TE­RE­ZA DE BENGUELA A RAI­NHA NE­GRA DE MA­TO GROS­SO

Jornal Cultura - - ARTES - CLÁU­DIA VITALINO |

Te­re­za de Benguela foi uma li­de­ran­ça qui­lom­bo­la que vi­veu no sé­cu­lo XVIII. Mu­lher de Jo­sé Pi­o­lho, que che ia­va o Qui­lom­bo do Pi­o­lho ou Qu­a­ri­te­rê, nos ar­re­do­res de Vi­la Bela da San­tís­si­ma Trindade, Ma­to Gros­so. Quan­do seu ma­ri­do mor­reu, Te­re­za as­su­miu o co­man­do da­que­la co­mu­ni­da­de qui­lom­bo­la, re­ve­lan­do-se uma lí­der ain­da mais im­pla­cá­vel e obs­ti­na­da Benguela co­man­dou a es­tru­tu­ra po­lí­ti­ca, eco­nó­mi­ca e ad­mi­nis­tra­ti­va do Qui­lom­bo, man­ten­do um sis­te­ma de de­fe­sa com ar­mas tro­ca­das com os bran­cos ou res­ga­ta­das das vi­las pró­xi­mas.

Os ob­jec­tos de fer­ro uti­li­za­dos con­tra a co­mu­ni­da­de ne­gra que lá se re­fu­gi­a­va eram trans­for­ma­dos em ins­tru­men­to de tra­ba­lho, vis­to que do­mi­na­vam o uso da for­ja.

O Qui­lom­bo do Qu­a­ri­te­rê, além do par­la­men­to e de um con­se­lhei­ro pa­ra a rai­nha, de­sen­vol­via agri­cul­tu­ra de al­go­dão e pos­suía te­a­res on­de se fa­bri­ca­vam te­ci­dos que eram co­mer­ci­a­li­za­dos fo­ra dos qui­lom­bos, co­mo tam­bém os ali­men­tos ex­ce­den­tes alen­te e guer­rei­ra ela co­man­dou o Qui­lom­bo do Qu­a­ri­te­rê, no Ma­to Gros­so, não se sa­be se afri­ca­na ou bra­si­lei­ra. Di­zem que li­de­rou um le­van­te de ne­gros e ín­di­os, ins­ta­lan­do-se pró­xi­mo a Cui­a­bá, não mui­to lon­ge da fron­tei­ra com a ac­tu­al Bo­lí­via. Du­ran­te dé­ca­das, Teresa es­te­ve à fren­te do qui­lom­bo, o qu­al so­bre­vi­veu até 1770, sé­cu­lo XVIII.

No pe­río­do co­lo­ni­al e pós-co­lo­ni­al no Bra­sil, os qui­lom­bos, es­pa­ços de re­sis­tên­cia de ho­mens e mu­lhe­res ne­gros, reu­ni­am mi­lha­res de ha­bi­tan­tes, den­tre eles ne­gros/as, in­dí­ge­nas e bran­cos po­bres. Es­tes ha­bi­tan­tes eram de­no­mi­na­dos de qui­lom­bo­las ou mo­cam­bei­ros. Es­tes ter­mos apa­re­cem na do­cu­men­ta­ção des­de o sé­cu­lo XVI.

O qui­lom­bo mais co­nhe­ci­do en­tre nós é o de Pal­ma­res, lo­ca­li­za­do na Ser­ra da Bar­ri­ga, em Ala­go­as. Es­te qui­lom­bo é con­si­de­ra­do por mui­tos es­pe­ci­a­lis­tas um “es­ta­do afri­ca­no no Bra­sil”, por ou­tros é con­si­de­ra­do a “Re­pú­bli­ca de Pal­ma­res” de­vi­do sua ex­ten­são ter­ri­to­ri­al. Seu lí­der Zum­bi dos Pal­ma­res foi de­ca­pi­ta­do, no en­tan­to a his­to­ri­o­gra ia não sa­be pre­ci­sar ao cer­to co­mo se deu sua mor­te.

O que sa­be­mos é que Zum­bi fa­le­ceu no dia 20 de no­vem­bro de 1695. Por is­so, o dia da Cons­ci­ên­cia Ne­gra é co­me­mo­ra­do nes­ta da­ta, com a ina­li­da­de de ho­me­na­ge­ar to­da a po­pu­la­ção ne­gra que lu­tou bra­va­men­te pe­la li­ber­ta­ção do açoi­te, que li­de­rou le­van­tes em bus­ca da li­ber­da­de e que cons­truiu o pa­trimô­nio so­ci­al e cul­tu­ral bra­si­lei­ro.

A Co­roa Por­tu­gue­sa, jun­to à eli­te lo­cal agiu rá­pi­do e en­vi­ou uma ban­dei­ra de al­to po­der de fo­go pa­ra eli­mi­nar os qui­lom­bo­las. Te­re­za de Benguela foi pre­sa. Não se sub­me­ten­do a si­tu­a­ção de es­cra­vi­za­da, sui­ci­dou-se.

Nos­sa ho­me­na­gem, em es­pe­ci­al, às mu­lhe­res ne­gras qui­lom­bo­las que re­sis­ti­ram bra­va­men­te à opres­são e lu­ta­ram pe­la li­ber­ta­ção de seu po­vo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.