“ÉCOLE DE PEINTURE” TEMPLO DE CULTUCULTURA

A École de peinture (Es­co­la de pin­tu­ra, em por­tu­guês) de Po­to-Po­to, si­tu­a­da no cen­tro da ca­pi­tal de Braz­za­vil­le, é, com cer­te­za, a ex­pres­são da pin­tu­ra con­go­le­sa. Cri­a­da em 1951, ela fi­ca no bair­ro ho­mó­ni­mo e con­ser­va sua tra­di­ção gra­ças à ha­bi­li­da­de orig

Jornal Cultura - - PRIMEIRA PÁGINA -

A École de peinture de PPo­to-oto-Po­to, si­tu­a­da no cen­troo da ca­pi­tal de Braz­za­vil­le,Br é, com cer­te­za, a ex­pres­são­es­são da pin­tu­ra­pin con­go­le­sa. Os prin­cí­pi­o­sin­cí­pi­os es­ta­be­le­ci­dos pe­lo fun­da­dor da es­co­la, o ma­te­má­ti­coo e pin­tor­pin Pi­er­re Lods, eram uti­li­zar a ar­tee mo­der­na pa­ra re­pre­sen­tar con­tos,, len­das e tra­di­ções­tr afri­ca­nas, ou se­ja, cri­a­çõe­sões ar­tís­ti­ca­sar­tís­ti­cas a par­tir­par da he­ran­ça cul­tu­ral do CCon­go.on­go.

Os prin­cí­pi­os es­ta­be­le­ci­dos pe­lo fun­da­dor da es­co­la, o ma­te­má­ti­co e pin­tor Pi­er­re Lods, eram uti­li­zar a ar­te mo­der­na pa­ra re­pre­sen­tar con­tos, len­das e tradições afri­ca­nas, ou se­ja, cri­a­ções ar­tís­ti­cas a par­tir da he­ran­ça cul­tu­ral do Congo, se ba­se­an­do na uti­li­za­ção das co­res, vi­va­ci­da­de do po­vo e mú­si­ca co­mo for­ma de ener­gia. Os tra­ba­lhos da es­co­la fo­ram, lo­go de ca­ra, re­co­nhe­ci­dos in­ter­na­ci­o­nal­men­te por fo­ca­rem em re­pre­sen­tar o quo­ti­di­a­no e mo­men­tos tra­di­ci­o­nais da so­ci­e­da­de, co­mo cenas em mer­ca­dos, bai­les de más­ca­ras, ce­ri­mó­ni­as de ini­ci­a­ção etc.

Ape­sar da re­pe­ti­ção te­má­ti­ca, a di­ver­si­da­de ex­pres­si­va en­tre os ar­tis­tas ga­nhou des­ta­que. Os pin­to­res se pre­o­cu­pa­vam em não in­frin­gir os prin­cí­pi­os apon­ta­dos por Lods, cri­ar cons­tan­te­men­te obras ino­va­do­ras. Com ori­gi­na­li­da­de, ca­da ar­tis­ta des­pe­ja­va a pró­pria re­a­li­da­de na pon­ta de seu pin­cel e mui­tas ve­zes se ba­se­a­vam tam- bém na tra­di­ção dos an­ces­trais. Os te­mas, ain­da que fos­sem os mes­mos, re lec­ti­am pers­pec­ti­vas dis­tin­tas e apre­sen­ta­vam pin­tu­ras an­tes ja­mais vis­tas no mundo da ar­te.

Pi­er­re Lods lan­çou o pro­jec­to em 1951, depois de des­co­brir uma pin­tu­ra de um dos fun­ci­o­ná­ri­os que tra­ba­lha­va em sua ca­sa, Fe­lix Os­sa­li. “Eu nun­ca ti­nha vis­to na­da co­mo aqui­lo nas ar­tes afri­ca­nas, as pin­tu­ras de­le eram ine­ga­vel­men­te ‘ne­gras’ e sur­pre­en­di­am pe­la gran­de­za e pe­la ma­gia que ema­na­va de­las”, a ir­mou Lods, que co­me­çou a es­ti­mu­lar jo­vens sem for­ma­ção e sem ex­pe­ri­ên­cia a cri­a­rem pin­tu­ras a par­tir de su­as vi­vên­ci­as no mundo, por meio de ob­jec­tos tra­di­ci­o­nais co­mo más­ca­ras, es­cul­tu­ras, pro­vér­bi­os e po­e­si­as da Áfri­ca.

A im­pres­são po­si­ti­va das obras de Os­sa­li fez do ar­tis­ta um dos sím­bo­los da École de peinture de Po­to-Po­to, por re­tra­tar cenas mar­can­tes do quo­ti­di­a­no da Áfri­ca e le­var os tra­ba­lhos, ao la­do de ou­tros ar­tis­tas, pa­ra o MoMA (Mu­seu de Ar­te Mo­der­na) de No­va Ior­que, em 1956. Foi Fe­lix Os­sa­li qu­em inau­gu­rou um dos es­ti­los mais mar­can­tes da es­co­la, o es­ti­lo “Mi­keys” ou “Mi­ké Mi­ké”, ca­rac­te­ri­za­do pe­la uti­li­za­ção de tin­ta gua­che em co­res lu­o­res­cen­tes e pe­las im­pres­sões ar­tís­ti­cas e lú­di­cas do dia a dia no Congo. A gran­de as­cen­são do “Mi­keys” acon­te- ceu en­tre 1950 e 1954 e si­nais des­ta técnica es­tão até ho­je pre­sen­tes nas obras dos pin­to­res con­tem­po­râ­ne­os, co­mo o ta­len­to­so Gotè­ne.

No en­tan­to, em 1960, a ins­ti­tui­ção co­me­ça a vi­ver um pe­río­do de cri­se. Pi­er­re Lods dei­xou Braz­za­vil­le pa­ra ir ao Se­ne­gal, a con­vi­te do presidente Léo­pold Sé­dar Senghor, on­de eles cri­a­ri­am uma es­co­la de pin­tu­ra com o mesmo es­pí­ri­to de Po­to-Po­to. Em con­sequên­cia dis­so, as aju­das do go­ver­no fran­cês, que até en­tão inan­ci­a­vam o pro­je­to, fo­ram can­ce­la­das. Du­ran­te al­guns anos, a força cri­a­ti­va da École de peinture de Po­to-Po­to re­sis­tiu, por meio da or­ga­ni­za­ção de ex­po­si­ções fei­tas pe­los ar­tis­tas e di­ri­gen­tes da es­co­la, mas acabou su­cum­bin­do às pres­sões das guer­ras ci­vis e da cri­se dos anos 90, mar­ca­dos por rou­bos, es­tra­gos nas obras e exí­lio de ar­tis­tas.

Ape­sar dos epi­só­di­os do­lo­ro­sos, os pin­to­res de Po­to-Po­to se reu­ni­ram e con­se­gui­ram re­cu­pe­rar as ener­gi­as, tra­zen­do mais tar­de a or­ga­ni­za­ção de vol­ta à ac­ti­va. Jun­tos, trans­for­ma­ram a es­co­la em uma co­o­pe­ra­ti­va ao ofe­re­cer par­te do be­ne ício das ven­das aos ar­tis­tas e a ou­tra per­cen­ta­gem a um cai­xa co­mum da es­co­la, pa­ra co­brir os gas­tos quo­ti­di­a­nos, mo­ti­van­do as­sim ain­da mais a per­ma­nên­cia e ade­rên­cia de no­vos alu­nos, que de ou­tra ma­nei­ra po­dem en­con­trar di icul­da­des de se in­se­rir no mer­ca­do e lu­crar com a ar­te. Ac­tu­al­men­te, ao todo, a es­co­la pos­sui 15 pro­fes­so­res, cer­ca de 30 alu­nos e es­tá sob a di­rec­ção de Pi­er­re Cla­ver Gam­pio. A for­ma­ção na co­o­pe­ra­ti­va ge­ral­men­te du­ra três anos e a co­o­pe­ra­ti­va é aber­ta a to­dos os pú­bli­cos, sem dis­tin­ção de ida­de, não exi­gin­do do alu­no qual­quer co­nhe­ci­men­to em pin­tu­ra ou prá­ti­cas an­te­ri­o­res.

Di­ver­sos pin­to­res que pos­su­em re­pu­ta­ção in­ter­na­ci­o­nal se for­ma­ram por es­ta es­co­la, co­mo Mar­cel Gotè­ne, Fran­çois Than­go, Fran­çois Ilo­ki, Phi­lip­pe Ou­as­sa, Jo­seph Di­mi, Ni­co­las On­don­go, Jac­ques Zi­go­ma, Eugè­ne Ma­lon­ga e Lau­ren­ti­ne Ngam­pi­ka, que foi a pri­mei­ra con­go­le­sa a ser tor­nar pin­to­ra pro is­si­o­nal. Depois de­la, ou­tras mu­lhe­res des­co­bri­ram seus ta­len­tos ar­tís­ti­cos na École de peinture de Po­to-Po­to, co­mo por exem­plo, Na­di­ne Alou­na e An­nie Mound­zon­ta.

Ho­je, a es­co­la é re­co­nhe­ci­da por gran­des ins­ti­tui­ções co­mo o Cen­tre In­ter­na­ci­o­nal de Ci­vi­li­sa­ti­on Ban­toue (CICIBA) e a Or­ga­ni­za­ti­on des Na­ti­ons Uni­es pour l’Édu­ca­ti­on, la Sci­en­ce et la Cul­tu­re (UNESCO). Em 2002, na 7ª Bi­e­nal de Braz­za­vil­le, a UNESCO con­ce­deu a me­da­lha Pi­cas­so à École de peinture de Po­to-Po­to. Ho­je, as obras des­te templo len­dá­rio da pin­tu­ra es­tam­pam pa­re­des de gran­des ga­le­ri­as de ar­te no Congo e pe­lo mundo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.