ES­TA­TU­TO DAS LÍN­GUAS EM AN­GO­LA

Jornal Cultura - - FRONT PAGE - MAYAMWENA MA NSAMBU

Es­ta problemática sur­ge na sequên­cia de al­guns tra­ba­lhos e es­tu­dos por nós re­a­li­za­dos. Pa­ra o seu in­cre­men­to, uti­li­zá­mos a Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca, co­mo fon­te pri­má­ria.

Os re­la­tos, aqui apre­sen­ta­dos, en­qua­dram-se na po­lí­ti­ca lin­guís­ti­ca, ou se­ja, nas gran­des de­ci­sões do Es­ta­do An­go­la­no so­bre as lín­guas ins­ti­tuí­das pa­ra co­mu­ni­ca­ção à ní­vel ter­ri­to­ri­al. A elu­ci­da­ção, pa­ten­te ao lon­go do la­bor, obe­de­ce a uma or­dem li­ne­ar, sim­ples, in­ci­din­do, pri­mei­ra­men­te, à Si­tu­a­ção Lin­guís­ti­ca e En­qua­dra­men­to dos Gru­pos Ét­ni­cos de An­go­la, de mo­do a pro­por­ci­o­nar-nos uma vi­são abran­gen­te dos pro­ble­mas lin­guís­ti­cos do país. De se­gui­da, apre­sen­ta­mos o mo­te que nos com­pe­te tra­zer à bai­la, on­de, iden­ti icá­mos, de­sen­ter­rá­mos e apre­sen­tá­mos al­gu­mas su­ges­tões que di­zem res­pei­to aos pro­ble­mas vi­gen­tes e pre­men­tes na de ini­ção dos Es­ta­tu­tos das Lín­guas em An­go­la, bem co­mo o ca­so da es­tig­ma­ti­za­ção das cha­ma­das Lín­guas Na­ci­o­nais, que, no nos­so en­ten­der, não vão além de lín­guas lo­cais.

De acor­do com o Pro­fes­sor Dou­tor, Vic­to­ri­no Reis, “A lín­gua hu­ma­na é um se­gre­do; é um dom di­vi­no, um mi­la­gre, ou se­ja, (…) a lín­gua [mos­tra-se] co­mo... al­go que não co­nhe­ce­mos mas que pa­ra­do­xal­men­te des­co­nhe­ce­mos”. (2006, p. 15).

Car­los Ál­va­res, ci­tan­do Du­bois, diz: “...uma lín­gua é um ins­tru­men­to de co­mu­ni­ca­ção, um sis­te­ma de sig­nos vo­cais es­pe­cí icos dos mem­bros du­ma co­mu­ni­da­de”. (ap. Ál­va­res, 2001, p. 46), ao pas­so que M. Ol­ga Aze­re­do et all a ir­mam que “a lín­gua é o con­jun­to das pa­la­vras e das re­gras gra­ma­ti­cais que re­gem a sua com­bi­na­ção. Cons­ti­tuin­do uma es­pé­cie de he­ran­ça ou bem co­lec­ti­vo re­sul­tan­te de múl­ti­plos fac­to­res, in­cluin­do po­lí­ti­cos, e que vai sen­do trans­mi­ti­da de ge­ra­ção em ge­ra­ção… (2012, p.)

Não pre­ten­de­mos trans­for­mar es­te tra­ba­lho num ma­nu­al de de ini­ções, mas es­tas são opor­tu­nas e não dis­pen­sá­veis, tendo em con­ta que a ci­ên­cia é le­va­da a efei­to atra­vés do con­fron­to de idei­as, leis, te­ses e não só.

No que con­cer­ne aos es­ta­tu­tos, o dou­tor, atrás men­ci­o­na­do, re­la­ta: “O es­ta­tu­to de uma lín­gua na so­ci­e­da­de é o en­qua­dra­men­to le­gal, ou se­ja, a po­si­ção que es­ta lín­gua le­gal ou ju­ri­di­ca­men­te ocu­pa na so­ci­e­da­de”. (Reis, 2006, p. 71).

SI­TU­A­ÇÃO LIN­GUÍS­TI­CA E EN­QUA­DRA­MEN­TO DOS GRU­POS ÉT­NI­COS DE AN­GO­LA

Em An­go­la, a lín­gua por­tu­gue­sa (LP) co­a­bi­ta com as lín­guas ban­tu, con­si­de­ra­das na­ci­o­nais, que são: ucôkwe (pro­nun­cia-se tcho­cué), o ki­ko­on­go, o kim­bun­du, o um­bun­du, o ngan­gue­la e o ukwanya­ma (kwanya­ma) e vá­ri­os di­a­lec­tos.

A po­pu­la­ção an­go­la­na re­si­de em es­pa­ço pró­prio, sen­do, a sua ins­tau­ra­ção, de­sig­na­da por et­nia. De acor­do com João Fer­nan­des e Za­vo­ni Nton­do, o ma­pa ét­ni­co de An­go­la de 1970 con­ti­nua inal­te­ra­do, des­de a ixa­ção re­gi­o­nal dos po­vos, cul­mi­nan­do com o des­fe­cho da era co­lo­ni­al, pro­lon­gan­do-se até o mo­men­to ac­tu­al, em­bo­ra es­tes te­nham pas­sa­do por di­ver­sos im­bró­gli­os. Nes­te sen­ti­do, a mai­o­ria dos an­go­la­nos cor­res­pon­de a uma per­cen­ta­gem de 87%, de ori­gem ban­tu. Des­ta­cam-se, ain­da, os gru­pos de Khoi­san e, de acor­do com a es­ta­tís­ti­ca po­pu­la­ci­o­nal de An­go­la de 2012, há tam­bém uma mas­sa de po­pu­la­ção bran­ca no país, que cá nas­ceu e con­ti­nua ar­rai­ga­da. Pa­ra além da re­fe­ri­da mas­sa, me­re­cem men­ção os in­di­ví­du­os que re­sul­ta­ram da mis­ce­lâ­nea de an­go­la­nos e as en­ti­da­des co­lo­ni­a­lis­tas, cru­za­men­to do qual re­sul­ta­ram os mes­ti­ços. (Fer­nan­des & Nton­do, 2002)

DE­FI­NI­ÇÃO DOS ES­TA­TU­TOS

An­go­la é um país di­ver­so na sua com­po­si­ção cul­tu­ral e nas es­tru­tu­ras ter­ri­to­ri­ais. De acor­do com a Cons­ti­tui­ção, Ar­ti­go 19°, alu­si­vo as lín­guas, no pri­mei­ro e se­gun­do pon­tos, cons­tam:

“1. A lín­gua o ici­al da Re­pú­bli­ca de An­go­la é o por­tu­guês.

2. O Es­ta­do va­lo­ri­za e pro­mo­ve o es­tu­do, o en­si­no e uti­li­za­ção das de­mais lín­guas de An­go­la, bem co­mo das prin­ci­pais lín­guas de co­mu­ni­ca­ção in­ter­na­ci­o­nal”. (2010, p. 11).

Con­si­de­ran­do o ar­ti­go aci­ma ex­pos­to e os seus pon­tos, sa­li­en­ta­mos que es­tão em har­mo­nia com a de ini­ção ju­rí­di­ca do país e, a sua apro­va­ção, co­mo lín­gua o ici­al, sur­giu nu­ma fa­se sub­se­quen­te à ins­tau­ra­ção do sis­te­ma co­lo­ni­al por­tu­guês, há mui­to vi­gen­te, sen­do, nu­ma fa­se in­ci­pi­en­te, uti­li­za­da pa­ra fa­ci­li­tar nas tran­sac­ções co­mer­ci­ais en­tre os an­go­la­nos e os por­tu­gue­ses, e, de­pois, os in­dí­ge­nas fo­ram im­pin­gi­dos a apren­de­rem-no, co­mo idi­o­ma de mai­or pres­tí­gio e cons­ti­tuía a via de aces­so pa­ra o pro­ces­so de ci­vi­li­za­ção dos ina­tos. Ac­tu­al­men­te, a sua fun­ção é uni ica­do­ra e in­te­gra­do­ra, pois, é atra­vés de­la que os in­di­ví­du­os de di­fe­ren­tes re­giões co­mu­ni­cam e se re­con­ci­li­am, não obs­tan­te de se­rem fa­lan­tes lu­en­tes de uma lín­gua lo­cal ou re­gi­o­nal, dís­par do Por­tu­guês, mas com o de­cor­rer do tem­po, es­tão a ter a ini­da­des, na es­cri­ta, quer na ora­li­da­de, de­vi­do a sua co­e­xis­tên­cia na mes­ma cir­cuns­cri­ção ter­ri­to­ri­al.

Com o co­ro­lá­rio do pri­mei­ro pon­to, per­ce­be­mos que a LP é a prin­ci­pal, de mai­or ex­pres­são e pres­tí­gio, em An­go­la. Po­rém, no Âm­bi­to do seu uso, são per­mi­ti­das ou­tras. É nes­te azo que Amé­lia Min­gas as­ser­ça: [o ter­ri­tó­rio an­go­la­no] ”as­se­me­lha-se a um ar­qui­pé­la­go, on­de ca­da uma das lín­guas re­pre­sen­ta uma ilha. (2000, p. 30). Apre­sen­ta­do es­te pon­to, não se es­ca­pa da nossa com­pre­en­são a di icul­da­de que o Es­ta­do An­go­la­no tem na de ini­ção do ema­ra­nha­do es­ta­do dos es­ta­tu­tos das lín­guas. Ain­da, em An­go­la, no que con­cer­ne as lín­guas, nota-se a des­va­lo­ri­za­ção das mes­mas, in­clu­si­ve a des­con­si­de­ra­ção da ini­ci­a­ti­va de re­so­lu­ção dos pro­ble­mas lin­guís­ti­cos de An­go­la, to­ma­da a pei­to por António Agos­ti­nho Ne­to, uma vez que, em­bo­ra exis­tam es­ta­tu­tos que re­gu­lem a co­mu­ni­ca­ção dos fa­lan­tes, es­tes exis­tem so­men­te no con­jun­to de pa­péis, não se ve­ri icam na prá­ti­ca; a acres­cer o agra­va­do es­ta­do de aca­nha­men­to de tan­tos fa­lan­tes no ac­to de ex­pres­são em lín­guas lo­cais de An­go­la, en­ten­da-se as con­ven­ci­o­na­das co­mo na­ci­o­nais ou idi­o­mas ban­tu e não-ban­tu. Co­mo res­cal­do de tu­do is­to, o po­vo an­go­la­no ca­re­ce de iden­ti­da­de lin­guís­ti­ca.

Uma lín­gua na­ci­o­nal pos­sui mai­or re­pre­sen­ta­ção na ex­pres­são po­pu­la­ci­o­nal, cons­ti­tuin­do uma es­pé­cie de pri­mei­ra pele, um car­tão de vi­si­ta ou mes­mo bi­lhe­te de iden­ti­da­de. Wein­rei­ch, alu­di­do por Te­re­sa Ma­nu­e­la Ca­ma­cha Jo­sé da Costa, re­la­ta: “quan­do uma lín­gua é ex­cluí­da de cer­tas fun­ções ge­ra­do­ras de pres­tí­gio, co­mo uso ofi­ci­al nas ac­ti­vi­da­des de go­ver­no, re­sul­ta dis­to nu­ma des­va­lo­ri­za­ção [ da mes­ma]. ( ap. 2013, p. 22).

A tra­ves­sia, agua­re­la de Zé­lia Fer­rei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.