A cultura do “amor à ca­mi­so­la”

Jornal Cultura - - ARTES -

A pri­mei­ra vez que ou­vi fa­lar do “amor à ca­mi­so­la” estava a ini­ci­ar no jor­na­lis­mo. Bons tem­pos. As coi­sas eram sim­ples e era exi­gi­do qua­li­da­de no tra­ba­lho. Al­go que não acon­te­cia só no jor­na­lis­mo, mas em qua­se to­dos os sec­to­res do país. As pes­so­as da­vam o seu me­lhor e tra­ba­lha­vam com com­pro­mis­so e de­vo­ção “por amor à ca­mi­so­la” e não pe­lo sa­lá­rio me­lhor ou uma fu­tu­ra pro­mo­ção.

Ho­je, anos de­pois, se me per­gun­ta­rem o que é “amor à ca­mi­so­la” res­pon­de­ria com três pa­la­vras: com­pro­me­ti­men­to, de­di­ca­ção e em­pe­nho. Em qualquer coi­sa que for­mos fa­zer na vi­da. Re­gras que fa­zem mui­ta falta na ac­tu­al so­ci­e­da­de mo­der­na an­go­la­na, on­de até os pequenos o íci­os, como sa­pa­tei­ro, ou mar­ce­nei­ro, que an­tes foram o or­gu­lho dos seus fa­ze­do­res, são feitos ho­je com olhos no “ren­di­men­to rá­pi­do”.

O “amor à ca­mi­so­la” já foi mui­to im­por­tan­te e mar­cou to­do um pe­río­do. No jor­na­lis­mo, que por aca­so é o ra­mo ( e o úni­co) que me­lhor co­nhe­ço, só co­nhe­ci es­te sen­ti­men­to anos de­pois. Qu­an­do co­me­cei ain­da era o tem­po do MS-DOS, um sis­te­ma ope­ra­ti­vo de com­pu­ta­dor (des­co­nhe­ci­do por uns), que já não se usa. Na épo­ca o jor­na­lis­ta ti­nha de sa­ber es­cre­ver, e mui­to bem, por­que o pro­gra­ma não fa­zia cor­rec­ção au­to­má­ti­ca ou marcava (com su­bli­nha­do a ver­me­lho) as pa­la­vras er­ra­das. Qualquer pro is­si­o­nal ti­nha de cum­prir o seu tra­ba­lho com ze­lo. Para mim, foi uma épo­ca es­pe­ci­al. Fi­ze­ram-se mui­tos bons jor­na­lis­tas. Eram tem­pos di íceis. Mas o “amor à ca­mi­so­la” pre­va­le­cia, já que era tra­ba­lhar to­dos os di­as para no inal do mês re­ce­ber dez dó­la­res ( o equi­va­len­te em kwan­zas).

Po­rém, os tem­pos mu­da­ram. As coi­sas es­tão di­fe­ren­tes. O “amor à ca­mi­so­la” foi es­que­ci­do. Bem ... são as mu­dan­ças do tem­po. Mas a nos­tal­gia por um pe­río­do di ícil, on­de de­mos o me­lhor e aju­da­mos a cri­ar um ama­nhã, mes­mo sem as re­com­pen­sas inan­cei­ras e as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.