“His­tó­ri­as do avô Lu­sen­de” Pa­dre Sil­vi­no Ma­zun­ga e a tra­di­ção oral Ibin­da

Jornal Cultura - - LETRAS - LE­O­NOR MABIALA | Cabinda

li­ções de vi­da que se co­lhem da con­du- ta pa­ra uma vi­da fe­liz equi­li­bra­da e jus­ta, ba­se­a­da no co­nhe­ci­men­to hu- ma­no, no res­pei­to do pró­xi­mo e no es- pí­ri­to de in­ter-aju­da. A go­ver­na­do­ra de Cabinda, Al­di­na En­si­no das lín­guas ma­ter­nas da Lom­ba Ca­tem­bo, pre­sen­te na ce­ri- mó­nia do lan­ça­men­to do li­vro, que de- cor­reu no an­fi­te­a­tro do Ins­ti­tu­to Po­li- téec­ni­co de Saú­de, apon­tou que a obra vai con­tri­buir pa­ra o res­ga­te de va­lo- res cul­tu­rais no seio da po­pu­la­ção, prin­ci­pal­men­te da ca­ma­da es­tu­dan­til.

Por es­ta ra­zão, re­co­men­dou a Se- cre­ta­ria pro­vin­ci­al da Edu­ca­ção, Ci­ên- cia e Tec­no­lo­gia a in­tro­du­zir, no pre- sen­te ano lec­ti­vo, o en­si­no da lín­gua ma­ter­na, já que as “His­tó­ri­as do avô Lu­sen­de” con­têm li­ções da tra­di­ção ku Mu­nu” (ami­go do pra­to) se trans­mi- dig­ni­fi­cam a po­pu­la­ção lo­cal sem oral de Cabinda. te o co­nhe­ci­men­to de que, ape­sar da com­ple­xos nem xe­no­fo­bi­as. “As­su- Ar­lin­do Isa­bel, da edi­to­ra Mayamba, O pa­dre Sil­vi­no Ma­zun­ga, um ho- vul­ne­ra­bi­li­da­de hu­ma­na, to­das as pes- ma­mos o que é nos­so, a lín­gua e as re­fe­riu que o li­vro re­tra­ta as­pec­tos do mem que ul­ti­ma­men­te se tem de­di­ca- so­as têm vir­tu­des e de­fei­tos. tra­di­ções sem nos fe­char­mos ao res­ga­te da li­te­ra­tu­ra oral li­ga­dos com do à es­cri­ta, lan­çou mui­to re­cen­te­men- Nes­ta fá­bu­la, o au­tor re­tra­ta igual- mundo e ca­mi­nhe­mos la­do a la­do con­tos da tra­di­ção oral, va­lo­res mo­rais te em Cabinda o li­vro “His­tó­ri­as do avô men­te que não se po­de fa­zer mal ao com ou­tros po­vos. Fa­ça­mos das tra- e cí­vi­cos, que con­du­zem o ser hu­ma­no Lu­sen­de”, que re­tra­ta fá­bu­las da tra­di- pró­xi­mo, de­ve­mos res­pei­tar as coi­sas di­ções que nos dig­ni­fi­cam, da cul­tu­ra pa­ra os prin­cí­pi­os de res­ga­te de va­lo- ção oral Ibin­da, con­ta­das pe­los mais alhei­as e nun­ca nos apro­pri­ar­mos de- que nos faz di­zer nós, um có­di­go de res e do re­for­ço do pa­tri­o­tis­mo. ve­lhos e que con­tém li­ções de vi­da pa- las sem au­to­ri­za­ção. Quem pre­ci­sa de vi­da e de bem- es­tar pa­ra nós e as fu- Pa­ra o se­cre­tá­rio pro­vin­ci­al da Cul- ra a ve­lha, no­va e futura ge­ra­ções. al­gu­ma coi­sa, que pe­ça au­to­ri­za­ção. tu­ras ge­ra­ções”, dis­se. tu­ra, Euclides da Lom­ba, os con­teú-

A Obra, com uma ti­ra­gem ini­ci­al de De­plo­ra a ma­nia das gran­de­zas e Pre­o­cu­pa­do com um mundo me­lhor, dos do li­vro vêm cor­res­pon­der ao 200 exem­pla­res, já à ven­da ao pú­bli­co apon­ta o ca­mi­nho da sa­be­do­ria di­vi­na. com uma so­ci­e­da­de hu­ma­ni­za­da, com pro­gra­ma na­ci­o­nal do de­sen­vol­vi- ca­bin­den­se, pos­sui 49 pá­gi­nas e foi Na úl­ti­ma es­tó­ria do li­vro “Cin­co­lo- a for­ma­ção das no­vas ge­ra­ções e os pe- men­to da cul­tu­ra, es­ta­be­le­ci­do pa­ra o edi­ta­da pe­la Mayamba, com ilus­tra- lo me­so man­di m`si­tu” (a per­diz só vi- ri­gos e as de­bi­li­da­des que en­fer­mam a pe­río­do 2012-2017. Afir­mou que os ções de Fer­nan­do Hu­go Fer­nan­des. ve no ma­to) en­si­na o sa­ber ser e es­tar, tra­di­ção oral de Cabinda, o au­tor se con­tos fa­zem par­te da cul­tu­ra lo­cal na

As cin­co fá­bu­las, no­me­a­da­men­te o ad­ver­tin­do sem­pre o ou­tro pa­ra as propôs ao de­sa­fio de re­co­lher al­guns pas­sa­gem de tes­te­mu­nho, prin­ci­pal- Lye­la Li Nku­vu (A es­per­te­za do Cá­ga- sur­pre­sas da vi­da. da­dos do re­por­tó­rio dos an­te­pas­sa­dos men­te das cin­co fá­bu­las que o au­tor do), Man­go­lo Ma Nzau (a for­ça do ele- pa­ra es­cre­vê-los em cin­co fá­bu­las. es­co­lheu sa­bi­a­men­te. fan­te), Maswe­la Ma Ngan­do (Lá­gri- O ob­jec­ti­vo que mo­ti­vou o au­tor a Fri­sou que os pro­vér­bi­os são fun­da- mas do Ja­ca­ré), Ndi­ku Mu­nu (ami­go O pa­dre Sil­vi­no Ma­zun­ga afir­mou no es­cre­ver os con­tos do “Avô Lu­sen­de” men­tais pa­ra a comunicação e a re­so-

Re­as­su­mir os va­lo­res e tra­di­ções do pra­to) e Cin­co­lo­lo Me­so Man­di ac­to de lan­ça­men­to que a pre­sen­te co- foi o de aju­dar as no­vas ge­ra­ções a te- lu­ção de pro­ble­mas na vi­da tra­di­cio- M'si­tu (a per­diz só vi­ve no ma­to), des- lec­tâ­nea de con­tos é um pe­que­no con­tri- rem o há­bi­to e o gos­to pe­la lei­tu­ra, pa- nal. “Os con­tos têm a fi­na­li­da­de de edu- cre­vem con­tos tra­di­ci­o­nais da cul­tu­ra bu­to pa­ra a vi­vên­cia sa­dia de um po­vo, ra além, de des­per­tar nos jo­vens o in- car e en­si­nar as pes­so­as a vi­ver de for- de Cabinda, nu­ma pers­pec­ti­va di­dác­ti- pois co­mo re­fe­riu: “um po­vo sem cul­tu­ra te­res­se pe­la cul­tu­ra e pe­la bus­ca da vi- ma pa­cí­fi­ca", acres­cen­tou, e fi­na­li­zou co-pe­da­gó­gi­ca pa­ra o res­ga­te e a re- é um po­vo sem iden­ti­da­de, tal co­mo um vên­cia quo­ti­di­a­na dos va­lo­res que di­zen­do que "es­te li­vro es­cri­to em por- conquista dos va­lo­res mo­rais, cí­vi­cos cam­po de jo­gos sem ba­li­zas e li­mi­tes”. iden­ti­fi­cam a pes­soa hu­ma­na. tu­guês e Ibin­da ser­ve co­mo pri­mei­ro e pa­trió­ti­cos do país. Con­si­de­rou ser im­por­tan­te re­as­su­mir As fá­bu­las do li­vro "Avô Lu­sen­de" pas­so pa­ra a in­tro­du­ção do en­si­no das

To­das elas ter­mi­nam com au­tên­ti- os va­lo­res cul­tu­rais e tra­di­ções que fa­zem par­te do ima­gi­ná­rio que apon­ta lín­guas ma­ter­nas no sis­te­ma es­co­lar”. cas li­ções pa­ra a vi­da e fa­zem a de­lí­cia dos mais pe­que­nos e dos mais graú­dos.

A pri­mei­ra fá­bu­la "Lye­la li Nku­vu” (a es­per­te­za do cá­ca­do) apon­ta a ne- ces­si­da­de de se sa­ber sem­pre com quem an­dar, o sa­ber es­co­lher as bo­as ami­za­des, por­que o ami­go fal­so po­de le­var a pes­soa até à mor­te. A se­gun­da “Man­go­lo ma Nzau” (a for­ça do ele­fan- te) en­si­na que o ser hu­ma­no de­ve ser sem­pre bom e pru­den­te, ou­vir os bons con­se­lhos, sa­ber que em tu­do a in­te­li- gên­cia va­le mais que a for­ça.

Na ter­cei­ra fá­bu­la “Maswe­la ma Ngan- do” ( lá­gri­mas do ja­ca­ré) o au­tor ex­pli­ca co­mo a hi­po­cri­sia é um mal nas re­la­ções so­ci­ais. Nes­te sen­ti­do, ape­la à le­al­da­de, à ho­nes­ti­da­de, à trans­pa­rên­cia e à hu- mil­da­de na pes­soa, bem co­mo ad­ver­te pon­de­ra­ção na to­ma­da de de­ci­sões sem pre­ci­pi­ta­ção, por­que tu­do exi­ge cal­ma e con­cen­tra­ção. Na quar­ta “Ndi-

O au­tor en­tre­ga o li­vro á Go­ver­na­do­ra Al­di­na da Lom­ba

O edi­tor Ar­lin­do Isa­bel e o Pa­dre Sil­vi­no Ma­zun­ga

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.