A CUL­TU­RA AFRI­CA­NA NOS MEANDROS DA MO­DER­NI­DA­DE: QUE FU­TU­ROS?

Jornal Cultura - - GRAFITOS NA ALMA -

Com a mo­der­ni­da­de, o mun­do tra­di­ci­o­nal afri­ca­no es­tá mui­to aba­la­do, ape­sar de al­gu­mas re­sis­tên­ci­as. Con­tu­do, a África já é um mun­do moderno. Os afri­ca­nos ga­nha­ram uma no­va for­ma de vi­da fru­to das mu­ta­ções cul­tu­rais que se re­gis­tam no âm­bi­to da mo­der­ni­za­ção, que é tam­bém um ele­men­to da glo­ba­li­za­ção.

Des­con­si­de­rar o fe­nó­me­no da mo­der­ni­da­de no ac­tu­al con­tex­to afri­ca­no le­va à re­a­li­za­ção de um tra­ba­lho des­con­tex­tu­a­li­za­do, que não per­mi­ti­rá cap­tar a re­a­li­da­de to­tal do mun­do afri­ca­no. O nos­so es­co­po vol­ta- se, na pre­sen­te re­fle­xão, pa­ra a cul­tu­ra afri­ca­na, pro­cu­ran­do com­pre­en­der co­mo po­de ela, nos meandros da mo­der­ni­da­de, gi­zar o seu des­ti­no, por­tan­to o seu pró­prio fu­tu­ro.

Pa­ra uma exaus­ti­va de­sen­vol­tu­ra do te­ma ire­mos re­cor­rer aos sub­sí­di­os quer da His­tó­ria, an­tro­po­lo­gia, so­ci­o­lo­gia, an­tro­po­lo­gia fi­lo­só­fi­ca e ou­tras ci­ên­ci­as afins, da­da a in­ter­de­pen­dên­cia epis­te­mo­ló­gi­ca que há en­tre es­sas dis­ci­pli­nas.

Sob o ân­gu­lo de uma acu­ra­da aná­li­se que se pos­sa fa­zer dos ter­mos que o tí­tu­lo des­ta bre­ve re le­xão os­ten­ta, sal­tar-se-á à vis­ta um bi­nó­mio que for­ma um to­do co­a­du­ná­vel: cul­tu­ra e mo­der­ni­da­de, as­so­ci­an­do-se àque­le pri­mei­ro ele­men­to o ad­jec­ti­vo bi­for­me que com ele con­cor­da em gé­ne­ro e nú­me­ro. Não ire­mos pro­ce­der, po­rém, a uma in­cur­são his­tó­ri­ca dos con­cei­tos já ci­ta­dos, pre­ve­nin­do-nos da vã pro­li­xi­da­de.

Por cul­tu­ra en­ten­de-se o con­jun­to de tu­do aqui­lo que a hu­ma­ni­da­de re­ce­beu da na­tu­re­za co­mo ap­ti­dões, mas tam­bém pro­du­ziu pe­la sua pró­pria ac­ti­vi­da­de cri­a­do­ra bem co­mo to­das as or­ga­ni­za­ções so­ci­ais e cos­tu­mes, to­das as for­mas de con­du­ta e de de­sen­vol­vi­men­to da vi­da, des­de as prá­ti­cas téc­ni­cas até à lin­gua­gem, es­ti­lo de ar­te e for­mas de pen­sar .

Po­de-se, à par­ti­da, dis­tin­guir três acep­ções do con­cei­to cul­tu­ra:

Acep­ção axi­o­ló­gi­ca: A cul­tu­ra opõe­se ao bár­ba­ro. O que, de um pon­to de vis­ta su­pe­ri­or, po­de pa­re­cer bár­ba­ro, vis­to de um pon­to de vis­ta in­fe­ri­or, po­de já ser cul­tu­ra. Es­tes con­cei­tos, por­tan­to, são ape­nas re­la­ti­vos.

Acep­ção an­tro­po­ló­gi­ca: di­fe­ren­te­men­te do ani­mal, o mo­do co­mo o ho­mem se ali­men­ta, vi­ve em co­mu­ni­da­de, re­za, ama, se ar­ti­cu­la ao mun­do, ba­seia-se na sua pró­pria des­co­ber­ta e ac­ti­vi­da­de e, por­tan­to, co­mo cri­a­ção hu­ma­na, é cul­tu­ra.

Acep­ção his­tó­ri­co-et­no­ló­gi­ca: ex­pli­ca que o ho­mem é do­ta­do de po­der cri­a­dor de cul­tu­ra e que a cul­tu­ra não é uma pres­cri­ção da na­tu­re­za em­bo­ra es­ta te- nha uma in luên­cia so­bre aque­la.

Co­mo se po­de com­pre­en­der, a acep­ção an­tro­po­ló­gi­ca de cul­tu­ra cons­ti­tui, in­du­bi­ta­vel­men­te, o fun­da­men­to da acep­ção his­tó­ri­co-et­no­ló­gi­ca, em­bo­ra per­ma­ne­ça a ideia de que o que se cap­ta é ape­nas uma cul­tu­ra va­ri­a­da e his­to­ri­ca­men­te es­pe­cí ica .

De acor­do com A. Gid­dens, mo­der­ni­da­de po­de ser en­ten­di­da co­mo apro­xi­ma­da­men­te equi­va­len­te ao mun­do “in­dus­tri­a­li­za­do” des­de que se re­co­nhe­ça que o in­dus­tri­a­lis­mo não é sua úni­ca di­men­são ins­ti­tu­ci­o­nal. Es­se au­tor em­pre­ga ain­da o ter­mo mo­der­ni­da­de pa­ra re­fe­rir-se às ins­ti­tui­ções e mo­dos de com­por­ta­men­to es­ta­be­le­ci­dos pe­la pri­mei­ra vez na Europa de­pois do feu­da­lis­mo, mas que só no sé­cu­lo XX se tor­na­ram mun­di­ais no seu im­pac­to . Mo­der­ni­da­de im­pli­ca o con­tro­lo re­gu­lar das relações so­ci­ais den­tro de dis­tân­ci­as es­pa­ci­ais e tem­po­rais in­de­ter­mi­na­das.

O mun­do da “al­ta mo­der­ni­da­de” es­ten­de-se além dos do­mí­ni­os das ac­ti­vi­da­des in­di­vi­du­ais e dos com­pro­mis­sos pes­so­ais. Ele es­tá re­ple­to de ris­cos e pe­ri­gos, pa­ra os quais o ter­mo “crise” – não co­mo me­ra in­ter­rup­ção, mas co­mo um es­ta­do de coi­sas mais ou me­nos per­ma­nen­tes – é par­ti­cu­lar­men­te ade­qua­do . As ins­ti­tui­ções mo­der­nas di­fe­rem de to­das as an­te­ri­o­res de or­dem so­ci­al quan­to ao seu di­na­mis­mo, ao grau em que in­ter- fe­rem com há­bi­tos e cos­tu­mes tra­di­ci­o­nais, e a seu im­pac­to glo­bal .

Po­de-se apon­tar aqui, em tom al­to, al­gu­mas, en­tre as prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas da mo­der­ni­da­de sem, no en­tan­to, fa­zer uma in­cur­são mais ge­né­ri­ca das mes­mas: O re­la­ti­vis­mo, a glo­ba­li­za­ção, o con­su­mis­mo, a co­mu­ni­ca­ção e a in­dús­tria da cul­tu­ra, de­sen­can­to so­ci­al em re­la­ção à re­li­gião, à po­lí­ti­ca, o cul­to à ci­ên­cia, à ideia de pro­gres­so. As idei­as tra­di­ci­o­nais dei­xa­ram de ser re­fe­rên­ci­as vá­li­das e ten­dem a des­mis­ti ica­ção de um to­do. O que im­por­ta é o ime­di­a­to, o aqui e o ago­ra pre­sen­tes. O in­di­vi­du­a­lis­mo subs­ti­tuiu os pro­jec­tos co­lec­ti­vos, on­de se apre­cia o cul­to ao he­do­nis­mo . En im, to­dos es­ses fac­to­res são es­sen­ci­ais se qui­ser­mos en­ten­der a ac­tu­al ci­vi­li­za­ção na qual es­ta­mos im­buí­dos.

Em­bo­ra an­tro­pó­lo­gos, et­nó­lo­gos e his­to­ri­a­do­res di­vir­jam mui­to na de­ter­mi­na­ção das áre­as cul­tu­rais da África, o cer­to é que exis­tem no con­ti­nen­te áre­as cul­tu­rais, is­to é, es­pa­ço abran­gi­do por cul­tu­ras se­me­lhan­tes. Es­sa ideia é ve­e­men­te­men­te de­fen­di­da pe­lo his­to­ri­a­dor Cheik An­ta Diop, o qual sus­ten­ta que a cul­tu­ra afri­ca­na ba­seia-se nu­ma uni­da­de cul­tu­ral da re­a­li­da­de ne­gro-egíp­cia que se es­pa­lhou por to­da a África ne­gra . Pa­ra es­se his­to­ri­a­dor se­ne­ga­lês, as di­ver­sas re­giões ou ci­clos cul­tu­rais de África não pas­sam de as­pec­tos di­fe­ren­tes de uma só e úni­ca cul­tu­ra. Por es­se mo­ti­vo mes­mo, sus­ten­ta o his­to­ri­a­dor, os afri­ca­nos têm de as­su­mir o seu pas­sa­do e a sua cul­tu­ra co­mo uni­da­de con­jun­ta, re­sul­tan­te de to­das as ma­ni­fes­ta­ções cul­tu­rais re­gi­o­nais .

A par­tir do en­fo­que his­tó­ri­co da­do por Cheik An­ta Diop, já se po­de for­jar o con­cei­to de cul­tu­ra afri­ca­na, o qual não se re­duz ape­nas às ex­pe­ri­ên­ci­as par­ti­cu­la­res das re­giões afri­ca­nas, mas sim abar­ca a ma­ni­fes­ta­ção ori­gi­nal e glo­bal des­tas cul­tu­ras re­gi­o­nais. Pe­lo que, a cul­tu­ra afri­ca­na de­ve ser en­ten­di­da co­mo ma­ni­fes­ta­ção es­pi­ri­tu­al e glo­bal da Co­mu­ni­da­de Ne­gra em to­dos os as­pec­tos: es­ta­tais, ar­tís­ti­cos, lin­guís­ti­cos, eco­nó­mi­cos, fi­lo­só­fi­cos, etc., acu­mu­la­dos pe­los Ne­gros Afri­ca­nos atra­vés de to­dos os tem­pos, des­de as pri­mei­ras bal­bu­ci­a­ções no Egip­to pro­to-his­tó­ri­co .

So­ci­e­da­de Tra­di­ci­o­nal Afri­ca­na e Mo­der­ni­da­de

Há já mui­to que se deu a abo­li­ção da so­ci­e­da­de tra­di­ci­o­nal afri­ca­na. A his­tó­ria no-lo ates­ta vi­va­men­te fa­zen­do men­ção à épo­ca dos des­co­bri­men­tos e ex­pan­si­o­nis­mo eu­ro­peu da­ta­da do sé­cu­lo XV. Em­bo­ra os con­tac­tos en­tre África e Europa da­tem des­de o sé­cu­lo XV, é so­bre­tu­do, a par­tir dos sé­cu­los XVII e XVIII que se vai ope­rar uma trans­for­ma­ção mais ra­di­cal da so­ci­e­da­de afri­ca­na de­vi­do às ino­va­ções tra-

Gru­po de dan­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.