15º ani­ver­sá­rio dos Acor­dos do Lwe­na

DA GÉNESE DA GUER­RA PA­RA A IDEN­TI­DA­DE CUL­TU­RAL DE PAZ

Jornal Cultura - - Primeira Página - ARMINDO JAI­ME GO­MES|

Quer em ter­mos da con­tex­tu­a­li­za­ção­con­to­tex­tu­a­li­za­ção fa­cee à ab­ne­ga­ção­ab­neg­ga­çãog so­ci­al,, po­lí­ti­ca e eco­nó­mi­ca, co­mo­co­o­mo­o­mo da sua ex­ten­são­ex­ten­são se­mâ­se­mân­ti­ca,nti­ca,ti aqui­lo que rei­te­ra­da­men­te­rei­te­ra­da­men­te see cha­ma“ccha­ma“con­quis­ta de paz” nnão se in­ter­pre-in­ter­pre­ta­ta ape­nas com­com o fim­fim­das­dass hos­ti­li­da­des mi­li­ta­re­ses de­sen­ca­de­a­das en­tre as for­ças go­ver­na­men­go­ver­na­men­tais­na­men­tais e as da UNITA. A paz é ccom­pó­si­ta,p, con­si­de­ran­do­con­si­de­ron­si­de­ran­do de “ab­ne­ga­ção de ca­ca­daa um pa­ra­pa­ra to­dos e de to­do­so­do­so pa­ra­pa to­dos”, com vis­ta à es­ta­bi­li­da­de­a­bi­li­da­dei­da psi­co-psi­co­e­mo­ci­o­nal­nal da pes­so­a­pess hu­ma­na na sua di­men­são in­te­gral.in A eco­no­mia da cul­tu­raa se­rá­ser a nos­sa ter­cei­ra gran­dee pri­o­ri­da­de,pr pois te­re­mos de con­se­guir­con­seg­guir re­cur­sos pa­ra o pro­gra­mam­ma aam­bi­ci­o­so que aqui­aq es­tou­es­tou a anun­ci­a­ra­nun­ci­i­ar pa­ra es­te ano”, dis­se a mi­nis­tra em Ca­bin­da.in­da.

0. IN­TRO­DU­ÇÃO

Pre­ci­sa­men­te no mo­men­to em que se ce­le­bra o 15º ani­ver­sá­rio do Me­mo­ran­do de En­ten­di­men­tos do Lwe­na (MEL), is­to é 04/04/02,em res­pos­ta ao ape­lo das au­to­ri­da­des da Aca­de­mia Mi­li­tar do Exér­ci­to do Lo­bi­to (AMEx), atra­vés da Cá­te­dra de An­tro­po­lo­gia & His­tó­ria de que so­mos mem­bros, ou­sa­mos apre­sen­tar o nos­so pon­to de vis­ta so­bre uma re­a­li­da­de tão com­ple­xa, de­vi­do à con­tro­vér­sia que de­cor­reu da sua ac­tu­a­li­da­de, ra­zão por­que anu­al­men­te, ao nos­so ní­vel, se re­cor­da jun­to do cor­po do­cen­te e ca­de­tes das mais va­ri­a­das es­pe­ci­a­li­da­des.

Quer em ter­mos da con­tex­tu­a­li­za­ção fa­ce à ab­ne­ga­ção so­ci­al, po­lí­ti­ca e eco­nó­mi­ca, co­mo da sua ex­ten­são se­mân­ti­ca, aqui­lo que rei­te­ra­da­men­te se cha­ma “con­quis­ta de paz” não sein­ter­pre­ta ape­nas com o im das hos­ti­li­da­des mi­li­ta­res de­sen­ca­de­a­das en­tre as for­ças go­ver­na­men­tais e as da UNITA. A paz écom­pó­si­ta, (cfr. MA­NU­EL, 2014) con­si­de­ran­do de “ab­ne­ga­ção de ca­da um pa­ra to­dos e de to­dos pa­ra to­dos”, com vis­ta à es­ta­bi­li­da­de psi­co­e­mo­ci­o­nal da pes­soa hu­ma­na na sua di­men­são in­te­gral.

Te­mos a con­vic­ção de­que há aque­les que ain­da ca­re­cem des­te pres­su­pos­to re­a­li­za­do por­vá­ri­as ra­zões.No en­tan­to, co­mo ve­ri­ta­so­dium­pa­rit, o si­lên­cio vem sen­do tam­bém in­ter­pre­ta­do co­mo ex­pres­são de paz. Mui­tos en­tre nós, não são ar­qui­tec­tos de­la por ca­re­ce­re­mos de opor­tu­ni­da­des prá­ti­cas da ci­da­da­nia pois, se em tem­po de guer­ra to­do o ci­da­dão foi sol­da­do, em tem­po de paz, nem to­do sol­da­do é ci­da­dão­por não ter si­do be­ne iciá­rio abran­gi­do em ple­no dos re­sul­ta­dos da “ab­ne­ga­ção de ca­da um pa­ra to­dos e de to­dos pa­ra to­dos” li­mi­ta­do­sao aces­so dos bens e ser­vi­ços en­quan­to an­go­la­no.

Não sen­do ex­clu­si­va­men­te a au­sên­cia de guer­ra, a paz tra­duz a con­cór­dia, o pro­ces­so ge­ra­dor de um cli­ma (re)con­ci­li­a­dor, es­tan­do em pre­sen­ça de um con­cei­to bi­di­men­si­o­nal de iní­vel nas di­men­sões:

(i) in­di­vi­du­al, com ati­tu­des e pro­ce­di­men­tos de con­cór­dia;

(ii) ins­ti­tu­ci­o­nal, com res­pon­sa­bi­li­da­des de equi­li­brar e man­ter a har­mo­nia co­lec­ti­va.

Re lec­tir so­bre o 04/04/2002, en­quan­to mar­cohis­tó­ri­co do im da guer­ra cí­vel em An­go­la, equi­va­le re lec­tir so­bre a ca­rac­te­ri­za­ção ge­ral das es­tra­té­gi­as co­lo­ni­ais de An­go­la pe­ran­te as mo­ti­va­ções in­ter­na­ci­o­nais. É des­cons­truir o cer­ne ne­ga­ti­vo que as­sen­ta na me­mo­ri­za­ção des­ta da­ta pois, tor­na-se com­pre­en­sí­vel o al­can­ce efec­ti­vo des­ta paz que to­dos os nãos, a es­ta al­tu­ra se fa­la.

Não sen­do aca­dé­mi­co, o de­ba­te cen­tra­do ex­clu­si­va­men­te so­bre a da­ta que gra­vi­ta em tor­no do MEL, in­ven­ta­ri­an­do os ga­nhos ad­mi­nis­tra­ti­vos da paz co­mo tem acon­te­ci­do, não aju­da­ria a per­ce­ber a es­sên­cia do pro­ble­ma e mui­to me­nos, a pos­si­bi­li­da­de de va­li­dar o seu con­teú­do pa­ra a for­ma­ção de va­lo­res ci­vi­li­za­ci­o­nais o que é a nos­sa mis­são.

A re­jei­ção do mal, (CAR­VA­LHO,2005:30), pas­sa por “uma me­lhor fo­ca­li­za­ção do pro­ces­so his­tó­ri­co pa­ra ade­ter­mi­na­ção das cau­sa­li­da­des”. O au­tor quer com is­to di­zer que, a rei­te­ra­da abor­da­gem so­bre os “os ga­nhos da paz” ten­de a de­sem­bo­car nu­ma mi­to­lo­gia ad­mi­nis­tra­ti­va de ba­lan­ços ide­o­ló­gi­cos, am­pu­tan­do a obri­ga­ção di­dác­ti­co-pe­da­gó­gi­ca do Estado an­go­la­no, par­ti­cu­lar­men­te den­tre os com­pro­mis­sos da Aca­de­mia Mi­li­tar do Exer­ci­to do Lo­bi­to.

Su­ge­ri­mos­que a de­so­cul­ta­ção e o de­ba­te dos acon­te­ci­men­tos que ge­ra­ram a guer­ra ci­vil em An­go­la du­ran­te 27 ano­so­be­de­ça a mé­to­dos que aju­dem a en­ten­der a di­men­são da so­lu­ção do pro­ble­ma e se des­per­te a con­tem­po­ra­nei­da­de no sen­ti­do de se con­tor­nar tais op­ções, apri­or es­tra­té­gi­cas e a pos­te­ri­o­ri des­trui­do­ras. Aci­ma de tu­do, des­cor­ti­nar os elos que di­vi­di­ram os an­go­la­nos em 27 anos (1975/2002) sem que sig­ni ique­a­vi­var as fe­ri­das, mas er­ra­di­car, du­ma vez por to­das, as mo­lés­ti­as de dis­cór­dia etrans­mi­tir, às mais jo­vens ge­ra­ções, as in­for­ma­ções es­ta­bi­li­za­do­ras pa­ra que pos­sam de pron­to pre­ve­nir as dis­sen­sões com vis­ta à sus­ten­ta­bi­li­da­de dos pro­ces­sos de de­mo­cra­cia e ple­na ci­da­da­nia.

1. GÉNESE E ESPECTRO DA GUER­RA EM AN­GO­LA

Du­ran­te dé­ca­das An­go­la foi um país­co­nhe­ci­do, es­sen­ci­al­men­te, por de­cor­rên­ci­as de guer­ras ci­vis (GO­MES, 2016:146), com con­sequên­ci­as di­rec­tas em que gran­de par­te de an­go­la­nos tor­na­da ví­ti­ma foi cul­pa­bi­li­za­da pe­la sua per­sis­tên­cia sem que hou­ves­se cons­ci­ên­cia da sua génese o que po­de ser fei­to re­cu­an­do pe­la His­tó­ria até 1830. A es­ta al­tu­ra, co­mo é sa­bi­do,a In­gla­ter­ra su­pri­miu o co­mér­cio de es­cra­vos dos ter­ri­tó­ri­os ocu­pa­dos,ten­do pas­sa­do ao con­tro­lo dos ma­res afri­ca­nos e por vol­ta de 1848, se­guia-lhe a Fran­ça. En­quan­to is­so, com o am­pa­ro do Estado, o ca­pi­tal Oci­den­tal, re­du­zi­do em mi­nas, ener­gia, ca­mi­nhos-de­fer­ro, etc., se or­ga­ni­za­va pa­ra a con­cor­rên­cia do no­vo mun­do, es­pe­ci­al­men­te os EUA.

Tra­ta­va-se de um na­ci­o­na­lis­mo­e­co­nó­mi­co Oci­den­tal que le­vou à cons­ti­tui­ção de gran­des im­pé­ri­os a exem­plo da Ca­sa KRUPP na Ale­ma­nha que, a par­tir de 1864 co­me­çou a go­zar de am­pla he­ge­mo­nia na in­dús­tri­a­de ar­ma­men­to a par das su­as con­gé­ne­res dos EUA, que após a II Guer­ra Mun­di­al trans­for­ma­ram-se em em­pre­sas mi­li­ta­res de di­rei­to pri­va­doin­ter­vin­do na re­so­lu­ção de con li­tos sob ges­tão da ONU.

Co­mo se po­de en­ten­der,nes­ta pers­pec­ti­va, há um di­le­ma, poi­sem­pre­sas­de di­rei­to pri­va­do pro­du­to­ras de ar­mas de guer­ra pas­sa­ram a con­tri­buir pa­ra a re­so­lu­ção de con li­tos ar­ma­dos sob ges­tão da ONU quan­do es­te é, de­ve­ras, o cam­po fér­til pa­ra o su­ces­so de­las.

Ora, co­mo ca­so par­ti­cu­lar na óp­ti­ca de Por­tu­gal, lê-se em dis­cur­so de SA­LA­ZAR (1961:6) que “An­go­la co­mo exem­plo de uma obra de co­lo­ni­za­ção atra­sa­da, de­gra­dan­te pa­ra as­po­pu­la­ções e mes­qui­nha pa­ra os ter­ri­tó­ri­os”, era to­ma­da pe­los por­tu­gue­ses nas se­guin­tes di­men­sões :

(i) mer­ca­do de mão-de-obra ba­ra­ta ao tra­ba­lho for­ça­do, en­quan­to es­tra­té­gia subs­ti­tuin­te­do trá ico de es­cra­vos a par­tir de 1850, pe­la in­tro­du­ção de obri­ga­ções e dis­cri­mi­na­ção et­no­lin­guís­ti­cae so­ci­o­cul­tu­ral(cfr. CRUZ, 2006);

(ii) ci­da­dãos re­que­ri­dos po­ras­si­mi­la­ção, ou as­si­nan­do ates­ta­dos de re­cu­sa da sua con­di­ção afri­ca­na (Íd.);

(iii) in­dí­ge­nas que mais não ti­nham se­não a obri­ga­ção de car­re­gar o far­do de pro­jec­tos­co­lo­ni­ais (Ibid.);

Es­ta si­tu­a­ção in la­mou a pro­pri­e­da­de pri­va­da atra­vés do in­di­vi­du­a­lis­mo e a con­se­quen­te ne­ga­ção da iden­ti­da­de pro­ce­den­te.

(iv) es­ta­be­le­ci­men­tos­pre­si­diá­ri­os de re­clu­sos me­tro­po­li­ta­nos, en­tre cri­mi­no­sos de to­da or­dem, mas sol­tos até ao sé­cu­lo XIX, sob pre­tex­to da ne­ces­si­da­de do au­men­to­da mão-de-obra en­gros­san­doo exér­ci­to na «Pé­ro­la da Co­roa Por­tu­gue­sa», mis­são pa­ra a qual es­ses de­gre­da­dos oci­o­sos não es­ta­vam pre­pa­ra­dos (cfr. DELGADO, 1945). So­bre o as­sun­to Sou­sa Cou­ti­nho afe­ria em tais em­prei­ta­das (BENDER, 1976:95) “as su­as mor­tes tor­nam-se mais úteis que as su­as vi­das”;

(v) ga­ran­tia pa­ra a cap­ta­ção de in­ves­ti­men­tos es­tran­gei­ros já que Por­tu­gal en­quan­to mo­nár­qui­co e de con­ser­va­do­res li­be­rais, não con­se­guiu com o trá ico de es­cra­vos ame­a­lhar fun­dos, nem de­sen­vol­ver o know-how nos ra­mos úteis, que per­mi­tis­sem ti­rar pro­vei­to dos ter­ri­tó­ri­os que de­ti­nha em Áfri­ca.

A par­tir de 1886, Por­tu­gal en­con­tra­va co­mo so­lu­ção viá­vel e de me­nor es­for­ço, as ne­go­ci­a­tas cam­bis­tas com po­tên­ci­as eu­ro­pei­as pa­ra a edi ica­ção de in­fra-es­tru­tu­ras eco­nó­mi­cas em An­go­la. Os exem­plo­sa­pon­tam nos in­ves­ti­men­tos dos Ca­mi­nhos de Fer­ro de Lu­an­da e Benguela, do es­ta­be­le­ci­men­to da Gul­foil pe­la An­glo-ame­ri­can­cor­po­ra­ti­on, da DIAMANG, etc.

Acei­tan­do in­ves­ti­men­tos es­tran­gei­ros em An­go­la, Por­tu­gal im­plan­ta­va­de for­ma (in)cons­ci­en­te o “co­lo­ni­a­lis­mo co­lec­ti­vo”, res­tan­do-lhe a so­be­ra­nia po­lí­ti­ca,ce­den­do a eco­nó­mi­ca aos po­ten­ci­ais in­ves­ti­do­res. Di­lólwa (2000) con­si­de­rou es­ta fa­se da co­lo­ni­za­ção co­mo sen­do do “ul­tra­ca­pi­ta­lis­mo emAn­go­la”, com con­sequên­ci­as ób­vi­as nos pla­nos eco­nó­mi­co, po­lí­ti­co e re­li­gi­o­so. En­quan­to co­ló­nia, An­go­la tran­si­ta­va as­sim de zo­na de in luên­cia por­tu­gue­sa à de con luên­cia do mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal.

1.1. Re­la­ti­va­men­te ao pla­no eco­nó­mi­co

ARMINDO JAI­ME GO­MES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.