A “CONS­PI­RA­ÇÃO DOS JUÍZES”: É UR­GEN­TE CRI­AR UMA CO­MIS­SÃO PRE­SI­DEN­CI­AL ANTICORRUPÇÃO

Folha 8 - - DESPORTO - TEX­TO DE RUI VER­DE/MAKA AN­GO­LA

Es­ta­va tu­do pre­pa­ra­do. Rui Fer­rei­ra, pre­si­den­te do Tri­bu­nal Su­pre­mo, e Jo­el Le­o­nar­do, juiz-pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos Cri­mes Co­muns do mes­mo Tri­bu­nal, já ti­nham as jus­ti­fi­ca­ções ju­rí­di­cas e o man­da­do de sol­tu­ra pre­pa­ra­do: Ze­nú ia ser libertado na pas­sa­da quin­ta-fei­ra, dia 4 de Ou­tu­bro. Foi por um triz que a li­ber­ta­ção do fi­lho do an­ti­go pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca não ocor­reu. Nes­ta ten­ta­ti­va de ter­mi­nar com a pri­são pre­ven­ti­va de Jo­sé Fi­lo­me­no dos San­tos, não hou­ve qual­quer de­ci­são ju­di­ci­al que sus­ten­tas­se a li­ber­ta­ção, tra­tou-se de uma pu­ra cons­pi­ra­ção po­lí­ti­ca dos juízes, de­bai­xo das su­as ves­tes ta­la­res. Não ad­mi­ra que ha­ja juízes en­vol­vi­dos em resquí­ci­os e ten­ta­ti­vas de sal­va­ção do An­ti­go Re­gi­me. O mes­mo acon­te­ceu de­pois da Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa de 1789. Tão con­tra-re­vo­lu­ci­o­ná­ria era a pos­tu­ra dos juízes fa­ce aos de­se­jos de li­ber­da­de, igual­da­de e fra­ter­ni­da­de, que os no­vos po­de­res ti­ve­rem de proi­bir, sob pe­na de pri­são, os juízes de in­ter­fe­ri­rem com as no­vas leis e as pró­pri­as ac­ti­vi­da­des da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca. Tam­bém, em tem­pos um pou­co mais re­cen­tes, de­pois da Pri­mei­ra Guer­ra Mun­di­al (1914-1918), uma das ra­zões que le­va­ram o fa­mo­so ju­ris­con­sul­to Hans Kel­sen a de­fen­der a ins­tau­ra­ção de um Tri­bu­nal Cons­ti­tu­cio- nal di­fe­ren­te dos tri­bu­nais co­muns na no­va Re­pú­bli­ca Aus­tría­ca, que su­ce­dia ao Im­pé­rio Aus­tro-hún­ga­ro, foi a re­ac­ção an­ti-re­pu­bli­ca­na por par­te dos juízes or­di­ná­ri­os. Em An­go­la, on­de ain­da não fo­ram cri­a­das ins­ti­tui­ções com pe­re­ni­da­de e va­lo­res co­muns, mas ape­nas tei­as de in­te­res­ses e cli­en­te­lis­mo, fa­cil­men­te se per­ce­be que em par­te do po­der ju­di­ci­al – no­me­a­do e ali­men­ta­do nos tem­pos de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos – ha­ve­rá uma pro­pen­são pa­ra re­sis­tir a qual­quer re­for­ma efec­ti­va da so­ci­e­da­de. Mui­tos juízes são os pri­mei­ros a não cum­pri­rem a lei, ao te­rem ne­gó­ci­os e in­te­res­ses co­mer­ci­ais es­pa­lha­dos pe­lo país fo­ra. Ou­tros te­rão dívidas de le­al­da­de pa­ra com Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos ou os seus as­so­ci­a­dos. Por­tan­to, não ad­mi­ra que as ini­ci­a­ti­vas anticorrupção aca­bem por se es­bo­ro­ar pau­la­ti­na­men­te atra­vés da ac­ção de um po­der ju­di­ci­al cri­a­do e pro­mo­vi­do por Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. Na ver­da­de, em An­go­la, mais ain­da do que na Áfri­ca do Sul – on­de o con­cei­to foi de­sen­vol­vi­do –, exis­tiu uma com­ple­ta “cap­tu­ra do Es­ta­do” (Sta­te cap­tu­re) por par­te de in­te­res­ses cor­rup­tos. Pa­ra des­man­char es­sa cap­tu­ra, se­rá ne­ces­sá­rio uti­li­zar ins­tru­men­tos ino­va­do­res. En­qua­dra­dos na Cons­ti­tui­ção e no Es­ta­do de Di­rei­to, mas ino­va­do­res e con­vin­cen­tes. A cri­a­ção da Co­mis­são Pre­si­den­ci­al Anticorrupção Um pri­mei­ro as­pec­to a con­si­de­rar é a cen­tra­li­za­ção e ope­ra­ci­o­na­li­za­ção do com­ba­te à cor­rup­ção atra­vés de um or­ga­nis­mo pa­ra-ju­di­ci­al fo­ca­do no te­ma. Es­se or­ga­nis­mo de­ve­ria ser uma Co­mis­são Pre­si­den­ci­al Anticorrupção cons­ti­tuí­da por pes­so­as não com­pro­me­ti­das com o pas­sa­do. Ou se­ja, sem que se re­ci­clas­sem in­di­ví­du­os com­pro­me­ti­dos com prá­ti­cas cor­rup­tas, co­mo tem acon­te­ci­do em di­ver­sas si­tu­a­ções. Tam­bém se­ria aban­do­na­da a pers­pec­ti­va frag­men­ta­da dos pro­ces­sos, em que se sal­ta de um pa­ra o ou­tro sem abar­car a re­a­li­da­de sub­ja­cen­te. Por is­so, os ter­mos de re­fe­rên­cia da Co­mis­são con­sis­ti­ri­am no le­van­ta­men­to das si­tu­a­ções em que ti­ves­se exis­ti­do a cap­tu­ra do Es­ta­do por in­te­res­ses cor­rup­tos de gran­de por­te, de­ter­mi­nan­do qu­em, on­de e co­mo se re­a­li­zou es­sa cap­tu­ra. Pa­ra fa­zer es­se le­van­ta­men­to, a Co­mis­são te­ria po­de­res atri­buí­dos de acor­do com o Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal e a Lei das Me­di­das Cau­te­la­res. Es­ses po­de­res se­ri­am de in­ves­ti­ga­ção, apli­ca­ção de me­di­das de co­ac­ção e de re­cu­pe­ra­ção de pa­tri­mó­nio, bem co­mo a pro­du­ção de acu­sa­ções cri­mi­nais fi­nais, que com­pe­ti­ria aos tri­bu­nais jul­gar. Por con­sequên­cia, a lu­ta con­tra a cor­rup­ção se­ria uni­fi­ca­da nu­ma es­tru­tu­ra vo­ca­ci­o­na­da pa­ra o efei­to, com or­ça­men­to, pe­ri­tos e téc­ni­cos ade­qua­dos. Es­ta es­tru­tu­ra te­ria co­mo ob­jec­ti­vo abar­car o fe­nó­me­no da cor­rup­ção en­quan­to ma­té­ria que le­vou à dis­so­lu­ção do Es­ta­do, en­con­trar cul­pa­dos, le­vá-los a jul­ga­men­to e re­cu­pe­rar os bens. A re­for­ma do po­der ju­di­ci­al Ao mes­mo tem­po, en­ce­tar-se-ia uma pro­fun­da re­for­ma do po­der ju­di­ci­al, que co­me­ça­ria pe­lo re­for­ço da im­par­ci­a­li­da­de e in­de­pen­dên­cia dos juízes. To­dos aque­les que ti­ves­sem ne­gó­ci­os e in­te­res­ses co­mer- ci­ais, di­rec­tos ou in­di­rec­tos, se­ri­am afas­ta­dos. Uma no­va ge­ra­ção de juízes não com­pro­me­ti­dos com as prá­ti­cas do An­ti­go Re­gi­me se­ria pro­mo­vi­da. O fun­ci­o­na­men­to dos tri­bu­nais se­ria sim­pli­fi­ca­do e tor­na­do mais trans­pa­ren­te. Con­clu­sões A cri­a­ção de uma Co­mis­são Pre­si­den­ci­al Anticorrupção e a re­for­ma do po­der ju­di­ci­al são me­di­das es­tru­tu­ran­tes que per­mi­ti­rão pros­se­guir efi­caz­men­te o com­ba­te à cor­rup­ção e a mu­dan­ça do pa­ra­dig­ma le­gal de im­pu­ni­da­de e fi­de­li­da­de po­lí­ti­ca. Re­cen­te­men­te, o an­ti­go mi­nis­tro das Finanças da Áfri­ca do Sul, ac­tu­al mi­nis­tro das Em­pre­sas Pú­bli­cas, Pra­vin Gordhan, re­fe­riu nu­ma conferência na Uni­ver­si­da­de de Ox­ford, a pro­pó­si­to da “Cap­tu­ra do Es­ta­do” por cor­rup­tos ocor­ri­da nes­se país, que eram ne­ces­sá­ri­os dez anos pa­ra cons­truir ins­ti­tui­ções só­li­das, mas bas­ta­va um ano pa­ra as des­truir. O pro­ble­ma de An­go­la é mais gra­ve. Nes­tes úl­ti­mos 38 anos, não fo­ram cons­truí­das ins­ti­tui­ções só­li­das. Só ago­ra se po­de­rá co­me­çar a pen­sar em fa­zê-lo. Pa­ra is­so, é pre­ci­so co­me­çar um lon­go ca­mi­nho com de­ter­mi­na­ção e en­fo­que no es­sen­ci­al, ca­so con­trá­rio fi­car-se-á ato­la­do nas la­mas do pas­sa­do e tu­do não te­rá pas­sa­do de um bre­ve so­nho de uma noi­te de Ve­rão.

PRE­SI­DEN­TE DO TRI­BU­NAL SU­PRE­MO, RUI FER­REI­RA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.