FI­EL DI­FU­SOR DOS AN­CES­TRAIS

Jornal Cultura - - ECO DE ANGOLA - ANALTINO SAN­TOS

No dia 8 de Ju­lho, sex­ta-fei­ra, o Pa­lá­cio de Fer­ro fu­giu um pou­co do sim­ples fac­to de ser pal­co e fez-se es­tei­ra de uma reu­nião so­le­ne, com a es­tre­la apre­sen­tar-se co­mo um iel di­fu­sor da men­sa­gem dos an­ces­trais por via do can­to. Ou­ve, es­te­ri­li­za no co­ra­ção e de­sa­ba­fa em mú­si­ca pa­ra uma mai­o­ria que acor­reu ao lo­cal ci­en­te e se­du­zi­da pe­la for­ma lú­di­ca e le­ve co­mo es­te in­ter­pre­ta/ar­ran­ja mi­so­so e ji­sa­bu.

Com o su­por­te da Ban­da Mo­vi­men­to, Mi­to Gas­par ini­ci­ou a ac­tu­a­ção em gran­de, não pou­pan­do ale­gri­as, ao in­ter­pre­tar o seu gran­de su­ces­so “Man Po­lé”, can­ção que nar­ra a es­tó­ria do ho­mem que apro­vei­ta­va-se das mu­lhe­res nas ce­ri­mó­ni­as fú­ne­bres.

“Ha­ve­mos de Vol­tar”, um dos mais em­ble­má­ti­cos po­e­mas de Agos­ti­nho Ne­to, me­re­ceu uma ar­ro­ja­da tradução pa­ra o kim­bun­du, dan­do va­zão ao ar­re­pi­an­te “Ha­dia Tu Vu­tu­ka”, bem re­ce­bi­do pe­lo pú­bli­co. Es­te te­ma mar­ca a tra­jec­tó­ria do ar­tis­ta, pois, no lon­gín­quo ano de 1983, fê-lo con­quis­tar o Pri­mei­ro Fes­ti­val da Can­ção. Na épo­ca fa­zia par­te do Trio Hen­da, em re­pre­sen­ta­ção da pro­vín­cia da Huí­la.

Ar­te­são de rit­mos que fun­dem a tra­di­ção à mo­der­ni­da­de, aman­te da boa con­ver­sa, can­tou “Mahe­zu” e fez uma vi­a­gem es­pi­ri­tu­al so­li­tá­ria com “Kas­se­xi”, que ex­pli­ca ser uma adap­ta­ção mo­der­na da­qui­lo que os nos­sos an­te­pas­sa­dos can­ta­vam. “Ki­bu­kaKya Mo­na” fez os es­pí­ri­tos sos­se­ga­rem, um mo­men­to mais Mi­to, ape­nas com o seu tra­di­ci­o­nal vi­o­lão e a per­cus­são ame­na de Cor­reia. “Has­sa” ain­da con ir­ma­va o mo­men­to de in­tros­pec­ção, que é , con­for­me ex­pli­cou Mi­to, uma po­de­ro­sa ora­ção de uma mãe cren­te pa­ra pro­te­ger o seu ilho da in­ve­ja das vi­zi­nhas e dos maus es­pí­ri­tos.

Agos­ti­nho Ne­to foi ou­tra vez in­vo­ca­do num kim­bun­du­du es­ta­la­di­ço em “Eme Nzam­bi­mu­e­nhu”, ori­gi­na­do do po­e­ma "Re­nún­cia Im­pos­sí­vel". “Pa­la­nhe N`go” e “Ma­na Min­ga”, te­mas do fol- clo­re de Ma­lan­ge que con­quis­ta­ram o país, cau­san­do a re­cor­ren­te ho­me­na­gem aos Nden­gues do Ko­ta Du­ro, trou­xe­ram um rit­mo mais ace­le­ra­do. Es­te exi­gen­te cul­tor do Kim­bun­du ain­da te­ve tem­po pa­ra a me­mo­rá­vel can­ção "O que se­rá”, uma mú­si­ca que mar­ca uma An­go­la des­tro­ça­da pe­la guer­ra.

Sem des­pri­mor pe­los de­mais pre­sen­tes, um ou­tro ilus­tre de Ma­lan­je (o po­e­ta Lo­pi­to Fei­jóo) al­te­rou o ali­nha­men­to mu­si­cal ao so­li­ci­tar no­va­men­te “Man Po­lé”, pa­ra de­lei­te dos pre­sen­tes e da sua es­po­sa ins­pi­ra­do­ra Ma­má Áfri­ca, que su­biu ao pal­co e abriu ca­mi­nho pa­ra dan­ça.

Ape­sar de Mi­as Ga­lhe­tas trans­por­tar o bai­xo com um gro­o­ve afri­ca­no, o bom rit­mo de Kin­ti­no, os so­los bem ins­pi­ra­dos saí­dos da gui­tar­ra de Teddy Nsin­gui, ou mes­mo as har­mo­ni­as dos te­cla­dos de Chi­co Mad­ne tra­ze­rem mar­cas da mú­si­ca tra­di­ci­o­nal, era pos­sí­vel um pou­co mais de ou­sa­dia com a in­clu­são de ins­tru­men­tos de ma­triz an­go­la­na, que bem po­de­ri­am dar um ou­tro to­que. Os tam­bo­res oci­den­tais de Cor­reia po- de­ri­am har­mo­ni­zar-se com a ma­rim­ba de um mes­tre co­mo o Tio Ma­du­ro.

O es­pec­tá­cu­lo de Mi­to Gas­par en­qua­drou-se no pro­gra­ma de ac­ti­vi­da­des mu­si­cais da III Tri­e­nal de Lu­an­da e foi an­te­ci­pa­da pe­la ac­tu­a­ção dos gru­pos Ki­tu­xi e Seus Acom­pa­nhan­tes e União Re­bi­ta. Ca­la­be­to fez o mes­mo per­cur­so e des ilou os seus su­ces­sos se­te di­as an­tes, 1 de Ju­lho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.