SO­BRE AS ÁGUAS DA VI­DA O SILÊNCIO DÓI (XI)

Jornal Cultura - - NAVEGAÇÕES -

As cas­ca­tas des­li­zam nu­ma so­no­ri­da­de lin­da, os pei­xes mer­gu­lham e sal­tam co­mo se a vi­da fos­se brin­car o dia in­tei­ro, os ti­ros co­mo res­mas es­cri­tas nu­ma dor ali re­cri­a­da, as fe­ri­das da al­ma nas­cem em ca­da silêncio per­cor­ri­do nes­ta azá­fa­ma pa­ra nun­ca es­que­cer.

Não te­nho co­mo me re­co­lher, ali tu­do é ex­pos­to e gri­tos dos fe­ri­dos pe­lo cor­re­dor en­sur­de­cem, não ica­mos in­di­fe­ren­tes nem se­quer au­sen­tes, sen­ti­mos a in­com­pe­tên­cia em nós to­dos os di­as, per­cor­rer lé­guas de ma­to e na­da ape­nas fe­ri­dos e mor­tos, es­ti­o­la­dos e des­mem­bra­dos ca­ma­ra­das fu­zi­la­dos, ino­cen­tes nes­ta cam­pa­nha que só a pou­cos ser­ve e nós car­ne pa­ra ca­nhão nes­te tão dis­tan­te das nos­sas vi­das e fa­mí­lia e de tu­do o mais, tu­do pa­re­ce um in­ver­no per­ma­nen­te que se es­ba­te a ca­da ges­to, tu­do é um cli­ma aze­do, na­da sa­bo­re­a­mos e se­gui­mos co­mo nos obri­gam a fa­zer, tu­do é tris­te, feio, frio, me­dos e rai­va.

O ma­pa pa­ra na­da ser­ve, gui­a­mo­nos pe­lo me­do, sor­ve­mos o san­gue per­di­do e cul­pa sem cul­pa ne­nhu­ma, te­res de ma­tar pa­ra não mor­rer é in­gra­to, agen­te sen­te ape­nas o di­lú­vio das far­das quen­tes e as más­ca­ras no ros­to fa­zen­do-nos dis­far­ça­dos de lo­res­ta e fo­lha­gem. As vo­zes dos nos­sos são per­ma­nen­tes, in­sis­tem em es­tar jun­tos a nós sa­ben­do que a dis­tân­cia é re­al, a mi­nha mãe ve­lhi­nha ain­da es­pe­ra pe­lo meu re­gres­so, a mi­nha ilha cres­cen­do e tu De­o­lin­da, es­cre- ves-me pe­la noi­te fo­ra co­mo se o amor es­ti­ves­se no meu quar­to de ten­da a afa­gar-me de tan­tos ruí­dos dis­pa­ra­dos de não sei on­de, eu a in­gir es­tar bem pa­ra te acal­mar com es­ta au­sên­cia tão fria e feia, não ve­jo a mi­nha ilha mas sin­to-a co­mo se no meu co­lo es­ti­ves­se, - ho­je le­vo-a ao in­fan­tá­rio amor! mas tu­do são de­lí­ri­os, uma fe­bre en­fa­do­nha co­bre o cor­po e a tes­ta ar­de co­mo se a mor­te me vi­es­se a vi­si­tar!

Vi­si­tar o des­co­nhe­ci­do é di ícil, tu­do vai sen­do ca­da vez mais es­tra­nho, es­tu­da­mos os ma­pas e na­da de ver­da­de, leio e es­tu­do os de­se­nhos, on­de ata­car ou on­de se alo­ja o ini­mi­go, to­dos os can­tos são um pos­sí­vel es­con­de­ri­jo, nós des­co­ber­tos nes­sa es­tra­nha ca­mi­nha­da, re­vol­ta­dos tam­bém, obri­ga­dos a fa­zer tu­do is­to, tan­ta a re­vol­ta em to­dos, dos sol­da­dos ao mé­di­co de cam­pa­nha de­sa­ba­fos a ca­da pas­so, nin­guém lar­ga as me­mó­ri­as, nin­guém vi­ve sem se re­cor­dar do que al­gu­ma na vi­da se ha­via si­do, de tu­do um pou­co e o sol­da­do qua­se anal­fa­be­to nas trin­chei­ras nem per­ce­be por quê es­con­der-se, ape­nas do me­do sa­be e sen­te, gri­tam e dis­far­çam, no­ção de que a co­bar­dia os in­va­di­rá se­rem he­róis ao me­nos os con­ten­ta­rá.

Na pa­ra­da pre­pa­ra­mos a es­tra­té­gia. O ofi­ci­al de dia lê as or­dens e de­ter­mi­na­ções do co­man­dan­te. Ou­vi­mos de sos­laio es­se avi­so e sem­pre re­pe­ti­do, - que vol­tem to­dos vi­vos! rai­os o par­tam!, tro­pa co­mo nós, o ici­al e nós seg­men­tos de or­dens, so­mos ape­nas sol­da­dos e sem es­tu­dos,

- sem­pre fui cam­po­nês meu co­man­dan­te!

ain­da a ma­tan­ça do por­co na al­deia, a ima­gem da Al­di­na ta­tu­a­da num bra­ço e no pei­to amo-te mãe, lá­gri­mas de san­gue jor­ram, o co­ra­ção des­tro­ça­do e que for­ça, os cães la­dram atrás das ca­ra­va­nas e se­gui­mos, as na­ti­vas pe­lo ca­mi­nho ace­nam, as al­dei­as vi­vem um con­for­to na­tu­ral e fo­guei­ras pa­ra nos re­ce­be­rem, as­sa­dos e be­bi­da num con­for­to ra­ro, quem so­mos nós?, ami­gos ga­ran­ti­da­men­te obri­ga­dos a es­te per­cur­so que na vi­da só dei­xa­rá mar­cas, nem to­das más, áfri­ca é um con­ti­nen­te in­te­res­san­te, por quê es­ta guer­ra con­tra os meus ir­mãos de cor di­fe­ren­te?, re­cor­do vi­la re­al sem mim, quem se re­cor­da­rá de mim?, par­ti pa­ra uma mis­são de lá­gri­mas, sim, e que des­ti­no pa­ra o meu re­gres­so?

Num cais qual­quer de lis­boa, o na­vio atra­car on­de cen­te­nas, gen­te que nos es­pe­ra e quem nos es­pe­ra?, re­gres­sa­dos da guer­ra do ul­tra­mar, tra­ja­dos a ri­gor on­de que vó­mi­tos, o en­joo na vi­a­gem, Don Afon­so Hen­ri­ques ve­lho e can­sa­do traz-nos de re­gres­so on­de cai­xões e so­li­dão nos pre­en­che de va­zio e dor, on­de que trau­mas a nos­sa al­ma, - so­nhei to­dos os di­as com is­to! sus­sur­ra­va um sol­da­do iso­la­do, o cais do So­dré ao la­do e na­da, um bar sor­ver se­des e sau­da­des, ma­ri­nhei­ros e pros­ti­tu­tas a vi­da é cur­ta, - so­bre­vi­vi meu amor! ou­tro, - cum­pri com to­da a sa­ga­ci­da­de da pá­tria!

nin­guém a não ser o ven­to do te­jo a re­pou­sar um frio so­bre que boi­nas e bar­ba, - es­pe­ras por mim? o sol­da­do de trás os mon­tes sem ru­mo, quem o vi­e­ra bus­car?, coi­sa ne­nhu­ma, per­de­mos o ru­mo e três anos de cam­pa­nha, ven­ci o ma­to e per­di a hon­ra de ci­da­dão na mi­nha pá­tria.

Ain­da no nor­te de an­go­la eu e tan­tos, on­de ain­da co­mis­sões, pa­ra quan­do o im dis­to tu­do, pa­ra quan­do o im de que Sa­la­zar a can­sar-me de­mais, pa­ra quan­do o teu bei­jo, abra­ço, leio as cartas e só sau­da­des e dor a au­men­ta­rem, - vol­ta­rei amor! mur­mu­ra­va na ten­da on­de na­da era vi­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.