AS LÍN­GUAS O PA­TRI­MÓ­NIO LI­TE­RÁ­RIO E O RE­NAS­CI­MEN­TO AFRI­CA­NO

Jornal Cultura - - EDITORIAL -

Na sua ode triun­fal A Voz Igual, o po­e­ta Agos­ti­nho Ne­to an­te­vi­ra “Um ama­nhe­cer vi­tal/ ago­ra cons­truin­do a nos­sa pá­tria/ fa­lan­do nas nos­sas lín­guas a tra­di­ção da nos­sa ter­ra/ Re­en­con­trar a Áfri­ca no sor­ri­so/ na con­sa­gra­ção da sa­be­do­ria e da paz/ o amor à cul­tu­ra à in­ves­ti­ga­ção à cri­a­ção/ à ex­pli­ca­ção do cos­mos/ a for­ma e o âma­go/ do es­ti­lo afri­ca­no de vi­da/ e en­trar no con­cer­to har­mo­ni­o­so do uni­ver­sal/ dig­no e li­vre/ po­vo in­de­pen­den­te com voz igual.” A fun­da­ção da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras ( AAL), no pas­sa­do dia 15 de Se­tem­bro de 2016, em Lu­an­da, no Me­mo­ri­al Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, re­ti­ra des­tes ver­sos a sua me­tá­fo­ra his­tó­ri­co-cul­tu­ral.

Na li­nha do per­cur­so de vi­da da na­ção an­go­la­na, a AAL apa­re­ce num mo­men­to cru­ci­al de gran­des ex­pec­ta­ti­vas e de­sa ios so­ci­ais, po­lí­ti­cos, eco­nó­mi­cos e cul­tu­rais. A cri­se eco­nó­mi­co- inan­cei­ra co­lo­ca às ins­ti­tui­ções nas­cen­tes co­mo a AAL o di­le­ma de co­mo se tor­nar ma­te­ri­al­men­te vi­sí­vel, num tem­po de es­cas­sos me­ce­nas.

A Glo­ba­li­za­ção dos nos­sos di­as re­sul­ta do fas­cí­nio que os paí­ses da pe­ri­fe­ria nu­trem pe­lo bri­lho da ci­vi­li­za­ção oci­den­tal: des­de a an­glo­fo­ni­za­ção das gran­des ur­bes, à ame­ri­ca­ni­za­ção mu­si­cal, ou ao pró­prio uso da téc­ni­ca mais avan­ça­da que nos vem de fo­ra, tu­do con­cor­re pa­ra um “es­que­ci­men­to” de quem so­mos.

O fe­nó­me­no da mo­ne­ta­ri­za­ção do pen­sa­men­to e do “ho­mo me­di­a­ti­cus”, re­sul­tan­tes do li­be­ra­lis­mo eco­nó­mi­co e da pro­li­fe­ra­ção do an­drói­de, vem lan­çan­do por ter­ra os no­bres va­lo­res da ele­va­ção cul­tu­ral e ci­en­tí ica do in­di­ví­duo, pa­ra os quais o li­vro con­tri­buiu ao lon­go da His­tó­ria da Hu­ma­ni­da­de.

Qua­ren­ta e um anos de­pois da In­de­pen­dên­cia de An­go­la, e ca­tor­ze anos de­cor­ri­dos des­de o im da gu­er­ra que du­rou 27 anos, apa­re­ce a AAL com o “com­pro­mis­so se­cu­lar de tra­ba­lhar pa­ra a dig­ni ica­ção das Lín­guas Na­ci­o­nais, da Li­te­ra­tu­ra e dos Es­tu­dos So­ci­ais Na­ci­o­nais, hon­ran­do o gé­nio cri­a­dor e in­ven­ti­vo do Ho­mem An­go­la­no, e ba­se­a­dos na bri­lhan­te tra­di­ção das ge­ra­ções pre­ce­den­tes”. Es­tá aqui plas­ma­do o prin­cí­pio da va­lo­ri­za­ção do le­ga­do li­te­rá­rio das mu­lhe­res e ho­mens da pe­na, en­saís­tas e his­to­ri­a­do­res da li­te­ra­tu­ra que é ho­je um pa­tri­mó­nio ma­te­ri­al e ima­te­ri­al in­cal­cu­lá­vel em per­ma­nen­te cons­tru­ção, e do qual boa par­te se en­con­tra guar­da­da fo­ra de por­tas.

O seu im so­ci­al, que pas­sa pe­lo es­tu­do e a in­ves­ti­ga­ção da li­te­ra­tu­ra an­go­la­na, da lín­gua por­tu­gue­sa, das lín­guas na­ci­o­nais e das dis­ci­pli­nas cor­re­la­tas, re­pre­sen­ta um com­pro­mis­so mui­to par­ti­cu­lar pa­ra com a pro­mo­ção das lín­guas.

Ao as­su­mir-se co­mo es­pa­ço “de re­no­va­ção, pro­jec­ção e con­so­li­da­ção do nos­so des­ti­no e ima­gi­ná­rio co­lec­ti­vos – A ANGOLANIDADE”, a AAL pug­na, tal co­mo vem des­cri­to na Car­ta do Re­nas­ci­men­to Cul­tu­ral Afri­ca­no, pe­la “ex­pres­são dos va­lo­res afri­ca­nos e a con­tri­bui­ção da Áfri­ca e da Diás­po­ra afri­ca­na na cons­tru­ção de uma ci­vi­li­za­ção uni­ver­sal.”

O jor­nal Cul­tu­ra, que tem es­tes três pi­la­res fun­da­ci­o­nais da AAL ins­cri­tos na sua li­nha edi­to­ri­al, re­go­zi­ja-se pe­la cri­a­ção des­ta no­bre ins­ti­tui­ção cul­tu­ral e au­gu­ra-lhe uma vi­da lon­ga, ex­ten­si­va a to­dos os seus mem­bros.

JO­SÉ LUÍS MENDONÇA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.