AR­TES CO­NE­XÕES MÚL­TI­PLAS NO ES­PA­ÇO PRI­VA­DO

CO­NE­XÕES MÚL­TI­PLAS NO ES­PA­ÇO PRI­VA­DO

Jornal Cultura - - PRIMERA PAGINA -

Inau­gu­ra­da no dia 11 de Ju­lho e aber­ta ao pú­bli­co até ao dia 26 de Agos­to, na ga­le­ria do edi ício Se­de do Ban­co Eco­nó­mi­co, es­tá uma ex­po­si­ção co­lec­ti­va das ar­tis­tas Ana Sil­va, Keye­zua e Ri­ta GT, sob a de­sig­na­ção de Co­ne­xões Fe­mi­ni­nas.

Ex­plo­ran­do a no­ção de iden­ti­da­de fe­mi­ni­na no es­pa­ço pri­va­do e no con­tex­to mul­ti­cul­tu­ral e in­ter­cul­tu­ral atra­vés do ob­jec­to de ar­te, tor­na-se par­te de um pro­ces­so de diá­lo­go num en­qua­dra­men­to mais alar­ga­do de de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no, his­tó­ri­co e cul­tu­ral. Po­de­mos fa­lar de Mul­ti­cul­tu­ra­li­da­de por­que tra­ta de di­fe­ren­tes cul­tu­ras que co­a­bi­tam no mes­mo es­pa­ço, e de in­ter­cul­tu­ra­li­da­de por­que ca­da uma de­las tem in­clu­so o re­sul­ta­do de vá­ri­as cul­tu­ras ad­qui­ri­das pe­las ex­pe­ri­ên­ci­as e vi­vên­ci­as de ca­da um.

Pa­ra a curadora Só­nia Ri­bei­ro “não se tra­ta de fa­lar de fe­mi­nis­mo mas do olhar fe­mi­ni­no e do re­sul­ta­do da in­te­rac­ção des­tas ar­tis­tas acer­ca das no- ções de iden­ti­da­de, me­mó­ria, his­tó­ria, tra­di­ção e mo­der­ni­da­de num con­tex­to es­pe­cí ico, in­ti­mis­ta mas glo­bal ao mes­mo tem­po.

A no­ção de glo­ba­li­za­ção no con­tex­to do pós-mo­der­nis­mo tem im­pli­ca­ções de na­tu­re­za an­tro­po­ló­gi­ca. De ini­do co­mo “as ca­rac­te­rís­ti­cas de na­tu­re­za só­cio-cul­tu­ral e es­té­ti­ca, que mar­cam o ca­pi­ta­lis­mo da era con­tem­po­râ­nea” o Pós-mo­der­nis­mo co­lo­ca a re le­xão nu­ma épo­ca em que (co)ha­bi­ta­mos num uni­ver­so ima­gé­ti­co, re­ple­to de sig­nos, íco­nes, ruí­dos vi­su­ais –fan­ta­sia - em de­tri­men­to dos ob­jec­tos e por ve­zes da ex­pe­ri­ên­cia (re­al). Pro­pos­tos pe­la tec­no­lo­gia e pe­la ne­ces­si­da­de de cri­ar a ilu­são, com­ple­tar o va­zio, a si­mu­la­ção subs­ti­tui a re­a­li­da­de e en­tra mui­tas ve­zes em co­li­são on­de o in­di­vi­du­al pre­do­mi­na so­bre o co­lec­ti­vo.

Ao mes­mo tem­po que a glo­ba­li­za­ção e a tec­no­lo­gia po­dem es­ba­ter es­sa dis­tân­cia co­mo es­pa­ço de co­mu­ni­ca­ção en­tre cul­tu­ras, co­lo­cam-se no ca­mi­nho di­fe­ren­tes ques­tões e sus­ci­tam-se no­vos dis­cur­sos. Re lec­tir so­bre es­te pro­ces­so sob o pon­to de vis­ta fe­mi­ni­no e em Áfri­ca le­va-nos a re­pen­sar acer­ca da apro­pri­a­ção cul­tu­ral e téc­ni­ca, não co­mo um pro­ces­so his­tó­ri­co de co­lo­ni­za­dor / co­lo­ni­za­do mas a re­pen­sar na mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma que per­mi­te con­si­de­rar o ob­je­to não co­mo uma en­ti­da­de ísi­ca aca­ba­da, ina­li­za­da, mas sim co­mo uma cons­tru­ção so­ci­o­téc­ni­ca – “A apro­pri­a­ção ques­ti­o­na as­sim não so­men­te o des­fa­sa­men­to en­tre o pres­cri­to e o efec­ti­vo (adap­ta­ção), obri­gan­do a pen­sar os pro­ces­sos in­ter­mé­di­os que são as for­mas de se aper­ce­ber e en­ten­der o pres­cri­to e as for­mas de ac­tu­ar, de vi­ver com eles em con­tex­tos par­ti­cu­la­res (apro­pri­a­ção)”.

A vi­a­gem in­di­vi­du­al de ca­da uma das ar­tis­tas é co­lo­ca­da num es­pa­ço seu, in­ti­mo mas em per­ma­nen­te di­a­lo­go num es­pa­ço en­tre es­pa­ços, por ve­zes em con­fron­to com o ou­tro, no qual o to­do é mai­or do que a so­ma das par­tes.”

Ri­ta GT

Keye­zua

Ana Sil­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.