Rol­ling Sto­nes ver­sus ca­du­ci­da­de do sem­ba

Jornal Cultura - - Primeira Página -

1 A con­ver­sa no jan­go da UEA no pas­sa­do dia 29 de Ja­nei­ro, foi mes­mo isso: uma da­que­las con­ver­sas no­bres so­bre um as­sun­to mui­to im­por­tan­te pa­ra a san­za­la dos cri­a­do­res das ar­tes e das le­tras an­go­la­nas e dos con­su­mi­do­res da mú­si­ca, em par­ti­cu­lar. Fi­ca­rá na História da UEA e, qui­çá, da de­mo­cra­cia que ca­rac­te­ri­za es­ta pri­mei­ra ins­ti­tui­ção cul­tu­ral cí­vi­ca do país.

O en­con­tro sus­ci­tou vá­ri­as in­da­ga­ções, evi­den­ci­ou o es­ta­do ac­tu­al da nos­sa mú­si­ca e pos­tu­lou al­gu­mas cons­ta­ta­ções pas­sí­veis de de­sen­ro­lar o io à me­a­da la­bi­rín­ti­ca que en­re­da o uni­ver­so da can­ção num pal­co de ilu­sões ali­men­ta­das pe­lo can­de­ei­ro feé­ri­co de uma pre­ten­sa mo­der­ni­da­de, on­de o ku­du­ru, o ‘hou­se’, o ‘hip-hop’ e o ‘r&b’, são os reis da pa­ra­da.

2 O en­con­tro tam­bém re­ve­lou que um gru­po de re­sis­ten­tes não quer cair no lim­bo do es­que­ci­men­to a que os que­rem vo­tar os her­dei­ros an­ti-na­tu­rais das in­dús­tri­as do dis­co, mais con­cre­ta­men­te, da in­dús­tria de pro­du­ção e da in­dús­tria do es­pec­tá­cu­lo, na no­va eco­no­mia de mer­ca­do que de­mo­ra a fa­zer uma fá­bri­ca de dis­cos e a en­vi­ar gra­va­do­res de ta­len­tos às pe­ri­fe­ri­as, mes­mo com o ex­ten­so inan­ci­a­men­to da Chi­na.

Quan­to à in­dús­tria do es­pec­tá­cu­lo, a mú­si­ca na­ci­o­nal não po­de so­bre­vi­ver sem pe­lo me­nos um es­pec­tá­cu­lo por se­ma­na, eu di­ria mes­mo vá­ri­os, nas ca­sas de ci­ne­ma e re­cin­tos apro­pri­a­dos, on­de as re­cei­tas dos in­gres­sos po­dem co­brir as des­pe­sas com o ca­chet dos ar­tis­tas. E nes­ses even­tos, en­tão es­ta­ri­am os da ve­lha e os da no­va ge­ra­ção, jun­tos a can­ta­rem e a en­can­ta­rem o país, em Lu­an­da e nos ter­ri­tó­ri­os in­te­ri­o­res.

Por­que, se o ro­quei­ro Mick Jag­ger, dos Rol­ling Sto­nes já vai na ca­sa dos 70 anos e nun­ca pa­rou de can­tar e edi­tar dis­cos, man­ten­do-se iel ao es­ti­lo mu­si­cal ‘Rock’, se Pa­pá Wem­ba e o fa­le­ci­do Ta­bu Ley Ro­che­re­au nun­ca fo­ram pos­tos no ar­má­rio da ‘mú­si­ca dos ko­tas’, on­de cer­tos ra­di­a­lis­tas re­sol­ve­ram pen­du­rar Eli­as diá Ki­mu­e­zu e os gran­des cul­to­res do sem­ba an­go­la­no, ro­tu­lan­do a sua ar­te co­mo ‘mú­si­ca dos anos 60’, dois cha­vões de­ses­ta­bi­li­za­do­res que con­du­zi­ram a ju­ven­tu­de ao des­pre­zo pe­la mú­si­ca de raiz e pe­la cul­tu­ra afri­ca­na, é ca­so pa­ra per­gun­tar­mos: por­que é que, em 2003, Mick Jag­ger foi con­de­co­ra­do ca­va­lei­ro da Or­dem do Im­pé­rio Bri­tâ­ni­co, e nós, aqui em bai­xo, ve­mos o nosso Rei a cho­rar por pa­tro­cí­ni­os pa­ra gra­var um no­vo dis­co? Traz dor no co­ra­ção.

3 Por isso, Mi­to Gas­par veio de Ma­lan­je on­de vi­ve ro­de­a­do pe­la Na­tu­re­za, di­zer que não en­ter­rou as ar­mas (a gui­tar­ra e a can­ção em kim­bun­du). Va­lha-nos Nos­sa Se­nho­ra da Mu­xi­ma! A ver se o Rei Eli­as e aque­les a qu­em um dia a rá­dio pen­du­rou no ca­bi­de dos ko­tas dos anos 60 res­sus­ci­tam a nos­sa mú­si­ca e as nos­sas lín­guas na mú­si­ca, se­ja es­ta de fu­são ou de ve­ros ins­tru­men­tos, sem des­pri­mor pa­ra as co­la­gens ex­ter­nas, mas que não se­jam mo­no­po­li­za­do­ras ao pon­to de, nu­ma farra, um DJ nos brin­dar com uma in­jec­ção de es­tric­ni­na de 120 mi­nu­tos de ‘hou­se’. É que eles, os DJs, tam­bém fazem par­te do gru­po da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, e edu­cam o pú­bli­co. Te­mos, pois, de re­e­du­cá-los, a eles e aos co­le­gas da rá­dio. Pois se há tan­ta, mas tan­ta boa mú­si­ca em Áfri­ca e no res­to do mun­do, por­que nos im­pin­gi­rem três ou qu­a­tro es­ti­los que nos re­ben­tam os tím­pa­nos e as ja­ne­las das ca­sas nos ins de se­ma­na? Va­lha-nos Nos­sa Se­nho­ra da Mu­xi­na! Ago­ra e sem­pre, ámen!

Jo­sé Luís Men­don­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.