mem­bro, de­pen­de­rá em gran­de me­di­da, dos pro­jec­tos dos go­ver­nos pa­ra de­sen­vol­ver to­do o po­ten­ci­al ma­rí­ti­mo dis­po­ní­vel. Co­mo é que nin­guém ain­da ti­nha pen­sa­do nis­so? De acor­do com o mi­nis­tro, as ad­mi­nis­tra­ções ma­rí­ti­mas, qual­quer que se­ja a sua na­tu­re­za e sis­te­ma de or­ga­ni­za­ção, são o gran­de su­por­te dos go­ver­nos, em quem con­fi­am a for­mu­la­ção e apli­ca­ção das po­lí­ti­cas na­ci­o­nais das for­mas de ex­plo­ra­ção e uti­li­za­ção ra­ci­o­nal e seus re­cur­sos. É obra es­ta des­co­ber­ta, di­ze­mos nós pa­ra “não” re­pe­tir­mos a per­gun­ta an­te­ri­or. Ao dis­cur­sar na aber­tu­ra do 2° Seminário de Re­fle­xão so­bre a Au­to­no­mi­za­ção das Marinhas Mer­can­tes do es­pa­ço da OMAOC, que de­cor­re até ama­nhã, Ri­car­do de Abreu su­bli­nhou ser de ex­tre­ma im­por­tân­cia que as ad­mi­nis­tra­ções ma­rí­ti­mas pos­sam ser efi­ci­en­tes e efi­ca­zes pa­ra cum­prir as ta­re­fas que lhes são con­fi­a­das. O mi­nis­tro dis­se que An­go­la es­tá aber­ta a to­das as ac­ções des­ti­na­das a apro­xi­mar os Es­ta­dos afri­ca­nos, com vis­ta ao de­sen­vol­vi­men­to da co­o­pe­ra­ção Sul-sul, sen­do nes­te con­tex­to que é mem­bro da Co­mu­ni­da­de Eco­nó­mi­ca dos Es­ta­dos da Áfri­ca Cen­tral (CEEAC), da Co­mu­ni­da­de de De­sen­vol­vi­men­to da Áfri­ca Aus­tral (SACD) e da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal pa­ra a Paz e Se­gu­ran­ça na Re­gião dos Gran­des La­gos, que pre­si­diu de Ja­nei­ro de 2014 a Ou­tu­bro de 2017. O mi­nis­tro ex­pli­cou que, no do­mí­nio ma­rí­ti­mo, An­go­la al­ber­ga a se­de da Co­mis­são do Gol­fo da Gui­né (CGG) e con­tri­bui pa­ra os es­for­ços da sub-re­gião no com­ba­te à in­se­gu­ran­ça ma­rí­ti­ma. “Es­ta­mos en­vol­vi­dos na pros­se­cu­ção dos ob­jec­ti­vos da OMAOC, or­ga­ni­za­ção que pre­si­di­mos por mui­tos anos e ga­ran­ti­mos até ho­je a re­pre­sen­ta­ção per­ma­nen­te da ins­ti­tui­ção na or­ga­ni­za­ção Ma­rí­ti­ma In­ter­na­ci­o­nal em Lon­dres, sem men­ci­o­nar o fac­to de ser­mos, um dos mai­o­res contribuintes pa­ra o or­ça­men­to ope­ra­ci­o­nal da or- ga­ni­za­ção e que é um al­to fun­ci­o­ná­rio an­go­la­no que li­de­ra a OMAOC des­de a as­sem­bleia-ge­ral de 2011 em Kinsha­sa”, re­fe­riu. Se­gun­do o go­ver­nan­te, o Mi­nis­té­rio dos Transportes, que tem gran­des am­bi­ções pa­ra o trans­por­te ma­rí­ti­mo, en­car­re­gou o Ins­ti­tu­to Ma­rí­ti­mo e Por­tuá­rio de An­go­la (IMPA) de ela­bo­rar uma po­lí­ti­ca ori­en­ta­da pa­ra a mo­der­ni­za­ção das in­fra-es­tru­tu­ras, a co­nec­ti­vi­da­de dos por­tos com ou­tras mo­da­li­da­des de transportes pa­ra ser­vir o in­te­ri­or do país e es­ta­dos vi­zi­nhos. Ao IMPA in­cum­biu-se igual­men­te o in­cen­ti­vo ao sec­tor pri­va­do, pa­ra in­ves­tir na in­dús­tria na­val, ser­vi­ços de apoi­os náu­ti­cos e ges­tão por­tuá­ria, a pro­mo­ção de par­ce­ri­as, es­pe­ci­al­men­te com agên­ci­as e or- ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais que per­mi­tam o de­sen­vol­vi­men­to da ac­ti­vi­da­de da ma­ri­nha mer­can­te em An­go­la, de mo­do se­gu­ro e com­pe­ti­ti­vo, ali­nha­da com as me­lho­res prá­ti­cas in­ter­na­ci­o­nais. Por seu tur­no, o se­cre­tá­rio-ge­ral da OMAOC, Alain Mi­chel Lu­vam­ba­no, dis­se que ao lon­go do seminário, os de­le­ga­dos vão ana­li­sar o pro­jec­to de re­so­lu­ção so­bre a au­to­no­mi­za­ção das marinhas mar­can­tes a se­rem sub­me­ti­das pa­ra apro­va­ção dos Mi­nis­té­ri­os dos transportes na pró­xi­ma 8ª ses­são do Bu­re­au, pa­ra pos­te­ri­or adop­ção na 15ª As­sem­bleia Ge­ral a ser re­a­li­za­da em 2019 no Ga­na. Apon­tou co­mo de­sa­fi­os da or­ga­ni­za­ção, a ga­ran­tia aos in­ves­ti­do­res na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nal a apli­ca­ção de ca­pi­tais, cri­a­ção de em­pre­sas de transportes ma­rí­ti­mos e su­as ac­ti­vi­da­des co­ne­xas, as­sim co­mo a ex­plo­ra­ção dos re­cur­sos do mar. Alain Mi­chel Lu­vam­ba­no en­ten­de que a es­tes de­sa­fi­os jun­tam-se a lu­ta con­tra a pes­ca ile­gal não re­gu­la­men­ta­da e não de­cla­ra­da que em­po­bre­ce as águas e pri­va a po­pu­la­ção lo­cal de pro­teí­nas ani­mais. De acor­do com se­cre­tá­rio-ge­ral, a OMAOC en­ten­de ser ne­ces­sá­rio pre­ve­nir e lu­tar con­tra a poluição das águas ma­rí­ti­mas e a ero­são, que de­ve­rão per­mi­tir aos paí­ses apro­vei­tar a ri­que­za que o mar e os seus re­cur­sos ofe­re­cem à hu­ma­ni­da­de. An­go­la tem uma ex­ten­são ma­rí­ti­ma de 1.600 qui­ló­me­tros, po­si­ção ge­o­grá­fi­ca que per­mi­tiu ao país de­sen­vol­ver o seu po­ten­ci­al ma­rí­ti­mo, atra­vés da ex­plo­ra­ção dos re­cur­sos mi­nei­ros offsho­re, pes­ca, cons­tru­ção de por­tos ma­rí­ti­mos, bem co­mo cri­a­ção de em­pre­sas de trans­por­te ma­rí­ti­mo e de mo­vi­men­ta­ção por­tuá­ria, pa­ra trans­mi­tir o seu co­mér­cio ex­te­ri­or. O 2° Seminário de Re­fle­xão so­bre a Au­to­no­mi­za­ção das Marinhas Mer­can­tes do es­pa­ço da OMAOC tem por ob­jec­ti­vo re­flec­tir com os Es­ta­dos mem­bros da OMAOC so­bre uma no­va vi­são que tor­na­rá as ad­mi­nis­tra­ções ma­rí­ti­mas mais au­tó­no­mas, tan­to na sua or­ga­ni­za­ção es­tru­tu­ral, tan­to na mo­bi­li­za­ção de re­cur­sos pa­ra fi­nan­ci­ar os pro­jec­tos, po­lí­ti­cas ma­rí­ti­mas e ad­qui­rir os equi­pa­men­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra o cum­pri­men­to das mis­sões.

MI­NIS­TRO DOS TRANSPORTES, RI­CAR­DO DE ABREU

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.