MAYEM­BE

EMPREENDEDOR DE SEN­TI­MEN­TOS

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PAGINA - PA­TRÍ­CIO BATSÎKAMA

O es­cul­tor Mayem­be é um dos mo­de­los de empreendedor de sen­ti­men­tos­ti­men­tos cu­jo re­co­nhe­ci­men­to veio de­de fo­ra de An­go­la. Mayem­be é con­sa­gra­do­do “mes­tre es­cul­tor” na “pe­ri­fe­ria”. Is­to é, na pro­vín­cia do Zai­re, on­de a mes­tria de es­cul­tu­ra é mi­le­nar e de ex­ce­lên­cia no ma­pa ar­tís­ti­co an­go­la­no.

A in­ter­pre­ta­ção ar­tís­ti­ca da so­ci­e­da­de con­cer­ta to­da ac­ti­vi­da­de in­te­lec­tu­al com ha­bi­li­da­de téc­ni­ca. Lo­go, tor­na-se sub­jec­ti­va a ex­pres­são es­té­ti­ca que cor­po­ri­za a ideia que é por­ta­do­ra, to­da obra ex­pos­ta. Se um ur­ba­nis­ta cons­trói a má­qui­na so­ci­al sob ori­en­ta­ções po­lí­ti­cas e de­man­das so­ci­ais con­so­an­tes ca­pa­ci­da­des eco­nó­mi­cas dos in­te­gran­tes, en­tão to­do cri­a­dor de ar­te se­ria um empreendedor dos sen­ti­men­tos.

Nos Umbûn­du o usuá­rio da pa­la­vra, no Ond­jan­go, é po­lis­sé­mi­co em con­gre­gar as sen­si­bi­li­da­des e co­nhe­ce­dor de es­pa­ços so­ci­ais en­vol­vi­dos. Ele cria so­lu­ção fa­ce as di icul­da­des; sal­va­guar­da, na ba­se de vir­tu­des, o es­pí­ri­to co­lec­ti­vo en­tre os agen­tes na tro­ca sim­bó­li­ca das su­as com­pe­tên­ci­as.

O es­cul­tor Mayem­be é um dos mo­de­los de empreendedor de sen­ti­men­tos cu­jo re­co­nhe­ci­men­to veio de fo­ra de An­go­la. É cu­ri­o­so, na ver­da­de. Um “sis­te­ma” ar­tís­ti­co ca­rac­te­ri­zou An­go­la an­tes de 1992-2002: o “Cen­tro” de­ter­mi­na­va as re­gras fa­ce as “Pe­ri­fe­ri­as”. Ora, Mayem­be é con­sa­gra­do “mes­tre es­cul­tor” na “pe­ri­fe­ria”. Is­to é, na pro­vín­cia do Zai­re, on­de a mes­tria de es­cul­tu­ra é mi­le­nar e de ex­ce­lên­cia no ma­pa ar­tís­ti­co an­go­la­no. Cu­ri­o­so ain­da é que des­ta re­gião ve­nha Eto­na, e do Ui­ge ve­nha Ma­son­gi Afon­so, en­tre ou­tros. O re­co­nhe­ci­men­to re­al de Mayem­be em An­go­la co­mo es­cul­tor vem do Cen­tro In­ter­na­ci­o­nal da Ci­vi­li­za­ção Ban­tu (CICIBA). Na ver­da­de, es­te cen­tro afri­ca­no reu­nia es­pe­ci­a­lis­tas cu­jo pro­nun­ci­a­men­to aca­bou por se im­por ao sis­te­ma ar­tís­ti­co em An­go­la.

Mayem­be não se li­mi­tou num sim­ples re­co­nhe­ci­men­to ex­ter­no. Con­cor­reu nas are­nas na­ci­o­nais (Ens-Ar­te; BAI-Ar­te, etc.) até al­can­çar o mai­or pré­mio, em­bo­ra po­lí­ti­co, Pré­mio Na­ci­o­nal de Ar­tes e Cul­tu­ra. Quer di­zer, in­te­grou ao Cen­tro. Mas não é dis­to que nos in­te­res­sa aqui re lec­tir.

En­tre 1992-2002, Lu­an­da im­pul­sio- nou du­as re­gras do jo­go na con­cor­rên­cia que são: (1) “o Cen­tro de­ter­mi­na”; (2) “Pe­ri­fe­ria bus­ca al­ter­na­ti­va”. O “Cen­tro” não só de­tém o po­der inan­cei­ro, mas dis­po­ni­bi­li­za me­lhor ca­pi­tal cul­tu­ral e in­te­lec­tu­al por reu­nir con­di­ções de ins­ti­tui­ções ar­tís­ti­cas. A “Pe­ri­fe­ria” sub­me­te-se as im­po­si­ções do “Cen­tro”, bus­can­do por ou­tras are­nas as con­di­ções de “ur­ba­ni­da­de ar­tís­ti­ca”. O III sim­pó­sio so­bre a Cul­tu­ra Na­ci­o­nal em 2006 ten­tou re­for­çar o es­ta­tu­quo.

Re­sol­vi vi­si­tar o ate­liê de Mayem­be ul­ti­ma­men­te. Três ra­zões le­va­ram-me a fa­zê-lo: (1) pre­ci­so de ter­mi­nar a mi­nha pes­qui­sa so­bre “Éti­ca e De­on­to­lo­gia ar­tís­ti­ca em An­go­la”: iden­ti iquei a Ar­te co­mo um cam­po im­por­tan­te por pes­qui­sar e dis­cu­tir os re­sul­ta­dos jun­to dos meus es­tu­dan­tes; (2) per­ce­bi­me, en­quan­to Se­cre­tá­rio pa­ra For­ma­ção e Superação da UNAP (no man­da­to an­te­ri­or) a ne­ces­si­da­de de re­or­ga­ni­zar a clas­se ar­tís­ti­ca e res­ga­tá-la da “mi­sé­ria sim­bó­li­ca” que é fo­men­ta­da in­ter­na­men­te, evi­tan­do de­te­ri­o­rar-se fa­ce a cul­tu­ra de guerra que se ve­ri ica; (3) alar­gar as mi­nhas pes­qui­sas além de Vi­teix, Ma­son­gi Afo, Eto­na, An­tó­nio Ole, Van/Gum­be (até ago­ra não con­si­go ain­da vê-los se­pa­ra­dos de pon­to de vis­ta es­té­ti­co), Ki­dá, etc. Es­co­lhi alas­trar a mi­nha pes­qui­sa em Fi­ne­za Te­ta, por ser mu­lher. Já lhe ma­ni­fes­tei o meu in­te­res­se na sua amos­tra/es­tu­do so­bre as “Mu­lhe­res grá­vi­das sem iden­ti­da­de” (ex­pos­tas em Ex­po Mi­la­no 2015). A obra de Mayem­be in­te­res­sa-me pe­lo “em­pre­en­de­do­ris­mo sen­ti­men­tal”.

Es­tu­dei cin­co obras de Mayem­be – ten­do em con­ta o seu back­ground – pa­ra ten­tar cons­truir a mi­nha te­se. Mas ve­ja­mos ape­nas uma: es­cul­tu­ra em ma­dei­ra/acá­cia in­ti­tu­la­da “Kiñjîm­bu-ñjîm­bu”.

Kiñjîm­bu-ñjîm­bu “ven­de” três sen­ti­men­tos. Co­mo o ter­mo o diz e bem, tra­ta-se de uma plan­ta (Phy­lanthus) tre­pa­do­ra, mas tam­bém e so­bre­tu­do, o ter­mo im­pli­ca dois sen­ti­dos: in­te­li­gên­cia; gé­nio.

O pri­mei­ro sen­ti­men­to que es­ta es­cul­tu­ra ofe­re­ce é “ ir­me­za; de­ter­mi­na­ção de evo­luir ape­sar das di icul­da­des”. O se­gun­do: “co­ra­gem e vi­são de al­can­çar al­go: ser es­tra­te­ga e dis­ci­pli­na­do”. O ter­cei­ro: “pro­du­ção de ri­que­zas; de­sen­co­ra­jar con­su­mis­mo sim­bó­li­co ao be­ne ício do pro­gres­so”.

Es­tes três sen­ti­men­tos as­sen­tam-se nas vir­tu­des: co­ra­gem; ir­me­za. A obra in­ti­tu­la­da “Kiñjîm­bu-ñjîm­bu” par­te das raí­zes. Não há so­ci­e­da­de que se de­sen­vol­va es­que­cen­do-se das su­as raí­zes. Se o ter­mo va­lo­ri­za a in­te­lec­tu­a­li­da­de co­mo “ba­se/ri­que­za”, a ex­pres­são es­cul­tó­ri­ca em si de­no­ta o es­pí­ri­to li­be­ral do pro­gres­so. Pi­er­re Bour­di­eu, ao fa­lar de “ar­te e di­nhei­ro” rei­te­rou a boé­mia sim­bó­li­ca ins­ti­tuí­da du­ran­te os pri­mei­ros mo­men­tos de Im­pres­si­o­nis­mo fran­cês. As abor­da­gens im­pres­si­o­nis­tas iden­ti ica­ram va­lo­res so­ci­ais, en­tre os quais o “so­nho”. Ca­da um po­de­ria cons­truir li­be­ral­men­te o seu so­nho e ar­mar-se pa­ra con­cre­ti­zá-lo den­tro da con­du­ta éti­ca. Con­tex­tu­a­li­zan­do es­ta es­cul­tu­ra de Mayem­be no es­pa­ço/tem­po, os An­go­la­nos vi­vem a cri­se inan­cei­ra, cri­se de va­lo­res e um pe­río­do de in­ten­si­da­des po­lí­ti­cas: pre­pa­ra­ção das elei­ções. Kiñjîm­bu-ñjîm­bu, que de­sen­co­ra­ja despesas des­ne­ces­sá­ri­as, es­ti­mu­la a pro­du­ção in­te­lec­tu­al e eco­nó­mi­ca na cons­tru­ção de ri­que­zas. Tra­ta- se do de­se­jo/ so­nho do es­cul­tor ver a sua so­ci­e­da­de pro­gre­dir e tor­nar as su­as di­fi­cul­da­des um tram­po­lim / ba­se da ri­que­za e su­ces­so. É um de­sa­fio que po­de ser ven­ci­do a par­tir de dis­ci­pli­na, fir­me­za, de­ter­mi­na­ção e co­ra­gem.

Con­si­de­ro qu­al­quer po­lí­ti­co co­mo um “empreendedor de bem-es­tar so­ci­al”, e o re­li­gi­o­so é um “empreendedor da be­le­za so­ci­al”. Na mes­ma ló­gi­ca, um fa­ze­dor da ar­te é “empreendedor de sen­ti­men­tos”.

Quais são os sen­ti­men­tos que Mayem­be nos ven­de, par­tin­do des­ta es­cul­tu­ra Kiñjîm­bu-ñjîm­bu, além da­qui­lo que já a lo­rei an­te­ri­or­men­te?

Al­guns me­ses atrás ex­pli­quei”Di­lêm­be: pen­sa­men­to po­lí­ti­co de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos”. Quem lhe su­ce­der op­ta­rá pe­la ma­nu­ten­ção da Paz, um gran­de le­ga­do! O pa­pel dos re­li­gi­o­sos no de­vir so­ci­al tem si­do a Paz, e mui­tas ho­je são as igre­jas que “ven­dem es­pe­ran­ça/fé” ao po­vo hu­mil­de. Na ar­te, há vá­ri­as pro­pos­tas es­té­ti­cas in­te­res­san­tes e vou cin­gir-me nu­ma sín­te­se so­bre “Kiñjîm­bu-ñjîm­bu”.

Há uma ne­ces­si­da­de de com­ba­ter a cul­tu­ra da guerra re­ma­nes­cen­te en­tre os an­go­la­nos, e a ar­te não es­tá a par dis­to. Há im­pe­ri­o­so de­se­jo co­lec­ti­vo de pôr im a violência sim­bó­li­ca des­de as nos­sas fa­mí­li­as. Os an­go­la­nos pre­ci­sam da­que­les que os ven­dem o “so­nho da paz; bem-es­tar”. A re le­xão poé­ti­ca de “Kiñjîm­bu-ñjîm­bu” – pe­la ges­ta es­cul­tó­ri­ca – de­vol­ve à di­nâ­mi­ca so­ci­al a sua ex­pres­são es­té­ti­ca (Baum­gar­ten), na­tu­ra­lis­ta (Rous­se­au) e sim­bó­li­ca (Ge­ertz). Trans­for­ma­mos a na­tu­re­za pa­ra cri­ar pro­du­tos cul­tu­rais com ins sa­ci­ar as nos­sas ne­ces­si­da­des. A ri­que­za é uma ne­ces­si­da­de, quan­do al­me­ja a so­ci­e­da­de em si e por si. E a cul­tu­ra sim­bó­li­ca (Bour­di­eu) tor­na-se a úni­ca ri­que­za atem­po­ral.

É na ba­se des­tas te­o­ri­as que con­si­de­ro a es­cul­tu­ra in­ti­tu­la­da Kiñjîm­bu- ñjîm­bu co­mo uma das con­tri­bui­ções hu­mil­des da cul­tu­ra sim­bó­li­ca que nos lem­bra que, ape­sar da cri­se fi­nan­cei­ra e tur­bu­lên­ci­as so­ci­ais, é pos­sí­vel ren­ta­bi­li­zar – na ba­se das vir­tu­des éti­cas: co­ra­gem, fir­me­za, dis­ci­pli­na, etc. – o que nos res­ta. Es­te é o sen­ti­men­to que nos “ven­de” es­te es­cul­tor. Ele nos re­a­ni­ma em so­nhar al­to num mo­men­to de per­ple­xi­da­des; en­co­ra­ja- nos a não de­sis­tir nem des­vi­ar-se do ru­mo: a paz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.