Di­o­ní­sio Rocha HOMENAGEADO NA III TRIENAL

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA -

Anos de de­di­ca­ção e em­pe­nho em prol da mú­si­ca an­go­la­na e no sur­gi­men­to de to­da uma ge­ra­ção de ar­tis­tas fo­ram o mo­ti­vo que le­vou a or­ga­ni­za­ção da Trienal de Lu­an­da a ho­me­na­ge­ar o mú­si­co Di­o­ní­sio Rocha, uma re­fe­rên­cia do can­ci­o­nei­ro na­ci­o­nal, cu­jo le­ga­do já tem vá­ri­as ge­ra­ções.

Cha­ma­da a Con­tri­bui­ções até 30/09/2017

O Cen­tro de His­tó­ria da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa, o Cen­tro de Es­tu­dos Afri­ca­nos da Uni­ver­si­da­de do Por­to, o Cen­tro de Es­tu­dos In­ter­na­ci­o­nais do ISCTE-IUL e o Ins­ti­tu­to de His­tó­ria Con­tem­po­râ­nea da Uni­ver­si­da­de No­va de Lis­boa or­ga­ni­zam a Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal An­go­la: os legados do pas­sa­do, os de­sa ios do pre­sen­te.

Quin­ze anos vol­vi­dos so­bre o im da sua lon­ga guer­ra ci­vil, An­go­la per­ma­ne­ce um cam­po de es­tu­dos de­sa ian­te pa­ra a his­tó­ria e as ci­ên­ci­as so­ci­ais, con­for­me se po­de ve­ri icar pe­la re­cen­te pu­bli­ca­ção de vá­ri­as mo­no­gra ias so­bre a tra­jec­tó­ria his­tó­ri­ca des­de o pe­río­do pré-co­lo­ni­al ao bo­om eco­nó­mi­co pós 2002. Ain­da as­sim, são mui­tas as in­ter­ro­ga­ções. Por exem­plo, a elei­ção pre­si­den­ci­al anun­ci­a­da pa­ra Agos­to de 2017 po­de­rá re­pre­sen­tar um novo ci­clo po­lí­ti­co? Ou, in­de­pen­den­te­men­te des­ta elei­ção, per­ma­ne­ce­rá a ac­tu­al con igu­ra­ção po­lí­ti­ca e so­ci­al? No mesmo sentido, ha­ve­rá uma con­ti­nui­da­de no mo­de­lo eco­nó­mi­co?

Es­te se­rá, por­tan­to, um mo­men­to opor­tu­no pa­ra se pro­mo­ver uma re le­xão, quer da pers­pec­ti­va his­tó­ri­ca, quer das ci­ên­ci­as so­ci­ais, acer­ca de An­go­la. No pro­ces­so de cons­tru­ção do país in­de­pen­den­te, de que mo­do pe­sa­ram os las­tros do pas­sa­do? Em que me­di­da os avan­ços e os cons­tran­gi­men­tos po­de­rão ser im­pu­ta­dos ao co­lo­ni­a­lis­mo ou em que me­di­da de­ri­vam das con­tin­gên­ci­as e das po­lí­ti­cas de­se­nha­das após a in­de­pen­dên­cia? Ou, ain­da, co­mo é que o am­bi­en­te ex­ter­no e a in­ser­ção de An­go­la na eco­no­mia mun­di­al têm con­di­ci­o­na­do ou po­de­rão con­tri­buir pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co?

Nes­ta Con­fe­rên­cia mul­ti­dis­ci­pli­nar pre­ten­dem-se ba­lan­ços da his­tó­ria e de ou­tros cam­pos do sa­ber acer­ca de An­go­la ali­a­dos à re le­xão so­bre o de­vir do país. O ob­je­ti­vo da Con­fe­rên­cia é abri­gar de­ba­tes so­bre no­vos ob­jec­tos e pers­pec­ti­vas so­bre a his­tó­ria po­lí­ti­ca, eco­nó­mi­ca e cul­tu­ral de An­go­la, re­vi­si­tan­do ques­tões con­sa­gra­das pe­la his­to­ri­o­gra ia, e abor­dar te­mas e pro­ble­má­ti­cas re­le­van­tes pa­ra a An­go­la do pre­sen­te.

As co­mu­ni­ca­ções, de 20 mi­nu­tos, po­de­rão ser apre­sen­ta­das em por­tu­guês, es­pa­nhol, fran­cês e in­glês e de­vem ser sub­me­ti­das no for­mu­lá­rio dis­po­ní­vel nes­ta pá­gi­na.

Pra­zo pa­ra sub­mis­são

de pro­pos­tas: 30/09/2017 No­ti ica­ção de acei­ta­ção: 16/10/2017 Di­vul­ga­ção do pro­gra­ma: 30/10/2017

O Cen­tro de His­tó­ria da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa

O Cen­tro de His­tó­ria da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa (CH-ULis­boa) é uma das uni­da­des mais an­ti­gas no pa­no­ra­ma da in­ves­ti­ga­ção das Hu­ma­ni­da­des e Ci­ên­ci­as So­ci­ais em Por­tu­gal. Foi fun­da­do por Vir­gí­nia Rau, em 1958, em re­sul­ta­do da di­vi­são do an­ti­go Cen­tro de Es­tu­dos His­tó­ri­cos e Ar­que­o­ló­gi­cos. No inal dos anos 70, vol­tou a in­cor­po­rar a Ar­que­o­lo­gia, até es­te cam­po ci­en­tí ico se au­to­no­mi­zar de ini­ti­va­men­te em 1994. Du­ran­te mais de meio sé­cu­lo, o CH-ULis­boa tem man­ti­do uma ac­ti­vi­da­de con­tí­nua, que a pu­bli­ca­ção de re­vis­tas ci­en­tí icas com­pro­va: Do Tem­po e da His­tó­ria, Clio (sé­rie I e II) e Cad­mo, con­ti­nu­an­do es­ta úl­ti­ma ain­da em pu­bli­ca­ção. O Gru­po de In­ves­ti­ga­ção Ar­te e Ima­gem foi a se­de da re­vis­ta Ar­tis, que se trans­fe­riu com o Gru­po, após o pro­ces­so de ava­li­a­ção de 2007, pa­ra o Ins­ti­tu­to de His­tó­ria da Ar­te. O CH-ULis­boa foi, tam­bém, pi­o­nei­ro no de­sen­vol­vi­men­to de pro­jec­tos de in­ves­ti­ga­ção a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal.

Des­de o inal dos anos 90, o CH- ULis­boa adap­tou-se às no­vas exi­gên­ci­as de uma in­ves­ti­ga­ção só­li­da e cre­di­ta­da, re­for­çan­do o seu cor­po de in­ves­ti­ga­do­res pós-dou­to­ra­dos, e ten­do in­ves­ti­do for­te­men­te na for­ma­ção, em con­jun­to com ou­tras uni­da­des de in­ves­ti­ga­ção na área de His­tó­ria (UNIARQ - Cen­tro de Ar­que­o­lo­gia) e em ar­ti­cu­la­ção mui­to pró­xi­ma com o De­par­ta­men­to de His­tó­ria da Fa­cul­da­de de Le­tras. Por to­das es­tas ra­zões, O CH-ULis­boa ocu­pa um pa­pel úni­co no âm­bi­to da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa, cons­ti­tuin­do a sua úni­ca uni­da­de de pes­qui­sa in­tei­ra­men­te de­di­ca­da à His­tó­ria.

No âm­bi­to do novo qua­dro do Re­gi­me Ju­rí­di­co das Ins­ti­tui­ções de En­si­no Su­pe­ri­or, o CH-ULis­boa vo­tou no­vos es­ta­tu­tos, em No­vem­bro de 2009, que apre­sen­ta­ram du­as no­vi­da­des prin­ci­pais, com re le­xos na sua ac­tu­a­ção: a Co­mis­são Co­or­de­na­do­ra, com­pos­ta pe­la Di­rec­ção e pe­los res­pon­sá­veis pe­los Gru­pos de In­ves­ti­ga­ção (GI), e a Co­mis­são de Acom­pa­nha­men­to Ex­ter­no, com­pos­ta pe­lo Di­rec­tor da Área de His­tó­ria da Fa­cul­da­de de Le­tras da Uni­ver­si­da­de de Lis­boa, pe­lo Di­rec­tor da pró­pria Fa­cul­da­de de Le­tras e por três in­ves­ti­ga­do­res de re­co­nhe­ci­do mé­ri­to, ex­ter­nos à Uni­ver­si­da­de de Lis­boa. O ob­jec­ti­vo foi o de re­for­çar a co­e­rên­cia es­tra­té­gi­ca dos gru­pos de in­ves­ti­ga­ção e as­se­gu­rar a pre­sen­ça de me­ca­nis­mos in­ter­nos de ava­li­a­ção, pre­li­mi­na­res aos pro­ces­sos de ava­li­a­ção im­ple­men­ta­dos pe­la agên­cia pú­bli­ca na­ci­o­nal pa­ra o inan­ci­a­men­to da in­ves­ti­ga­ção em ci­ên­cia, a Fun­da­ção pa­ra a Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia.

A uni­da­de de in­ves­ti­ga­ção tem vin- do, nos úl­ti­mos anos, a re­de inir cla­ra­men­te as su­as op­ções es­tra­té­gi­cas, de acor­do com três prin­cí­pi­os nu­cle­a­res: a con­cen­tra­ção de prá­ti­cas de tra­ba­lho, a co­e­rên­cia te­má­ti­ca e a cons­tru­ção de re­des, na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais. Ao mesmo tem­po, man­tém o com­pro­mis­so com a for­ma­ção de mes­tres e dou­to­res, com o aco­lhi­men­to de pós-dou­to­ra­men­tos e com a di­vul­ga­ção do co­nhe­ci­men­to pa­ra di­fe­ren­tes pú­bli­cos. A in­ves­ti­ga­ção pre­sen­te­men­te de­sen­vol­vi­da es­tá em li­nha com a agen­da ci­en­tí ica in­ter­na­ci­o­nal, em par­ti­cu­lar no que se re­fe­re aos de­sa ios so­ci­ais. Ao ní­vel das prá­ti­cas me­to­do­ló­gi­cas, pri­vi­le­gi­am­se no in­te­ri­or do CH-ULis­boa as abor­da­gens di­rec­ci­o­na­das pa­ra a his­tó­ria glo­bal, nu­ma pers­pec­ti­va de his­tó­ria com­pa­ra­da e co­nec­ta­da. Em pa­ra­le­lo, é es­ti­mu­la­da a com­ple­men­ta­ri­da­de e a co­la­bo­ra­ção no in­te­ri­or da equi­pa de in­ves­ti­ga­ção, de­sig­na­da­men­te atra­vés da pro­mo­ção de pro­jec­tos de in­ves­ti­ga­ção em par­ce­ria e da or­ga­ni­za­ção de even­tos ci­en­tí icos.

Ac­tu­al­men­te, o CH-ULis­boa é com­pos­to por mais de uma cen­te­na de in­ves­ti­ga­do­res dou­to­ra­dos, ul­tra­pas­san­do lar­ga­men­te a meia cen­te­na de in­ves­ti­ga­do­res não dou­to­ra­dos, nú­me­ro que tra­duz o gra­du­al in­gres­so de no­vos ele­men­tos, es­pe­ci­a­lis­tas e aca­dé­mi­cos em pós-dou­to­ra­men­to, e o aco­lhi­men­to de jo­vens in­ves­ti­ga­do­res, que de­sen­vol­vem cor­ren­te­men­te te­ses de mes­tra­do e dou­to­ra­men­to. No seu con­jun­to, a equi­pa de in­ves­ti­ga­ção da uni­da­de é res­pon­sá­vel por uma am­pla pro­du­ção ci­en­tí ica, com im­pac­to na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal, co­brin­do um lar­go ho­ri­zon­te te­má­ti­co, cro­no­ló­gi­co e es­pa­ci­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.