NGOLAGOLA KILWANJIKILKILWANWANJI CON­TRA A DOMINAÇÃO POR­TU­GUE­SA

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - FRANCISCO LO­PES”LUMBU”

ORei Ngo­laKilwan­ji do­ta­do de um es­pí­ri­to in­do­má­vel e de um ca­rác­ter mui­to con­sis­ten­te, Kilwanji era gé­nio mi­li­tar na­to. Ven­ceu o seu mai­or ini­mi­go, Pau­lo Di­as de No­vais num ata­que de um co­man­do seu a 6 de Maio de 1589, es­te fac­to le­vou-o à for­ma­ção da Pri­mei­ra Co­li­ga­ção dos Es­ta­dos do Kwan­za.

Os pri­mei­ros por­tu­gue­ses a che­gar o ici­al­men­te ao Reino do Ndon­go fo­ram Bal­ta­zar de Cas­tro e Ma­nu­el Pa­che­co, em 1520. Qu­e­ri­am com­prar es­cra­vos e sa­ber on­de se en­con­tra­vam as mi­nas de pra­ta de Kam­bam­be, no Reino. Mas Ngo­laKilwan­ji não gos­tou na­da das pre­ten­sões dos por­tu­gue­ses no seu reino, nem da ma­nei­ra co­mo eles abor­da­ram o pro­ble­ma ao Rei. Por is­so Ma­nu­el Pa­che­co foi lo­go mor­to e Bal­ta­zar de Cas­tro re­du­zi­do a es­cra­tu­ra du­ran­te seis anos (1520-1526), só foi li­ber­ta­do gra­ças ao pe­di­do de D. Afon­so I Rei do Kon­go que ti­nha bo­as re­la­ções com o Rei do Ndon­go. Che­ga­do à Lis­boa, Bal­ta­zar de Cas­tro in­for­mou o seu Rei de que as fa­mo­sas mi­nas de pra­ta se en­con­tra­vam em Kam­bam­be. Por is­so, no rei­na­do de D. Se­bas­tião, os por­tu­gue­ses es­co­lhe­ram Pau­lo Di­as de No­vais pa­ra con­ti­nu­ar com as pes­qui­sas das mi­nas de pra­ta, ten­do che­ga­do pe­la pri­mei­ra vez ao Ndon­go, em 1560.

1. O INICIO DA AGRESSÃO ARMADA E A RESISTÊNCIA DE NGOLA KILWANJI

As au­to­ri­da­des por­tu­gue­ses co­man­da­das por Pau­lo Di­as de No­vais ao es­ta­be­le­ce­rem a or­dem so­ci­al, mi­li­tar e ecle­siás­ti­ca em Lu­an­da en­tre os dis- per­sos e anár­qui­cos nú­cle­os de co­lo­nos que se en­con­tra­vam no Ndon­go, pa­ra es­ten­der mais a sua ba­se de ope­ra­ções mi­li­ta­res e cri­ar a fu­tu­ra so­ci­e­da­de ci­vil, nos ins de 1577, Pau­lo Di­as de No­vais, a im de es­tar ao cor­ren­te de tu­do o que pas­sa­va na cor­te do Ndon­go, no­me­ou Pedro da Fon­se­ca co­mo seu de­le­ga­do re­si­den­te per­ma­nen­te em Pun­gu-a-Ndon­go, jun­to de Ngo­laKilwan­ji.

Mui­tos mer­ca­dos por­tu­gue­ses es­pa­lha­ram-se lo­go es­tra­te­gi­ca­men­te pe­las ter­ras do Reino do Ndon­go a ne­go­ci­ar li­vre­men­te e até a pra­ti­ca­rem o trá ico de es­cra­vos se­cre­ta­men­te, le­van­do os es­cra­vos pa­ra São To­me, Bra­sil, Ca­bo Ver­de, e até Por­tu­gal (Ca­vaz­zi, I,II, 1965). Quan­do Ngo­laKilwan­ji to­mou co­nhe­ci­men­to do que se pas­sa­va, não acre­di­tou.

1.1. OS PRI­MEI­ROS COMBATES

O Rei do Kon­go, D. Ál­va­ro, que ti­nha re­ce­bi­do tam­bém mui­tos por­tu­gue­ses com­pa­nhei­ros da ex­pe­di­ção de No­vais, sou­be das ver­da­dei­ras in­ten­ções es­con­di­das que es­te tra­zia. Por is­so D. Ál­va­ro en­vi­ou emis­sá­ri­os se­cre­tos , en­tre os quais o pró­prio por­tu­guês que lhe re­ve­lou o se­gre­do, pa­ra es­te con­ven­cer Ngo­laKilwan­ji de que os ver­da­dei­ros in­tui­tos de No­vais não eram de ami­za­de, mas sim os de con­quis­tar-lhe as ter­ras e re­du­zir o rei e a sua gen­te a es­cra­va­tu­ra(A.Bra­sio IV, 572, 132). Em fa­ce dis­so, em 1579, a con­se­lho dos mai­o­rais do reino e che­fes de guer­ra, Ngo­laKilwan­ji man­dou cha­ci­nar to­dos os por­tu­gue­ses re­si­den­tes em An­go­la, in­cluin­do o pró­prio Pedro da Fon­se­ca, que re­pre­sen­ta­va No­vais em Pun­gu-a-Ndon­go.

Quan­do Pau­lo Di­as de No­vais que es­te­va em Ka­lum­bo re­ce­beu a no­tí­cia do mas­sa­cre, avan­çou ime­di­a­ta­men­te pa­ra o in­te­ri­or do Ndon­go até Nze­le, on­de ti­nha cons­trui­do já um for­te mi­li­tar. As po­pu­la­ções de Kis­sa­ma ci­o­sas de sua in­de­pen­dên­cia e li­ber­da­de ten­ta­ram tra­var o avan­ço de No­vais, mas não o con­se­gui­ram por­que lu­ta­vam dis­per­sos, de­sor­ga­ni­za­dos e as su­as eram mais fra­cas (Hist. De An­go­la, 1965, 61). Ngo­laKilwan­ji, po­rém, ven­do que o exer­ci­to por­tu­guês era mais do que o seu, re­sol­veu che­gar a um acor­do com os che­fes de Kis­sa­ma até que for­ma­ram um exer­ci­to na­ci­o­na­lis­ta an­go­la­no de resistência con­tra os in­va­so­res por­tu­gue­ses, de que Kilwanji to­mou o co­man­do. Os pri­mei­ros re­con­tros com os ho­mens de No­vais fo­ram mui­tos fa­vo­rá­veis aos an­go­la­nos. Um dos ge­ne­rais do Ndon­go che­gou mes­mo a cap­tu­rar num dos combates, 80 sol­da­dos por­tu­gue­ses (Hist. De An­go­la 1965, 62). Pe­lo fac­to de um dos seus ge­ne­rais ter cap­tu­ra­do os oi­ten­ta sol­da­dos por­tu­gue­ses, o rei Ngo­laKilwan­ji con­cluiu en­tão que os por­tu­gue­ses eram ho­mens fra­cos, até por­que mui­tos mor­ri­am an­tes mes­mo de en­tra­rem em com­ba­te por cau­sa do cli­ma ou tal­vez do pa­lu­dis­mo. Daí a de­ci­são de Kilwanji ter man­da­do ata­car sem pre­pa­ra­ção, o for­te de Nze­le on­de se en­con­tra­va o pró­prio Pau­lo Di­as de No­vais bem en­trin­chei­ra­do­com os seus ho­mens.

O re­con­tro deu-se em 1578 e os por­tu­gue­ses ti­ve­ram a sua pri­mei­ra vi­tó­ri­a­so­bre an­go­la­nos de­vi­do a sua me­lhor pre­pa­ra­ção pa­ra o com­ba­te e às pe­ças de ar­ti­lha­ria e es­pin­gar­das que usa­ram com uma fe­ro­ci­da­de ja­mais vis­ta até en­tão pe­los an­go­la­nos. Du­ran­te o com­ba­te, o sar­gen­to mor de No­vais pós ime­di­a­ta­men­te em prá­ti­ca o pla­no bem con­ce­bi­do da po­lí­ti­ca de “ter­ra quei­ma­da”pa­ra ater­ro­ri­zar e de­sar­mar al­dei­as in­tei­ras, de an­go­la­nos. Ma­nu­el João man­dou quei­mar al­dei­as in­tei­ras, ma­tan­do ho­mens, mu­lhe­res e cri­an­ças, se­me­an­do o ter­ror a to­do o la­do en­tre as po­pu­la­ções. Mas Kilwanji não de­sar­ma­va e con­ti­nu­ou com a resistência. Mo­bi­li­za­va as po­pu­la­ções e re­sis­tia co­mo po­dia às ac­ções do ini­mi­go. É nes­te ambiente de qua­se de­ses­pe­ro que se dá a de­sas­tro­sa re­fre­ga Mas­san­ga­no.

1.2- A BA­TA­LHA DE MAS­SAN­GA­NO

Ven­do que não obs­tan­te to­dos au­xí­li­os que re­ce­bia de Filipe I de Es­pa­nha, e dos che­fes trai­do­res pre­tos que se lhe jun­ta­vam com me­do, Kilwanji sem­pre ata­ca­va com de­ter­mi­na­ção, Pau­lo Di­as de No­vais de­ci­diu ele mes­mo to­mar o co­man­do das for­ças por­tu­gue­ses con­tra o in­do­má­vel Rei de An­go­la. No­vais le­va­va con­si­go além das já fa­mo­sas pe­ças de ar­ti­lha­ria e es­pin­gar­das de fo­go, ma­ne­ja­das por 100 ar­ca­bu­zei­ros bran­cos e mi­lha­res de au­xi­li­a­res ne­gros ( Gal­vão, p.43, 1952). A re­fre­ga deu-se em Mas­san­ga­no nas mar­gens do Kwan­za. E Ngo­laKilwan­ji so­freu a sua mai­or der­ro­ta de sem­pre, ten­do per­di­do mi­lha­res de na­ci­o­na­lis­tas nes­sa fa­tí­di­ca ba­ta­lha de mas­san­ga­no em 1580. Ali, pa­ra co­me­mo­rar a sua pri­mei­ra gran­de vi­tó­ria so­bre os an­go­la­nos, Pau­lo Di­as de No­vais fez cons­truir a fa­mo­sa for­ta­le­za de Mas­san­ga­no em 1583. Es­sa for­ta­le­za cons­truí­da na mar­gem do rio Kwan­za tor­nou- se com o tem­po na mais odi­a­da ba­se de agressão e ocu­pa­ção por­tu­gue­sa no reino do Ndon­go, pois que on­de par­ti­am as sub­se­quen­tes ope­ra­ções mi­li­ta­res con­tra a resistência dos an­go­la­nos, pro­ta­go­ni­za­da por Ngo­laKilwan­ji.

2.1- CONSEQUÊNCIAS DA BA­TA­LHA DE MAS­SAN­GA­NO

Em­bri­a­ga­do pe­la re­pen­ti­na vi­tó­ria de Mas­san­ga­no No­vais tra­tou lo­go ti­rar de­la o mai­or pro­vei­to pos­sí­vel. Apro­vei­tan­do a mo­ral bai­xo dos an­go­la­nos, re­sul­tan­te da der­ro­ta re­cen­te que ti­nham so­fri­do, Pau­lo Di­as de No­vais or­ga­ni­zou ou­tra co­lu­na mi­li­tar em 1584, a fren­te da qual saiu de Mas­san­ga­no em cam­pa­nha con­tra o so­ba da Kis­sa­ma que se ti­nha re­vol­ta­do con­tra os por­tu­gue­ses. E de­pois des­ta ope­ra­ção ful­mi­nan­te No­vais avas­sa­lou qua­se me­ta­de do reino do Ndon­go, ten­do che­ga­do até a con luên­cia do rio Lu­ca­la com o Kwan­za , quan­do inal­men­te foi tra­va­do por Ngo­laKilwan­ji­que já se ti­nha re­or­ga­ni­za­do ou­tra vez.

En­tre­tan­to, nas ter­ras ocu­pa­das pe­los por­tu­gue­ses, No­vais Ca­ça­va to­dos es­cra­vos que que­ria, até os an­go­la­nos que lhe ti­nha aju­da­do a com­ba­ter Kilwanji na ba­ta­lha de Mas­san­ga­no eram tam­bém in­cluí­dos. Não fo­ram pou­pa­dos. Tra­ta­dos co­mo mer­ca­do­ri­as e ani­mais de car­ga, os na­ci­o­na­lis­tas co­me­ça­ram a fu­gir pa­ra o la­do de Kilwanji for­mou com os na­ci­o­na­lis­tas que se lhe jun­ta­vam um for­mi­dá­vel exér­ci­to já ex­pe­ri­men­ta­do, com o qual en­fren­tou de no­vo o ini­mi­go por­tu­guês, mos­tran­do a No­vais que os an­go­la­nos que ele pre­ten­dia ven­der e opri­mir não eram mer­ca­do­ria co­mo ele os tra­ta­va, mas sim, ho­mens

au­tên­ti­cos que po­di­am com­ba­ter e de­fen­der a sua dig­ni­da­de a sua pá­tria.

3.A CON­TRA –OFENSIVA DE NGOLA KILWANJI

De­pois de or­ga­ni­za­do e con­ve­ni­en­te­men­te equi­pa­do o seu exér­ci­to, Ngo­laKilwan­ji to­mou a con­tra-ofensiva con­tra os por­tu­gue­ses. As­sim é que, em 1585, re­for­ça­do pe­lo So­ba da Hum­ba, Kilwanji vol­tou a guer­ra mar­chan­do con­tra a for­ta­le­za de Mas­san­ga­no on­de se en­con­tra­va No­vais, pa­ra des­truir o pre­sí­dio dos por­tu­gue­ses, de­pois de o ter já in il­tra­do, co­mo co­vi­nha a Kilwanji. Mas No­vais re­sis­te. A fe­ro­ci­da­de dos combates atin­ge o seu má­xi­mo de in­ten­si­da­de e Kilwanji não de­sis­te .

Na en­car­ni­ça­da lu­ta que tra­va­va, o pri­mei­ro de­fen­sor dos an­go­la­nos, Ngo­laKilwan­ji, não ti­nha um mi­nu­to de des­can­so. Ao mes­mo tem­po que re­sis­tia no cam­po de ba­ta­lha, Kilwanji en­via emis­sá­ri­os aos reis do Con­go, dos Dem­bos e da Ma­tam­ba, pa­ra o aju­da­rem na in­gen­te ta­re­fa da resistência à agressão (Ca­dor­ne­ga III, 1942, 592).

Pau­lo Di­as de No­vais, po­rém, não po­den­do che­gar a ca­pi­tal do Reino Pun­go-a-Ndon­go, de­vi­do a opo­si­ção ir­me de Kilwanji, vi­rou-se pa­ra o Sul do­nos­so país. Man­dou um so­bri­nho seu com mais uns 50 ho­mens cons­truir um pre­sí­dio no rio lon­ga, no mor­ro de Ben­gue­la Ve­lha, pa­ra ser­vir de ba­se das fu­tu­ras ope­ra­ções mi­li­ta­res em di­rec­ção ao in­te­ri­or-cen­tro de An­go­la. O povo do Kwan­za Sul es­ta­va ater­ro­ri­za­do com as no­tí­ci­as das ac­ções mi­li­ta­res que se de­sen­ro­la­vam no nor­te, ten­do si­do por is­so fá­cil a sub­mis­são das po­pu­la­ções das po­pu­la­ções des­sa região. Mas Ngo­laKilwan­ji não ti­ra­va os olhos so­bre os an­go­la­nos, não to­ma­ram mais me­di­das ne­nhu­mas de se­gu­ran­ça em ter­ra alheia e acha­ram que po­di­am já go­zar os seus di­vi­den­dos. Uns pes­ca­vam, e ou­tros to­ma­vam ba­nho à von­ta­de, co- mo se es­ti­ves­sem nas prai­as de Lis­boa. Foi as­sim que um co­man­do se­cre­to do Rei Ngo­laKilwan­ji os sur­pre­en­deu na praia, ten­do-os li­qui­da­do to­dos lá mes­mo na água on­de se en­con­tra­vam e ar­ras­ta­do por ter­ra.

Pau­lo Di­as de No­vais re­ce­beu a no­tí­cia do ata­que dos an­go­la­nos com mui­ta sur­pre­sa. Pois que já não con­ta­vam com tan­ta ou­sa­dia, de­ter­mi­na­ção e com­ba­ti­vi­da­de da par­te de Ngo­laKilwan­ji e sua gen­te, que Pau­lo Di­as de No­vais já su­pu­nha der­ro­ta­dos, de­si­lu­di­dos e mor­tos pa­ra sem­pre.

Pa­ra de vin­gar do mas­sa­cre de Ben­gue­la Ve­lha, 1588 o go­ver­na­dor Pau­lo Di­as de No­vais co­me­çou ime­di­a­ta­men­te a pre­pa­rar um gran­de exér­ci­to pa­ra um con­tra-ata­que de gran­de en­ver­ga­du­ra e es­ma­gar o vi­to­ri­o­so e ar­ro­gan­te che­fe da resistência an­go­la­na no seu pró­prio Co­man­do em Pun­gu– a-Ndon­go”, a prin­ci­pal re­si­dên­cia do Rei e a sub­mis­são de ou­tros reis tra­di­ci­o­nais ou in­dí­ge­nas. Ngo­laKilwan­ji tu­do lhe che­ga­va ao seu co­nhe­ci­men­to por in­ter­me­diá­ri­os e es­piões que es­ta­vam pe­ne­tra­dos, e se­guin­do de per­to to­dos mo­vi­men­tos do Pau­lo Di­as de No­vais, se­guin­do de per­to to­dos mo­vi­men­tos de Pau­lo Di­as de No­vais.

Ngo­laKuilwan­ji pre­pa­rou mais um ou­tro gru­po que à 6 de Maio de 1589, an­tes que Pau­lo Di­as No­vais exe­cu­tas­se a sua ac­ção, foi ata­ca­do e mor­to nu­ma em­bos­ca­da mes­mo per­to da sua for­ta­le­za de Mas­san­ga­no.

CONCLUSÃO

Ngo­laKilwan­ji foi um gran­de he­rói e o pri­mei­ro che­fe da resistência an­go­la­na. Com­ba­teu e ven­ceu su­ces­si­va­men­te, Pau­lo Di­as de No­vais, Luís Ser­rão, A.Fer­rei­ra Pe­rei­ra, D. Francisco de Al­mei­da, D. Je­ró­ni­mo de Al­mei­da e João Fur­ta­do de Mendonça. O seu gé­nio po­lí­ti­co le­vou-o a mo­bi­li­za­ção e for­ma­ção da Pri­mei­ra Co­li­ga­ção dos Es­ta­dos do Kwan­za de que foi men­tor e che­fe má­xi­mo. Por vá­ri­as vi­cis­si­tu­des his­to­ri­cas, po­rém, des­fez-se a co­li­ga­ção ten­do mes­mo as­sim ele so­zi­nho con­ti­nu­a­do a resistência até que, já can­sa­do e avan­ça­do em ida­de, foi fei­to pri­si­o­nei­ro num des­tes combates pe­lo ca­pi­tão por­tu­guês Ma­nu­el Cer­vei­ra Pe­rei­ra, em 1605, ten­do si­do le­va­do pa­ra Lu­an­da, on­de foi de­ca­pi­ta­do na for­ta­li­za de São Mi­guel em 1617. Nen­guém sa­be até aqui on­de foi se­pul­ta­do es­te pri­mei­ro ti­mo­nei­ro do povo an­go­la­no. Es­ta é mui­tas das ve­zes a sor­te dos gran­des con­du­to­res de ho­mens da his­tó­ria. Ngo­laKilwan­ji te­ve a mor­te de um már­tir da pá­tria an­go­la­na. E per­cor­reu uma tra­jec­to­ria de ga­lhar­dia, de hon­ra e de gló­ria, pa­ra to­da Áfri­ca. Kilwanji ba­teu-se com a dig­ni­da­de pró­pria de um he­rói au­tên­ti­co que com­ba­teu por uma cau­sa jus­ta e gran­de a cau­sa da li­ber­da­de e dig­ni­da­de na­ci­o­nal. E co­mo to­dos os már­ti­res ilus­tres, Ngo­laKilwan­ji vi­ve e con­ti­nu­a­rá a vi­ver e a ilu­mi­nar os es­pí­ri­tos dos na­ci­o­na­lis­tas an­go­la­nos, pe­los seus glo­ri­o­sos e ma­ra­vi­lho­sos fei­tos, cu­jo tra­jec­tó­ria imor­re­doi­ra nos co­ra­ções dos ver­da­dei­ros an­go­la­nos atra­vés dos tem­pos e da eter­ni­da­de.

- His­tó­ria de An­go­la – Des­de o Des­co­bri­men­to até a Im­plan­ta­ção da Re­pú­bli­ca ( 1482-1910)

- KAMABAYA, Mo­séis, O Nas­ci­men­to da Pe­so­na­li­da­de Afri­ca­na, Edi­to­ri­al Nzi­la, Co­lec­ção En­saio-19, Lu­an­da, Ou­tu­bro, 2003

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

Francisco Lo­pes nas­ceu na Pro­vín­cia do Ui­ge em 1968, li­cen­ci­a­do em His­to­ria pe­lo Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção( ISCED-LU­AN­DA), Mes­tre em Ges­tão e Ad­mi­nis­tra­ção Es­co­lar pe­lo Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ci­ên­ci­as Edu­ca­ti­vas (ISCE-Odi­ve­las- Lis­boa).

Con­cluiu re­cen­te­men­te o dou­to­ra­men­to no Ins­ti­tu­to Cen­tral de Ci­ên­ci­as Pe­da­gó­gi­cas ( ICCP- Ha­va­na) Re­pu­bli­ca de Cu­ba.

Pro­fes­sor das ca­dei­ras de His­to­ria de An­go­la, His­to­ria da Cultura An­go­la­na e De­sen­vol­vi­men­to Cur­ri­cu­lar no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or Po­li­téc­ni­co Kan­gon­jo de An­go­la. TELEF. 923430133- 930976630

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.