INSERÇÃOÃO DAD DAN­ÇA NA SO­CI­E­DA­DE

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PAGINA - JU­DI­TE CHAVITO SUNGO|

Se­ráá que ho­je em dia po­de­mos fa­lar de uma de­fi­ni­ção so­bree a dan­ça? Em ple­no sé­cu­lo XXIX as per­gun­tas mais opor­tu­nas­tu­nas se­ri­am,ser Qu­an­dou­an­do é dan­ça? E quais são os mo­dos de apre­sen­ta­ção­a­pr des­te fe­nó­me­no dan­ça?

A dan­ça exis­te des­de as ci­vi­li­za­ções pri­mi­ti­vas, por exem­plo na Gré­cia: dan­ça para o nascimento e a mor­te, dan­ça nup­ci­al, dan­ça para o ban­que­te, dan­ça para a ca­ça e a pes­ca. Por­tan­to dan­ça para to­das oca­siões. Pla­tão dis­se, que a or­dem e o rit­mo são ca­rac­te­rís­ti­cas dos deu­ses e são tam­bém formas de dan­ça. Es­sa ri­ca har­mo­nia de que fa­la­va Pla­tão en­tra num sis­te­ma de com­por­ta­men­to hu­ma­no.

A par­tir des­ta ci­ta­ção, se co­me­ça­rá es­ta abor­da­gem com a se­guin­te ques­tão:

Se­rá que ho­je em dia po­de­mos fa­lar de uma de ini­ção so­bre a dan­ça?Em ple­no sé­cu­lo XXI a per­gun­tas mais opor­tu­nas se­ri­am, qu­an­do é dan­ça? E quais são os mo­dos de apre­sen­ta­ção des­te fe­nó­me­no dan­ça?

Es­ta re le­xão, não se cen­tra­rá, con­cre­ta­men­te, nes­tas questões, mas vai além des­ta pers­pec­ti­va. Se pre­ten­de le­var o lei­tor a re lec­tir so­bre as mes­mas. Pois na ac­tu­a­li­da­de, o con­cei­to de dan­ça tem evo­luí­do mui­to, que é um tan­to quan­to di ícil che­gar a uma úni­ca de ini­ção da mes­ma, mas a au­to­ra tra­ta­rá de apro­xi­mar-se a uma con­cep­ção bá­si­ca que não é para na­da ab­so­lu­ta.

A dan­ça se po­de en­ten­der como um con­jun­to de mo­vi­men­tos cor­po­rais, exe­cu­ta­dos em um de­ter­mi­na­do tem­po e es­pa­ço,mo­ti­va­dos por um es­pí­ri­to sub­jec­ti­vo do­ta­do de emo­ção, por in­ter­mé­dio de uma di­nâ­mi­ca rít­mi­ca com ina­li­da­des co­mu­ni­ca­ti­vas.Katz di­zia que qu­an­do um cor­po or­ga­ni­za o seu mo­vi­men­to na for­ma de um pen­sa­men­to, en­tão ele dan­ça; por ou­tro la­doLa­ban de inia a dan­ça como: Os mo­vi­men­tos do cor­po que tra­du­zem a formas de pen­sar, agir e sen­tir, e que o mo­vi­men­to com­pre­en­di­do des­ta for­ma, de­ve as­su­mir um ou­tro ní­vel de im­por­tân­cia no de­sen­vol­vi­men­to da pes­soa e na cons­tru­ção de sua iden­ti­da­de.

Es­sa or­ga­ni­za­ção dos mo­vi­men­tos de que fa­la Katz, não é se­não a ex­pe­ri­ên­cia cor­po­ral, que en­glo­ba a sen­si­bi­li­da­de e cons­ci­en­ti­za­ção do cor­po em si mes­mo, incluindo su­as pos­tu­ras, ac­ções quo­ti­di­a­nas, as formas de pen­sar, agir e sen­tir de que ex­pres­sa La­ban, por con­se­guin­te como ne­ces­si­da­de de ex­pres­sar – co­mu­ni­car – cri­ar­com­par­ti­lhar. EX­PRES­SÃO

A dan­ça, é uma das mais an­ti­gas formas de ex­pres­são cor­po­ral e ar­tís­ti­ca do homem. Es­te­ve sem­pre pre­sen­te, des­de a ci­vi­li­za­ção hu­ma­na como uma ne­ces­si­da­de cul­tu­ral e so­ci­al do homem, on­de se afir­ma como mem­bro de uma co­mu­ni­da­de. É uti­li­za­da como lin­gua­gem cor­po­ral para sim­bo­li­zar ale­gria, tris­te­za, ce­le­brar o amor, a vi­da e mor­te, a guer­ra e paz, fun­da­men­tal­men­te para ex­pres­sar sen­ti­men­tos, emo­ções, pen­sa­men­tos, de­se­jos, in­qui­e­tu­des e in­te­res­ses de uma so­ci­e­da­de.

Es­ta ne­ces­si­da­de que te­ve o homem pri­mi­ti­vo de ex­pli­car os fe­nó­me­nos da natureza, e apro­pri­ar- se de­la para seu pró­prio be­ne icio, obri­gou­lhe a sub­me­ter- se a uma sé­ri­es de ri­tu­ais, de formas a atrair as au­to­ri­da­des es­pi­ri­tu­ais do bem con­tra os ma­les que lhes as­so­la­vam. A dan­ça for­mou par­te des­tes ri­tu­ais como um meio de co­mu­ni­ca­ção com os po­de­res da natureza: dan­ças à ter­ra, ao mar, o sol, ao rio, a lua, ao raio, para pro­pi­ci­ar a chu­va etc. Es­tas se po­dem clas­si icar como dan­ças de ima­gem, pois re­pre­sen­tam sim­bo­li­ca­men­te os se­res sa­gra­dos e so­bre­na­tu­rais, por­tan­to se re­a­li­zam num con­tex­to fes­ti­vo e ce­ri­mo­ni­al de ca­rác­ter má­gi­co re­li­gi­o­so; co­ma ina­li­da­de de es­ti­mu­lar o fe­nó­me­no de re­en­car­na­ção dos mes­mos so­bre ou­tros se­res vi­ven­tes, tam­bém para es­ta­be­le­cer as co­ne­xões de sig­ni ica­ção e co­mu­ni­ca­ção. Além dis­so, ob­ter de­les um efei­to be­né ico e po­si­ti­vo para a co­mu­ni­da­de.

Acom­pa­nha o homem des­de as mais an­ti­gas ci­vi­li­za­ções, for­ma par­te da sua his­tó­ria e da “Cultura Popular Tra­di­ci­o­nal” ( Gu­an­che, 2007) de um po­vo. Daí a sua gran­de im­por­tân­cia e res­pon­sa­bi­li­da­de como pro­pul­so­ra de iden­ti­da­de cul­tu­ral de uma na­ção. Exis­te no ser hu­ma­no des­de o seu nascimento, pois faz par­te das ne­ces­si­da­des bi­o­ló­gi­cas do homem e es­tá sem­pre pre­sen­te du­ran­te o seu pro­ces­so evo­lu­ti­vo. É uma lin­gua­gem não ver­bal, de con­du­ta es­pon­tâ­nea que não es­ta afas­ta­da das pos­si­bi­li­da­des de qualquer in­di­vi­duo e se re lec­te em qualquer ac­ção quo­ti­di­a­na. Es­tas ac­ções quo­ti­di­a­nas vão de­sen­vol­ven­do – se, lo­go adop­tan­do pos­tu­ras di­fe­ren­tes à ca­da in­di­vi­duo, se­gun­do o meio em que ca­da um es­ti­ver in­se­ri­do, tais como: meio fa­mi­li­ar, es­co­lar, so­ci­al, pro is­si­o­nal, re­li­gi­o­so en­tre ou­tros. Es­ta lin­gua­gem cor­po­ral en­vol­ve o homem nu­ma evo­lu­ção cons­tan­te con­si­go mes­mo e com a so­ci­e­da­de.

RE­PRE­SEN­TA­ÇÃO

A dan­ça po­de ser con­si­de­ra­da como uma re­pre­sen­ta­ção ar­tís­ti­ca. Por ar­tís­ti­co con­si­de­ra-se aque­le que de­sen­vol­ve a sen­si­bi­li­da­de, a ima­gi­na­ção, a cri­a­ti­vi­da­de e a co­mu­ni­ca­ção hu­ma­na. Daí que a dan­ça é fru­to da ne­ces­si­da­de do homem de se ex­pres­sar e se co­mu­ni­car de for­ma li­vre atra­vés da lin­gua­gem ges­tu­al por meio da mí­mi­ca fa­ci­al, ges­tos ou pan­to­mi­ma e a pos­tu­ra en­tre ou­tros re­cur­sos, sem pre­ci­sar,ne­ces­sa­ri­a­men­te,re­cor­rer a co­di ica­ção da pa­la­vra.

Nes­ta ver­ten­te, ele se apo­de­ra dos mo­vi­men­tos quo­ti­di­a­nos re­e­la­bo­ra­os para trans­for­má-los num pro­du­to ar­tís­ti­co com uma car­ga emo­ci­o­nal e es­té­ti­ca. Para ma­ni­fes­tar cer­tas ne­ces­si­da­des, pen­sa­men­tos, idei­as, frus­tra­ções e emo­ções e dar res­pos­tas a cer­tas in­qui­e­ta­ções do seu en­tor­no; nu­ma uni­da­de en­tre cor­po, es­pí­ri­to e men­te, para cons­truir um no­vo co­nhe­ci­men­to e con­tri­buir di­rec­ta ou in­di­rec­ta­men­te para o bem es­tar da so­ci­e­da­de em que es­ta in­se­ri­do.

Des­de a Pré – his­tó­ria, a dan­ça é uma for­ma de co­mu­ni­ca­ção, nu­ma sim­bi­o­se en­tre can­tos e ins­tru­men­tos mu­si­cais, que com o pas­sar do tem­po, foi so­fren­do vá­ri­as in lu­en­ci­as e foi ga­nhan­do es­pa­ço na educação. Per­cor­reu um lon­go ca­mi­nho para al­can­çar es­te ní­vel, ou se­ja, como um re­cur­so para a prá­ti­ca pe­da­gó­gi­ca. So­freu tam­bém in luên­ci­as tec­no­ló­gi­cas e no­vas con­di­ções so­ci­ais, fa­zen­do sur­gir no­vas pro­pos­tas de ar­te en­quan­to for­ma de educação. Con­tri­bui no de­sen­vol­vi­men­to cog­ni­ti­vo do ser hu­ma­no, na sua so­ci­a­li­za­ção e re­la­ci­o­na­men­to en­quan­to pes­soa no meio em que es­ta in­se­ri­do.

O tra­ba­lho do cor­po des­de as pri­mei­ras ida­des fa­ci­li­ta a co­or­de­na­ção mo­to­ra, por um la­do e, por ou­tro la­do, é van­ta­jo­so, por­que to­da car­ga téc­ni­ca nos mo­vi­men­tos me­câ­ni­cos de ca­da in­di­vi­duo é be­né ico para es­ti­mu­lar su­as ha­bi­li­da­des psi­co- mo­to­ras.

Pin­tu­ra de Neves e Sou­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.