IV FES­TI­VAL LI­TE­RÁ­RIO DA GARDUNHA

Jornal Cultura - - LETRAS -

O Fes­ti­val Li­te­rá­rio da Gardunha re­gres­sou, na sua IV edi­ção, en­tre 16 e 21 de Maio. De­cor­reu no Fun­dão, Por­tu­gal, com o te­ma “Vi­a­gem e a ideia de fron­tei­ra co­mo re­a­li­da­de sim­bó­li­ca”.

Cer­ca de trin­ta es­cri­to­res, en­saís­tas e per­so­na­li­da­des li­ga­das à cultura de­ba­te­ram o im­pac­to que a fron­tei­ra e a vi­a­gem tem nas su­as obras, bem co­mo a sua pró­pria ex­pe­ri­ên­cia da fron­tei­ra. O fes­ti­val con­ti­nu­ou a dar pri­ma­zia às re­si­dên­ci­as li­te­rá­ri­as e ar­tís­ti­cas e ao seu tra­ba­lho com os alu­nos das es­co­las do con­ce­lho. A cri­a­ção, nes­ta edi­ção, de um Pré­mio Es­co­lar per­mi­te apro­xi­mar os jo­vens da ini­ci­a­ti­va e da li­te­ra­tu­ra. Es­te ano es­ti­ve­ram pre­sen­tes es­cri­to­res de cin­co paí­ses di­fe­ren­tes – Por­tu­gal, Es­pa­nha, Bra­sil, An­go­la e Mo­çam­bi­que – e o pro­gra­ma in­cluiu música, te­a­tro, ex­po­si­ções, au­las, ter­tú­li­as.

No­mes co­mo Lo­pi­to Fei­jóo e Jo­sé Luís Mendonça ize­ram par­te des­ta edi­ção on­de se de­ba­teu o con­cei­to de fron­tei­ra, ge­o­gra ia, ima­gi­ná­ria, poé­ti­ca. Pa­ra além de ter­tú­li­as, ex­po­si­ções, te­a­tro, ci­ne­ma, fei­ra do livro e a 1ª edi­ção de um pré­mio li­te­rá­rio es­co­lar, o Fes­ti­val Li­te­rá­rio da Gardunha as­si­na­la o lan­ça­men­to de uma gar­ra­fa de vi­nho poé­ti­ca, nu­ma par­ce­ria en­tre a A23 Edi­ções e a Quin­ta dos Ter­mos. ________________________________________

A Ser­ra da Gardunha na sua im­po­nên­cia de 20 Km de com­pri­men­to, 10 km de Lar­gu­ra, e 1227 me­tros de Al­ti­tu­de, vi­brou for­te­men­te com as vo­zes da Li­te­ra­tu­ra Lu­só­fo­na, no IV Fes­ti­val Li­te­rá­rio da Gardunha, que de­cor­reu de 16 a 21 de Maio de 2017, no Mu­ni­cí­pio do Fun­dão, no Con­ce­lho com o mes­mo no­me, Dis­tri­to de Cas­te­lo Bran­co, na região da Bei­ra Bai­xa, em Por­tu­gal, com o te­ma Vi­a­gens e o sub te­ma Fron­tei­ras ge­o­grá icas, ima­gi­ná­ri­as, poé­ti­cas.

An­go­la fez-se re­pre­sen­tar ao mais al­to ní­vel poé­ti­co com Lo­pi­to Fei­jó e Jo­sé Luís Mendonça. Por Mo­çam­bi­que es­te­ve Amos­se Mu­ca­ve­le, pe­lo Bra­sil, An­drea Za­mo­ra­no, pe­la Es­pa­nha Mi­guel Eli­as, sen­do no to­tal cer­ca de 35 es­cri­to­res.

DAR (Dis­tri­buir Amor e Ri­que­za) é uma or­ga­ni­za­ção cons­ti­tuí­da por um gru­po de vo­lun­tá­ri­os que ten­ta trans­por a fron­tei­ra ima­gi­ná­ria e ao mes­mo tem­po re­al, en­tre as pessoas que sa­bem ler e têm aces­so ao livro, e aque­las, prin­ci­pal­men­te cri­an­ças, que sa­ben­do ou não ler, sem aces­so ao livro. Es­tu­da­dos os lo­cais de pas­sa­gem da ca­ra­va­na dos ji­pes, as ne­ces­si­da­des dos des­ti­na­tá­ri­os “lei­to­res”, são por nós es­co­lhi­dos, or­ga­ni­za­dos, clas­si ica­dos e ca­ta­lo­ga­dos os li­vros e co­mo se de bi­bli­o­te­cas am­bu­lan­tes se tra­tas­se. Des­lo­ca­mo-nos du­ran­te di­as, por es­tra­das, pi­ca­das e ca­mi­nhos, atra­ves­san­do ri­os e mon­ta­nhas até ao lo­cal de aco­lhi­men­to des­ses li­vros.

So­mos os in­ter­me­diá­ri­os en­tre os li­vros que nos dão e os que va­mos ofe­re­cer.

Nor­mal­men­te do­a­mos os li­vros nas pro­vín­ci­as de An­go­la que não Lu­an­da, às Es­co­las da Igre­ja Ca­tó­li­ca, em­bo­ra já o te­nha­mos fei­to às ins­ti­tui­ções com ou­tras mun­di­vi­dên­ci­as. São as es­co­las ca­tó­li­cas que, ten­do in­ser­ção po­pu­lar, têm es­pa­ços com o mí­ni­mo de con­di­ções de se­gu­ran­ça e ins­ta­la­ções pa­ra aco­lher as do­a­ções, as­sim co­mo pro­por­ci­o­nam lei­tu­ras em con­jun­to.

As do­a­ções são em gran­de me­di­da de por­tu­gue­ses que vi­vem em Por­tu­gal e em An­go­la e sen­tem a nos­sa di icul­da­de em ler, por fal­ta de livro.

Foi es­te o te­ma por mim de­sen­vol­vi­do, na me­sa dos re­pre­sen­tan­tes an­go­la­nos, me­di­a­dos pe­la no­bre­za de Mar­ta Lan­ça, no IV Fes­ti­val Li­te­rá­rio da Gardunha, em Por­tu­gal.

A vi­zi­nha Es­pa­nha ul­tra­pas­sou a fron­tei­ra do bom, do al­to e do so is­ti­ca­do com a ar­te do pin­tor e po­e­ta Mi­guel Eli­as que pin­tou po­e­mas de no­ve au­to­res por­tu­gue­ses que gar­du­nha­ram, de be­le­za pro­jec­tan­do o seu olhar so­bre os pa­nos an­te­ri­or­men­te bran­cos, de­se­nha­dos e pin­ta­dos so­bre o te­ma “Pas­sa­por­te o Co­ra­ção”. Não hou­ve co­ra­ção que não ba­tes­se pe­ran­te tan­to en­ge­nho ar­te e amor.

A inau­gu­ra­ção da ex­po­si­ção te­ve o sa­bor do som da po­e­sia li­da pe­lo po­e­ta João Ras­tei­ro.

Se a li­te­ra­tu­ra es­te­ve ao ru­bro, a gas­tro­no­mia não es­te­ve pi­or. De en­tre os man­ja­res tí­pi­cos da Gardunha, o que mais gos­tei fo­ram os pas­téis de ce­re­ja, e da pró­pria ce­re­ja, du­ra, cor de vi­nho e do­ce, tal co­mo as su­as gen­tes.

Co­mo a cultura li­te­rá­ria é trans­ver­sal, não po­de ha­ver li­te­ra­tu­ra sem música. De­pois do de­li­ci­o­so jan­tar ser­vi­do aos par­ti­ci­pan­tes, des­fru­ta­mos no Oc­tó­go­no do Fun­dão, de po­e­mas de Chi­co Bu­ar­que can­ta­dos pe­la voz lím­pi­da de Cris­ti­na Bran­co e mu­si­ca­dos pe­los de­dos le­ves, des­tros e com­pri­dos do pi­a­nis­ta Má­rio La­gi­nha e sua ban­da.

Aqui icam os meus sin­ce­ros agra­de­ci­men­tos à or­ga­ni­za­ção do Fes­ti­val na pes­soa da Se­nho­ra Do­na Al­ci­na Cer­dei­ra, Ve­re­a­do­ra da Cultura da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal do Fun­dão, à Di­rec­to­ra do Even­to, Mar­ga­ri­da Gil dos Reis, que des­tra­men­te cum­priu o pro­gra­ma e à Se­nho­ra Do­na Mar­ta Cor­reia pe­la ce­le­ri­da­de na re­so­lu­ção de en­tra­ves.

Nga sa­ki­di­la – Mui­to obri­ga­da.

Lo­pi­to a con­ver­sa com Mu­ca­ve­le em Al­pe­dri­nha

Da es­quer­da pa­ra a di­rei­ta, JL Mendonça, Amos­se Mu­ca­ve­le, Lo­pi­to Fei­jóo e San­dra Poul­son

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.