A

Jornal Cultura - - ARTES -

com­pa­nhar a his­tó­ria do país, a par­tir da evo­lu­ção da mo­e­da, é, des­de Maio, a no­va pro­pos­ta que a bai­xa de Lu­an­da ofe­re­ce aos seus ha­bi­tan­tes e vi­si­tan­tes, de ter­ça­fei­ra a do­min­go, das 9h00 às 17h00.

O mu­seu, vo­ca­ci­o­na­do ape­nas pa­ra a his­tó­ria e evo­lu­ção da mo­e­da em An­go­la, do pe­río­do co­lo­ni­al até aos di­as de ho­je, tem si­do, nes­tes pri­mei­ros me­ses um “pon­to co­mum” da mai­o­ria dos lu­an­den­ses, ávi­dos de co­nhe­ci­men­tos e cu­ri­o­si­da­de. É mui­to usu­al pa­ra qual­quer vi­si­tan­te ver mui­tas cri­an­ças no re­cin­to, acom­pa­nha­das pe­los pais, ou um en­car­re­ga­do de edu­ca­ção, uma prá­ti­ca que se ti­nha re­du­zi­do bas­tan­te nos úl­ti­mos anos, de­vi­do, em par­te, à di­nâ­mi­ca da vi­da, on­de o tem­po é um fac­tor cru­ci­al.

Ac­tu­al­men­te, lo­go à en­tra­da do mu­seu, com uma es­tru­tu­ra ar­qui­tec­tó­ni­ca mui­to di­fe­ren­te das de­mais ins­ti­tui­ções do gé­ne­ro, es­tá a ex­po­si­ção “Ex­pres­sões de Pra­ta”, em re­gi­me tem­po­rá­rio.

Mas ao vi­rar à es­quer­da, co­me­ça­mos por en­trar no mun­do da mo­e­da, es­te vil me­tal, que du­ran­te anos de iniu o des­ti­no de ci­vi­li­za­ções e cons­truiu Na­ções. A his­tó­ria co­me­ça pe­la Ma­cu­ta e Reis e pas­sa pe­lo Cen­ta­vo, Es­cu­do e o An­go­lar até che­gar ao Kwan­za.

Num per­cur­so, que po­de ser fei­to em mi­nu­tos ou ho­ras, os vi­si­tan­tes têm a pos­si­bi­li­da­de de co­nhe­cer as mu­dan­ças que ocor­re­ram no di­nhei­ro usa­do no país ao lon­go de anos. Se nas pri­mei­ras no­tas e mo­e­das ve­mos vá­ri­os sím­bo­los e lí­de­res por­tu­gue­ses, im­pres­sas sob ori­en­ta­ções do Ban­co Na­ci­o­nal Ul­tra­ma­ri­no, pa­ra a en­tão Pro­vín­cia de An­go­la, de­pois te­mos o Kwan­za, o sím­bo­lo má­xi­mo de um po­vo li­ber­ta­do, im­pres­so já pe­lo Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la.

A ca­da no­ta do kwan­za tam­bém te­mos um re­gis­to da pró­pria His­tó­ria do país. As no­tas tra­zi­am de­se­nhos so­bre vá­ri­os as­sun­tos, to­dos li­ga­dos aos ob­jec­ti­vos do país na épo­ca. O in­cen­ti­vo à lu­ta pe­la paz, a apos­ta na edu­ca­ção, ou o pe­tró­leo, co­mo uma das ri­que­zas do país, as­sim co­mo o al­go­dão, eram par­te das no­tas. A ex­po­si­ção per­ma­nen­te in­clui tam­bém al­guns sím­bo­los e pro­du­tos que eram usa­dos, an­tes das mo­e­das e no­tas nas tro­cas co­mer­ci­ais, co­mo o sal ou o zim­bo, as­sim co­mo ar­te­fac­tos guar­da­dos, ao lon­go de anos, pe­lo Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la, co­mo par­te do seu acer­vo.

Ape­sar de al­guns jo­vens usa­rem o lo­cal mais pa­ra fa­zer fo­tos su­as (“sel ies”), uma boa par­te ain­da vai pa­ra lá cheia de cu­ri­o­si­da­de em en­ten­der o que vêm. O mo­der­nis­mo, tí­pi­co de um mu­seu con­tem­po­râ­neo, es­tá bem pa­ten­te no lo­cal.

Cla­ro que pa­ra pre­ve­nir qual­quer da­no, a di­rec­ção do mu­seu cri­ou re­gras pa­ra pro­te­ger o pa­tri­mó­nio ali pa­ten­te. Uma das re­gras é a proi­bi­ção do uso de lash du­ran­te as fo­tos. A equi­pa de se­gu­ran­ça mon­ta­da no lo­cal es­tá lá pa­ra fa­zer cum­prir ca­da re­gu­la­men­to, de for­ma a pre­ser­var o pa­tri­mó­nio, no âm­bi­to de um am­plo pro­jec­to na­ci­o­nal de va­lo­ri­za­ção da he­ran­ça his­tó­ri­ca e cul­tu­ral do país.

A in­fra-es­tru­tu­ra, que é uma ini­ci­a­ti­va do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la e co­me­çou a ser cons­truí­da em Ja­nei­ro de 2013, ho­je é uma re­fe­rên­cia da bai­xa de Lu­an­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.