Ci­da­de de Lu­an­da ce­le­bra 438 anos

Jornal Cultura - - Primeira Página - Ema­nu­el Ca­bo­co

Lu­an­da é das mais an­ti­gas ci­da­des do nosso país, já foi no pas­sa­do, ava­li­a­da co­mo uma das mais be­las ur­ba­ni­za­ções do nosso con­ti­nen­te e, não é por aca­so que ela foi elei­ta, ain­da no con­tex­to da co­lo­ni­za­ção por­tu­gue­sa, pa­ra ca­pi­tal, ou se­ja, o cen­tro po­lí­ti­co, ad­mi­nis­tra­ti­vo, eco­nó­mi­co e re­li­gi­o­so da en­tão co­ló­nia de An­go­la,

Se­gun­do a tra­di­ção his­to­ri­o­grá ica, se­rá à som­bra da For­ta­le­za de São Mi­guel que se er­gue­ram as pri­mei­ras cons­tru­ções. Com o tem­po, o pe­rí­me­tro ur­ba­no veio a ex­pan­dir-se em tor­no de uma fai­xa es­trei­ta do pla­nal­to até à área do ac­tu­al Hos­pi­tal Josina Ma­chel (lo­cal do an­ti­go Con­ven­to de São Jo­sé), pas­san­do a de­no­mi­nar-se “Ci­da­de Al­ta”, en­quan­to, na par­te bai­xa, veio a de­sen­vol­ver-se a “Ci­da­de Bai­xa” com in­cre­men­to des­de o so­pé do mor­ro da­que­la for­ta­le­za até à Er­mi­da da Na­za­ré. Pos­te­ri­or­men­te, e no seu in­te­ri­or, es­ta área foi se es­ten­den­do até ao Con­ven­to dos Carmelitas, de que res­ta a Igre­ja do Car­mo.

Na “Ci­da­de Al­ta” e na “Ci­da­de Bai­xa”, fo­ram com efei­to, cons­truí­das as mais an­ti­gas edi­fi­ca­ções, os mais no­tá­veis pa­lá­ci­os e os so­bra­dos que se tor­na­ram nos íco­nes prin­ci­pais da ar­qui­tec­tu­ra his­tó­ri­ca da ci­da­de.

Lu­an­da foi ele­va­da à ca­te­go­ria de ci­da­de em 1605. O de­sen­vol­vi­men­to do co­mér­cio de ex­por­ta­ção, prin­ci­pal­men­te de es­cra­vos (do sé­cu­lo XVI até ao XIX), em­bo­ra tam­bém de mar im, ce­ra, ur­ze­la, ca­fé e de­pois o pe­tró­leo a par­tir dos anos 60 do sé­cu­lo pas­sa­do, fo­ram fac­to­res de­ter­mi­nan­tes pa­ra o cres­ci­men­to da po­pu­la­ção e da ci­da­de.

As cons­tru­ções mais no­tá­veis des­ses tem­pos aca­ba­ram por desaparecer, uns de­vi­do à ac­ção do tem­po e ou­tros em vir­tu­de dos vá­ri­os aten­ta­dos, que vão des­de a sua des­trui­ção pu­ra e sim­ples, até a in­cor­po­ra­ção de ma­te­ri­ais ina­de­qua­dos ou ma­qui­lha­gens des­ne­ces­sá­ri­as que pro­vo­ca­ram pro­fun­das trans­for­ma­ções na pai­sa­gem bá­si­ca da ci­da­de.

A cons­tru­ção de no­vas edi ica­ções, so­bre­tu­do, à char­nei­ra dos anos 50 acon­te­cia pa­ra­le­la à des­trui­ção das pri­mei­ras edi ica­ções da ci­da­de. Aca­ba­ram por desaparecer, den­tre ou­tros, a “Ca­sa dos Con­tos”, “Ca­sa dos Len­cas­tres”, “Ca­sa dos Bis­pos”, “Ca­sa do Ca­to­nho-to­nho”, as an­ti­gas igre­jas de “Santo An­tó­nio dos Ca­pu­chos”, “do Ro­sá­ri­os dos Pre­tos”, São João”, e ain­da um con­jun­to no­tá­vel de cons­tru­ções, so­bre­tu­do os so­bra­dos dos sé­cu­los XVII e XVIII que aco­lhi­am as ca­sas co­mer­ci­ais di­zi­ma­dos pa­ra pro­jec­tar o edi ício se­de do ac­tu­al Ban­co de Pou­pan­ça e Cré­di­to.

Mais re­cen­te­men­te aca­ba­ram ain­da por desaparecer vá­ri­os ou­tros con­jun­tos ar­qui­tec­tó­ni­cos de re­fe­rên­ci­as pa­ra a história e evo­lu­ção ur­ba­nas da ci­da­de. Re­fe­ri­mo- nos à Rua do Sol, Rua Ma­nu­el Au­gus­to dos Santos e ain­da o ma­jes­to­so Pa­lá­cio de Do­na Ana Jo­a­qui­na, do sé­cu­lo XVIII e a des­ca­rac­te­ri­za­ção da Rua dos Mer­ca­do­res, Lar­go do Pe­lou­ri­no, etc, etc.

A ZO­NA HIS­TÓ­RI­CA DE LU­AN­DA

A im­por­tân­cia da pre­ser­va­ção do núcleo da ci­da­de, mo­ti­vou o tom­ba­men­to de uma Zo­na His­tó­ri­ca que com­pre­en­dia não so­men­te as an­ti­gas cons­tru­ções mas tam­bém os pri­mi­ti­vos ei­xos de aces­so ao cas­co ur­ba­no.

Ela é com­pos­ta, no âm­bi­to da ar­qui­tec­tu­ra, ur­ba­nis­mo e pai­sa­gis­mo, por 123 bens tom­ba­dos co­mo Pa­tri­mó­nio His­tó­ri­co e Cul­tu­ral, den­tre os quais edi ica­ções re­li­gi­o­sas, mi­li­ta­res e ci­vis, sí­ti­os his­tó­ri­cos, zo­nas his­tó­ri­cas e con­jun­tos ur­ba­nos.

É in­te­res­san­te co­lo­car co­mo pa­rên­te­ses que, a ci­da­de de Lu­an­da, nas­ceu sob o sig­no do co­mér­cio, ten­do em con­ta a im­por­tân­cia da sua ac­ti­vi­da­de por­tuá­ria pa­ra o pro­ces­so de es­co­a­men­to dos es­cra­vos e pro­du­tos tra­zi­dos do in­te­ri­or eram daí man­da­dos pa­ra des­ti­nos vá­ri­os.

O de­sen­vol­vi­men­to da ac­ti­vi­da­de mer­can­til deu ori­gem ao es­ta­be­le­ci­men­to, na Ci­da­de Bai­xa, das gran­des ir­mas e ar­ma­zéns que ize­ram pros­pe­rar a ur­be lu­an­den­se. As pri­mei­ras cons­tru­ções com ca­rac­ter de ini­ti­vo eram mar­ca­das pe­lo cu­nho des­sa ac­ti­vi­da­de pre­do­mi­nan­te. As cons­tru­ções des­sa épo­ca his­tó­ri­ca pos­suíam, re­gra ge­ral, um rés-do-chão que era ocu­pa­do pa­ra ins co­mer­ci­ais ou o ar­ma­ze­na­men­to de pro­du­tos, um an­dar su­pe­ri­or que se des­ti­na­va à ha­bi­ta­ção dos pro­pri­e­tá­ri­os e em­pre­ga­dos e os seus quin­ta­lões que ser­vi­am pa­ra con­cen­tra­ção dos es­cra­vos.

A ci­da­de e a ac­ti­vi­da­de mer­can­til pos­suíam um sis­te­ma de­fen­si­vo cons­ti­tuí­do, por vá­ri­as for­ta­le­zas cons­truí­das em lo­cais es­tra­té­gi­cos. Des­sas res­tam ain­da ho­je três: as for­ta­le­zas de São Mi­guel, São Fran­cis­co (Pe­ne­do) e São Pedro da Bar­ra, cons­truí­das en­tres os sé­cu­los XVI e XIX.

O de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no da ci­da­de, foi tam­bém, acom­pa­nha­do da cons­tru­ção de vá­ri­os tem­plos que são re­sul­tan­tes do pro­ces­so de ma­te­ri­a­li­za­ção da ocu­pa­ção do ter­ri­tó­rio e da co­lo­ni­za­ção por­tu­gue­sa em An­go­la. As mais an­ti­gas e no­tá­veis, são so­bre­tu­do as dos sé­cu­los XVII e XVIII. Mas ain­da ou­tras há de sé­cu­los mais re­cen­tes (sé­cu­los XIX e XX). Al­gu­mas den­tre as mais an­ti­gas de­sa­pa­re­ce­ram, sal­vo a tor­re da an­ti­ga Sé Ca­te­dral, na “Ci­da­de Al­ta”, on­de ho­je fun­ci­o­nam os ser­vi­ços de me­te­o­ro­lo­gia e que da­ta do sé­cu­lo XVI.

Lu­an­da, con­ser­vou até mui­to re­cen­te­men­te as ca­rac­te­rís­ti­cas ou a con­fi­gu­ra­ção de uma ci­da­de de ori­gem co­lo­ni­al e de in­fluên­cia es­sen­ci­al­men­te co­mer­ci­al. Por isso, se jun­tam às for­ta­le­zas e as Igre­jas as ou­tras edi­fi­ca­ções que de­ram, ao lon­go dos tem­pos, vi­da à ci­da­de.

Es­sas cons­tru­ções (mi­li­ta­res, re­li­gi­o­sas e ci­vis) são no seu con­jun­to, os tes­te­mu­nhos elo­quen­tes da tra­jec­tó­ria ou história por ela vi­vi­da.

Con­tu­do, o va­lor pa­tri­mo­ni­al que se po­de atri­buir à Lu­an­da além de agre­gar es­ses con­jun­tos de bens de va­lor his­tó­ri­co, ar­qui­tec­tó­ni­co, ur­ba­nís­ti­co, an­ti­gui­da­de, uso, ar­que­o­ló­gi­co, re­me­te-nos pa­ra ou­tros va­lo­res de or­dem li­te­rá­ria, le­gen­dá­ria, to­po­ní­mi­ca, ge­o­ló­gi­ca, bi­o­ló­gi­ca e in­clu­si­va­men­te, eco­ló­gi­ca.

Uma re­tra­to an­ti­go da ci­da­de de Lu­an­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.