Te­nho­al­ma de kim­bun­du

MI­TO GAS­PAR

Jornal Cultura - - Pri­mei­ra Pá­gi­na - Ma­ta­di Ma­ko­la

O sa­xo­fo­nis­ta Hug Ma­se­ke­le com o seu trom­pe­te es­ta­be­le­ceu um diá­lo­go me­ló­di­co com o kim­bun­du do ar­tis­ta an­go­la­no

Um mi­to con­tes­tá­vel que a ge­ra­ção do ago­ra e a má­qui­na edi­to­ri­al do mer­ca­do mu­si­cal não tor­na­ram ren­tá­vel, ao con­trá­rio das im­pro­vi­sa­das, va­zi­as e re­pe­ti­ti­vas com­po­si­ções em por­tu­guês e in­glês que têm in la­ma­do o mer­ca­do mu­si­cal e im­pon­do es­ta pa­ra­do­xal dou­tri­na de gos­to que o si­lên­cio da mai­o­ria nos faz par­tí­ci­pes.

Di­an­te des­ta re­a­li­da­de, na sen­sí­vel li­nha da união en­tre o ho­mem e o ar­tis­ta, Mi­to Gas­par to­mou po­si­ções em de­fe­sa de am­bos, sen­do o seu afas­ta­men­to dos pal­cos a mais con­tes­ta­da por pes­so­as e vi­si­o­ná­ri­os que re­gis­tam no seu can­to um le­ga­do po­de­ro­so do sau­do­so pe­río­do áu­reo da Mú­si­ca Po­pu­lar An­go­la­na e uma das pro­pos­tas mais bem con­se­gui­das a apre­sen­tar à no­vís­si­ma ge­ra­ção mu­si­cal, es­ta que to­mou a mí­dia, as edi­to­ras e não fez es­for­ços em des­trin­çar a pro­cu­ra da au­ra ar­tís­ti­ca da ex­ter­na ne­ces­si­da­de mer­can­til.

No Jan­go da U.E.A, a mu­si­ca­li­da­de de Mi­to Gas­par em Ma­ka à Qu­ar­ta-fei­ra, re­a­li­za­da no pas­sa­do dia 29 de Ja­nei­ro, pre­en­cheu mais uma da­que­las noi­tes em que per­ce­be­mos que es­ta­mos a dis­cu­tir a pro­cu­ra da no­va es­té­ti­ca mu­si­cal por en­con­trar en­tre a no­vi­da­de frag­men­ta­da mas po­de­ro­sa­men­te vi­sí­vel e co­mer­ci­al e o pri­mor mu­si­cal que a ge­ra­ção an­te­ri­or im­pri­miu e que ho­je – por pu­ra op­ção mer­can­til – a mí­dia ig­no­ra e si­len­cia, ican­do o re­gis­to des­tas me­mó­ri­as ori­en­ta­das e tra­zi­das por um nú­me­ro re­du­zi­do de can­to­res e de­fen­so­res de mú­si­ca e de an­go­la­ni­da­de na mú­si­ca (ar­te que re lic­ta o es­pa­ço so­ci­o­ló­gi­co do ar­tis­ta).

A voz da cri­a­ção

Foi nes­ta or­dem de idei­as que, em res­pos­ta à crí­ti­ca fei­ta por um dos pre­sen­tes, Mi­to Gas­par nos re­la­tou que uma vez, du­ran­te um es­pe­tá­cu­lo na Áfri­ca do Sul, ti­nha o Má­rio Gar­na­cho nos te­cla­dos, um bai­xis­ta e a per­cus­são do ki­lan­du­ki­lo, quan­do, to­ca­do pe­la mú­si­ca, en­trou o exi­gen­te e sin­gu­lar sa­xo­fo­nis­ta Hugh Ma­se­ke­le com o seu trom­pe­te e es­ta­be­le­ceu um diá­lo­go me­ló­di­co com o kim­bun­du do ar­tis­ta an­go­la­no nas­ci­do em Ma­lan­ge.

Pa­ra Mi­to, foi um exer­cí­cio que veio pro­var que es­ta con­vi­vên­cia (tra­di­ção e mo­der­ni­da­de) é pos­sí­vel, pas­san­do en­tão a de­fen­der que a “ori­gi­na­li­da­de” não pre­ci­sa ser to­ca­da ne­ces­sa­ri­a­men­te com ba­tu­ques de pe­le de leão, re­co-re­co de bor­dão ou de bam­bú, com os cho­ca­lhos e mais na­da.

O de­ba­te se es­ten­deu a vá­ri­as vo­zes que guar­dam opi­niões so­bre o es­ta­do da mú­si­ca an­go­la­na. Pre­o­cu­pa­do, Jo­mo For­tu­na­to ques­ti­o­nou por­que não ter­mos um An­sel­mo Ralph a can­tar as mú­si­cas dum can­tor do ca­li­bre de Mi­to Gas­par, Car­los Gon­çal­ves le­van­tou a ques­tão da fal­ta da apli­ca­ção mer­can­til da mú­si­ca dos ko­tas que ize­ram su­ces­so no an­ti­ga­men­te. Ou­tro pre­sen­te a ir­mou que o re­co­lher de Mi­to era uma in­di­ca­ção do gran­de es­pí­ri­to da mú­si­ca que vi­ve em Mi­to Gas­par, le­van­to as­sim a ma­ka do ar­tis­ta de­pen­der de um es­pí­ri­to su­pe­ri­or a ele e mui­tas ve­zes iden­ti ica­do co­mo “ins­pi­ra­ção”; e um po­e­ta ali pre­sen­te cha­mou a aten­ção pa­ra o apa­gão me­diá­ti­co que can­to­res do ca­li­bre de Mi­to Gas­par so­frem ao se “re­fu­gi­a­rem” no in­te­ri­or.

A ilu­são

Ou­tra in­ter­ro­ga­ção sur­giu em re­la­ção a es­ta “imi­ta­ção” e “ba­ru­lho” que vai­do­sa­men­te tra­ta­mos por mú­si­ca, se con­vin­cen­te­men­te con­se­gui­mos nos a ir­mar lá fo­ra co­mo pro­du­to au­tên­ti­co. A per­ti­nên­cia da opi­nião de Mi­to quan­to a es­ta ques­tão é es­cru­pu­lo­sa­men­te sin­ce­ra, e cri­ti­ca: “Lá on­de exis­te a diás­po­ra an­go­la­na é cer­to que sim, po­de ha­ver gen­te que oi­ça. Mas a ir­mar­mos que a nos­sa mú­si­ca lá fo­ra tem gran­de acei­ta­ção é uma gran­de ilu­são. Por­que “lá fo­ra” não é só na Eu­ro­pa, te­mos que fa­zer pri­mei­ro o tra­ba­lho de ca­sa e nos con­tex­tu­a­li­zar­mos em Áfri­ca. Co­mo é que es­ta­mos aqui com os nos­sos vi­zi­nhos do Con­go, Mo­çam­bi­que, Ca­bo Ver­de, Áfri­ca do Sul e Botswa­na? Co­mo é que es­ta­mos em Áfri­ca? En­tão pa­ra que so­nhar­mos ilu­so­ri­a­men­te em que­rer al­me­jar o mun­do? Pa­ra mim, is­to não é um so­nho: é um pe­sa­de­lo. En­quan­to tu­do se cir­cuns­cre­ver à ca­pi­tal, não te­mos co­mo. A gran­de ver­da­de é que te­mos de fac­to uma cul­tu­ra mui­to ri­ca, e is­so nos faz um país úni­co. Mas é pre­ci­so re­gis­tar os ilhos (gé­ne­ros mu­si­cais) da ca­sa”.

Al­ma de kim­bun­du

“Não sei can­tar em por­tu­guês e não ar­ris­ca­ria. Por­tu­guês é só mes­mo pa­ra fa­lar. Te­nho al­ma de kim­bun­du. Co­nhe­cer o por­tu­guês só me aju­dou a en­ten­der co­mo de fac­to só em kim­bun­du atin­jo a mi­nha gran­de ele­va­ção e con­se­quen­te sa­tis­fa­ção mu­si­cal”, jus­ti ica o com­po­si­tor.

Co­mo mui­tos, te­ve os seus can­to­res que se­guiu e que ize­ram par­te da sua edu­ca­ção

es­té­ti­ca. Quan­do ini­ci­ou, era imi­ta­dor de Da­vid Zé, “pe­la for­ma co­mo com­põe e pe­lo cui­da­do e ri­go­ro­si­da­de es­té­ti­ca da lín­gua kim­bun­du”, e So ia Ro­sa.

A tra­di­ção é es­co­lha que to­ma co­mo for­ma mais au­tên­ti­ca de se ex­pres­sar. E tam­bém lhe des­per­tou a ne­ces­si­da­de das lín­guas ma­ter­nas, de­sa­fi­an­do-o a fa­zer gran­des te­má­ti­cas em kim­bun­du: “ti­nha o do­mí­nio e o ima­gi­ná­rio de pro­vér­bi­os do kim­bun­du.

Não se tra­ta de ca­su­a­li­da­de ou me­ra re­tó­ri­ca te­má­ti­ca”, re­for­ça.

Em 1981, com o trio Hen­da ven­ce o pri­mei­ro Fes­ti­val Ju­ve­nil da Can­ção, aque­le que foi o pri­mei­ro con­cur­so pó­sin­de­pen­dên­cia, com o po­e­ma “Ha­ve­mos

de vol­tar”, de Agos­ti­nho Ne­to, can­ta­do em kim­bun­du; e em 1983 ga­nha, com o mes­mo trio, a pri­mei­ra edi­ção do Va­ri­an­te. An­dou por Cu­ba, Mé­xi­co, São To­mé e Prín­ci­pe em re­pre­sen­ta­ção da mú­si­ca an­go­la­na e lem­bra que sem­pre te­ve boa crí­ti­ca nos lu­ga­res por on­de pas­sou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.