TYITUNDU-HULU LIN­GUA­GEM DO CANTO RUPESTRE

À Da­de­ol­di­na de Sa­pi­ên­cia, Por ser de lá, Da gen­te Kim­bar.

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA - DA­VID CAPELENGUELA

Não há, no Sul de An­go­la, gen­te que não sai­ba que Kim­bar é gen­te que não po­de vi­ver sem o car­na­val. As­sim, eis-nos “con­tri­buin­do” no de­se­nho car­to­grá­fi­co e no ma­pe­a­men­to poé­ti­co-li­te­rá­rio do Na­mi­be, nes­ta aven­tu­ra­da ten­ta­ti­va de com­pre­en­der por­que a mar­ca do pé im­preg­na­do nas arei­as do de­ser­to é pon­to de par­ti­da pa­ra a sin­cro­ni­za­ção de per­cur­sos sa­tí­ri­cos, eco­ar de vo­zes, já ins­ta­do a per­su­a­dir a lin­gua­gem mor­daz do canto rupestre do Tyitundu-Hulu.

Na co­lo­ca­ção exis­tên­cil, os he­re­ros de to­dos os ma­ti­zes não po­dem vi­ver sem ga­do, pois an­tes cor­res­pon­de a uma di­nâ­mi­ca ge­ne­ra­li­za­da e ge­ra­ci­o­nal de in­te­gra­ção ine­xo­rá­vel. Daí que o exer­cí­cio da pas­to­rí­cia é fei­to com o pra­zer do canto, ou pe­lo as­so­bio ori­en­ta­dor ao boi guia da ma­na­da ou pe­lo pas­so da dan­ça no ges­to do apres­so do ho­mem he­re­ro.

Dou­tro di­to, o que ocor­re di­zer de ime­di­a­to é que não há, no sul de An­go­la, gen­te ne­nhu­ma que não sai­ba que Kim­bar é gen­te que não po­de vi­ver sem o car­na­val.

Aa­sim, eis-nos “con­tri­buin­do” no de­se­nho car­to­grá ico e ma­pe­a­men­to poé­ti­co-li­te­rá­ria do Na­mi­be, nes­ta aven­tu­ra­da ten­ta­ti­va de com­pre­en­der por­que a mar­ca do pé im­preg­na­do nas arei­as do de­ser­to é pon­to de par­ti­da pa­ra a sin­cro­ni­za­ção de per­cur­sos sa­tí­ri­cos, eco­ar de vo­zes, já ins­ta­do a per­su­a­dir a lin­gua­gem mor­daz do canto rupestre do Tyitundu-Hulu. No di­zer da gen­te lá, he­re­ro, de Tchyi­tun­du-hulu Mu­lu­me e Tchyi­tun­du-hulu Mu­cai, dis­tan­tes um do ou­tro por cer­ca de mil me­tros, con­vém re­ter que o pri­mei­ro (com cer­ca de du­as mil gra­vu­ras, qua­se to­das de ti­po ge­o­mé­tri­co-rupestre, é co­nhe­ci­do co­mo o ho­mem e o ou­tro a mu­lher). Quan­to en­ge­nho! Daí, tam­bém re­ves­ti­do de sentido de “pro­cri­a­ção e ma­ter­ni­da­de”, em seu cor­po de ar­te, gra­vu­ras e pin­tu­ras cir­cun­fe­rên­ci­ais e de tra­ços rec­ti­lí­ne­os e ver­da­dei­ra­men­te la­bi­rín­ti­cas e de di icil in­ter­pre­ta­ção. Só por is­so o Tyitundu-hulu, faz or­gu­lho da sua gen­te. Só por is­so, há a es­se res­pei­to, uma re­fe­rên­cia con­tí­nua pa­ra a cons­tan­te re lec­ção so­bre as di­ver­sas es­tru­tu­ras cul­tu­rais e so­ci­ais da gen­te de lá, he­re­ro: “No nos­so cur­ral de trân­su­mân­cia M`oham­bo ye­tu Es­tão uns dois ra­pa­ze­lhos a di­ver­ti­em-se Mun`ovin­danthu mu­no`ovin­danthu Com a dan­ça das «po­si­ções de chi­fres»... Mbi­da­na okhankhu­la ...“Ame­a­çam-se e não bri­gam”... Di­li­tan­ge­la, ka­di­lu ...“Bois alhei­os não se in­venc­ti­vam por mag­na­ção Ka­diyolwa mukwe­ni Têm um ar­ran­car pe­ri­go­so Di­na omu­tu­ko omu­vi n`omu­su­mo E um fó­le­go que vai lon­ge”.

Mbu uya ko­ku­le

Es­ta an­to­lo­gia reú­ne os me­lho­res tex­tos de al­guns dos mui­tos po­e­tas da Pro­vin­cia do Na­mi­be por nas­cen­ça ou por adop­ção. São ape­nas 18 de en­tre es­ses mui­tos po­e­tas de ida­des bi­o­ló­gi­cas di­fe­ren­tes, po­rém uni­dos no canto ao seu lu­gar de ins­pi­ra­ção.

Ca­da tex­to aju­da a com­pre­en­der o de­se­nho, a uma car­to­gra ia e ma­pe­a­men­to poé­ti­co-li­te­rá­ria do Na­mi­be; é uma ten­ta­ti­va de com­pren­der por­que a mar­ca do pé im­preg­na­do nas arei­as do de­ser­to é pon­to de par­ti­da pa­ra a sin­cro­nia com o ras­gar da voz no meio do de­ser­to do Ca­laha­ri, re­fe­rên­cia cons­tan­te pa­ra se re le­tir so­bre as di­ver­sas es­tru­tu­ras so­ci­ais e cul­tu­rais da gen­te de lá, Na­mi­be. O or­ga­ni­za­dor es­pe­ra que o som do tam­bor kim­bar e o re­ca­do do chi­fre he­re­ro, pro­gri­dam na mes­ma di­rec­ção, pa­ra que ao sol­tar-se uma da­da ca­le­ma, o mar além, al­ber­gue e com­tem­ple o ima­gi­ná­rio he­mis­fé­ri­co dos po­e­tas no Na­mi­be.

As­sim, no per­cur­so de vi­a­gem que nos le­va ao en­con­tro dos po­e­tas da­que­las pa­ra­gens, o prin­ci­pal ob­je­ti­vo des­ta pro­pos­ta é o de com­pre­en­der as di­fe­ren­tes ma­nei­ras de pro­du­ção, e (re) sig­ni ica­ção dos tex­tos poé­ti­cos apre­sen­ta­dos nes­ta an­to­lo­gia, bus­can­do em seus pon­tos de in­ter­sec­ção a sin­cro­nia de uma vi­a­gem com des­ti­no à pin­tu­ras ru­pes­tres de Tyitundu-hulu, co­mo­diz o po­e­ta: Sin­cro­nia Na óp­ti­ca da re­no­va­ção per­ma­nen­te No de­ser­to O vi­a­jan­te es­tá em con­tí­nua trans­for­ma­ção Con­so­me e ha­bi­ta um pre­sen­te va­za­do No pas­sa­do. O adá­gio, o pro­vér­bio, o canto, o sus­pi­ro e o fei­xe A que se so­mam aci­den­tes, de­si­lu­sões, aven­tu­ras, pai­xões, es­pe­ran­ças e sau­da­des

En­gen­dram exer­cí­cio de la­bor e olhar além

Da he­ran­ça pas­to­ril he­re­ro À tra­ves­sia do ka­laha­ri em bus­ca da lin­gua­gem do canto rupestre Até al­can­çar o bal­bu­ci­ar má­ri­ti­mo Na re­com­po­si­ção pes­quei­ra do di­zer Kim­bar:

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.