KIZUA GOURGEL NO CA­MÕES MELODIAS AMANHECIDAS

Jornal Cultura - - ARTES -

mui­to mais ce­do ou a es­ta­rem vul­ne­rá­veis a cor­re­rem o gran­de ris­co de vol­ta­rem pa­ra ca­sa sem ve­rem con­se­gui­do o gran­de ob­jec­ti­vo que os te­nha le­va­do pa­ra aí. Em re­su­mo, pa­re­ce-nos que o au­di­tó­rio Pe­pe­te­la se­rá sem­pre pe­que­no pa­ra aco­lher os aman­tes de Kizua, Ga­ri e Toty, prin­ci­pal­men­te pe­lo en­can­to me­diá­ti­co e ca­ris­ma que es­te úl­ti­mo tem con­se­gui­do nos úl­ti­mos me­ses, a pe­sar o fac­to de ter lan­ça­do o seu EP em De­zem­bro úl­ti­mo.

Con­tu­do, lá ti­ve­mos mú­si­ca. Sim­ples em pal­co, sem­pre dei­xan­do a per­ce­ber que a sua mú­si­ca di­ga mais so­bre si, co­me­çou por con­tex­tu­a­li­zar que é, em ter­mos de que­da mu­si­cal, ilho de An­dré Min­gas. Mas não icou por aí, her­dan­do do gos­to apu­ra­do da sua mãe a lui­dez ro­mân­ti­ca de El­ton John, e da in­fân­cia a con­tri­bui­ção de Jor­ge Pal­ma. Bem, se is­so de ine ou não Kizua, ou ba­li­za a sua re­cep­ção es­té­ti­ca, não é bem por aí, mas aju­da a de­mar­car o seu cam­po mu­si­cal, e era es­sa a in­ten­ção des­sa noi­te. Com a mú­si­ca “Vai”, es­cri­ta pa­ra uma pes­soa mui­to es­pe­ci­al na sua vi­da, tam­bém veio de­nun­ci­ar o mó­bil das le­tras de Kizua, sem­pre a der­ra­mar sen­ti­men­tos ou a usar as melodias pa­ra os fa­zer ama­nhe­cer. Dis­se-nos que tem com­po­si­ções que de­mo­ram anos ou me­ses a se­rem es­cri­tas e ou­tras que de­mo­ram mo­men­tos, cer­ta­men­te saí­das à for­ça do sen­ti­men­to, e mui­tas ve­zes sa­em de for­ma bri­lhan­te.

Mas, e por­que há ra­zão em as­so­ci­a­lo a cul­to­res da bos­sa no­va, sen­do que é um gé­ne­ro mui­to pró­xi­mo ao pro­du­to inal de Kizua, só que des­ta vez com mais for­ça pop, pa­ra as­sim sair “Ma­lem­be Ma­lem­be”, que con­ta com a par­ti­ci­pa­ção da bra­si­lei­ra El­lém Olé­ria, num pro­jec­to tu­te­la­do pe­la Fun­da­ção Ar­te e Cul­tu­ra. Fal­ta­va so­men­te fe­char o cír­cu­lo com cha­ve de ou­ro, e é as­sim que traz Te­ta Lan­do pe­lo seu “Ne­gra de Ca­ra­pi­nha Du­ra”. Mas se en­ga­na quem jul­gar que Kizua tem te­mor pe­lo te­ma, co­mo acon­te­ce com mui­tos in­tér­pre­tes da nos­sa pra­ça, que pro­du­zem te­mas con­sa­gra­dos mui­to aquém da ori­gi­nal, cer­ta­men­te com me­do de des­ca­rac­te­ri­za-la, es­que­cen­do-se que a in­ter­pre­ta­ção é so­bre­tu­do adi­ci­o­nar a per­so­na­li­da­de mu­si­cal do in­tér­pre­te. Kizua mos­tra res­pei­to pe­los gran­des que in­ter­pre­ta, mas se­gue a si mes­mo qu­an­do o faz, tan­to que de iniu as­sim a sua ma­nei­ra de ver os te­mas in­tem­po­rais: “Os clás­si­cos são sem­pre pa­ra o fu­tu­ro”. Vol­tan­do-se mais pa­ra si, in­clui no re­per­tó­rio o te­ma “Ca­cim­bo”, es­cri­ta qu­an­do con­ta­va ain­da 15 anos de ida­de, em lou­vor a es­ta Lu­an­da que fez 441 anos de exis­tên­cia nes­te Ja­nei­ro. E des­ta in­fân­cia em Lu­an­da de­sem­bo­ca em me­mó­ri­as do le­ga­do do pai, Be­to Gourgel, com can­ções de amor e re­vo­lu­ção.

Ga­ri Si­ne­di­ma su­biu ao pal­co pa­ra nos dar um ba­nho de luz, e mos­trou ao pú­bli­co pre­sen­te que já tem te­mas su ici­en­tes pa­ra, pe­lo me­nos, es­tar na al­tu­ra de lan­çar al­gu­ma coi­sa sua, po­den­do ser um EP ou mes­mo um dis­co, na me­lhor das si­tu­a­ções, pa­ra não con inar-se à con­di­ção de in­tér­pre­te.

Toty trou­xe te­mas do seu EP e mais uma vez nos fez te­mer se não es­ta­mos a per­der um gran­de gui­tar­ris­ta em fa­vor de um can­tor, ao de­ci­dir in­ves­tir na sua car­rei­ra en­quan­to vo­ca­lis­ta. Es­pe­re­mos que se ape­gue tan­to ao mi­cro­fo­ne co­mo à gui­tar­ra, pa­ra nos brin­dar es­se seu de­di­lhar apai­xo­nan­te, sem­pre sub­til e pri­mo­ro­so ao atra­ves­sar gé­ne­ros e ge­ra­ções mu­si­cais, tan­to que Kizua não es­con­deu a ad­mi­ra­ção, va­ti­ci­nan­do com as se­guin­tes pa­la­vras: “Se ho­je fa­la­mos de Min­gas, Zau ou Mu­ken­ga, ama­nhã acres­cen­ta­re­mos Toty”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.