CA­LOU-SE UMA DAS VO­ZES DE AN­GO­LA Um epi­tá io pa­ra An­te­ro de Abreu

Jornal Cultura - - Letras -

Mor­reu An­te­ro de Abreu. Pes­so­al­men­te não o co­nhe­ci, mas os seus po­e­mas ain­da es­tão aqui pa­ra mos­trar a to­da uma ge­ra­ção vin­dou­ra, os so­nhos de quem lu­tou fer­re­nha­men­te pe­la sua Pá­tria. Se no es­que­ci­men­to dos anos es­te­ve por mui­to tem­po, com a sua mor­te vol­ta­mos a lem­brar boa par­te dos seus es­cri­tos, a inal, co­mo es­cre­veu em “La­men­ta­ção” “dei­xa­rei um ras­to de de­si­lu­sões;/ Um ca­mi­nho de lá­gri­mas cho­ra­das;/ Um pou­co do que fui em ca­da dia./ Mas ica­rei se­gu­ro e a ir­ma­do,/ Com a se­re­ni­da­de dum Bu­da na lo­res­ta”.

Mas pa­ra os pou­cos que o co­nhe­ce­ram, mes­mo que va­ga­men­te, o seu tra­ba­lho, o me­lhor é lem­brar o “gran­de ho­mem” que foi: o so­nha­dor e al­truís­ta dis­pos­to a lu­tar pe­los seus a qual­quer cus­to e o de­fen­sor da lei. O Estado an­go­la­no já ex­pres­sou o seu pe­sar por um dos seus ilhos ilus­tres, a União dos Es­cri­to­res An­go­la­nos tam­bém o fez, a inal, além de ser um mem­bro, foi um dos fun­da­do­res da ins­ti­tui­ção.

Pa­ra o po­e­ta que via “o que nin­guém mais vê” e “coi­sas que nin­guém des­co­bre”, na sua “Can­ção da Pri­ma­ve­ra”, é pre­ci­so dei­xar uma ho­me­na­gem por to­do o seu tra­ba­lho, na li­te­ra­tu­ra ou no do­mí­nio das leis, que ele­vou o es­pí­ri­to de con­quis­ta e de de­ter­mi­na­ção em ca­da um, com a sua po­e­sia.

“De ter­ra e ner­vos, eis de que sou fei­to,/ Por­que ho­mem sou, ho­mem sim­ples­men­te”. Sim, An­te­ro Al­ber­to Er­ve­do­sa de Abreu foi um ho­mem, um des­tes que ve­mos co­mo pou­cos, mas já ti­ve­mos mui­tos e ain­da os te­re­mos. O seu “Can­to Anó­ni­mo” ho­je é, e se ain­da não for de­ve ser, um sím­bo­lo pa­ra to­dos, em es­pe­ci­al os jo­vens.

Co­mo não o co­nhe­ci pes­so­al­men­te, es­pe­ro que te­nha vi­vi­do os seus 90 anos co­mo quis e so­nhou, por­que pa­ra al­guém que lu­tou pa­ra a in­de­pen­dên­cia da sua ter­ra na­tal e a viu se ma­te­ri­a­li­zar, a uto­pia é fun­da­men­tal. “Que­ro pa­ra mim a vi­da, vi­vê-la in­tei­ra­men­te./ E vós, es­tre­las, sa­bei is­to que sei:/ De ter­ra e ner­vos, eis de que sou fei­to./ E se­ja ou não o abis­mo imen­so,/ Eu, ho­mem, ho­mem sim­ples­men­te,/ con­quis­tar- vos- ei...”. Es­pe­ro que o te­nha fei­to e co­mo es­cre­veu com os pu­nhos er­gui­dos.

Se en­quan­to es­tu­dan­te, o seu em­pe­nho icou mar­ca­do co­mo dirigente da Ca­sa dos Es­tu­dan­tes do Im­pé­rio, co­mo ju­ris­ta, no car­go de pri­mei­ro Pro­cu­ra­dor-Ge­ral da Re­pú­bli­ca de An­go­la, en­tão co­mo es­cri­tor es­tá em ca­da um dos seus po­e­mas, que cri­a­dos pa­ra sua pró­pria épo­ca es­pa­lha­vam um pou­co da re­a­li­da­de so­ci­al do país, an­tes e de­pois da in­de­pen­dên­cia.

“Das men­ti­ras lou­cas que me en­vol­vem/ Vou que­bran­do os li­a­mes um a um/ E da an­gús­tia da li­ber­ta­ção/ Nas­ce­rá um dia a paz/ Do ser e do não ser./ Das men­ti­ras vãs que me amor­da­çam/ Os véus ar­ran­ca­rei a um e um/ Tris­tes des­po­jos dum pas­sa­do ve­lho/ Que em mim se quis per­pe­tu­ar”. Quan­do es­cre­veu em 1948/1949, “Li­ber­ta­ção”, o es­cri­tor pre­pa­ra­va as pes­so­as pa­ra o fu­tu­ro e mos­tra­va a im­por­tân­cia de se que­brar as amar­ras do ju­go co­lo­ni­al.

A re­a­li­da­de da épo­ca, em que os na­tos eram des­cri­mi­na­dos, ape­nas aju­dou a mol­dar o seu ca­rác­ter. As crí­ti­cas fo­ram cons­tan­tes, as­sim co­mo o seu in­te­res­se em de­fen­der os seus e o pro­jec­to de Na­ção li­vre e in­de­pen­den­te.

As su­as cha­ma­das de aten­ção es­tão ex­pres­sas em vá­ri­os po­e­mas, co­mo “Aqui não há Es­pe­ran­ça”, on­de dei­xa cla­ro que era pre­ci­so com­ba­ter o co­lo­ni­a­lis­mo. “O que se vê são som­bras não as ár­vo­res/ São ima­gens não as coi­sas/ … Sen­te-se o de­com­por dos cor­pos mor­tos/ E a ca­da pas­so - uma bar­rei­ra/ E a ca­da luz - um véu de tre­vas/ … Na lu­ta so­mos de­si­guais/ … Aqui tu­do é dú­bio e va­ci­lan­te/ … Tu­do o que se co­me tem sa­bor a mas­ti­ga­do/ Tu­do o que se ou­ve é co­mo já ou­vi­do/ O pre­sen­te é um fru­to des­cas­ca­do/ E o fu­tu­ro é um can­to re­pe­ti­do/ … Tu­do aqui é der­ro­ta sem ba­ta­lhas/ … E não nos dêem uma al­ma/ Pa­ra que so­bre­vi­va.”

Per­de­mos o ho­mem, mas icou o le­ga­do. Uma he­ran­ça re­ple­ta de es­pe­ran­ça e de so­nhos, que pre­ci­sa de ser mais di­vul­ga­da, de for­ma a dei­xar cla­ro os fei­tos de to­da uma ge­ra­ção, co­mo a de 50 e 60, que cri­ou os mol­des e as con­di­ções pa­ra ho­je vi­ver­mos num país in­de­pen­den­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.