SE­RÁ JLO CA­PAZ DE CORRIGIR O QUE ES­TÁ MAL EM CA­BIN­DA?

Folha 8 - - DESTAQUE -

OG­ru­po de Re­fle­xão da so­ci­e­da­de ci­vil de Ca­bin­da, con­ti­nu­a­do­ra da Mpa­la­ban­da – Associação Cí­vi­ca de Ca­bin­da, na fa­se tran­si­tó­ria da tra­mi­ta­ção do pro­ces­so da sua ex­tin­ção, es­cre­veu ao Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de An­go­la, João Lou­ren­ço, ex­pon­do as su­as idei­as so­bre a si­tu­a­ção po­lí­ti­ca de Ca­bin­da. “A ten­são cri­a­da em Ca­bin­da à vol­ta dos fac­tos que cul­mi­na­ram na de­ten­ção (no pas­sa­do dia 11 de Agos­to) e jul­ga­men­to dos jo­vens do de­no­mi­na­do MIC (Mo­vi­men­to In­de­pen­den­tis­ta de Ca­bin­da), dá-nos a opor­tu­ni­da­de de ma­ni­fes­tar, uma vez mais, as nos­sas pre­o­cu­pa­ções e de so­li­ci­tar que o pro­ble­ma de Ca­bin­da vol­te a in­te­grar a agen­da e as pri­o­ri­da­des do Go­ver­no”, es­cre­ve o Gru­po de Re­fle­xão na mis­si­va que a se­guir se trans­cre­ve na ín­te­gra: «O re­fe­ri­do pro­ble­ma es­te­ve, du­ran­te dé­ca­das, na agen­da do Go­ver­no da Re­pú­bli­ca (Po­pu­lar) de An­go­la, sob a de­no­mi­na­ção de «ca­so Ca­bin­da», mas es­tá ho­je en­vol­to no mais lon­go e pro­fun­do si­lên­cio, em­bo­ra con­ti­nue a ser uma ques­tão ac­tu­al e pri­o­ri­tá­ria, re­cla­man­do as aten­ções, as pre­o­cu­pa­ções e as so­lu­ções do mais al­to Ma­gis­tra­do da Na­ção An­go­la­na, até que te­nha uma so­lu­ção jus­ta, pa­cí­fi­ca e de­fi­ni­ti­va. Co­mo é fac­to no­tó­rio e ine­gá­vel, o «Me­mo­ran­do de En­ten­di­men­to pa­ra a Paz e a Re­con­ci­li­a­ção na Pro­vín­cia de Ca­bin­da», as­si­na­do na ci­da­de do Na­mi­be, a 1 de Agos­to de 2006, não deu so­lu­ção ao pro­ble­ma de Ca­bin­da. Pa­ra além de não ter lo­gra­do a acei­ta­ção da mai­o­ria do Po­vo de Ca­bin­da, foi ob­jec­to de de­nún­cia, de sus­pei­ção ou de re­ser­va da par­te da so­ci­e­da­de ci­vil de Ca­bin­da em par­ti­cu­lar e de An­go­la em ge­ral e dos par­ti­dos da opo­si­ção. E, de igual mo­do, a des­pei­to de al­gu­mas pou­cas sau­da­ções e al­guns ra­ros en­co­ra­ja­men­tos me­ra­men­te di­plo­má­ti­cos, tam­bém não ob­te­ve um cla­ro e efec­ti­vo re­co­nhe­ci­men­to da Co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal. Os jo­gos de bas­ti­do­res que con­sis­ti­ram na «sub­trac­ção» ro­cam­bo­les­ca de An­tó­nio Ben­to Bem­be da tu­te­la ju­di­ci­al das au­to­ri­da­des ho­lan­de­sas; a fal­ta de le­gi­ti­mi­da­de e de po­de­res des­te pa­ra re­pre­sen­tar o Po­vo de Ca­bin­da e agir em seu no­me, a des­pei­to de te­rem fei­to de­le o «in­ter­lo­cu­tor vá­li­do», ide­al e ex­clu­si­vo, an­si­o­sa­men­te es­pe­ra­do; a sua su­bal­ter­ni­za­ção, ins­tru­men­ta­li­za­ção e ma­ni­pu­la­ção, em fa­ce da sua ex­tre­ma vul­ne­ra­bi­li­da­de, co­mo «pró­fu­go» da jus­ti­ça ho­lan­de­sa, frus­tra- do e hu­mi­lha­do; as me­di­das to­ma­das pe­lo Go­ver­no da Re­pú­bli­ca de An­go­la pa­ra afas­tar do pro­ces­so ne­go­ci­al as or­ga­ni­za­ções po­lí­ti­co-mi­li­ta­res, as as­so­ci­a­ções e entidades ti­das co­mo in­con­ve­ni­en­tes, exi­gen­tes e não con­fiá­veis pe­la sua exi­gên­cia dum pro­ces­so aber­to e trans­pa­ren­te, as­sen­te num diá­lo­go sin­ce­ro e in­clu­si­vo, mas ro­tu­la­das de ex­tre­mis­tas e in­to­le­ran­tes, ini­mi­gos da paz e do diá­lo­go, ex­pli­cam o po­si­ci­o­na­men­to daquelas entidades pú­bli­cas ou pri­va­das, in­ter­nas ou in­ter­na­ci­o­nais. Aliás, o pró­prio Go­ver­no re­co­nhe­ceu im­pli­ci­ta­men­te o fra­cas­so do Me­mo­ran­do de En­ten­di­men­to, ao abs­ter-se de im­ple­men­tar o «es­ta­tu­to es­pe­ci­al pa­ra a pro­vín­cia de Ca­bin­da», que nun­ca te­ve nem uma de­fi­ni­ção re­al e cla­ra nem al­gum res­pal­do cons­ti­tu­ci­o­nal. Não obs­tan­te a po­lí­ti­ca de pe­que­nos avan­ços (que con­sis­tem em al­gu­mas de­cla­ra­ções tran­qui­li­za­do­ras, pro­mes­sas am­bí­guas e fa­la­ci­o­sas e re­co­nhe­ci­men­tos for­mais pos­te­ri­or­men­te es­va­zi­a­dos ou des­vir­tu­a­dos) e gran­des re­tro­ces­sos, con­tra­di­ções, rec­ti­fi­ca­ções ou re­ne­ga­ções (que se tra­du­zem no es­va­zi­a­men­to de con­cei­tos e ins­ti­tu­tos a pri­o­ri con­sen­su­ais; em ma­no­bras de di­ver­são, de di­vi­são ou de ma­ni­pu­la­ção e na im­po­si­ção de «so­lu­ções» pe­la for­ça ou pe­la ma­nha), que tem ca­rac­te­ri­za­do a con­du­ta do Go­ver­no de An­go­la na ges­tão do pro­ble­ma, é do do­mí­nio pú­bli­co que o Exe­cu­ti­vo di­ri­gi­do por Vos­sa Ex­ce­lên­cia, con­ti­nua a re­co­nhe­cer que Ca­bin­da vi­ve ain­da uma si­tu­a­ção de ins­ta­bi­li­da­de. E pro­nun­cia-se no sen­ti­do da re­gu­la­ri­za­ção des­sa si­tu­a­ção por via do diá­lo­go. O Gru­po de Re­fle­xão apoia a op­ção por uma so-

lu­ção ne­go­ci­a­da e en­co­ra­ja Vos­sa Ex­ce­lên­cia a pas­sar das me­ras pro­mes­sas pa­ra os ac­tos con­cre­tos e sig­ni­fi­ca­ti­vos. De­cla­ra tam­bém a sua dis­po­ni­bi­li­da­de de co­la­bo­rar na pre­pa­ra­ção e con­cre­ti­za­ção dum pro­ces­so ne­go­ci­al que se­ja sé­rio, aber­to, trans­pa­ren­te e par­ti­ci­pa­ti­vo. E, pa­ra evi­tar qual­quer pro­pos­ta frac­tu­ran­te que pos­sa ser ana­li­sa­da co­mo pro­vo­ca­tó­ria, ini­bi­do­ra ou de­sen­co­ra­ja­do­ra e ten­den­ci­o­sa, ins­cre­ve-a ex­clu­si­va­men­te em pres­su­pos­tos já cla­ra­men­te acei­tes pe­lo Go­ver­no da Re­pú­bli­ca de An­go­la. Os pres­su­pos­tos pa­ra uma ne­go­ci­a­ção aber­ta, franca, in­clu­si­va, cre­dí­vel e con­sen­su­al (pa­ra to­dos os Ca­bin­das ver­da­dei­ra­men­te in­te­res­sa­dos nu­ma so­lu­ção jus­ta e de­fi­ni­ti­va), e já acei­tes pe­lo Go­ver­no da Re­pú­bli­ca de An­go­la, são os se­guin­tes: a)- O re­co­nhe­ci­men­to da es­pe­ci­fi­ci­da­de histórica, ge­o­grá­fi­ca e cul­tu­ral de Ca­bin­da, tal co­mo de­cor­re do De­cre­to-lei Nº 1/07, de 02 de Ja­nei­ro, so­bre o es­ta­tu­to es­pe­ci­al pa­ra a pro­vín­cia de Ca­bin­da (em es­pe­ci­al o ar­ti­go 3º). Tal re­co­nhe­ci­men­to é acei­te inequí­vo­ca e una­ni­me­men­te pe­los Ca­bin­das, sen­do por es­tes ana­li­sa­do e in­ter­pre­ta­do à luz da Re­so­lu­ção 1541(XV), apro­va­da a 15 de De­zem­bro de 1960, pe­la As­sem­bleia Ge­ral das Na­ções Uni­das. b) –A acei­ta­ção de uma so­lu­ção con­sen­su­al e evo­lu­ti­va, ne­go­ci­a­da e pro­cla­ma­da pe­lo Go­ver­no da Re­pú­bli­ca Po­pu­lar de An­go­la e pe­la FLEC (di­ta ori­gi­nal) e a UNLC (União Na­ci­o­nal de Li­ber­ta­ção de Ca­bin­da), cons­tan­te da ac­ta as­si­na­da em Lu­an­da, aos 29 de Ju­nho de 1992, por Su­as Ex­ce­lên­ci­as Fer­nan­do da Pi­e­da­de Di­as dos San­tos (Nan­dó), em re­pre­sen­ta­ção do Go­ver­no An­go­la­no, e Luís de Gon­za­ga Ran­que Fran­que, Edu­ar­do An­tó­nio Zau (Sò­zi­nho) e Carneiro Gimby, por con­ta do Po­vo de Ca­bin­da. Não obs­tan­te, a so­lu­ção plas­ma­da na re­fe­ri­da ac­ta de­ve­rá ser adap­ta­da às cir­cuns­tân­ci­as ac­tu­ais, so­bre­tu­do em ma­té­ria de pra­zos e do seu ca­rác­ter evo­lu­ti­vo, da­do o lon­go tem­po trans­cor­ri­do, a an­si­e­da­de que agi­ta o es­pí­ri­to das pes­so­as e a ur­gên­cia de se che­gar à eta­pa der­ra­dei­ra e fi­nal. A so­lu­ção do pro­ble­ma de Ca­bin­da não po­de ser per­ma­nen­te e sis­te­ma­ti­ca­men­te adi­a­da, pois que as pos­ter­ga­ções acen­tu­am a cons­ci­ên­cia das in­jus­ti­ças e au­men­tam as frus­tra­ções e a im­pa­ci­ên­cia das ví­ti­mas des­sas in­jus­ti­ças que, ele­van­do ca­da vez mais al­to o cla­mor das su­as rei­vin­di­ca­ções, con­du­zem ine­xo­ra­vel­men­te à ra­di­ca- li­za­ção das su­as po­si­ções, à vi­o­lên­cia e ao con­fron­to, ao exi­gi­rem so­lu­ções ime­di­a­tas e in­con­di­ci­o­nais por meio de rei­vin­di­ca­ções, ma­ni­fes­ta­ções e re­vol­tas de con­sequên­ci­as im­pre­vi­sí­veis, mas ten­den­ci­al­men­te dra­má­ti­cas, se não mes­mo trá­gi­cas. O tem­po, em vez de es­ba­ter as di­fe­ren­ças e ate­nu­ar ou er­ra­di­car o pro­ble­ma, tem-no tor­na­do mais den­so e mais com­ple­xo, ao mes­mo tem­po que tem trans­for­ma­do as pes­so­as, fa­zen­do-as mais cons­ci­en­tes, mais es­cla­re­ci­das e mais exi­gen­tes, e as re­cla­ma­ções mais aber­tas e pú­bli­cas, mais di­rec­tas e mais pre­men­tes. O sen­ti­men­to de in­jus­ti­ça é ho­je tão ra­di­ca­li­za­do na al­ma do Po­vo, so­bre­tu­do nas ca­ma­das mais jo­vens, que es­tas es­tão ca­da vez me­nos dis­pos­tas a fa­zer con­ces­sões ou a to­le­rar so­lu­ções am­bí­guas, tran­si­tó­ri­as ou len­tas. O pro­ble­ma de Ca­bin­da não é apa­ná­gio de uma ge­ra­ção: é trans­ver­sal e in­trín­se­co a to­do o seu Po­vo e, em vez de en­fra­que­cer com o tem­po, vai ga­nhan­do mais for­ça e mai­or pu­jan­ça, con­quis­tan­do e se­du­zin­do ain­da mais as jo­vens ge­ra­ções, apai­xo­nan­do mes­mo e tor­nan­do an­ti­gos mi­li­tan­tes da OPA e da JMPLA em ac­ti­vis­tas da­qui­lo a que se cha­ma (por eu­fe­mis­mo) de «se­pa­ra­tis­mo», e fa­zen­do de­le uma cau­sa ca­da vez mais no­bre, mais sa­gra­da e mais ir­re­nun­ciá­vel. Ora, qu­an­to mais for­tes são as con­vic­ções, mai­o­res são os sa­cri­fí­ci­os que as pes­so­as es­tão dis­pos­tas a con­sen­tir ou a su­por­tar, e mais ele­va­do é o pre­ço que acei­tam pa­gar. Nes­te sen­ti­do, em­bo­ra não te­nha acon­te­ci­do na­da de es­pe­ci­al ou de par­ti­cu­lar­men­te gra­ve no dia 11 de Agos­to, o fac­to pre­o­cu­pou as au­to­ri­da­des, ins­pi­rou ou de­sen­ca­de­ou me­di­das re­pres­si­vas e des­pro­por­ci­o­na­das: ra­zão pe­la qual de­ve ser to­ma­do co­mo um avi­so pre­mo­ni­tó­rio e jus­ti­fi­car a to­ma­da de me­di­das con­du­cen­tes a uma so­lu­ção a cur­to pra­zo. Con­ta­mos com a be­ne­vo­lên­cia de Vos­sa Ex­ce­lên­cia, com a Sua ge­ne­ro­si­da­de, em­pe­nho e per­se­ve­ran­ça em ser­vir o País e a Sua fir­me e cons­tan­te von­ta­de de fa­zer mais e me­lhor, en­vi­dan­do os mai­o­res e mais in­gen­tes es­for­ços pa­ra «corrigir o que es­tá mal». E a som­bria e gra­ve in­jus­ti­ça que se tem vi­vi­do em Ca­bin­da, a pos­tu­ra de per­ma­nen­te re­pres­são e gra­tui­ta vi­o­lên­cia que pre­do­mi­na na abor­da­gem das ques­tões que se co­lo­cam ou que sur­gem; as ha­bi­tu­ais e pa­ter­na­lis­tas ma­no­bras de ma­ni­pu­la­ção e di­vi­são a que as au­to­ri­da­des re­cor­rem amiú­de, fa­zem com que a si­tu­a­ção pre­va­le­cen­te nes­te pe­que­no ter­ri­tó­rio se­ja má, mui­to má, e com a pe­ri­go­sa ten­dên­cia de ir sem­pre de mal a pi­or. Agra­de­cen­do des­de já a aten­ção, os es­for­ços e os re­cur­sos que Vos­sa Ex­ce­lên­cia se dig­nar dis­pen­sar a es­te pro­ble­ma e o em­pe­nho que co­lo­car na sua so­lu­ção jus­ta e de­fi­ni­ti­va, o Gru­po de Re­fle­xão apro­vei­ta a opor­tu­ni­da­de pa­ra re­no­var a Vos­sa Ex­ce­lên­cia os pro­tes­tos da mais ele­va­da con­si­de­ra­ção, au­gu­ran­do-lhe um man­da­to ple­no, po­si­ti­vo e pro­fí­cuo à fren­te dos des­ti­nos da Re­pú­bli­ca de An­go­la.»

PRE­SI­DEN­TE DA RE­PÚ­BLI­CA E DO MPLA, JOÃO LOU­REN­ÇO

MANIFESTAÇÃO EM CA­BIN­DA

MANIFESTAÇÃO EM CA­BIN­DA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.