C

Jornal Cultura - - LETRAS -

om na­tu­ral sur­pre­sa,vi­mos­pu­bli­ca­do­em edi­ção da UNICEPE, do Por­to, no mês de Ju­nho, o úni­co li­vro de po­e­mas que a po­e­ta an­go­la­na Er­me­lin­da Pe­rei­ra Xa­vi­er deu à es­tam­pa até ho­je. Sen­do uma “his­tó­ri­ca” do Mo­vi­men­to dos No­vos In­te­lec­tu­ais de An­go­la e da revista MENSAGEM­da As­so­ci­a­ção dos Na­tu­rais de An­go­la, que co­me­ça­ra por ser dis­tin­gui­da com o pre­en­chi­men­to da pri­mei­ra pá­gi­na do pri­mei­ro nú­me­ro ( Ju­lho de 1951) com um em­ble­má­ti­co po­e­ma tam­bém in­ti­tu­la­do “Men­sa­gem”, o mí­ni­mo que se po­de­ria di­zer do “re­en­con­tro”, no Por­to, era “sur­pre­sa”.

Lo­go fo­lhe­an­do as pri­mei­ras pá­gi­nas de um li­vro­a­trac­ti­vo, as no­tas do edi­tor Rui Vaz Pin­to fa­zem o his­to­ri­al bi­o­grá ico de um in­ter­reg­no de mais de meio sé­cu­lo des­de que, no se­gun­do e úl­ti­mo nú­me­ro da­que­la revista (Ou­tu­bro de 1952), “se con­ta pa­ra bre­ve com a pu­bli­ca­ção de um vo­lu­me de po­e­mas de Er­me­lin­da Xa­vi­er.”Pois es­se anun­ci­a­do vo­lu­me saiu ago­ra, num dia em que Er­me­lin­da com­ple­ta­va 85 anos de ida­de - de­pois de mui­ta in­sis­tên­cia do seu edi­tor e ami­go, que aca­bou por ven­cer a re­ser­va da Po­e­ta em dar à es­tam­pa a sua vas­ta pro­du­ção li­te­rá­ria, ale­gan­do dis­pli­cen­te­men­te que “ago­ra nin­guém lê po­e­sia”, en­quan­to con ina­da à sua ac­ti­vi­da­de de no­tá­ria e con­ser­va­do­ra do re­gis­to ci­vil, que foi du­ran­te 12 anos no con­ce­lho do Cra­to, Por­ta­le­gre, e 24 nas Cal­das da Rai­nha, até à apo­sen­ta­ção.

Mais de du­as cen­te­nas e meia de po­e­mas cons­ti­tu­em a que se­rá, por­ven­tu­ra, a sua obra com­ple­ta e ter­mi­nal, di­vi­di­da num Pri­mei­ro e num Se­gun­do Li­vro, sob o mes­mo tí­tu­lo “Bar­ro e Luz”, o pri­mei­ro re­por­ta­do às dé­ca­das de 1950-1960, o se­gun­do, com al­guns po­e­mas da­ta­dos de 82 a 2008, não che­gan­do a três de­ze­nas.

Re­cor­de-se que dos mui­tos No­vos In­te­lec­tu­ais que pas­sa­ram pe­la “Men­sa­gem” al­guns atin­gi­ram a pos­te­ri­da­de, tais co­mo Agos­ti­nho Ne­to, An­te­ro de Abreu, António Car­do­so, António Ja­cin­to, Al­da La­ra, Lí­li­a­da Fon­se­ca, Má­rio António Oli­vei­ra, Má­rio Pin­to de An­dra­de, Ós­car Ri­bas, To­más Jorge e Vi­ri­a­to da Cruz. Os mes­mos e ou­tros res­sur­gem na revista “Cul­tu­ra” (II), que, sob a mes­ma égi­de, “Va­mos des­co­brir An­go­la”, su­ce­de e ex­pan­de a “Men­sa­gem” cin­co anos após a sua ex­tin­ção. Já em Por­tu­gal, Er­me­lin­da ain­da co­la­bo­ra na no­va revista da So­ci­e­da­de Cul­tu­ral de An­go­la, en­tre 1957 a 1959.

Ou­tros “de­sa­pa­re­ce­ram” ce­do da im­pren­sa li­te­rá­ria an­go­la­na (apesar de con­ti­nu­a­rem a ser re­fe­ri­dos em an­to­lo­gi­as e es­tu­dos aca­dé­mi­cos), no­me­a­da­men­te os que se ra­di­ca­ram em Por­tu­gal por mo­ti­vos vá­ri­os, co­mo Jo­sé Men­su- ra­do, Les­ton Mar­tins e Er­me­lin­da Xa­vi­er, em­bo­ra es­ta, já es­tu­dan­do Di­rei­to na Uni­ver­si­da­de de Coim­bra, em 1951, ain­da te­nha man­ti­do co­la­bo­ra­ção com a “Men­sa­gem”, co­mo in­di­ca o seu po­e­ma “Nossa Fo­me”.É des­ta dé­ca­da a mai­o­ria dos po­e­mas con­ti­dos no seu li­vro, al­guns re­fe­ri­dos co­mo tendo ob­ti­do pré­mi­os em Jo­gos Flo­rais de Por­tu­gal. E to­dos com uma sin­gu­lar par­ti­cu­la­ri­da­de: em ne­nhum de­les avul­ta An­go­la, po­vo e ter­ra, on­de nas­ceu e vi­veu até aos 19 anos.

Er­me­lin­da nas­ceu no Lo­bi­to e fez es­tu­dos li­ce­ais em No­va Lis­boa e Sá da Ban­dei­ra. É des­te pe­río­do a sua pre­sen­ça num pro­gra­ma cul­tu­ral do Rá­dio Clu­be do Hu­am­bo e no jornal dos es­tu­dan­tes do li­ceu da Huí­la, “Pa­drão”, es­te sob a di­rec­ção do pro­fes­sor Hi­gi­no Vi­ei­ra, que fo­ra um dos fun­da­do­res da “Cul­tu­ra” (I). Nes­te pe­río­do te­rá ini­ci­a­do cor­res­pon­dên­cia com António Ja­cin­to, a qu­em de­di­ca o po­e­ma “Ja­ne­la” (1951). Mas te­rá si­do uma re­la­ção sem con­sequên­ci­as his­tó­ri­co-li­te­rá­ri­as, tendo em con­ta que na an­to­lo­gia pro­mo­vi­da pe­lo Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, de que António Ja­cin­to era ti­tu­lar em 1976, “Po­e­sia de An­go­la”, não cons­ta o no­me de Er­me­lin­da Xa­vi­er, apesar de te­rem si­do con­si­de­ra­dos ou­tros poetas da “Men­sa­gem” e da “Cul­tu­ra”.

Tam­bém o seu no­me não apa­re­ce nas “Pu­bli­ca­ções Im­bon­dei­ro” (19601964), a des­pei­to do de­cla­ra­do eclec­tis­mo com que a edi­to­ra res­pon­dia à mul­ti­pli­ci­da­de ide­o­li­te­rá­ria das de­ze­nas de au­to­res pu­bli­ca­dos, de­sig­na­da­men­te aque­les que, na mes­ma épo­ca de Er­me­lin­da em Coim­bra, em tor­no da Ca­sa dos Es­tu­dan­tes do Im­pé­rio, pro­jec­ta­vam, em obras e ac­ções li­te­rá­ri­as e po­lí­ti­cas, os no­mes das então co­ló­ni­as de que eram na­tu­rais. Em Coim­bra, por exem­plo, já se evi­den­ci­a­vam, por An­go­la, Agos­ti­nho Ne­to e Al­da La­ra, dois poetas mai­o­res,na épo­ca e no fu­tu­ro, cu­ja subs­tân­cia, es­té­ti­ca e ide­o­ló­gi­ca, se for­ma­ra no “bar­ro e luz” da Ter­ra-Mãe...

Mas, tal co­mo se ma­ni­fes­ta po­e­ti­ca­men­te, é ou­tra a “subs­tân­cia” de Er­me­lin­da Xa­vi­er. Ti­ran­do António Ja­cin­to, os no­mes-mo­de­lo que ela dis­tin­gue são Jo­sé Ré­gio e Ce­cí­lia Mei­re­les, dois poetas mai­o­res, sem dúvida, que olha­ram a vi­da e o mun­do sem se afas­ta­rem da “luz” de Par­na­so e que Er­me­lin­da vê, por­ven­tu­ra, co­mo du­as ima­gens ei­dé­ti­cas. Se ne­las sub­mer­ge o des­ti­no de um per­cur­so da mu­lher-po­e­ta, po­de­rão aju­dar a pe­ne­trar num ver­da­dei­ro “ca­se study” po­e­mas co­mo es­tes:

Ima­gem da ca­pa do li­vro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.