O EN­SI­NO DA PO­E­SIA NO II CI­CLO

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PAGINA - SCOTH KAMBOLO|

Com ba­se nu­ma re­fle­xão­xão à vol­ta do po­e­ma “Cri­ar”,, de Agostinho Ne­to, pro­põe--se a afec­ti­vi­da­de dos pro­ces­pro­ces-sos­sos “trans­mis­são” e “as­si­mi-as­si­mi­as­si­mi­la­ção­la­ção”.la­ção”. Para o efei­to,, pr­pro­fes­pro­fes-es­so­res­so­res e alu­nos de­vem tra­ba­lhar com mui­ta es­té­ti­ca e éti­ca. O pro­fes­so­res­sor do en­si­no secundário te­mem de es­tar pre­pa­ra­do para trans­for­mar­mar a sala de au­las num verdadeiro es­pa­çoo de apren­di­za­gem.

O pro­fes­sor do en­si­no secundário tem de es­tar pre­pa­ra­do para trans­for­mar a sala de au­las num verdadeiro es­pa­ço de apren­di­za­gem, so­bre­tu­do qu­an­do o ob­jec­ti­vo é en­si­nar as ca­rac­te­rís­ti­cas do tex­to poé­ti­co. Nes­sa eta­pa de for­ma­ção, os alu­nos pre­ci­sam de con­ci­li­ar a prá­ti­ca com a te­o­ria, pois eles tra­zem mui­tas ex­pe­ri­ên­ci­as da fa­mí­lia, das clas­ses an­te­ri­o­res, etc. Frei­re ( 2010: 30) de­fen­de que “en­si­nar exi­ge res­pei­to aos sa­be­res dos edu­can­dos”. O pro­fes­sor que de­se­ja en­si­nar no/o en­si­no secundário de­ve, in­ques­ti­o­na­vel­men­te, uti­li­zar uma di­dác­ti­ca de mui­ta qua­li­da­de, por­quan­to os alu­nos não são tá­bu­as ra­sas.

Por con­se­guin­te, o pro­fes­sor de­ve ser ca­paz de de­sen­vol­ver, no alu­no, com­pe­tên­cia lin­guís­ti­ca – fa­lar, ler e es­cre­ver cor­rec­ta­men­te; com­pe­tên­cia trans­dis­ci­pli­nar – in­ter­pre­tar e do­mi­nar as ou­tras áre­as do sa­ber; com­pe­tên­cia só­cio-afec­ti­va – amar o pró­xi­mo e o património pú­bli­co. Para o aper­fei­ço­a­men­to des­tas com­pe­tên­ci­as, o pro­fes­sor tem de fa­zer que o alu­no se sin­ta par­te do pro­ces­so de en­si­no- apren­di­za­gem; por­quan­to, se as­sim não for, to­do o pro­ces­so de en­si­no fa­lha.

ANÁ­LI­SE DE TEX­TO POÉ­TI­CO

A nos­sa re­fle­xão foi fei­ta à vol­ta do tex­to poé­ti­co “Cri­ar”, po­e­ma de Agostinho Ne­to. Para que os pro­ces­sos“trans­mis­são” e “as­si­mi­la­ção” se efec­ti­vem, pro­fes­so­res e alu­nos de­vem tra­ba­lhar com mui­ta es­té­ti­ca e éti­ca. Co­me­ce­mos (pro­fes­so­res e alu­nos) por re­cor­dar os con­cei­tos bá­si­cos so­bre a ver­si­fi­ca­ção: ver­so, es­tro­fe, ti­pos de es­tro­fe, ti­pos de ri­ma, clas­si­fi­ca­ção da ri­ma quan­to à ri­que­za e à dis­po­si­ção; para tal, po­de­mos con­sul­tar Ál­va­ro Go­mes (2007), Bor­re­ga­na ( 2003), Cas­tro Pin­to ( 2007), Ol­ga Aze­re­do et ali ( 2013). De­pois de se con­fir­mar que os dois dos vá­ri­os in­ter­ve­ni­en­tes do pro­ces­so de en­si­no- apren­di­za­gem dominam os con­cei­tos da ver­si­fi­ca­ção, pe­da­go­gi­ca­men­te, o pro­fes­sor me­deia a au­la. O do­cen­te não po­de apo­de­rar­se da mes­ma, ou se­ja, não de­ve ser o cen­tro das aten­ções.

Eis a nos­sa es­tra­té­gia:

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.