DIÁ­LO­GO DIÁL INTERCULTURAL

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - JO­SÉ LUÍS MENDONÇA

“A vi­da pe­de ao meu cor­po al­go que ele não sa­be fa­zer. Com um pou­co de pa­ci­ên­cia, de­pois de pen­sá-lo vá­ri­as ve­zes num ator­do­a­do la­bi­rin­to de pro­ba­bi­li­da­des, a ca­be­ça en­con­tra uma is­su­ra por on­de se en iar, e sa­be-se que, por on­de pas­sa a ca­be­ça, o cor­po pas­sa.”

Es­te é o pri­mei­ro po­e­ma do li­vro, a cha­ma­da pro­po­si­ção, ou in­vo­ca­ção de uma obra poé­ti­ca. a mim, es­te po­e­ma in­tro­du­tó­rio de Antropologia Re­cre­a­ti­va, do cu­ba­no Amilkar Feria Flo­res, su­ge­re-me o nas­ci­men­to do ho­mem, apa­ri­ção, pre­lú­dio, a pri­mei­ra sen­sa­ção (im)pu­ra da re­la­ção se­xu­al. é daí que sur­ge o ho­mem, o su­jei­to e o ob­jec­to de que tra­ta es­te li­vro.

Em PALAVRA DE HO­MEM, o pri­mei­ro ca­der­no do li­vro, le­mos: “Re­co­nhe­ço: sou tão hu­ma­no co­mo o cão que me guar­da bru­ta le­al­da­de, co­mo a água que me so­be à ca­be­ça (no lu­gar da fu­ma­ça) en­quan­to a lua es­cor­re das mi­nhas idei­as, co­mo o olhar ir­me que me de­vol­ve a mu­lher de ca­da ma­nhã, co­mo a ter­ra que ce­de le­ve­men­te à mi­nha pe­ga­da, co­mo a tri­pa in­te­li­gen­te que não me re­co­nhe­ce mais hu­ma­no que o ar que res­pi­ro.”

Eis-nos con­fron­ta­dos com a au­to­cons­ci­ên­cia do au­tor (que o mes­mo é di­zer, de nós pró­pri­os), ou o au­to-co­nhe­ci­men­to im­pres­cin­dí­vel pa­ra agir­mos nes­te mun­do. Nes­tes ver­sos, ve­mos o ho­mem ci­en­te da sua on­to­lo­gia glo­ba­li­zan­te, o ho­mem to­tal na sua re­la­ção com o uni­ver­so: cão, água, luz, olhar, ter­ra, tri­pa in­te­li­gen­te “que me re­co­nhe­ce mais hu­ma­no que o ar que res­pi­ro”. Em “Es­tou ex­pe­ri­men­tan­do a evo­lu­ção em car­ne pró­pria”, o po­e­ma nos diz que “as mi­nhas me­lho­res idei­as es­tão acan­to­na­das nas per­nas.” Es­te ver­so é o com­ple­men­to dos es­tu­dos ar­que­o­ló­gi­cos e an­tro­po­ló­gi­cos mais re­cen­tes, que vi­e­ram provar que a evo­lu­ção não par­tiu ape­nas da mão que pas­sou a fa­bri­car ob­jec­tos, mas co­me­çou pe­la mo­di­fi­ca­ção dos pés, ou das per­nas, que per­mi­ti­ram ao ho­mem cir­cu­lar no so­lo e au­men­tar o cé­re­bro.

Es­ta­mos pe­ran­te um li­vro que brin­ca às an­tro­po­lo­gi­as.

Em­bar­que­mos no po­e­ma “(Ma­re­a­gem / à beira do nau­frá­gio) Um ar­go­nau­ta, é is­so que eu sou, per­di­do no des­va­rio que a tua vi­da li­sa me propôs. (...)” Dei­xe­mo-nos va­gue­ar com es­te ar- go­nau­ta pelo cos­mos da palavra. vêm­nos à men­te re­mi­nis­cên­ci­as das “Ilu­mi­na­ções”, até mes­mo de “Uma Es­ta­ção no In­fer­no”, de Rim­baud, sen­ti­mos o aro­ma de “O Es­ta­do dos Cam­pos”, de Nu­no Jú­di­ce, e a lou­cu­ra ima­nen­te à nos­sa épo­ca que nos soa co­mo o “Ui­vo”, de Alain Gins­berg.

Se eu fos­se um su­jei­to ver­sa­do em es­tu­dos li­te­rá­ri­os, te­ria uma ex­ces­si­va ba­ga­gem ver­bal pa­ra dis­se­car es­te ca­dá­ver que res­pi­ra, esta Antropologia Re­cre­a­ti­va, de Amilkar. E fá-lo ia, é cla­ro, com as pró­pri­as citações dos gran­des mes­tres des­sa dis­ci­pli­na.

Sou um me­ro po­e­ta. Sou, es­sen­ci­al­men­te, um in­ve­te­ra­do ca­ni­bal do po­e­ma. e também jor­na­lis­ta. o que vos ofe­re­ço é a mi­nha ul­tra-sen­si­bi­li­da­de poé­ti­ca e a mi­nha ar­gú­cia fe­no­mé­ni­ca de jor­na­lis­ta, com­pro­me­ti­dos com a de­mo­li­ção des­te edi ício ver­bal.

Antropologia Re­cre­a­ti­va é um edi ício tér­reo, mui­to co­la­do à ter­ra e à hu­ma­ni­da­de. o ter­ra­ço des­te edi ício é am­plo. Dá pa­ra ob­ser­var o mun­do e re­ler o cos­mos que tra­ze­mos gra­va­do em ca­da áto­mo do san­gue. Den­tro de por­tas, dá pa­ra res­sen­tir a decomposição do homo sapiens.

“VIII. 1) Pen­so que exis­te al­go mais em jo­go, além das ba­ta­tas. A ila não de­ve des­fa­zer-se, sob ne­nhum con­cei­to. Há mo­da­li­da­des dis­ci­pli­na­res que de­vem ser res­pei­ta­das até às úl­ti­mas con­sequên­ci­as: al­guém po­de­ria usur­par a mi­nha po­si­ção.”

Que po­si­ção é es­sa? Aque­la que nos ca­be no in­ter­mi­ná­vel jo­go eco­nó­mi­co da lu­ta de clas­ses?

“2) O rép­til per­deu tem­po­ra­ri­a­men­te a sua cau­da. Ago­ra pen­sa nou­tra cau­da, a ila. Per­der a ila dói a me­ta­de da vi­da, mas sal­va as cau­das da ou­tra me­ta­de.

XV. Os meus ami­gos dei­tam ba­fo quan­do bal­bu­ci­am qual­quer con idên­cia e um há­li­to de en­xo­fre etí­li­co quan­do di­vi­di­mos tra­gos. (...) Meus ami­gos, de os­ci­lan­te ca­ta­du­ra mo­ral, sus­têm a res­pi­ra­ção quan­do me apro­xi­mo de­les, bê­ba­do e con­fes­so.

(...) Du­ma vez, vol­to a ser todos os ho­mens hu­ma­na­men­te pos­sí­veis. Ses­sen­ta mi­nu­tos an­dan­do a Les­te da pro­fe­cia, sem dar um pas­so se­quer. Cru­ci­al, dei­xo atrás o um­bral da palavra.”

De­pois do po­e­ma ini­ciá­ti­co, e do po­e­ma so­bre a des­co­ber­ta de si mes­mo, Amilkar re­pou­sa aos pés do po­e­ta, ele e o ou­tro que o es­cre­ve. e vol­ta a ser, co­mo já vi­mos an­te­ri­or­men­te, “todos os ho­mens hu­ma­na­men­te pos­sí­veis”. Mas, ató­ni­to, des­co­bre que não deu se­quer um pas­so. É então que

“cru­ci­al”, Amilkar dei­xa pa­ra trás “o um­bral da palavra” e pas­sa­mos então ao se­gun­do ca­der­no. A BRE­VE AR­TE DA HIS­TÓ­RIA

“I. Co­mo é que a gu­er­ra ter­mi­nou, quan­do é o ho­mem mes­mo a es­sên­cia da gu­er­ra? Re­tor­na a tua ca­sa, pe­da­ço de idi­o­ta, até que no­va­men­te se­jas alis­ta­do! (...)

III. Es­ta­mos mes­mo à beira do pra­to. (...)”

Mui­to lon­ge do teatro de ope­ra­ções, nin­guém sa­be que o des ila­dei­ro de­ve ser su­pe­ra­do com um sal­to no va­zio.”

Eis aqui o ver­da­dei­ro te­or da ar­te con­tem­po­râ­nea. À beira do pra­to é à beira des ila­dei­ro, em lin­gua­gem cor­ren­te se­ria à beira do pre­ci­pí­cio. E o ar­tis­ta su­pe­ra-se a si mes­mo com“um sal­to no va­zio”. Nos BEI­JOS QUE­BRA­DOS, do úl­ti­mo ca­der­no, le­mos:

“Se a se­du­ção vem du­ma ár­vo­re, acei­ta-a sem dú­vi­das.

Se for hu­ma­na, pen­sa-o du­as ve­zes. É mais prá­ti­co pe­car ori­gi­nal­men­te.”

Dis­se­mos atrás que Amilkar cons­trói um edi ício tér­reo. E, quan­do, do ter­ra­ço, avis­ta uma ár­vo­re, o pe­ca­do de co­mer-lhe uma ma­çã não o in­qui­e­ta. Ab­so­lu­ta­men­te. só quan­do o ho­mem des­ceu da ár­vo­re e po­vo­ou a ter­ra é que se as­se­me­lhou a deus, co­nhe­ce­dor do bem e do mal e da pró­pria

nu­dez. e des­co­briu os en­can­tos da nu­dez. A ár­vo­re é o sím­bo­lo da se­du­ção fe­mi­ni­na. De­ve­mos acei­tá-la sem som­bra de dú­vi­da. porquê? Não é ela uma coi­sa na­tu­ral? Não foi Deus que cri­ou a ár­vo­re e a co­lo­cou no meio do pa­raí­so?

“V. Ela não exis­te. Eu in­ci­ne­rei-a on­tem à noi­te em li­túr­gi­co ar­re­ba­ta­men­to. O cin­zei­ro não era su ici­en­te pa­ra uma cre­ma­ção dig­na, por­que as per­nas sai­am da bor­da. Então es­quar­te­jei o cor­po em pe­da­ços ir­re­co­nhe­cí­veis. (...) De­pois o cor­po cou­be per­fei­ta­men­te no cin­zei­ro, en­quan­to o fan­tas­ma fu­me­gan­te do pa­pel fo­to­grá ico tei­ma­va em evo­car as su­as cur­vas.”

Esta po­e­sia con­ti­nua a ce­gar-nos com o seu jo­go de imagens ma­te­ri­ais e tex­tu­ras re le­xi­vas abs­trac­tas que ca­na­li­zam o leitor pa­ra um es­ta­do men­tal si­tu­a­do a céu aber­to, em ple­na pla­ní­cie da alma, on­de só pas­sam re­per­cus­sões mul­ti­co­lo­res da nos­sa pró­pria exis­tên­cia, do nos­so quo­ti­di­a­no, re­pro­du­zi­dos ma­gis­tral­men­te pelo olhar qui­mé­ri­co do po­e­ta. ou do ar­tis­ta plás­ti­co da palavra.

Os ver­da­dei­ros po­e­tas são gran­des iló­so­fos.

Amilkar Feria Flo­res es­cre­veu-nos um tra­ta­do so­bre a ci­ên­cia do ho­mem. É antropologia poé­ti­ca, o que não lhe re­ti­ra o mé­ri­to ci­en­tí ico. Não foi Her­ber­to Hel­der que cha­mou a uma das su­as obras de po­e­sia “Úl­ti­ma Ci­ên­cia”?

Amilkar Flo­res na ses­são de ven­da e au­tó­gra­fos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.