H

Jornal Cultura - - GRAFITOS NA ALMA -

Até então,es­tá­va­mos ha­bi­tu­a­dos a as­so­ci­ar es­ta sim­ples mas tão em vo­ga palavra a tra­ba­lhos re­la­ci­o­na­dos a con­ser­tos em es­pe­ci­al de veí­cu­los mo­to­ri­za­dos(pe­lo me­nos eu). Workshop na sua lín­gua de ori­gem, pa­ra além de sig­ni icar o que aci­ma foi re­fe­ri­do, tem os seus si­nó­ni­mos tais co­mo es­tú­dio, ate­li­er, fá­bri­ca. Um es­pa­ço on­de pro­du­tos, pa­ra além de se­rem con­ser­ta­dos, são con­fec­ci­o­na­dos ou fa­bri­ca­dos. Um ou­tro sig­ni ica­do des­ta palavra é o encontro on­de um gru­po de pes­so­as in­te­ra­gem em dis­cus­são e ac­ti­vi­da­de de um de­ter­mi­na­do te­ma ou projecto com o ca­rác­ter de trei­na­men­to, apre­sen­tan­do ca­sos prá­ti­cos on­de o pú­bli­co par­ti­ci­pa in­ten­sa­men­te. O que ho­je mais se re­a­li­za na nossa so­ci­e­da­de­são o ici­nas... Des­cul­pem-me por tra­du­zir, pois apa­ren­te­men­te na lín­gua in­gle­sa é mais chic – bem, li­cen­ça, hrumh­rum... Os Workshops são uma re­a­li­da­de ac­tu­al. Eu mes­ma já par­ti­ci­pei de al­guns e mui­tos são os que ade­rem pois, pa­ra além de ser um mo­men­to de des­con­trac­ção e por ve­zes di­ver­são em­bo­ra sé­rio, sem­pre saí­mos de lá com mais in- for­ma­ção e co­nhe­ci­men­to e até no­vos ami­gos ou par­cei­ros de ne­gó­ci­os. Pois fa­lan­do em ne­gó­ci­os, sim, tam­bém o po­de ser. Al­guns des­tes Workshops co­bram pe­la par­ti­ci­pa­ção o que não é con­de­ná­vel pois os or­ga­ni­za­do­res tam­bém têm os seus gas­tos. Os te­mas va­ri­am des­de os re­la­ci­o­na­dos ao mun­do da mo­da, be­le­za,ao ní­vel em­pre­sa­ri­al, cul­tu­ral e ar­tís­ti­co. Qual o seu ob­jec­ti­vo? Ób­vio que de pas­sar in­for­ma­ção e co­nhe­ci­men­to mas, o que se ga­nha com is- so? Creio que uma for­ma in­te­li­gen­te de cha­mar a aten­ção de um de­ter­mi­na­do gru­po de pes­so­as pa­ra o seu ne­gó­cio ou mar­ca,e os seus ser­vi­ços e a qua­li­da­de dos mes­mos e igual­men­te po­der ob­ter no­vos con­tac­tos e opor­tu­ni­da­des co­mer­ci­ais e, no inal do dia, por­que não al­guns tro­ca­dos?

Eu­já ade­ri e con­fes­so que hou­ve uma vez em que um dos mo­de­ra­do­res­não só deu um mais vá­ri­os ti­ros em am­bos os pés e até mes­mo nas mãos(acre­di­tem, fo­ram mui­tos ti­ros) em que al­guns mem­bros da au­di­ên­cia re­vol­ta­dos com al­gu­mas das opi­niões do mes­mo que, com a sua em­pá ia e ati­tu­de co­mo de qu­em diz”Eu sei tu­do esó de­pen­dem de mim pa­ra apren­der”, viu à sua fren­te a mor­te a pas­sar de bi­ci­cle­ta usan­do bo­né e ace­nan­do com um sor­ri­so ama­re­lo di­zen­do “go­odbye e vi­ra-te nos­trin­ta”, quan­do con­fron­ta­do por pes­so­as que apon­ta­vam pa­ra os seus er­ros com a cer­te­za de que o mes­mo nem sa­bia de mui­ta coi­sa que es­ta­va a fa­lar. A par­tir daí, ou­vi mui­tos tes­te­mu­nhos de par­ti­ci­pan­tes que pas­sa­ram por si­tu­a­ções se­me­lhan­tes em que al­guns de­ram gra­ças a Deus por ter ti­do en­tra­da grá­tis e ou­tros que bem que que­ri­am pe­dir um re­em­bol­so acom­pa­nha­do de uma in­dem­ni­za­ção por al­guns dos ab­sur­dos e até in­sul­tos que es­cu­ta­ram.

A fun­ção des­tes workshops é, sim, en­si­nar al­go apro­fun­dan­do no seu la­do prá­ti­co mas tam­bém par­ti­lhar opi­niões e po­der, de for­ma cla­ra e ob­jec­ti­va, es­cla­re­cer dú­vi­das de qu­em ne­le hu­mil­de­men­te par­ti­ci­pa res­pei­tan­do a for­ma de ser e pen­sar de ca­da um. A men­te e o co­ra­ção aber­tos ser­vem pa­ra as du­as par­tes, on­de um pas­sa co­nhe­ci­men­to com o in­tui­to de ab­sor­ver o que há de me­lhor do la­do de qu­em lá foi re­ce­ber e, de al­gu­ma for­ma, ha­ver al­gu­ma par­ti­lha on­de po­dem to­dos no inal sen­tir-se mais ri­cos e pro­du­ti­vos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.