D

Jornal Cultura - - GRAFITOS NA ALMA -

Con­tu­do, te­mos vin­do a as­sis­tir à de­gra­da­ção dos va­lo­res mo­rais, em que a pre­o­cu­pa­ção pe­lo bem-es­tar do pró­xi­mo vai dan­do lu­gar à in­di­fe­ren­ça im­pos­ta pe­lo cha­vão “ca­da um por si e Deus por to­dos” e, mais gra­ve, à dis­cri­mi­na­ção ét­ni­ca, pro­mo­vi­da pe­la am­bi­ção de­sen­fre­a­da e pe­la mais ig­nó­bil ig­no­rân­cia.

Em al­guns paí­ses, ci­da­dãos con­ti­nu­am a agre­dir os com­pa­tri­o­tas, a des­pei­to da sua cor, co­mo su­ce­de às pes­so­as ví­ti­mas de um dos três ti­pos de al­bi­nis­mo: ocu­lo­cu­tâ­neo, em que to­do o cor­po é afec­ta­do; ocu­lar, ape­nas os olhos pa­de­cem de des­pig­men­ta­ção, e par­ci­al em que se re­gis­ta a afec­ta­ção de vá­ri­as par­tes do cor­po. Es­ta do­en­ça, de trans­mis­são ge­né­ti­ca, ca­rac­te­ri­za-se pe­la hi­po­pig­men­ta­ção da pele, tor­nan­do-a mais cla­ra que a nor­mal, por fal­ta de me­la­ni­na, subs­tân­cia bi­o­ló­gi­ca que pro­te­ge e co­lo­re a pele. Es­sa con­tra­ri­e­da­de fá-las vul­ne­rá­veis a do­en­ças der­ma­to­ló­gi­cas, exi­gin­do um cui­da­do ex­tre­mo co­mo evi- tar a ex­po­si­ção pro­lon­ga­da ao sol. A au­sên­cia des­sa pre­ven­ção ori­gi­na man­chas e quei­ma­du­ras, que po­dem oca­si­o­nar o can­cro da pele.

Es­sa pe­cu­li­a­ri­da­de epi­dér­mi­ca atrai so­bre as pes­so­as al­bi­nas o es­tig­ma da aver­são, ao se­rem re­la­ci­o­na­das com in­for­tú­ni­os, co­mo a mor­te, pe­lo que são ba­ni­das da con­vi­vên­cia co­mu­ni­tá­ria por con­ci­da­dãos que se con­si­de­ram su­pe­ri­o­res.

Ge­ne­ri­ca­men­te, as pes­so­as al­bi­nas são vi­ti­ma­das pe­la di icul­da­de de in­ser­ção e pro­gres­são so­ci­ais, con­subs­tan­ci­a­da em rap­tos, ape­dre­ja­men­to e ho­mi­cí­di­os e no re­pú­dio até mes­mo por par­te de con­gre­ga­ções re­li­gi­o­sas e Es­ta­dos. De­vi­do à sin­gu­la­ri­da­de da pele, ex­pe­ri­en­ci­am di icul­da­des de en­qua­dra­men­to, por exem­plo, nos sis­te­mas de en­si­no e de saú­de. Nas escolas, são hos­ti­li­za­das por co­le­gas e pro­fes­so­res pre­con­cei­tu­o­sos, li­mi­tan­do­lhes a ob­ten­ção de co­nhe­ci­men­tos. Em al­guns hos­pi­tais, pro is­si­o­nais há com pudor em os tra­tar, agu­di­zan­do a sua fal­ta de as­sis­tên­cia mé­di­ca e a ex­clu­são so­ci­al. A tí­tu­lo de exem­plo, aten­te­mos no fac­to re­cen­te de, em al­guns Es­ta­dos ame­ri­ca­nos, os al­bi­nos se­rem exi­bi­dos co­mo bes­tas em es­pec­tá­cu­los cir­cen­ses.

Sen­do a do­en­ça mais co­mum na ra­ça ne­gra que nas ou­tras, Áfri­ca é, con­se- quen­te­men­te, o con­ti­nen­te em que ela é mais no­ta­da. Por con­se­guin­te, é tam­bém no con­ti­nen­te afri­ca­no que ocor­rem os ca­sos mais pro­pa­la­dos de dis­cri­mi­na­ção pa­ra com es­ses ci­da­dãos so­ci­al­men­te mar­gi­na­li­za­dos, im­pe­di­dos, por exem­plo, de fre­quen­tar lo­cais pú­bli­cos e de ace­der a ser­vi­ços so­ci­ais.

Con­for­me o re­la­to, des­te ano, da ni­ge­ri­a­na, igual­men­te al­bi­na, Ik­penwo­sa Ero, es­pe­ci­a­lis­ta das Na­ções Uni­das pa­ra os di­rei­tos das pes­so­as com al­bi­nis­mo, no Ma­lawi, inú­me­ros al­bi­nos são per­se­gui­dos, mal­tra­ta­dos e man­ti­dos num es­ta­do de au­tên­ti­ca se­gre­ga­ção so­ci­al, pe­lo in­cul­pá­vel fac­to de te­rem nas­ci­do com uma der­me di­fe­ren­te.

Nes­se país, co­mo em tan­tos ou­tros, co­mo o Bu­run­di, Mo­çam­bi­que, Ru­an­da e Tan­zâ­nia, a re­pul­sa pa­ra com os al­bi­nos é en­co­ra­ja­da por tradições cul­tu­rais se­cu­la­res que le­vam es­ses po­vos a crer que al­guém que nas­ça com al­bi­nis­mo se­ja mal­va­da, atraia des­gra­ças a to­dos os que a ro­dei­em e par­tes dos seus cor­pos te­nham po­de­res mís­ti­cos pa­ra o fei­ti­cis­mo. Em mui­tos ca­sos, es­ses cri­mes são per­pe­tra­dos por pa­ren­tes, con inan­do as ví­ti­mas ao me­do, ao iso­la­men­to e à po­bre­za ex­tre­ma.

Se­gun­do a li­te­ra­tu­ra oral, na Gui­né, quan­do uma cri­an­ça nas­cia al­bi­na, era fre­quen­te ser co­lo­ca­da à mar­gem das águas do mar; se as on­das a le­vas­sem, era acu­sa­da de fei­ti­cei­ra.

No âm­bi­to do os­tra­cis­mo, re­cor­de­mos o can­tor ma­li­a­no Sa­lif Kei­ta, que fo­ra re­jei­ta­do pe­los pais, em ten­ra ida­de, e abo­mi­na­do pe­la tri­bo on­de nas­ce­ra, por, na cul­tu­ra man­din­ka, o al­bi­nis­mo ser co­no­ta­do com a atrac­ção do azar. To­da­via, es­te al­bi­no veio a tor­nar-se A voz dou­ra­da de Áfri­ca, uma das re­fe­rên­ci­as mun­di­ais no pa­no­ra­ma mu­si­cal.

A par das bi­zar­ras su­pers­ti­ções po­pu­la­res, re­gis­ta-se a ino­pe­rân­cia do sis­te­ma edu­ca­ti­vo – prin­ci­pal­men­te em re­giões on­de pre­do­mi­na a cren­ça na fei­ti­ça­ria - que não con­se­gue des­mis­ti icar es­ses es­tig­mas so­ci­ais, es­cla­re­cen­do às po­pu­la­ções que a ra­zão do al­bi­nis­mo é me­ra­men­te bi­o­ló­gi­ca.

Es­sa ine icá­cia é tão re­al quan­to a ame­a­ça la­ten­te da ex­tin­ção des­ta es­pé­cie hu­ma­na. A ve­ri icar-se, se­ria uma re­tum­ban­te der­ro­ta das me­di­das de in­clu­são so­ci­al dos Es­ta­dos on­de es­se la­ge­lo so­ci­al ocor­re, tendo em con­ta o con­tri­bu­to dos al­bi­nos pa­ra o en­gran­de­ci­men­to das so­ci­e­da­des.

No nos­so país, em tem­pos idos, as pes­so­as com al­bi­nis­mo eram ini­bi­das, por exem­plo, da ob­ten­ção da li­cen­ça de con­du­ção, ale­gan­do-se a sua bai­xa vi­são; proi­bi­ção ho­je re­vo­ga­da.

Exis­tem ins­ti­tui­ções e ci­da­dãos com­pro­me­ti­dos em ala­van­car as com­pe­tên­ci­as in­di­vi­du­ais des­te ti­po de ci­da­dãos, co­mo é dis­so exem­plo a As­so­ci­a­ção de Apoio de Al­bi­nos de An­go­la que tem pro­mo­vi­do cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção con­tra o es­tig­ma­tis­mo e bus­ca­do apoi­os di­ver­sos jun­to das en­ti­da­des go­ver­na­men­tais, pa­ra ame­ni­zar os pro­ble­mas que ator­men­tam as pes­so­as al­bi­nas.

Nes­ta era de in­for­ma­ção e co­mu­ni­ca­ção em que ve­mos, ou­vi­mos e le­mos, e por is­so, não po­de­mos ig­no­rar, a aver­são ao al­bi­nis­mo é ob­so­le­ta­men­te con­de­ná­vel, pois so­mos to­dos hu­ma­nos e me­re­ce­mos ser tra­ta­dos com igual­da­de. As­sim, a igu­ra-se ur­gen­te ac­tu­a­li­zar o gri­to de Ipi­ran­ga: to­dos di­fe­ren­tes, to­dos iguais!

Até por­que o al­bi­nis­mo é mo­ti­vo de or­gu­lho, por ser uma ra­ri­da­de na na­tu­re­za hu­ma­na, e o que é ra­ro de­ve ser con­ser­va­do, co­mo mui­tos dos nos­sos con­ter­râ­ne­os e con­ter­râ­ne­as con­ser­vam o há­bi­to de oxi­ge­nar o ca­be­lo pa­ra o te­rem aloi­ra­do co­mo o das pes­so­as al­bi­nas!

Em su­ma, im­põe-se a ne­ces­si­da­de da re­for­ma­ta­ção das men­tes in­to­le­ran­tes, atra­vés de po­lí­ti­cas so­ci­ais in­ci­si­vas, no âm­bi­to dos di­rei­tos hu­ma­nos, pa­ra que as pes­so­as cul­ti­vem o res­pei­to pe­la con­di­ção ísi­ca e so­ci­al do seu pró­xi­mo, a im de se res­ga­tar a dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.