LEITURAEITURA MUN­DI­AL DOS DIREITOS HUMANOS

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA -

O Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de Li­te­ra­tu­ra de Ber­lim con­cla­ma to­das as ins­ti­tui­ções cul­tu­rais e po­lí­ti­cas, es­co­las, uni­ver­si­da­des, mei­os de co­mu­ni­ca­ção e in­di­ví­du­os in­te­res­sa­dos,in a se jun­ta­rem nu­ma Lei­tu­ra Mun­di­al e dis­cus­são sub­se­quen­te da De­cla­ra­ção Uni­ver­sal de Direitos Humanos, a fim de que to­dos os in­di­ví­du­os e to­dos os ór­gãos da so­ci­e­da­de, ten­do-a cons­tan­te­ment no es­pí­ri­to, se es­for­cem, pe­lo en­si­no e pe­la edu­ca­ção, por de­sen­vol­ver o res­pei­to des­ses direitos e li­ber­da­des.

Vi­ve­mos uma épo­ca em que os ali­cer­ces fun­da­men­tais da de­mo­cra­cia são mi­na­dos e des­res­pei­ta­dos ad ab­sur­dum, no­ta-se o ques­ti­o­na­men­to da De­cla­ra­ção Uni­ver­sal de Direitos Humanos, de 1948, e da Con­ven­ção de Ge­ne­bra so­bre re­fu­gi­a­dos, de 1951, e até mes­mo os fac­tos mais inequí­vo­cos, co­mo a mu­dan­ça cli­má­ti­ca, são de­cla­ra­dos “fa­ke news”, en­quan­to in­for­ma­ções pa­ten­te­men­te fal­sas in il­tram os mé­di­as tra­di­ci­o­nais e in lu­en­ci­am o no­ti­ciá­rio con­ven­ci­o­nal.

Cor­ren­tes na­ci­o­na­lis­tas e par­ti­dos po­pu­lis­tas, de di­rei­ta e de es­quer­da, ga­nham pro­jec­ção em to­do o mun­do, e seus lí­de­res já ocu­pam des­ta­ca­das po­si­ções de po­der em de­ter­mi­na­dos paí­ses. O es­ta­do de paz ao qual nos acos­tu­ma­mos des­de o im da Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al já não se co­lo­ca mais co­mo pres­su­pos­to.

Por is­so, o Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de Li­te­ra­tu­ra de Ber­lim con­cla­ma to­das as ins­ti­tui­ções cul­tu­rais e po­lí­ti­cas, es­co­las, uni­ver­si­da­des, mei­os de co­mu­ni­ca­ção e in­di­ví­du­os in­te­res­sa­dos, a se jun­ta­rem nu­ma Lei­tu­ra Mun­di­al e dis­cus­são sub­se­quen­te dos 30 ar­ti­gos que com­põem a De­cla­ra­ção Uni­ver­sal de Direitos Humanos adop­ta­da pe­la As­sem­bleia Ge­ral das Na­ções Uni­das em 10 de De­zem­bro de 1948. Es­se even­to tem por pro­pó­si­to re­a­vi­var o es­pí­ri­to da De­cla­ra­ção e lem­brar as pessoas do “ide­al co­mum a atin­gir por to­dos os po­vos e to­das as na­ções, a im de que to­dos os in­di­ví­du­os e to­dos os ór­gãos da so­ci­e­da­de, ten­do-a cons­tan­te­men­te no es­pí­ri­to, se es­for­cem, pe­lo en­si­no e pe­la edu­ca­ção, por de­sen­vol­ver o res­pei­to des­ses direitos e li­ber­da­des e por pro­mo­ver, por me­di­das pro­gres­si­vas de or­dem na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal, o seu re­co­nhe­ci­men­to e a sua apli­ca­ção uni­ver­sais e efec­ti­vos tan­to en­tre as po­pu­la­ções dos pró­pri­os Es­ta­dos mem­bros co­mo en­tre as dos ter­ri­tó­ri­os co­lo­ca­dos sob a sua ju­ris­di­ção” (Re­so­lu­ção 217 A (III), 10 de De­zem­bro de 1948).

O tex­to in­te­gral da De­cla­ra­ção Uni­ver­sal de Direitos Humanos es­tá dis­po­ní­vel em mais de 500 idi­o­mas no si­te das Na­ções Uni­das:

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.