ISSUNJE

Con­to de Er­nes­to Da­ni­el Da­ni

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PAGINA -

Do­na Ca­pom­bo­a­pom­bo es­ten­di­da­est no chão da ve­lha va­ran­da,va­ra­ran­da, com to­das as ora­çõe­sões gas­tas e sú­pli­cas, co­mi­da­so­mi­das pe­las lon­gas ho­ras de es­pe­ra,a, pe­dia a qualquer an­jo,, a qualquer deus,, que mi­la­gras­se­mi­lag ao mun­do,, a vin­da de seu fi­lho.fi­lho

Há no­mes que são fo­gos pen­du­ra­dos na pa­ta da gen­te. Quei­mam-nos a ca­da pas­so que mar­ca­mos. É uma pra­ga, um car­ma, um es­tig­ma no cor­po, como os sei­os si­a­me­ses dum tex­to que li.

Os de­dos do re­ló­gio in­frin­gem de dor a em­pan­tur­ra­da bar­ri­ga de Ca­pom­bo. É o su­fo­co da idade qu­a­ren­ta a tor­tu­rar-lhe de can­sa­ço o cor­po, os ge­mi­dos de parto da gravidez de quin­ze me­ses e o be­bé pre­so na jau­la do ven­tre a ne­gar- lhe o mun­do, que a en­lou­que­cem ca­da vez mais. To­da a ca­la­mi­da­de do uni­ver­so nos lá­bi­os de Ca­pom­bo, ru­gin­do feroz como uma le­oa ferida, e sol­tan­do es­tri­den­tes gri­tos na bo­ca da rua como uma criança fa­min­ta. Um rio dá­gua quen­te in­va­de de pre­o­cu­pa­ções o ros­to do bair­ro. Uma cor­da mis­te­ri­o­sa pren­de a lua. O tem­po é uma bi­ci­cle­ta sem ro­das, es­tag­na­da no meio da noi­te. Tudo é me­do, sus­to, as­som­bros, fu­gi­de­las, como ba­gre as­tu­to que escapa do an­zol su­fo­can­te da mor­te. Nem a Kim­ban­dei­ra Gui­da, de marca an­ces­tral, bis­ne­ta da avó Um­ba, con­se­guia tra­zer ao mun­do o mis­te­ri­o­so be­bé es­con­di­do no pa­lá­cio um­bi­li­cal da mãe. Pa­re­ce que co­nhe­cia de per­to, pe­los sen­ti­dos, os mar­te­los do mun­do, a caí­rem a dois metros de có­le­ra no es­fe­ro­vi­te cor­po da hu­ma­ni­da­de.

Do­na Ca­pom­bo es­ten­di­da no chão da ve­lha va­ran­da, com to­das as ora­ções gas­tas e sú­pli­cas, co­mi­das pe­las lon­gas ho­ras de es­pe­ra, pe­dia a qualquer an­jo, a qualquer deus, que mi­la­gras­se ao mun­do, a vin­da de seu fi­lho. Don Car­va­lho por sua vez, pro­me­tia a to­dos os santos e es­tá­tu­as que, se sua es­po­sa nas­ces­se, da­ria quin­te­to de sua ri­que­za aos mais fa­vo­re­ci­dos e, como pi­or dos sa­cri­fí­ci­os, cor­ta­ria um pé de su­as per­nas e da­ria de co­mer aos fa­min­tos por­cos da vi­zi­nha Al­ber­ti­na.

De re­pen­te, o be­bé chu­tou os de­dos das mãos para fo­ra, e a pe­que­na vi­zi­nhan­ça que acom­pa­nha­va de ou­vi­dos o desfile dos acon­te­ci­men­tos, qual ca­chor­ros va­di­os, pu­se­ram- se a correr para des­ti­nos in­cer­tos. Al­guns vi­zi­nhos até aban­do­na­ram o bair­ro para se es­ca­par da ine­di­ta­gem. - Is­so é pra­ga! Qual é o cri­me que ela cri­mou? – In­da­gou a ve­lha In­go. Nun­ca nos olhos de Issunje ou da hu­ma­ni­da­de sob ju­go de uma co­ló­nia, um be­bé jun­ta­ria to­das as fer­ra­men­tas de guer­ra e mu­das­se o cur­so da his­tó­ria, pro­cla­man­do a in­de­pen­dên­cia da nas­cen­ça. É uma rup­tu­ra, um no­vo ró­tu­lo de nas­cen­ça, um be­bé a nas­cer com os de­dos das mãos?

Ve­lha In­go, par­tei­ra de vá­ri­as es­ta­cões, com 53 sóis a mor­rem como pra­ga nos seus chi­ne­ses olhos, pe­diu que as cu­ri­o­sas jo­vens com ida­des de cha­mas ace­sas no la­bi­rin­to das per­nas, aban­do­nas­sem o lo­cal. Mal as su­as pe­ga­das foram co­ber­tas pela areia ar­ras­ta­da pe­lo ven­to, os de­dos das mãos no for­ma­to de uma asa saíam para fo­ra. Aliás, afinal não eram de­dos das mãos, nem for­ma­tos de uma asa. Como as lu­zes in­cen­di­a­vam de es­cu­ri­dão, qua­se que na­da se via. Viu-se de­pois, qu­an­do no en­rai­ve­ci­do ex­pul­so de Ca­pom­bo, uma coi­sa meio estranha foi pa­rar às mãos da ve­lha In­go: Ca­be­ça hu­ma­na, tron­co meio pei­xe, meio hu­ma­no. Na ver­da­de, era um be­bé pei­xe, um pei­xe be­bé ou be­pei­xe a pe­dir água apon­tan­do as bar­ba­ta­nas das mãos para o ros­to do pai. Com es­pan­to e ad­mi­ra­ção, Don Car­va­lho des­mai­ou e le­van­tou. Ca­pom­bo, com o cor­po no em­ba­lo da fa­di­ga gri­tou-lhe:

- Ché Car­va­lho, ca­ra­lho! Acor­da, por­ra! Porquê que vo­cê des­mai­ou? Foi eu que nas­ci, ou­vis­te? O be­bé pe­diu água qu­an­do to­mou lo­go cons­ci­ên­cia, e gri­tou: - ham! - O be­bé pe­diu água. - Qual be­bé? O nos­so? Ai meu deus! - Des­mai­ou e acor­dou com os olhos de sen­ti­men­tos dis­tor­ci­dos.

Era mes­mo um be­pei­xe fa­lan­te a cho­rar e a ques­ti­o­nar se os fi­lhos eram obras da natureza ou de Deus afinal?

Os vi­zi­nhos, com os olhos apon­ta­dos na cu­ri­o­si­da­de, num pis­car de lá­bi­os, já ti­nham es­pa­lha­do a no­tí­cia pela rua afo­ra. Ve­lha In­go, com as ex­pe­ri­ên­ci­as no dor­so do tem­po, man­te­ve a si­tu­a­ção cal­ma e con­tro­la­da, mas com a agu­lha do me­do pro­fun­da­men­te a pi­car-lhe o co­ra­ção. De­vol­veu o be­bé à mãe e, com des­cul­pas para se des­fa­zer da en­san­guen­ta­da rou­pa, de­sa­pa­re­ceu a va­por, es­que­cen­do- se da cri­se da idade e, de­pois, a noi­te cor­reu como uma le­bre na me­ta do ama­nhe­cer.

Tão lo­go os olhos do sol es­prei­ta­vam no mor­ro do ama­nhe­cer, um mar salgado de tu­mul­tos in­va­dia a bo­ca do bair­ro, num mis­té­rio que o co­man­da­va.

Os con­se­lhei­ros de Issunje de­ci­di­ram es­ten­der so­bre a es­tei­ra da me­sa o pro­ble­ma da fa­mí­lia Car­va­lho. Afinal, Issunje não era qualquer lo­cal. Era uma ci­da­de, em­bo­ra no in­te­ri­or do país, ti­ves­se a ca­be­ça er­gui­da na Eu­ro­pa. São 24 ca­sas com su­as fa­zen­das, es­tá­bu­los, ar­ma­zéns e ce­lei­ros dei­xa­dos pe­los portugueses em me­a­dos de 74. Ti­nha mes­mo clas­se, uma clas­se eu­ro­pei­za­da que até qua­se não se fa­la­va a na­ti­va lín­gua. To­dos foram ar­ras­ta­dos pe­las cor­ren­tes lin­guís­ti­cas do por­tu­guês, a não ser a pa­la­vra isun­ji ( azar), em me­mó­ria da mor­te do pas­tor Ka­lu­pe­te­ka. Um de­vo­to cris­tão e per­cur­sor de Issunje, que foi en­go­li­do por um ca­ma­leão. Nar­ra- se que o pas­tor Ka­lu­pe­te­ka ofen­de­ra um ca­ma­leão que imi­ta­ra a cor pre­ta da sua Bí­blia e o ca­ma­leão, en­fu­re­ci­do com o pa­la­vrão, en­go­liu- o e de­pois abriu as asas e vo­ou. Dizem que nun­ca mais apa­re­ceu. Era um ca­ma­leão vo­a­dor da ter­ra dos me­ni­nos gi­gan­tes. Um rei­no al­gu­res en­tre Mar­te e al­gu­ma coi­sa, ha­bi­ta­do por ca­ma­leões de to­das as es­pé­ci­es, des­de ca­ma­leões me­ni­nos a ca­ma­leões gi­gan­tes.

Com a per­mis­são da fa­mí­lia Car­va­lho, ti­nham de li­vrar a ci­da­de de uma pra­ga vin­dou­ra. En­tre­tan­to, o con­se­lho de­ci­diu pôr fim à estranha e so­frí­vel vi­da do be­bé. Qual es­pan­to a in­va­dir o qu­ar­to para o pre­me­di­ta­do ac­to. O be­bé, qual re­moi­nho, eva­po­rou da ca­ma.

Um pâ­ni­co do­mi­nou a área. O bair­ro ajo­e­lhou-se em per­dão re­zan­do dois mil Pais Nos­sos e qui­nhen­tas Ave-Ma­ri­as. Vi­zi­nha Al­ber­ti­nha com a des­pen­sa roí­da pela mi­sé­ria, foi co­brar do Don Car­va­lho a sua per­na para ali­men­tar os por­cos. Afinal, a pro­mes­sa é uma cor­da de si­sal pen­du­ra­da no pes­co­ço. Para cum­prir a ca­deia da pro­mes­sa e não per­der a per­na, Don Car­va­lho do­ou ter­ras à vi­zi­nha Al­ber­ti­na para que cul­ti­vas­se.

O re­ló­gio é uma car­ru­a­gem. Pu­xou o tem­po para vin­te e três anos mais tar­de, qu­an­do Issunje é ata­ca­da pe­los ca­ma­leões da ter­ra dos me­ni­nos gi­gan­tes pela for­ça da se­ca e da fo­me. Fa­min­tos e se­den­tos dis­pa­ra­vam ace­sas lín­guas e des­truíam com o pe­so dos seus cor­pos as ca­sas, as coi­sas, como quem qui­ses­se dei­xar em cin­zas uma aldeia no tem­po da guer­ra. Car­re­ga­vam no estô­ma­go uma fo­me an­ti­ga e o po­vo, com o fô­le­go da mor­te na pon­ta do co­ra­ção, cla­ma­va por so­cor­ro, me­ten­do-se em fu­ga para es­ca­par da mor­te.

Como Cris­to a ressuscitar dos mor­tos com uma man­ta bran­ca a co­brir-lhe o cor­po, vi­nha confusa en­tre o céu e a ter­ra, uma be­la jo­vem de ca­be­los li­sos a ba­nhar-lhe as cos­tas, com uma me­tra­lha­do­ra de águas en­tre as mãos. Era a be­pei­xe, ago­ra mo­ça­pei­xe a en­tor­nar os ri­os dá­gua fria e a con­ge­lar os ca­ma­leões vo­a­do­res. Com o gol­pe de um rio, afu­gen­tou com o seu tem­pes­tu­o­so so­pro os gi­gan­tes ca­ma­leões, e com as su­as po­de­ro­sas mãos reu­niu o ven­to e lan­çou-o para a vul­câ­ni­ca mon­ta­nha na mar­gem es­quer­da de Issunje. Ca­pom­bo re­co­nhe­ceu pe­las mãos de bar­ba­ta­nas já adul­tas e pe­los olhos de nu­vens que era sua ilha, à qual re­ser­va­ra o no­me de Dá­lia an­tes da nas­cen­ça.

A ci­da­de ajo­e­lhou-se di­an­te de Dá­lia, pe­din­do bué de per­dão à rai­nha do rio Ku­so­nhi: rio mais fundo que o rio Kwanza e mais lar­go que a Praia-dos-Ge­ne­rais. Dá­lia, de pé, en­tre as águas que tra­zia con­si­go, bei­jou os pais num vul­to e de­sa­pa­re­ceu, dei­xan­do nas me­mó­ri­as que to­dos os ilhos são im­por­tan­tes.

ER­NES­TO DA­NI­EL (PO­E­TA E PROSADOR AFEC­TO AO MO­VI­MEN­TO LITERRAGRIS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.