DIS­CUR­SO DA MI­NIS­TRA DA CUL­TU­RA NA CERIMÓNIA DE PROCLAMAÇÃO DA ACA­DE­MIA AN­GO­LA­NA DE LE­TRAS

(Lu­an­da, 15 de Se­tem­bro de 2016)

Jornal Cultura - - PROCLAMAÇÃO -

Ex­ce­lên­cia, Sr. Pre­si­den­te da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras, Dig­nos mem­bros da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras, Ilus­tres De­pu­ta­dos, Ca­ros Mem­bros do Exe­cu­ti­vo an­go­la­no, Se­nho­res Em­bai­xa­do­res, Mi­nhas Se­nho­ras e meus Se­nho­res,

Foi com enor­me pra­zer que acei­tei o con­vi­te pa­ra pro­fe­rir al­gu­mas pa­la­vras no ac­to de proclamação da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras, que mar­ca ao mes­mo tem­po a to­ma­da de pos­se dos seus pri­mei­ros ór­gãos so­ci­ais.

O pra­zer e a hon­ra são ain­da mai­o­res, por­que se tra­ta da pri­mei­ra Aca­de­mia An­go­la­na, en­quan­to as­so­ci­a­ção que reú­ne in­te­lec­tu­ais de ele­va­do ga­ba­ri­to – nes­te ca­so, re­pre­sen­tan­do as Le­tras an­go­la­nas.

Tra­ta-se de um re­du­zi­do gru­po de in­te­lec­tu­ais (ape­nas 43), in­di­gi­ta­dos pa­ra aqui re­pre­sen­ta­rem a Li­te­ra­tu­ra e os Es­tu­dos So­ci­ais an­go­la­nos. São pes­so­as de re­co­nhe­ci­do mé­ri­to, in­te­lec­tu­ais de cra­vei­ra, que pa­ra além de pos­suí­rem obra pu­bli­ca­da, es­sa mes­ma obra é es­tu­da­da em con­cei­tu­a­das uni­ver­si­da­des do nos­so país e do es­tran­gei­ro.

E es­tão tam­bém in­cluí­dos em An­to­lo­gi­as e ou­tros tra­ba­lhos co­lec­ti­vos, que são es­tu­da­dos em vá­ri­as par­tes do mundo.

Gra­ças a vós, An­go­la pas­sa a par­tir de ho­je a om­bre­ar com ou­tros paí­ses, pos­suin­do uma Aca­de­mia de Le­tras que se vai ocu­par da di­fu­são das Le­tras An­go­la­nas, den­tro e fo­ra de por­tas.

A re­cém-pro­cla­ma­da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras sur­ge na sequên­cia da ins­ti­tui­ção, a 10 de De­zem­bro de 1975, da União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos, e do cres­ci­men­to dos Es­tu­dos So­ci­ais An­go­la­nos, gra­ças ao im­pul­so da­do pe­los su­ces­si­vos go­ver­nos ao Ensino Superior e à In­ves­ti­ga­ção Ci­en­tí ica, após a proclamação da in­de­pen­dên­cia do nos­so país.

Mas a no­vel Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras pos­sui uma tra­di­ção aca­dé­mi­ca, jor­na­lís­ti­ca e li­te­rá­ria an­ti­ga, cu­jas ori­gens re­mon­tam a me­a­dos do sé­cu­lo XIX. Co­mo per­cur­so­res e im­pul­si­o­na­do­res da Li­te­ra­tu­ra An­go­la­na e dos Es­tu­dos So­ci­ais An­go­la­nos, po­de­mos men­ci­o­nar os no­mes de Jo­sé de Fon­tes Pe­rei­ra e Jo­a­quim Di­as Cordeiro da Mat­ta, os de An­tó­nio de As­sis Jú­ni­or, Ar­sé­nio do Car­po, Fran­cis­co das Ne­ces­si­da­des Ri­bei­ro Cas­tel­bran­co, Ma­nu­el Al­ves de Cas­tro Fran­ci­na, Pedro da Pai­xão Fran­co e Pedro Fé­lix Ma­cha­do, bem co­mo Agos­ti­nho Ne­to, An­tó­nio Ja­cin­to, Má­rio An­tó­nio Fer­nan­des de Oli­vei­ra, Má­rio Pinto de An­dra­de e Vi­ri­a­to da Cruz.

A re­sis­tên­cia à co­lo­ni­za­ção e a ne­ces­si­da­de de re­tor­no aos va­lo­res da Cul­tu­ra Afri­ca­na mar­ca­ram por mais de um sé­cu­lo, quer a Li­te­ra­tu­ra, quer os Es­tu­dos So­ci­ais An­go­la­nos. A pre­ser­va­ção es­cri­ta das lín­guas na­ci­o­nais ocor­re des­de lon­ga da­ta, as­si­na­lan­do-se a pu­bli­ca­ção dos “Ele­men­tos Gra­ma­ti­cais da Lín­gua Mbun­du” no ano de 1864, pa­ra além de uma sé­rie de tex­tos em lín­gua na­ci­o­nal, pu­bli­ca­dos em jor­nais.

A Li­te­ra­tu­ra An­go­la­na e os Es­tu­dos So­ci­ais An­go­la­nos mar­ca­ram tam­bém a sua pre­sen­ça in­de­lé­vel no pe­río­do de lu­ta ar­ma­da de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal. Es­sa con­tri­bui­ção tem a ver não ape­nas com a li­ber­ta­ção do ju­go co­lo­ni­al, mas tam­bém com a união dos an­go­la­nos no qua­dro des­sa mes­ma lu­ta pe­la ob­ten­ção da au­to-de­ter­mi­na­ção e da in­de­pen­dên­cia po­lí­ti­ca. A con­tri­bui­ção des­sas áre­as tem ain­da mai­or va­lor, se con­si­de­rar­mos a im­por­tân­cia des­tes dois vec­to­res no qua­dro da ma­te­ri­a­li­za­ção do ide­al na­ci­o­na­lis­ta de con­so­li­da­ção da Na­ção An­go­la­na.

Ca­ros Mem­bros da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras, Dis­tin­tos con­vi­da­dos,

A tra­di­ção das Aca­de­mi­as de Le­tras re­mon­ta ao sé­cu­lo XVII, com a cri­a­ção da Aca­dé­mie Fran­çai­se, no ano de 1635. A mais an­ti­ga Aca­de­mia de Le­tras do mundo pos­sui 40 mem­bros, co­nhe­ci­dos pe­las de­sig­na­ções “Os Qua­ren­ta” ou “Os Imor­tais”.

A Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras vai cer­ta­men­te re­cor­rer à tra­di­ção das su­as con­gé­ne­res es­pa­lha­das pe­lo mundo, fa­zen­do juz à im­por­tan­te pre­sen­ça des­te nos­so gru­po res­tri­to de in­te­lec­tu­ais (o “Gru­po dos 43”) na aná­li­se dos fe­nó­me­nos so­ci­ais e das ques­tões li­ga­das à Cul­tu­ra, à Li­te­ra­tu­ra, à Lin­guís­ti­ca e às Ar­tes an­go­la­nas.

Ca­ros Mem­bros da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras,

Te­nho ple­na cons­ci­ên­cia dos enor­mes de­sa ios que ten­des pe­la fren­te, en­quan­to in­te­lec­tu­ais li­ga­dos às Le­tras An­go­la­nas. Ape­sar dis­so, pre­ten­do apre­sen­tar-vos al­gu­mas su­ges­tões que nos in­qui­e­tam, en­quan­to Es­ta­do e en­quan­to Sociedade an­go­la­nos.

O fac­tor cul­tu­ral é fun­da­men­tal, quan­do nos re­fe­ri­mos à Angolanidade. Por is­so, o pri­mei­ro de­sa io que aqui vos dei­xo tem a ver exac­ta­men­te com a iden­ti ica­ção (pa­ra pos­te­ri­or pre­ser­va­ção) da­que­las ca­rac­te­rís­ti­cas que fa­zem de nós se­res hu­ma­nos, mas que nos co­lo­cam em Áfri­ca e, mais ain­da, que fa­zem de nós An­go­la­nos. Se­rá de­ter­mi­nan­te a vos­sa con­tri­bui­ção pa­ra de ini­ção dos con­tor­nos da Angolanidade e pa­ra en­con­trar­mos to­dos em con­jun­to os pas­sos que con­du­zi­rão à real con­so­li­da­ção da Na­ção An­go­la­na.

Em se­gun­do lu­gar, gos­ta­ria de dei­xar con­vos­co o im­por­tan­te de­sa io da con­tri­bui­ção pa­ra sal­va­guar­da dos va­lo­res morais, num mo­men­to em que re­gis­ta­mos a sua que­bra acen­tu­a­da e pre­ci­sa­mos por is­so de re lec­tir acer­ca do ru­mo a to­mar no pro­ces­so edu­ca­ti­vo e no pro­ces­so de so­ci­a­li­za­ção que as fa­mí­li­as de­vem con­ti­nu­ar a li­de­rar.

Um ter­cei­ro de­sa io tem a ver com a in­tro­du­ção das Lín­guas Na­ci­o­nais no sis­te­ma de edu­ca­ção e ensino, que o Exe­cu­ti­vo an­go­la­no co­me­çou já a im­ple­men­tar e os in­te­lec­tu­ais são cha­ma­dos a con­tri­buir nes­sa di­rec­ção. Co­mo se sa­be, os re­sul­ta­dos são mais ani­ma­do­res quan­do as cri­an­ças têm aces­so à edu­ca­ção na sua lín­gua ma­ter­na.

Não pos­so dei­xar de men­ci­o­nar um quar­to im­por­tan­te de­sa io, na sequên­cia da tra­di­ção da Aca­dé­mie Fran­çai­se.

Re iro-me à ne­ces­si­da­de que te­mos de ela­bo­rar o Pa­drão An­go­la­no da Lín­gua Por­tu­gue­sa , pe­lo que a Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras pode con­tri­buir ac­ti­va­men­te pa­ra a de ini­ção da gra­má­ti­ca e do lé­xi­co do Pa­drão An­go­la­no da Lín­gua Por­tu­gue­sa.

São qua­tro im­por­tan­tes de­sa ios, que po­deis cer­ta­men­te agen­dar no vos­so pro­gra­ma de tra­ba­lhos.

Ca­ros Mem­bros da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras,

Gos­ta­ria de su­bli­nhar aqui o fac­to de a proclamação da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras ocor­rer exac­ta­men­te no Dia In­ter­na­ci­o­nal da De­mo­cra­cia, que es­te ano se ce­le­bra se­gun­do o le­ma “For­ta­le­cer a De­mo­cra­cia é con­di­ção es­sen­ci­al pa­ra al­can­çar o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel até 2030”.

É in­dis­cu­tí­vel o pa­pel das Le­tras An­go­la­nas na pro­mo­ção e pre­ser­va­ção das con­quis­tas de­mo­crá­ti­cas. Os mem­bros des­ta Aca­de­mia po­dem con­tri­buir pa­ra o pro­ces­so de de­mo­cra­ti­za­ção em cur­so no nos­so país, fa­zen­do ou­vir a sua voz em prol das po­lí­ti­cas pú­bli­cas de in­clu­são so­ci­al e na mo­bi­li­za­ção dos ci­da­dãos pa­ra a ac­ção cí­vi­ca.

En­quan­to par­cei­ra do Exe­cu­ti­vo an­go­la­no, a Aca­de­mia de­ve­rá ser mais um lo­cal de debate acer­ca da par­ti­ci­pa­ção dos ci­da­dãos na con­cep­ção e exe­cu­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas, bem co­mo da sua con­tri­bui­ção pa­ra a me­lho­ria das con­di­ções de vi­da e de tra­ba­lho dos an­go­la­nos.

Ca­ros Mem­bros da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras, Dis­tin­tos con­vi­da­dos,

Foi com in­con­ti­da emo­ção que to­má­mos co­nhe­ci­men­to da in­di­gi­ta­ção do Dr. An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to co­mo Pa­tro­no da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras. Pa­ra além de ter si­do quem pro­cla­mou a in­de­pen­dên­cia do nos­so país, en­quan­to Pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la, tra­ta-se re­al­men­te de uma igu­ra ím­par nas Le­tras An­go­la­nas, que dei­xou obra li­te­rá­ria e am­plas re le­xões acer­ca da Sociedade e da Cul­tu­ra an­go­la­nas.

Es­tou con­ven­ci­da que o “Gru­po dos 43” sa­be­rá hon­rar a me­mó­ria dos per­cur­so­res e im­pul­si­o­na­do­res da Li­te­ra­tu­ra An­go­la­na e dos Es­tu­dos Li­te­rá­ri­os An­go­la­nos, bem co­mo a me­mó­ria do Pa­tro­no da Aca­de­mia.

Da par­te que nos to­ca, pos­so ga­ran­tir o apoio ins­ti­tu­ci­o­nal que o Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra pres­ta­rá à Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras.

Ho­je, 15 de Se­tem­bro dia In­ter­na­ci­o­nal gos­ta­ría­mos de res­sal­tar que aos in­te­lec­tu­ais que se reú­nem nes­ta Aca­de­mia ca­be igual­men­te o de­ver de fa­zer ou­vir as su­as vo­zes pa­ra mo­bi­li­zar os ci­da­dãos pa­ra o re­for­ço da de­mo­cra­cia e ga­ran­tir o pro­gres­so de me sociedade in­clu­si­va pros­pe­ra e so­ci­al­men­te jus­ta.

Ca­ros Mem­bros da Aca­de­mia,

O Exe­cu­ti­vo an­go­la­no li­de­ra por Sua Ex­ce­lên­cia Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de An­go­la con­gra­tu­la-se com a proclamação da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras e au­gu­ra os mai­o­res su­ces­sos a es­ta as­so­ci­a­ção, que reú­ne al­guns dos no­mes mais so­nan­tes da in­te­lec­tu­a­li­da­de an­go­la­na con­tem­po­râ­nea. Bem ha­ja a Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras. Mui­to obri­ga­da.

Ca­ro­li­na Cer­quei­ra dis­cur­san­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.