NA PONTA DO PÉ, NA BO­CA DO POVO

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA -

Co­me­ce­mos por per­gun­tar: co­mo é que nas­ce uma can­ção? Nas­ce da música da voz, do rit­mo do tam­bor ou dos pas­sos do dan­ça­ri­no, da su­ces­si­va tei­mo­sia das on­das do mar, dos gol­pes de ven­to, do ba­lan­ço da me­ni­na que pas­sa e en­vol­ve o mun­do na gra­ça do seu pas­sar. De­pois jun­ta-se-lhe a pa­la­vra até que tu­do ve­nha con­ju­gar-se nu­ma har­mo­nia que jun­ta a música, a pa­la­vra e o can­to.

1. Co­mo é que nas­ce uma can­ção?

Co­me­ce­mos por per­gun­tar: co­mo é que nas­ce uma can­ção? Nas­ce da música da voz, do rit­mo do tam­bor ou dos pas­sos do dan­ça­ri­no, da su­ces­si­va tei­mo­sia das on­das do mar, dos gol­pes de ven­to, do ba­lan­ço da me­ni­na que pas­sa e en­vol­ve o mun­do na gra­ça do seu pas­sar.

De­pois jun­ta-se-lhe a pa­la­vra até que tu­do ve­nha con­ju­gar-se nu­ma har­mo­nia que jun­ta a música, a pa­la­vra e o can­to.

Mas po­de ser dou­tra for­ma que a can­ção apa­re­ce. Po­de nas­cer ao con­trá­rio. Po­de nas­cer da pa­la­vra e do po­e­ma. Mui­tas ve­zes o po­e­ma já con­tém em si uma música da lín­gua, uma música do mun­do a que só fal­ta mes­mo jun­tar-lhe o tri­na­do das cor­das da gui­tar­ra, o as­so­bio da lau­ta, a res­pi­ra­ção das per­cus­sões.

O com­po­si­tor vai en­tão atrás des­sa mu­si­ca­li­da­de da pa­la­vra di­ta poé­ti­ca, trans­for­man­do-a em can­to. E jun­ta-lhe o vi­o­li­no, as ma­rim­bas, o ca­va­qui­nho, o pan­dei­ro, o re­co-re­co, a con­cer­ti­na, até re­ben­tar a gran­de fes­ta da can­ção.

E é dis­so mes­mo que fa­la­mos quan­do fa­la­mos de can­ções. Dos rit­mos e me­lo­di­as nas­ci­dos do tra­ba­lho, da fes­ta, do amor.

A can­ção vem da ter­ra, do cor­po, do co­ra­ção, e tra­ça um ca­mi­nho que nos le­va da voz ao pé e do pé à voz. A can­ção é uma fes­ta mui­to in­ten­sa e par­ti­cu­lar­men­te pre­sen­te em to­da a lu­so­fo­nia.

As can­ções nas­ci­das nes­te es­pa­ço tão vas­to e hu­ma­no quan­to sim­bó­li­co, re­sul­tam quer da apro­pri­a­ção e trans­for­ma­ção da lín­gua por­tu­gue­sa quer do uso das lín­guas ou­tras que com o por­tu­guês se vêm cru­zan­do ao lon­go da His­tó­ria num diálogo di­ver­so e ra­ro, tal­vez úni­co no mun­do em que vi­ve­mos.

2. No­vos ra­mos de um mes­mo tron­co

A lín­gua por­tu­gue­sa já é uma me­ni­na cres­ci­da. Fez 800 anos em 2014. 800 anos! Há 800 anos foi es­cri­to o pri­mei­ro do­cu­men­to in­te­gral­men­te em por­tu­guês.

Des­de es­se mo­men­to que a po­e­sia foi a for­ma mais for­te e mais be­la­que os por­tu­gue­ses en­con­tra­ram pa­ra fa­lar de si a si pró­pri­os ou aos ou­tros e pa­ra di­a­lo­gar com a al­te­ri­da­de que sem­pre foi uma gran­de mar­ca da sua iden­ti­da­de.

Em tor­no da lín­gua e da po­e­sia cons­truiu-se es­ta for­te e ines­pe­ra­da iden­ti­da­de cul­tu­ral fei­ta de uma vas­ta qua­drí­cu­la de in luên­ci­as que co­me­ça­ram por ser as do mun­do Me­di­ter­râ­ni­co a que jun­ta­ram as do mun­do dos po­vos do Cen­tro e Nor­te da Eu­ro­pa.

Mas es­ta lín­gua não se icou por aqui. Par­tiu pe­lo mar fo­ra co­mo ba­se da ex­pan­são e do pro­ces­so de co­lo­ni­za­ção de­sen­vol­vi­do pe­los por­tu­gue­ses.

Nes­se pro­ces­so co­lo­ni­al a lín­gua foi, sem dú­vi­da, um ins­tru­men­to de do­mí­nio. No en­tan­to, ines­pe­ra­da­men­te, a lín­gua por­tu­gue­sa foi apro­pri­a­da por es­ses di­ver­sos po­vos co­lo­ni­za­dos e tor­nou-se, pri­mei­ro, num ins­tru­men­to de a ir­ma­ção de no­vas iden­ti­da­des, de­pois nu­ma ar­ma co­mum de resistência e li­ber­ta­ção e, não ex­cluin­do as lín­gua­so­ri­gi­nais de ca­da na­ção, tor­nou-se inal­men­te no su­por­te de uma imen­sa co­mu­ni­da­de de fa­lan­tes que é a da Lu­so­fo­nia que pro­me­te vir a de­sem­pe­nhar um pa­pel de gran­de fu­tu­ro nes­te con­tur­ba­do mun­do em que vi­ve­mos.

Oi­to sé­cu­los tem a lín­gua por­tu­gue­sa. E ao lon­go des­tes sé­cu­los fo­ram sur­gin­do, qua­se sem in­ter­va­lo, uma quan­ti­da­de im­pres­si­o­nan­te de po­e­tas de imen­sa qua­li­da­de. São cen­te­nas de gran­des po­e­tas que fa­zem es­ta ex­tra­or­di­ná­ria res­pi­ra­ção que é a his­tó­ria da po­e­sia em por­tu­guês.

Po­de­mos di­zer que a pai­xão pe­la po­e­sia se ex­pan­diu dan­do ori­gem a no­vas e fan­tás­ti­cas vo­zes poé­ti­cas a par­tir do séc. XVIII no Bra­sil e, no séc. XX, em que a po­e­sia por­tu­gue­sa atin­giu um pon­to mui­to al­to em Por­tu­gal, ten­do-se cons­ti­tuí­do tam­bém co­mo par­te de­ter­mi­nan­te da raiz das po­e­si­as de An­go­la, Mo­çam­bi­que, S. To­mé, Gui­né-Bis­sau, Ti­mor ou Ca­bo Ver­de.

No­vos ra­mos que nas­ce­ram de um mes­mo ve­lho tron­co e que fo­ram in­cor­po­ran­do ou­tros rit­mos, ou­tras mu­si­ca­li­da­des, ou­tras te­má­ti­cas, ou­tras lín­guas e ou­tros fa­la­res.

3. Uma es­cri­ta afri­ca­na

Se vi­si­tar­mos a po­e­sia por­tu­gue­sa des­de o pe­río­do tro­va­do­res­co até à ac­tu­a­li­da­de, va­mos en­con­trar te­mas que atra­ves­sam os sé­cu­los e que vêm de­sa­guar quer na po­e­sia con­tem­po­râ­nea, quer na can­ção po­pu­lar ru­ral ou ur­ba­na, co­mo é o ca­so do fa­do.

Co­mo vi­mos e sa­be­mos a for­ça da po­e­sia co­mo fac­tor iden­ti­tá­rio trans­bor­da pa­ra as an­ti­gas co­ló­ni­as afri­ca­nas. E ve­mos co­mo são qua­se sem­pre po­e­tas os au­to­res das pri­mei­ras obras na­ci­o­nais ou on­de se a ir­ma es­pe­ci ici­da­de na­ci­o­nal.

En­tre inais do séc. XIX e os pri­mei­ros 30 anos do séc. XX, sur­gem pon­tu­al­men­te po­e­tas cu­ja es­cri­ta re lec­te a pro­cu­ra de te­mas lo­cais sem que se des­lo­quem da raiz por­tu­gue­sa pa­ra a cons­tru­ção de no­vas iden­ti­da­des cul­tu­rais. É o ca­so, em Ca­bo Ver­de, de Eu­gé­nio Ta­va­res, au­tor de po­e­mas e mor­nas, Rui No­ro­nha em Mo­çam­bi­que ou Ge­ral­do Bes­sa Vic­tor em An­go­la.

Al­guns anos de­pois,em 1936, Ma­nu­el Lo­pes, Bal­ta­sar Lo­pes (tam­bém com o pseu­dó­ni­mo de Os­val­do Al­cân­ta­ra) e Jor­ge Bar­bo­sa, com evi­den­te in luên­cia do neo-re­a­lis­mo bra­si­lei­ro e tam­bém do por­tu­guês, pu­bli­cam em Ca­vo Ver­de a re­vis­ta “Cla­ri­da­de”, que ti­nha co­mo ob­je­ti­vo pro­cu­rar afas­tar de ini­ti­va­men­te os es­cri­to­res ca­bo­ver­di­a­nos do câ­no­ne por­tu­guês, pro­cu­ran­do re lec­tir a cons­ci­ên­cia co­le­ti­va­ca­bo-ver­di­a­na e cha­mar a aten­ção pa­ra ele­men­tos da cultura lo­cal que há mui­to ti­nham si­do su­fo­ca­dos pe­lo co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês, co­mo é o exem­plo da lín­gua cri­ou­la.

O Movimento Cla­ri­do­so é uma por­ta que se abre pa­ra uma ati­tu­de de a ir­ma­ção e re­vol­ta das cul­tu­ras na­ci­o­nais con­tra o do­mí­nio co­lo­ni­al.

Nos anos 50, já sob in­fluên­cia das con­quis­tas do mo­der­nis­mo e afir­man­do uma cla­ra iden­ti­da­de afri­ca­na, a po­e­sia ga­nha no­va for­ça em An­go­la atra­vés da po­e­sia de Agos­ti­nho Ne­to, An­tó­nio Ja­cin­to e Vi­ri­a­to da Cruz en­tre ou­tros, em Mo­çam­bi­que atra­vés de Jo­sé Cra­vei­ri­nha, Noé­mia de Sousa, Rui No­gar, em Ca­bo Ver­de atra­vés de uma no­va ge­ra­ção a que per­ten­cem Luís Ro­ma­no, Ar­nal­do Fran­ça, Cor­si­no For­tes, Oví­dio Mar­tins e ain­da Al­da Es­pí­ri­to San­to em S. To­mé, Vas­co Cabral na Gui­né Bis­sau e Fer­nan­do Syl­van em Ti­mor.

Na di­vul­ga­ção de uma li­te­ra­tu­ra cla­ra­men­te afri­ca­na e an­ti-co­lo­ni­al é im­por­tan­te re­fe­rir o pa­pel fun­da­men­tal que te­ve a Ca­sa dos Es­tu­dan­tes do Im­pé­rio com as su­as pu­bli­ca­ções. Es­ta ins­ti­tui­ção que re­ce­bia mui­tos es­tu­dan­tes africanos em Lis­boa, tor­nou-se du­ran­te os anos 50 no ni­nho on­de ger­mi­na­ram as idei­as que de­ram ori­gem aos mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção de An­go­la, Mo­çam­bi­que, Gui­né-Bis­sau e Ca­bo Ver­de e num lo­cal on­de se con­so­li­da­ram par­te das eli­tes des­tes paí­ses, no­me­a­da­men­te mui­tos dos seus po­e­tas e ro­man­cis­tas.

4. Can­ção e po­e­ma

Vol­te­mos à can­ção e à sua re­la­ção com a po­e­sia. Em ge­ral, as ins­ti­tui­ções aca­dé­mi­cas têm ten­dên­cia a con­si­de­rar que a po­e­sia can­ta­da é uma po­e­sia me­nor. Tal­vez por­que pre­ci­sa de ser mais ime­di­a­ta, me­nos ela­bo­ra­da, por­que te­rá ten­dên­cia à vul­ga­ri­da­de em opo­si­ção à pro­fun­di­da­de das gran­des com­po­si­ções.

No en­tan­to, te­mos gran­des po­e­tas da can­ção. Po­e­tas que es­cre­ve­ram pa­ra a voz, pa­ra o pas­so de dan­ça, pa­ra a al­ma e pa­ra o pé do povo. Por­que é que têm de ser con­si­de­ra­dos me­no­res be­lís­si­mos com­po­si­to­res e po­e­tas po­pu­la­res co­mo Eu­gé­nio Ta­va­res, B. Le­za, “Li­ceu” Vi­ei­ra Di­as, Fre­de­ri­co de Bri­to ou mes­mo gran­des po­e­tas co­mo Jo­sé Afon­so ou Chi­co Bu­ar­que de Ho­lan­da?

Não se cha­ma po­e­sia “lí­ri­ca” a mui­ta da po­e­sia de Ca­mões e de ou­tros gran­des? E de on­de nas­ce o “lí­ri­co” se não

da li­ra? Há mui­to quem pen­se que a po­e­sia ga­nha voo de asa ao che­gar ao ou­vi­do do povo no em­ba­lo de uma can­ção pe­la mão do po­e­ta lí­ri­co, ou se­ja, se­gun­do o di­ci­o­ná­rio, do ri­ma­dor tro­vei­ro, rap­so­do, li­ris­ta, tro­vis­ta, can­tor, ae­do, va­te, ver­se­ja­dor, tro­va­dor, po­e­ta, bar­do, ver­si ica­dor.

Es­ta se­pa­ra­ção en­tre po­e­sia “sé­ria” e letras de can­ções era uma fron­tei­ra inul­tra­pas­sá­vel até ao dia em que Amá­lia Ro­dri­gues co­me­teu a “he­re­sia” de can­tar em fa­do um so­ne­to de Ca­mões.

Ia cain­do o Car­mo e a Trin­da­de. Uns en­ten­di­am que se es­ta­va a abas­tar­dar o gran­de lí­ri­co por­tu­guês. Ou­tros acha­vam que ao dei­xar-se apro­xi­mar da gran­de li­te­ra­tu­ra o fa­do per­dia a sua pu­re­za po­pu­lar.

Es­ta dis­cus­são foi ul­tra­pas­sa­da a par­tir da al­tu­ra em que “de­sa­gua­ram” no fa­do po­e­tas com a di­men­são de Pedro Ho­mem de Mel­lo, Ale­xan­dre O’Neill, David Mou­rão Fer­rei­ra e tan­tos ou­tros.

A his­tó­ria da re­la­ção en­tre can­ção e po­e­sia é vas­ta. Nos anos 50/60 a can­ção te­ve um gran­de de­sen­vol­vi­men­to atra­vés de ex­cep­ci­o­nais com­po­si­to­res e can­to­res fran­ce­ses, es­pa­nhóis, por­tu­gue­ses, bra­si­lei­ros, chi­le­nos, ar­gen­ti­nos gre­gos, ita­li­a­nos.

Sur­gi­ram gran­des po­e­tas da can­ção co­mo Jac­ques Brel, Pat­xi An­di­on, Ca­e­ta­no Ve­lo­so, Víc­tor Ja­ra. E ou­tros tan­tos fan­tás­ti­cos com­po­si­to­res que trou­xe­ram pa­ra a can­ção po­e­tas com a gran­de­za de Lor­ca, Al­ber­ti, Gón­go­ra, Ara­gon, Bau­del­lai­re, Ge­deão, Flor­be­la Es­pan­ca, Agos­ti­nho Ne­to.

5. A can­ção é uma ar­ma

A can­ção, tor­nou-se nu­ma ar­ma co­mo diz o can­tor e, a par­tir dos anos 60, par­ti­lhou fra­ter­na­men­te o gri­to ale­gre e in­ten­so de re­vol­ta con­tra o co­lo­ni­a­lis­mo e con­tra as di­ta­du­ras que man­cha­ram a His­tó­ria de Por­tu­gal e Bra­sil.

Coim­bra, ci­da­de da Uni­ver­si­da­de e dos es­tu­dan­tes, on­de rei­na­va o fa­do e a ba­la­da, re­ve­lou-se um dos ber­ços da can­ção po­lí­ti­ca.

Já nos anos 30 e 40 o neo-re­a­lis­mo ti­nha reu­ni­do na ci­da­deum nú­me­ro no­tá­vel de po­e­tas de gran­de fô­le­go, al­guns dos quais, co­mo Luís Bet­ten­court,le­va­ram a po­e­sia às vo­zes do fa­dos e das ba­la­das, unin­do as du­as gran­des ex­pres­sões cul­tu­rais coim­brãs que são a can­ção e a po­e­sia.

A par­tir do fa­do e da ba­la­da, Ze­ca Afon­so, Adri­a­no Cor­reia de Oli­vei­ra e ou­tros, vão jun­tar às to­a­das tra­di­ci­o­nais letras e po­e­mas cla­ra­men­te po­li­ti­za­dos, es­pe­ci­al­men­te bem re­ce­bi­dos pe­los es­tu­dan­tes que co­me­ça­vam a sen­tir na pe­le a pres­são de uma guer­ra in­jus­ta pa­ra a qual a di­ta­du­ra os em­pur­ra­va sem pi­e­da­de.

A can­ção jun­ta pessoas e vo­zes. A can­ção fa­la e faz fa­lar. Gri­ta. En­tra nas Uni­ver­si­da­des, em mui­tas igre­jas e es­pa­ços pa­ro­qui­ais, em clu­bes ope­rá­ri­os. A can­ção é per­se­gui­da e proi­bi­da. Au­to­res co­mo Ze­ca Afon­so ou Chi­co Bu­ar­que de Ho­lan­da são pre­sos inú­me­ras ve­zes.

Pre­sos de­vi­do às pa­la­vras a ar­der que nos tra­zi­am. Pre­sos pe­la dig­ni­da- de com que re­sis­ti­am. Pre­sos pe­la pa­la­vra que in­sis­ti­am em es­pa­lhar.

Adri­a­no can­ta­va os po­e­tas. Em pri­mei­ro lu­gar Ma­nu­el Ale­gre, e ou­tros de­pois co­mo Ma­nu­el da Fon­se­ca , An­tó­nio Ge­deão, Raúl de Car­va­lho e mui­tos mais. O Ze­ca can­tou me­nos os po­e­tas mas tam­bém o fez des­de Luís de Ca­mões, Jor­ge de Se­na, Luís Pig­na­tel­li, An­tó­nio Qua­dros, Ary dos San­tos, Fer­nan­do Pes­soa ou An­tó­nio Alei­xo.

Além dos po­e­tas, Ze­ca es­cre­veu mui­tas das letras que can­ta­va. Mas tam­bém re­co­lheu to­a­das, me­lo­di­as e letras da tra­di­ção po­pu­lar das Bei­ras, do Alen­te­jo, dos Açores, pon­do mui­tas ve­zes em des­ta­que o seu pro­fun­do ape­lo à li­ber­da­de.

Ze­ca Afon­so to­mou ain­da pa­ra si a in luên­cia da música afri­ca­na cri­an­do can­ções que de al­gu­ma for­ma uni­ram as lu­tas de um e ou­tro la­do do Oce­a­no, tor­nan­do cla­ro que a lu­ta dos africanos e dos por­tu­gue­ses era a mes­ma.

E po­de di­zer-se sem pe­ri­go de de­ma­go­gia que es­sas can­ções tam­bém con­tri­bu­em pa­ra o tra­ça­do do es­pa­ço da lu­so­fo­nia.

No Bra­sil pa­re­ce-me im­por­tan­te pôr em des­ta­que o pa­pel des­se ex­cep­ci­o­nal po­e­ta da can­ção que é Chi­co Bu­ar­que de Ho­lan­da que trou­xe a po­e­sia eru­di­ta pa­ra um diálogo fe­cun­do com a mu­si­ca po­pu­lar. Bas­ta lem­brar-nos de “Mor­te e vi­da Se­ve­ri­na” a par­tir do tex­to de João Cabral de Me­lo Ne­to, da “Ópe­ra do Ma­lan­dro” a par­tir da “Ópe­ra de Três Vin­téns” de Ber­tolt Bre­cht ou da pre­sen­ça fre­quen­te da in luên­ci­as da po­e­sia de Car­los Drum­mond de An­dra­de em can­ções co­mo “Até ao Fim”.

En­tre os can­to­res africanos há que des­ta­car Rui Min­gas que além de can­tar can­ções tra­di­ci­o­nais, ou­tras de com­po­si­to­res co­mo “Li­ceu” Vi­ei­ra Di­as, Bar­ce­ló de Car­va­lho e Te­ta Lan­do can­tou ain­da po­e­tas co­mo Agos­ti­nho Ne­to, Ma­nu­el An­tó­nio, An­tó­nio Ja­cin­to, Oné­si­mo Sil­vei­ra.

No que diz res­pei­to à re­la­ção en­tre po­e­sia e can­ção há que dis­tin­guir os po­e­tas cu­ja obra pré-exis­te à com­po­si­ção mu­si­cal, po­e­tas a quem os com­po­si­to­res vão bus­car o te­ma e o sen­ti­do e fa­zem com que a música re­for­ce e po­pu­la­ri­ze es­se mes­mo sen­ti­do.

Há ain­da os po­e­tas que es­cre­vem pa­ra a can­ção, mui­tas ve­zes em con­jun­to com o com­po­si­tor na­qui­lo que é se­gu­ra­men­te uma cri­a­ção a 4 mãos.

Dois dos mai­o­res se­rão Vi­ní­cius de Mo­rais e Jo­sé Car­los Ary dos San­tos. To­dos nós sa­be­mos de cor al­guns dos ma­ra­vi­lho­sos po­e­mas des­tes dois gran­des po­e­tas can­ta­dos por inú­me­ros can­to­res.

Po­de­mos fa­lar igual­men­te de ou­tros co­mo Ví­tor Mar­tins po­e­ta de Ivan Lins, Al­dir Blanc de João Bos­co , Jo­a­quim Pes­soa de Car­los Men­des

6. A de­pois do Adeus?

Aí te­mos o tí­tu­lo de uma be­la can­ção de Pau­lo de Car­va­lho que foi usa­da co­mo se­nha pa­ra o co­me­ço das ac­ções mi­li­ta­res do 25 de Abril de 1974 em Por­tu­gal.

Um mo­men­to ma­ra­vi­lho­so que anun­ci­ou a che­ga­da da li­ber­da­de, o im do co­lo­ni­a­lis­mo, a pro­mes­sa fu­tu­ra da ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção des­te es­pa­ço da lu­so­fo­nia.

Por is­so, tal­vez cai­ba per­gun­tar: e de­pois da li­ber­da­de? E de­pois da in­de­pen­dên­cia, o que é que acon­te­ceu à can­ção?

Te­rá per­di­do a for­ça da ur­gên­cia? E em tro­ca ga­nhou o quê? Re­du­zir-se ao con­su­mo? Ao em­ba­lo da dan­ça? Ao ne­gó­cio dos te­le­mó­veis?

De­pois de 74 fui acom­pa­nhan­do as nos­sas can­ções ao sa­bor do aca­so e da pai­xão. Mu­da­ram-se os es­pa­ços e a re­la­ção dos mú­si­cos com os pú­bli­cos. Mu­da­ram as tec­no­lo­gi­as. Des­truiu-se em gran­de par­te a hi­e­rar­qui­za­ção dos lo­cais de frui­ção. O do­mí­nio cres­cen­te da pro­du­ção mu­si­cal so­bre a cri­a­ção tem da­do ori­gem a uma tris­te uni­for­mi­da­de da­qui­lo que ou­vi­mos.

No en­tan­to, vou guar­dan­do pa­ra mim uma es­pé­cie de an­to­lo­gia pes­so­al on­de vou jun­tan­do a memória de mo­men­tos úni­cos que me fo­ram da­dos ou­vir e que, es­pe­ro, pos­sam ser pon­tos de re­fe­rên­cia, si­nais que do pas­sa­do ou do pre­sen­te apon­tem pa­ra um fu­tu­ro me­lhor, mais fe­liz, mais pró­xi­mo do co­ra­ção.

Lem­bro-me de um dis­co no­tá­vel de Jo­sé Car­los Schwarz da Gui­né-Bis­sau com Mi­ri­am Ma­ke­ba cha­ma­do “Djiu di ga­li­nha”. Al­guém lhe deu con­ti­nui­da­de? Não sei. Cul­pa mi­nha tal­vez.

Ca­bo Ver­de é um vul­cão im­pa­rá­vel de música boa, de ligação à ter­ra e ao povo, des­de os Tu­ba­rões, dos Fi­na­çon, da música de Bau, Ti­to Pa­ris e de tan­tos ou­tros ca­mi­nhos que os mú­si­cos de Ca­bo Ver­de têm vin­do a des­bra­var.

E te­mos a do­ce e ma­ra­vi­lho­sa mor­na que, tal co­mo o fa­do, tem vin­do a re­nas­cer des­de Ba­na, Ce­sá­ria e tan­tos ou­tros aos mais jo­vens co­mo Nancy Vi­ei­ra, Lu­ra, etc, etc.

A for­tís­si­ma e tão in­ten­sa música de An­go­la con­ti­nua a fa­zer nas­cer rit­mos e com­po­si­to­res on­de se mis­tu­ram os rit­mos africanos de enor­me im­pac­to com in luên­ci­as di­ver­sas que vêm do mun­do e ao mun­do re­gres­sam com o seu bri­lho e a sua ma­ra­vi­lho­sa ca­pa­ci­da­de de can­tar a nos­tal­gia.

De­pois de Bon­ga, Rui Min­gas e Filipe Mu­ken­ga, ou­tros te­nho vin­do a co­nhe­cer co­mo Pau­lo Flo­res. Mas o que mais for­te­men­te me tem che­ga­do da música an­go­la­na é a música pa­ra dan­çar des­de o sem­ba à ex­tra­or­di­ná­ria e in­ter­na­ci­o­na­li­za­da ki­zom­ba.

O Bra­sil é ou­tro vul­cão mu­si­cal on­de de­ze­nas de ve­lhos e no­vos can­to­res e au­to­res con­ti­nu­am a de­bi­tar mui­tís­si­ma música de gran­de qua­li­da­de a par de ou­tros que, di­ga-se em abo­no da ver­da­de, con­ti­nu­am a in­sis­tir nu­ma música bá­si­ca, me­ra­men­te co­mer­ci­al e sem ne­nhu­ma qua­li­da­de.

No en­tan­to, pa­ra ates­tar co­mo a música bra­si­lei­ra es­tá vi­va e mais que vi­va bas­ta ou­vir “O tro­no do es­tu­dar”, on­de Chi­co Bu­ar­que, Ze­lia Dun­can e ou­tros vá­ri­os can­to­res se jun­tam num mo­men­to ex­cep­ci­o­nal pa­ra apoi­ar os es­tu­dan­tes de S. Pau­lo que lu­tam na rua pe­la ma­nu­ten­ção do en­si­no o ici­al.

Em Por­tu­gal po­de­ria fa­lar de ca­mi­nhos di­ver­sos, Faus­to e o seu emo­ci­o­nan­te “Por es­te rio aci­ma”, Vi­to­ri­no, Sér­gio Go­di­nho, Jor­ge Pal­ma, Rui Ve­lo­so, Pedro Abru­nho­sa, os Rio Gran­de, os Fa­bu­lo­sos Tais Quais e os mui­tos gru­pos de re­co­lha de música tra­di­ci­o­nal, são bra­ços di­ver­sos de um rio que on­de nas­cem per­ma­nen­te­men­te no­vos ca­mi­nhos, al­guns que irão lon­ge, ou­tros que aca­bam por mor­rer an­tes de che­gar à praia.

Há ain­da que su­bli­nhar o re­en­con­tro da ju­ven­tu­de por­tu­gue­sa com o fa­do que me pa­re­ce mui­tís­si­mo pro­me­te­dor e que tem fei­to nas­cer vo­zes emo­ci­o­nan­tes co­mo as de Ca­ma­né, Ma­ri­sa, Ka­tia Gu­er­rei­ro ou Ana Mou­ra.

Sei pou­co do que se pas­sa em Mo­çam­bi­que. Sei ape­nas que há um tra­ba­lho con­sis­ten­te so­bre a riquís­si­ma tra­di­ção mu­si­cal das su­as vá­ri­as et­ni­as.

Da no­va música da Gui­né-Bis­sau, S. To­mé e Ti­mor sei pou­co ou na­da.E a ver­da­de é que as nos­sas rá­di­os e te­le­vi­sões es­tão de cos­tas vi­ra­das pa­ra a música da lu­so­fo­nia, mais per­to da música in­ter­na­ci­o­nal pron­ta a en­go­lir do que da­que­la que vem do co­ra­ção dos nos­sos po­vos.

Sei ain­da que em to­dos os nos­sos paí­ses os jo­vens mú­si­cos mos­tram-se mui­to in lu­en­ciá­veis pe­lo rap e pe­lo hip-hop, ex­pres­sões ur­ba­nas, in­ter­na­ci­o­na­li­za­das e dis­tan­tes das raí­zes do can­to da ter­ra, mas que po­dem de­sem­pe­nhar um pa­pel po­si­ti­vo na de­nún­cia da si­tu­a­ção de aban­do­no a que a ju­ven­tu­de é mui­tas ve­zes dei­xa­da.

O me­lhor da nos­sa música exi­ge apoio o ici­al e di­vul­ga­ção me­diá­ti­ca pa­ra con­se­guir che­gar a to­dos os can­ti­nhos da lu­so­fo­nia.

To­dos nós con­ti­nu­a­mos a pre­ci­sar de um es­pa­ço que fa­le can­tan­do ou que can­te fa­lan­do. Um es­pa­ço de li­ber­da­de do cor­po. Um es­pa­ço de diálogo com o pas­sa­do. Um es­pa­ço on­de a can­ção vi­a­je da voz do povo à ponta do pé.

Jo­sé Fanha nas­ceu em Lis­boa a 19 de Fe­ve­rei­ro de 1951. Li­cen­ci­a­do em Ar­qui­tec­tu­ra, é gui­o­nis­ta pa­ra a te­le­vi­são e pa­ra o ci­ne­ma, po­e­ta, de­cla­ma­dor, con­ta­dor de his­tó­ri­as, au­tor de letras pa­ra can­ções e de his­tó­ri­as pa­ra cri­an­ças, au­tor de tex­tos pa­ra te­le­vi­são, pa­ra rá­dio e pa­ra te­a­tro, é tam­bém pin­tor nos tem­pos li­vres. No tex­to au­to­bi­o­grá ico do seu si­te, po­de­mos en­con­trar a sua ver­da­dei­ra di­men­são hu­ma­na e poé­ti­ca que nos re­ve­la a sua cons­tan­te lu­ta pe­la li­ber­da­de em prol de um mun­do me­lhor. Po­e­ta de in­ter­ven­ção, faz par­te da ge­ra­ção de abril com no­mes co­mo Ze­ca Afon­so, Francisco Fa­nhais, Ma­nu­el Frei­re, Jo­sé Jor­ge Le­tria e ou­tros) que can­ta­vam, mais às cla­ras ou mais às es­con­di­das, pa­ra jun­tar pessoas e di­zer-lhes que era pre­ci­so aca­bar com a di­ta­du­ra se qu­e­ri­am ser li­vres e mais fe­li­zes, ci­to.

JO­SÉ FANHA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.