DIS­CUR­SO DO PRE­SI­DEN­TE DA ACA­DE­MIA AN­GO­LA­NA DE LE­TRAS BO­A­VEN­TU­RA CAR­DO­SO

Jornal Cultura - - PROCLAMAÇÃO -

Ex­ce­lên­ci­as,

Vi­mos ho­je aqui tes­te­mu­nhar a proclamação da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras. A es­co­lha des­te mês e des­te em­ble­má­ti­co mo­nu­men­to co­mo lo­cal da fun­da­ção des­ta ins­ti­tui­ção não foi fru­to do aca­so. Foi, de­li­be­ra­da­men­te, uma clara in­ten­ção de lem­brar e evo­car Agos­ti­nho Ne­to, fun­da­dor da Na­ção An­go­la­na, pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la e in­sig­ne ho­mem das le­tras an­go­la­nas.

Re­cor­dar NE­TO é, ne­ces­sa­ri­a­men­te, evo­car par­te sig­ni ica­ti­va da his­tó­ria re­cen­te do po­vo an­go­la­no, pois a vi­da do po­e­ta con­fun­de-se com a do po­lí­ti­co e do es­ta­dis­ta.

Evo­car NE­TO é, im­pli­ci­ta­men­te, fa­lar da ges­ta que foi a lu­ta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal e de to­dos quan­tos com ele tri­lha­ram os si­nu­o­sos ca­mi­nhos que nos con­du­zi­ram à In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal.

Ho­me­na­ge­ar NE­TO é fa­lar do uni­ver­sa­lis­mo do seu per­cur­so co­mo po­lí­ti­co e da sua obra co­mo ho­mem de cul­tu­ra. No seu pen­sa­men­to e obra fa­cil­men­te apre­en­de­mos que ele foi um ho­mem não só pre­o­cu­pa­do com o fu­tu­ro do seu po­vo, co­mo tam­bém com o mundo.

Des­te mo­do, co­mo ho­me­na­gem à sua ele­va­da dis­tin­ção co­mo es­cri­tor e ho­mem de cul­tu­ra, os Mem­bros Fun­da­do­res da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras de­ci­di­ram plas­mar no seu Es­ta­tu­to que An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to é o seu Pa­tro­no, ao qual é atri­buí­da a Ca­dei­ra Per­pé­tua N. 1.

Ex­ce­lên­ci­as, Ilus­tres Con­vi­da­dos,

A 10 de De­zem­bro de 1975, uma plêi­a­de de es­cri­to­res an­go­la­nos, li­de­ra­dos por Agos­ti­nho Ne­to, de­cla­ra­va cons­ti­tuí­da a pri­mei­ra as­so­ci­a­ção cul­tu­ral após a proclamação da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal - a União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos. De­cor­ri­dos qua­ren­ta anos, a Li­te­ra­tu­ra An­go­la­na é, ho­je, uma re­fe­rên­cia in­con­tor­ná­vel do per­cur­so glo­ri­o­so da Na­ção An­go­la­na.

Os es­cri­to­res, co­mo é con­sa­bi­do, nar­ra­ti­vi­zam a Na­ção, dan­do sen­ti­do ao pro­jec­to da sua cons­tru­ção sim­bó­li­ca. Com as su­as obras, os es­cri­to­res con­ce­bem, re­con igu­ram e ac­tu­a­li­zam cons­tan­te­men­te a ideia de pá­tria e de na­ção.

On­tem, fo­ram os es­cri­to­res os im­pul­si­o­na­do­res de uma cer­ta cons­ci­ên­cia na­ci­o­na­lis­ta, ape­sar do con­tex­to co­lo­ni­al que pre­do­mi­na­va na an­ti­ga pro­vín­cia ul­tra­ma­ri­na. Fo­ram eles que, mes­mo sa­ben­do que a uto­pia era inal­can­çá­vel, agi­ram co­mo se tal fos­se his­to­ri­ca­men­te pos­sí­vel. Ho­je, os es­cri­to­res con­ti­nu­am a cons­truir uma Na­ção li­te­rá­ria, em de­man­da de uma Na­ção em pro­ces­so de cri­a­ção, mes­mo que às ve­zes tal pos­sa não pa­re­cer tão evi­den­te e li­ne­ar. É que a li­te­ra­tu­ra nem sem­pre se con­for­ma com a vi­da; às ve­zes, ou se atra­sa ou se avan­ça em re­la­ção à re­a­li­da­de so­ci­al, po­lí­ti­ca e his­tó­ri­ca em que es­ta­mos an­co­ra­dos; às ve­zes - di­ría­mos mes­mo mui­tas ve­zes – a re­a­li­da­de do es­cri­tor pode dis­sen­tir da re­a­li­da­de em que es­ta­mos in­se­ri­dos.

De qual­quer mo­do, nun­ca a li­te­ra­tu­ra se­rá có­pia iel da re­a­li­da­de, por­que es- se nun­ca foi, aliás, o seu pro­pó­si­to. Se­ja co­mo for, os es­cri­to­res an­go­la­nos re­co­nhe­cem-se e iden­ti icam-se pe­la sua ma­triz cul­tu­ral, nu­ma pa­la­vra, pe­la sua angolanidade, re­le­van­do, é cla­ro, que mes­mo es­sa tem a sua di­nâ­mi­ca in­ter­na ca­rac­te­ri­za­da pe­la di­ver­si­da­de cul­tu­ral. Por ou­tras pa­la­vras, a angolanidade li­te­rá­ria não de­ve con li­tu­ar com os di­ver­sos mo­dos de ser e de es­tar dos an­go­la­nos, en­quan­to ilhos de uma mes­ma Pá­tria e Na­ção em cons­tru­ção.

Nos nos­sos di­as, An­go­la é pro­jec­ta­da a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal não só pe­las su­as re­a­li­za­ções nos cam­pos po­lí­ti­co, eco­nó­mi­co e so­ci­al, co­mo tam­bém pe­lo al­to ní­vel es­té­ti­co e li­te­rá­rio das obras dos seus es­cri­to­res. São dis­so pro­va bas­tan­te o nú­me­ro de es­tu­dos so­bre a Li­te­ra­tu­ra An­go­la­na, em te­ses de li­cen­ci­a­tu­ra, de pós-gra­du­a­ção, de mes­tra­do e de dou­to­ra­men­to, em re­no­ma­das e pres­ti­gi­a­das uni­ver­si­da­des no mundo. Dei­xa­mos aqui, a es­se pro­pó­si­to, o nos­so prei­to e ho­me­na­gem a al­guns dos mais des­ta­ca­dos pi­o­nei­ros de es­tu­dos so­bre a nos­sa es­cri­ta li­te­rá­ria, no­me­a­da­men­te, os an­go­la­nos Car­los Er­ve­do­sa e Má­rio An­tó­nio Fer­nan­des de Oli­vei­ra; os por­tu­gue­ses Ma­nu­el Ferreira e Al­fre­do Mar­ga­ri­do; a bra­si­lei­ra Maria Apa­re­ci­da San­til­li; os nor­te-americanos Ge­rald Mo­ser e Rus­sel Ha­mil­ton, e os fran­ce­ses Je­an - Mi­chel Mas­sa e Mi­chel La­ban.

Or­ques­tra KAPOSSOKA

Bo­a­ven­tu­ra Car­do­so, PCA da AAL

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.