PALAVRAR O FER­RO

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PAGINA - JOSÉ LUÍS MENDONÇA |

Em A His­tó­ria é um Ob­jec­to, o Fer­ro é um su­jei­to mo­ral com o sen­ti­do da Fa­la. A Obra fei­ta é Fer­ro su­a­do a con­tun­dir-se no pró­prio su­or do Ma­go Fer­rei­ro, Hil­de­bran­do, ali­e­ní­ge­na de­sem­bar­can­do em ple­no co­ra­ção de Lu­an­da ovos mí­ti­cos rec­tan­gu­la­res de fer­ti­li­zar o mun­do com a ge­ma vi­si­o­ná­ria da An­go­lan New Art.

Du­ran­te dois anos e meio, Hil­de­bran­do de Me­lo (HM) veio vi­a­jan­do na na­ve espacial da Me­mó­ria, a palavrar o Fer­ro, con­fe­rin­do-lhe ou­tra dig­ni­da­de que não a de me­ro mar­ca­dor da His­tó­ria da Hu­ma­ni­da­de. Em A His­tó­ria é um Ob­jec­to, o Fer­ro é um su­jei­to mo­ral com o sen­ti­do da Fa­la. A Obra fei­ta é Fer­ro su­a­do a con­tun­dir- se no pró­prio su­or do Ma­go Fer­rei­ro, ali­e­ní­ge­na de­sem­bar­can­do em ple­no co­ra­ção de Lu­an­da ovos mí­ti­cos rec­tan­gu­la­res de fer­ti­li­zar o mun­do com a ge­ma vi­si­o­ná­ria da An­go­lan New Art, fe­cun­da­da des­de An­tó­nio Ole, e Vi­teix, e des­de a po­e­sia de Ruy Du­ar­te de Car­va­lho: [Olha-me a noi­te her­da­da, nes­tes olhos/ de um po­vo con­de­na­do a amas­sar- te o pão./ Olha- me amor, aten­ta po­des ver/ uma his­tó­ria de pe­dra a cons­truir-se/ so­bre uma his­tó­ria mor­ta a es­bo­ro­ar-se/ em cha­gas de sa­li­tre. (1976, in A De­ci­são da Ida­de)].

Es­cul­tu­ras de fer­ro in­te­gra­do sol­da­do sob o pris­ma de uma li­ne­a­ri­da­de rec­ti­lí­nea, au­ge de uma ide­a­li­za­ção de du­as dé­ca­das, “a mi­nha tia, qu­an­do eu me por­ta­va mal, man­da­va- me pa­ra uma fun­di­ção tra­ba­lhar, na Cruz Martins & Wall, em Vi­la No­va de Fa­ma­li­cão”, mal sa­bia a tia de HM que es­ta­va a for­mar um fu­tu­ro fer­rei­ro.

A fer­ru­gem, o zar­cão e a la­ca pre­ta bem po­li­da so­bre­põem-se às ex­cre­ções di­gi­tais na cha­pa do Tem­po qua­se sub­ter­râ­neo ao Po­der arac­ní­deo de vi­gia aos cor­pos da His­tó­ria.

O te­ci­do he­xa­go­nal da vi­são da Ara­nha ex­te­ri­or su­ge­re uma Áfri­ca sus­pen­sa do seu pró­prio es­que­ci­men­to da­qui­lo que foi o co­me­ço (be­gi­ning), es­tru­tu­ras de in­te­rac­ção, o dis­for­me pes­co­ço da ci­vi­li­za­ção (neck), es­ca­la­da im­pre­vis­ta ou o frag­men­to de um voo. A ima­nen­te imo­bi­li­da­de da Ara­nha in­te­ri­or ob­ser­va o Eco ima­nen­te dos ob­jec­tos no­me­a­dos: ar­ma (gun), so­nho rou­ba­do (sto­len), fo­me, mor­te em­bal­sa­ma­da…

Ago­ra, ali va­gue­an­do na efé­me­ra eter­ni­da­de do Fer­ro, a Voz de ca­da ob­jec­to es­cul­tu­ral nos es­cu­ta o for­mu­lar sub­jec­ti­vo do seu De­sign en­dé­mi­co e im­pres­si­vo, bus­can­do no Eco noc­tur­no do fer­ro for­ja­do uma luz ro­mân­ti­ca que nos frag­men­ta: que ge­o­me­tria há-de con igu­rar o fu­tu­ro do Ho­mem e a sua cons­ci­ên­cia?

En­tre uma igu­ra e ou­tra, há uma so­lu­ção de con­san­gui­ni­da­de an­ti-me­tá­li­ca, ver­mes de oxi­da­ção que a Na­tu­re­za Ne­gra das igu­ras la­ca­das de­vo­ra em ab­so­lu­ta ne­ga­ção: bri­lho de pre­me­di­ta­da pre­ser­va­ção, ver­sus fer­ru­gem en­ter­ne­ci­da de re­sig­na­ção, há es­sa in­con­for­mi­da­de ge­o­mé­tri­ca por ex­clu­são do cír­cu­lo.

Ara­nha ou Ali­en, pas­sa­gei­ro de­vo­ra­dor da So­li­dão, HM é um cons­tru­tor de me­mó­ria du­ra, Pa­la­vra de Fer­ro la­vra­da. A vo­ar. A Ser e Não-Ser. Fo­ne­ma Úni­co. A Po­e­sia é per­fei­ta tes­te­mu­nha des­ta ca­tar­se: emer­gem das cha­pas con­tí­guas ol­fac­tos de té­ta­no cor­ro­si­vo, lo­res mui­to an­ti­gas que la­ge­lam a um deus de fer­ro ci­ta­di­no as coi­sas mais ín imas e ine­nar­rá­veis da ori­gem do pró­prio Fer­rei­ro. De ca­da um de Nós. A ha­ver um no­vo ter­ri­tó­rio pa­ra for­mar Na­ções, cha­mar-seia Me­ta­mor­fo­ses do Fer­ro, ás­pe­ras ares­tas li­ma­das até à rec­ti­lí­nea ima­nên­cia do áto­mo, me­tá­fo­ras do voo em li­nha, da fa­la, do olhar, da de­vo­ra­ção do In­sul­to His­tó­ri­co ou da com­bus­tão in­trín­se­ca do De­se­jo, faus­ta re­ve­la­ção da per­ma­nên­cia do Ne­gro na sus­pen­sa bi­gor­na an­ti-na­tu­ral do arac­ní­deo. Si­lí­cio ecu­mé­ni­co do Ho­mo Me­ta­li­cus nas ares­tas da (de)com­po­si­ção li­be­ral do sé­cu­lo XXI.

Se a His­tó­ria é um Ob­jec­to, de­se­jo e téc­ni­ca trans­fun­di­dos em me­tá­li­ca es­ti­li­za­ção da Cri­a­ção, es­se Ob­jec­to é Dor, é Na­da, Co­mu­nhão, Sol­da­du­ra Ina­mo­ví­vel de Vo­zes. À ima­gem e se­me­lhan­ça de HM. [Ex­po­si­ção inau­gu­ra­da dia 24 de No­vem­bro de 2016, no Ca­mões/ Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês, em Lu­an­da]

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.