INS­TI­TU­TO IN­TER­NA­CI­O­NAL DA LÍN­GUA POR­TU­GUE­SA ABER­TO À CO­O­PE­RA­ÇÃO COM A ACA­DE­MIA AN­GO­LA­NA DE LE­TRAS

Jornal Cultura - - MENSAGENS -

Pre­sen­te no ac­to de proclamação da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras, Ma­ri­sa Mendonça, di­rec­to­ra exe­cu­ti­va do Ins­ti­tu­to In­ter­na­ci­o­nal da Lín­gua Por­tu­gue­sa, re­a­giu ao nas­ci­men­to des­ta im­por­tan­te ins­ti­tui­ção mos­tran­do-se in­te­res­sa­da em co­la­bo­rar com a Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras, tal co­mo o seu ins­ti­tu­to tem vin­do a fa­zer com a Aca­de­mia de Le­tras de Ca­bo-Ver­de, re­for­çan­do que o Ins­ti­tu­to In­ter­na­ci­o­nal da Lín­gua Por­tu­gue­sa es­tá se­di­a­do na ci­da­de da Praia, ao que for­ta­le­ce mais ain­da os la­ços cul­tu­rais en­tre os dois paí­ses e se es­ten­de uma pon­te pa­ra me­lhor per­cep­ção do pa­co­te cul­tu­ral, a ní­vel da lín­gua e li­te­ra­tu­ra, dos paí­ses afri­ca­nos de lín­gua por­tu­gue­sa. "Pen­so que jun­tos, no que to­ca a tra­ba­lhos, tor­nar-nos-á mui­to mais for­te e po­de­re­mos le­van­tar com mai­or as­si­dui­da­de ca­sos que se le­van­tam em ca­da re­gião fa­lan­te da lín­gua por­tu­gue­sa. So­mos uma ins­ti­tui­ção ab­so­lu­ta­men­te aber­tas à co­o­pe­ra­ção. As aca­de­mi­as de Le­tras têm mis­sões mui­to es­pe­cí icas, e com­ple­men­tam aqui­lo que é o tra­ba­lho e ob­jec­to de es­tu­do do Ins­ti­tu­to In­ter­na­ci­o­nal de Lín­gua Por­tu­gue­sa. As aca­de­mi­as de Le­tras atin­gem tam­bém pú­bli­cos di­fe­ren­ci­a­dos que mui­tas ve­zes nós co­mo ins­ti­tu­to não con­se­gui­mos, de ma­nei­ra que - pa­ra a pro­mo­ção da lín­gua por­tu­gue­sa, que é a to­dos os ní­veis uma en­ti­da­de di­ver­sa, da­do que te­mos uma lín­gua mas de vá­ri­as vo­zes - é um pas­so mui­to im­por­tan­te. Ca­da um des­tes paí­ses tem uma va­ri­e­da­de di­fe­ren­te da Lín­gua Por­tu­gue­sa. Por es­tes mo­ti­vos, es­ta­mos to­tal­men­te aber­tos em tra­ba­lhar com a Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras, que pode dar con­tri­bui­ções in­con­tor­ná­veis a ver com ques­tões de fun­do so­bre os es­tu­dos da Lín­gua Por­tu­gue­sa e em lín­gua por­tu­gue­sa".

Do de­sen­vol­vi­men­to gra­du­al da lín­gua e a da pre­sen­ça/in­ter­fe­rên­cia das lín­guas na­ci­o­nais, ga­ran­te es­tar cer­ta de que a lín­gua, do pon­to de vis­ta so­ci­o­lin­guís­ti­co, acom­pa­nha e so­fre as trans­for­ma­ções das so­ci­e­da­des, sen­do que a ní­vel le­xi­cal, que são as en­ti­da­des que mais mu­dam nu­ma lín­gua, me­re­ceu um pro­jec­to que con­tem­pla já os vo­ca­bu­lá­ri­os de Mo­çam­bi­que, Bra­sil e Ca­bo-ver­de. ana­li­sa a di­rec­to­ra: "Ve­ri ica­mos que em di­fe­ren­tes paí­ses o em­prés­ti­mo é ve­ri ica­do com frequên­cia. As lín­guas na­ci­o­nais em­pres­tam, de acor­do com a re­a­li­da­de lin­guís­ti­ca das lo­ca­li­da­des, pa­la­vras ao por­tu­guês, co­mo em al­guns ca­sos ve­mos tam­bém lín­guas na­ci­o­nais pul­ve­ri­za­das de pa­la­vras em por­tu­guês. Em Mo­çam­bi­que co­mo em An­go­la são mai­o­ria lin­guís­ti­ca ban­tu, e es­tes ter­mos fun­ci­o­nam na lín­gua com acen­tu­a­do prag­ma­tis­mo. Não po­de­mos crer que a lín­gua que se fa­la­va há um sé­cu­lo se­ja a mes­mís­si­ma que se fa­le ago­ra, pa­ra além de que te­mos nos PALOP es­ta apro­pri­a­ção das lín­guas, en­tre a Lín­gua Por­tu­gue­sa e as lín­guas ban­tu, co­mo pro­ces­so na­tu­ral da evo­lu­ção so­ci­o­lin­guís­ti­ca".

A di­rec­to­ra do IILP, Ma­ri­sa Mendonça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.