MI­NIS­TRA DA CUL­TU­RA DE­BA­TE CON­DI­ÇÃO DO AR­TIS­TA

Mi­nis­tra Ca­ro­li­na Cer­quei­ra ou­viu as clas­ses ar­tís­ti­cas de Lu­an­da e já co­me­çou a tra­çar es­tra­té­gi­as

Jornal Cultura - - FRONT PAGE - ADRI­A­NO DE ME­LO

Amar a ar­te e fa­zer de­la uma re­a­li­da­de diá­ria é uma ta­re­fa que exi­ge sa­cri íci­os e mui­to em­pe­nho da par­te de qu­em as­su­me es­se com­pro­mis­so e, na mai­o­ria das ve­zes, não vê o re­tor­no do seu sa­cri ício sen­do por is­so obrigado a pas­sar uma má ima­gem de si mes­mo. Pre­o­cu­pa­da com es­ta si­tu­a­ção, a mi­nis­tra Ca­ro­li­na Cer­quei­ra con­vo­cou os ar­tis­tas de Lu­an­da pa­ra fa­lar so­bre os pro­ble­mas que os a li­gem e quais as so­lu­ções que a dirigente já es­tá a tra­çar, com a sua equi­pa de tra­ba­lho, pa­ra os aju­dar.

Em qua­tro ho­ras e 40 mi­nu­tos, os ar­tis­tas, de di­ver­sos gé­ne­ros, al­guns re­pre­sen­ta­dos pe­las su­as as­so­ci­a­ções, dis­se­ram à mi­nis­tra o que vi­vem e são obri­ga­dos a pas­sar pa­ra con­ti­nu­ar a fa­zer da Cul­tu­ra um fac­tor de de­sen­vol­vi­men­to so­ci­al e de edu­ca­ção da so­ci­e­da­de.

Os la­men­tos vão des­de a fal­ta de con­di­ções de tra­ba­lho, em to­das as dis­ci­pli­nas ar­tís­ti­cas, à au­sên­cia de ma­te­ri­al pa­ra es­tes exer­ce­rem as su­as ac­ti­vi­da­des. Po­rém, ao lon­go do encontro dois fac­to­res cha­ma­ram a aten­ção: a mar­gi­na­li­za­ção do ar­tis­ta e a ine­xis­tên­cia de apoio ao seu tra­ba­lho.

Ca­sa, con­di­ções inan­cei­ras pa­ra sus­ten­ta­rem as su­as fa­mí­li­as, aces­so aos cré­di­tos ban­cá­ri­os e o re­co­nhe­ci­men­to da so­ci­e­da­de são, en­tre mui­tos, os prin­ci­pais apoi­os que es­tes pe­dem. Os re­pre­sen­tan­tes da União Na­ci­o­nal dos Ar­tis­tas e Com­po­si­to­res e os da As­so­ci­a­ção Pro­vin­ci­al de Te­a­tro dei­xa­ram bem cla­ras al­gu­mas des­tas idei­as. O fac­to de os ar­tis­tas não se­rem in­cluí­dos nos pro­jec­tos ha­bi­ta­ci­o­nais é al­go que pre­ten­dem ver ser su­pe­ra­do ur­gen­te­men­te.

Lu­ga­res ade­qua­dos pa­ra o exer­cí­cio da sua ac­ti­vi­da­de é o ou­tro la­men­to da mai­o­ria dos ar­tis­tas. Não im­por­ta a dis­ci­pli­na ar­tís­ti­ca, a fal­ta de pal­cos ade­qua­dos tem si­do um enor­me con­tra­tem­po pa­ra a mai­o­ria, que é obri­ga­da a adap­tar al­gu­mas sa­las, ou dis­pu­tar com ou­tros mes­mo pa­gan­do por um dia ou um inal de se­ma­na o salão da Li­ga Afri­ca­na.

Os pre­ços que têm de pa­gar pa­ra ob­ter um des­tes lo­cais, às ve­zes e qu­a­se sem­pre, não com­pen­sa o lu­cro das ven­das de bi­lhe­tes, as­sim co­mo os cres­cen­tes ca­sos de pi­ra­ta­ria têm cri­a­do um em­pe­ci­lho imen­so na me­lho­ria da ac­ti­vi­da­de mu­si­cal e o tí­mi­do mer­ca­do edi­to­ri­al tem de­sa­ce­le­ra­do a pro­du­ção li­te­rá­ria. To­dos es­tes pro­ble­mas fo­ram apre­sen­ta­dos, por 47 in­ter­ve­ni­en­tes, li­ga­dos a as­so­ci­a­ções, ou de for­ma in­di­vi­du­al.

Os pri­vi­lé­gi­os de uns tan­tos ar­tis­tas, en­quan­to a mai­o­ria con­ti­nua ou no ano­ni­ma­to, ou no es­que­ci­men­to, foi mui­to con­tes­ta­do pe­la mai­o­ria da as­sis­tên­cia, que pe­de uma re­la­ção mais in­te­rac­ti­va com a no­va di­rec­ção do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra.

Co­mo mem­bro da as­sis­tên­cia, acre­di­to que ain­da há mui­to tra­ba­lho a ser fei­to em prol da me­lho­ria da con­di­ção do ar­tis­ta, que com o seu pró­prio es­for­ço tem re­pre­sen­ta­do o no­me do país além-fron­tei­ras e ele­va­do a cul­tu­ra na­ci­o­nal no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, atra­vés de um pro­du­to que já tem con­se­gui­do con­quis­tar a crí­ti­ca e um cer­to pú­bli­co pe­la Eu­ro­pa ou até mes­mo nas Amé­ri­cas, on­de tem se im­pos­to e ho­je é até mes­mo ma­té­ria de es­tu­do em fa­cul­da­des.

De­sa ios da Clas­se

Com o ad­ven­to da Paz e a ac­tu­al aber­tu­ra do mer­ca­do, em­bo­ra ac­tu­al­men­te a cri­se eco­nó­mi­ca mundial es­te­ja a cri­ar inú­me­ros con­tra­tem­pos à ac­ti­vi­da­de ar­tís­ti­ca na­ci­o­nal, os cri­a­do­res an­go­la­nos têm me­tas tra­ça­das pa­ra me­lho­ra­rem o seu de­sem­pe­nho e fa­ze­rem um ser­vi­ço as­sen­te na qua­li­da­de do seu pro­du­to e na con­quis­ta de um mer­ca­do mais am­plo.

Du­ran­te o encontro, re­a­li­za­do no Cine Atlân­ti­co, que pe­cou ape­nas por mui­tos dos ar­tis­tas con­sa­gra­dos, em es­pe­ci­al na ca­te­go­ria de mú­si­ca não te­rem com­pa­re­ci­do, mui­tas des­tas pro­pos­tas fo­ram ou­vi­das pe­la mi­nis­tra da Cul­tu­ra, o di­rec­tor na­ci­o­nal da Ac­ção Cul­tu­ral, Vi­ei­ra Lo­pes, e o di­rec­tor pro­vin­ci­al da Cul­tu­ra, Ma­nu­el Se­bas­tião. Os pri­mei­ros a apre­sen­ta­rem as su­as pre­o­cu­pa­ções fo­ram os fa­ze­do­res de ar­tes cé­ni­cas, uma das pou­cas que acon­te­ce com re­gu­la­ri­da­de em Lu­an­da. Pa­ra es­tes, o te­a­tro, por ser fei­to to­das as se­ma­nas, re­quer um ele­va­do pa­drão de or­ga­ni­za­ção e cri­a­ti­vi­da­de, fac­tor que pas­sa pri­mei­ro pe­la for­ma­ção e de­pois por uma apos­ta mais for­te no as­so­ci­a­ti­vis­mo.

A mai­o­ria dos gru­pos de te­a­tro “lu­ta” pa­ra se im­por no mer­ca­do por mei­os pró­pri­os e so­bre­vi­ve do mes­mo jei­to. Por­tan­to, os seus fa­ze­do­res acre­di­tam que uma das so­lu­ções, além da bus­ca pe­la in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção, é a cri­a­ção de um fes­ti­val na­ci­o­nal, com pe­ri­o­di­ci­da­de re­gu­lar, as­sim co­mo a re­a­bi­li­ta­ção de sa­las con­ven­ci­o­nais co­mo o Te­a­tro Avenida, ou ou­tras exis­ten­tes nos mu­ni­cí­pi­os e bair­ros da ca­pi­tal, ac­tu­al­men­te inac­ti­vas.

A ques­tão da for­ma­ção foi ou­tro dos pon­tos quen­tes. Al­guns dos seus fa­ze­do­res de­fen­dem a cri­a­ção de par­ce­ri­as com escolas e a in­clu­são de ac­to­res nos pro­jec­tos de bol­sas de es­tu­do. O apoio inan­cei­ro da­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra tam­bém pre­ci­sa de ser mais abran­gen­te na opi­nião des­tes.

A União Na­ci­o­nal dos Ar­tis­tas e Com­po­si­to­res (UNAC) tam­bém mar­cou pre­sen­ça. Além de cha­mar a aten­ção pa­ra a di icul­da­de do ar­tis­ta no aces­so à ha­bi­ta­ção, fa­lou ain­da so­bre a im­por­tân­cia de se pres­tar mai­or aten­ção pa­ra a ques­tão da re­for­ma do ar­tis­ta, pro­ces­so ac­tu­al­men­te sus­pen­so pe­lo Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al, por fal­ta do pa­ga­men­to do Im­pos­to so­bre

Ca­ro­li­na Cer­quei­ra reu­niu com os cri­a­do­res num encontro on­de mar­ca­ram pre­sen­ça o di­rec­tor pro­vin­ci­al da Cul­tu­ra (à es­quer­da) e o da Ac­ção Cul­tu­ral (à di­rei­ta)

Ya­na Van-Dú­nem fa­lou so­bre os pro­ble­mas dos es­ti­lis­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.