O PAS­SA­DO NA CONTEMPORANEIDADE

“EX­PRES­SÕES EM PRA­TA” NO MU­SEU DA MO­E­DA

Jornal Cultura - - ECO DE ANGOLA - ADRIANO DE ME­LO

Quan­do en­tra­mos no Mu­seu da Mo­e­da,os nos­sos pri­mei­ros an itriões são vá­ri­as pe­ças de pra­ta, com de­se­nhos exu­be­ran­tes e di­fe­ren­tes, que con igu­ram a men­sa­gem de vá­ri­os cri­a­do­res an­go­la­nos so­bre o que re­pre­sen­tam os 40 anos do país e qual a im­por­tân­cia do pas­sa­do ou da tra­di­ção no mun­do mo­der­no.

On­ze é o nú­me­ro de pe­ças que a or­ga­ni­za­ção es­co­lheu pa­ra mos­trar, atra­vés de du­as ge­ra­ções de ar­tis­tas plás­ti­cos, o pa­pel da tra­di­ção na cons­tru­ção da per­so­na­li­da­de e da iden­ti­da­de na­ci­o­nal. A ex­po­si­ção, que ica aber­ta ao pú­bli­co até o pró­xi­mo dia 25, de ter­ça a do­min­go, das 9h00 às 17h00, é tam­bém um aler­ta pa­ra os pe­ri­gos da acul­tu­ra­ção e da des­va­lo­ri­za­ção das raí­zes tra­di­ci­o­nais an­go­la­nas.

Sem me­nos­pre­zar as no­vas ten­dên­ci­as do con­tem­po­râ­neo, “Ex­pres­sões em Pra­ta”, traz tam­bém uma do­se de mo­der­ni­da­de, pe­lo talento de jo­vens cri­a­do­res, que mos­tra­ram a be­le­za da di­ver­si­da­de e a apos­ta na pre­ser­va­ção e di­vul­ga­ção do le­ga­do da tra­di­ção. “Exor­tar o país pe­la ri­que­za cul­tu­ral” foi as­sim que a Pri­mei­ra-Dama da Re­pú­bli­ca, Ana Pau­la dos San­tos, con­si­de­rou a ex­po­si­ção, de­pois de a ter inau­gu­ra­do.

As pe­ças, dis­se a Pri­mei­ra-Dama, são su­ges­ti­vas e per­mi­tem aos vi­si­tan­tes ter uma ideia da sig­ni icân­cia da cri­a­ti­vi­da­de dos seus cri­a­do­res. Ana Pau­la dos San­tos elo­gi­ou tam­bém a es­co­lha te­má- ti­ca e a or­ga­ni­za­ção da ex­po­si­ção, ide­a­li­za­da pe­la CIPRO, pe­la ori­gi­na­li­da­de de ca­da uma das 11 pe­ças. “São pe­ças cri­a­das por an­go­la­nos que que­rem dar a co­nhe­cer co­mo pen­sa o país e trans­mi­tir a qu­em não o co­nhe­ce”, con­si­de­rou.

No inal, a Pri­mei­ra-Dama de­se­jou a to­dos os con­vi­da­dos um in­te­res­san­te en­con­tro com An­go­la ao lon­go de 40 anos, as­sim co­mo pe­diu um mai­or in­cen­ti­vo e apos­ta nos de­mais cri­a­do­res de ar­tes, de for­ma a te­rem a pos­si­bi­li­da­de de ex­pres­sar o seu talento.

Olhar a cri­a­ção

Pa­ra mim, “Ex­pres­sões em Pra­ta” são 40 anos da his­tó­ria de An­go­la bem jus­ti ica­dos pe­las es­cul­tu­ras ex­pos­tas, por­que co­mo par­te da ge­ra­ção de 80 con­si­go me re­ver em al­gu­mas das pe­ças, co­mo “Fo­ga­rei­ro”, de An­tó­nio Ole, por tam­bém ter si­do par­te da mi­nha vi­da e a de qual­quer um que não te­nha nas­ci­do de­pois de 2005, quan­do o “bum” tec­no­ló­gi­co co­me­çou a por nas nos­sas ca­sas os mo­der­nis­mos eléc­tri­cos.

“Maw­te”, de Eto­na, é ou­tro mo­ti­vo de pen­sa­men­to. Ao ver a es­cul­tu­ra, ape­sar do au­tor di­zer o con­trá­rio e o jus­ti icar, ico sem­pre com a sen­sa­ção de es­tar a olhar pa­ra um dos sím­bo­los de re­fe­rên­cia da cul­tu­ra an­go­la­na, o Pen­sa­dor. O cri­té­rio es­tá no olhar de qu­em for vi­si­tar a ex­po­si­ção.

A pro­pos­ta de Mas­son­gi Afon­so é o ba­tu­que, uma pe­ça cu­jo pa­pel na cul­tu­ra an­go­la­na é fun­da­men­tal até ho­je. Com tra­ços sin­gu­la­res, “Pen­san­do Cul­tu­ra”, pro­põe um elo­gio as ar­tes e a tra­di­ção ao som do ba­tu­que rít­mi­co.

Os ga­nhos da paz, a de­ter­mi­na­ção dos an­go­la­nos, a lu­ta pe­la eman­ci­pa­ção da sua cul­tu­ra pe­lo mun­do, a im­por­tân­cia da uni­da­de, os be­ne íci­os da li­ber­da­de e a ac­tu­al apos­ta no de­sen­vol­vi­men­to do país es­tão pa­ten­tes na mos­tra em pe­ças co­mo “A Vi­tó­ria é Cer­ta”, de Fi­ne­za Te­ta, “Li­ber­da­de em As­cen­são”, de Mayem­be, “An­go­la 40 Anos”, de Hel­gaGambôa. O cres­ci­men­to do país é uma das prin­ci­pais pro­pos­tas te­má­ti­cas da mai­o­ria dos ar­tis­tas con­vi­da­dos, por re­pre­sen­tar o re­nas­cer da es­pe­ran­ça, num país que du­ran­te anos so­freu de­vi­do a guer­ra ci­vil e por sé­cu­los pa­gou os da­nos da es­cra­va­tu­ra. Mpam­bu­ki­diLun idi, com “An­go­la 40 Anos”, ou M’Pan­daVi­ta, no seu “An­go­la - 40 Anos de Ebu­li­ção”, são as pro­vas des­te re­co­nhe­ci­men­to e elo­gio a paz e aos ga­nhos pro­por­ci­o­na­dos por es­tas em di­fe­ren­tes sec­to­res da so­ci­e­da­de. A di­nâ­mi­ca ac­tu­al e as mu­dan­ças e in luên­ci­as que o mo­der­nis­mo trou­xe ao país, em es­pe­ci­al nas ar­tes, es­ta de­mons­tra­da em “An­go­la, o nos­so tem­po Pró­prio”, de Mi­guel Gonçalves e na “Contemporaneidade”, de Amân­dio Vem­ba.

A gran­de­za e o pa­pel da mu­lher na His­tó­ria do país, no seu de­sen­vol­vi­men­to e na es­ta­bi­li­za­ção das fa­mí­li­as é enal­te­ci­da por Pa­trí­cia Car­do­so na es­cul­tu­ra “Mu­kem­bu”, um elo­gio e ho­me­na­gem a to­das as an­go­la­nas.

A mos­tra, que não se cir­cuns­cre­ve so­men­te a cul­tu­ra an­go­la­na, des­ta­ca tam­bém os sím­bo­los na­ci­o­nais, num cla­ro aler­ta à sua im­por­tân­cia e mai­or di­vul­ga­ção ho­je, nu­ma épo­ca em que a acul­tu­ra­ção co­me­ça a ga­nhar mais es­pa­ço.

A Pri­mei­ra-Dama da Re­pú­bli­ca, Ana Pau­la dos San­tos, inau­gu­rou a ex­po­si­ção e elo­gi­ou a cri­a­ti­vi­da­de dos ar­tis­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.