A LU­TA CON­TRA O ESQUECIMENTO SO­BRE UM POEMA DEJOSÉ LUÍS MEN­DON­ÇA

Jornal Cultura - - LETRAS -

No âm­bi­to de um se­mi­ná­rio do Mes­tra­do em Es­tu­dos Afri­ca­nos da Uni­ver­si­da­de do Por­to, abor­dei com os meus alu­nos a obra poé­ti­ca de Jo­sé Luís Men­don­ça, que me pa­re­ce uma das mais in­te­res­san­tes do pa­no­ra­ma ac­tu­al da literatura an­go­la­na. En­tre as ac­ti­vi­da­des pre­vis­tas con­ta­va-se a apre­sen­ta­ção por ca­da es­tu­dan­te da aná­li­se de um tex­to da co­le­tâ­nea Afri­ca­le­ma , ten­do re­sul­ta­do daí uma ex­pe­ri­ên­cia in­te­res­san­te: um dos par­ti­ci­pan­tes, Thomas P. Wil­kin­son, um pro­fes­sor ale­mão de ori­gem nor­te­a­me­ri­ca­na, propôs co­mo pon­to de par­ti­da do seu tra­ba­lho a tra­du­ção pa­ra in­glês do tex­to «Ha­bi­ta­ção», per­ten­cen­te ao vo­lu­me Ngo­ma do ne­gro me­tal, de 2000 .

Ra­pi­da­men­te ve­ri icá­mos to­dos que o pro­ble­ma mai­or não es­ta­va na es­co­lha das pa­la­vras in­gle­sas que me­lhor pu­des­sem cor­res­pon­der ao ori­gi­nal por­tu­guês, ain­da que aqui­lo que pa­re­cia ób­vio se re­ve­las­se pro­gres­si­va­men­te mais com­pli­ca­do: Co­mo tra­du­zir o tí­tu­lo? “Ha­bi­ta­ti­on” ou “Hou­se”? Co­mo di­zer “Às por­tas”? “By the do­ors”? Mais di ícil que es­tas e mui­tas ou­tras de­ci­sões (num cur­to poema de se­te ver­sos) re­ve­lou-se con­tu­do a in­ter­pre­ta­ção li­te­ral do tex­to, co­mo sem­pre acon­te­ce aliás com a ver­da­dei­ra po­e­sia, por na­tu­re­za re­frac­tá­ria a uma lei­tu­ra uní­vo­ca.

A re­fe­rên­cia ao rio, ao “ca­mi­nhar di­as a io”, aos na­vi­os que “dão à luz a ine­xis­tên-cia do re­al”, a “uma má­qui­na de con­ta­bi­li­zar o esquecimento” pa­re­ce apon­tar pa­ra a ex­pe­ri­ên­cia his­tó­ri­ca da es­cra­va­tu­ra, que o su­jei­to – “De fa­xi­na à po­ei­ra” – as­su­me co­mo sua, nu­ma ca­sa por is­so mesmo si­tu­a­da “Às por­tas do mundo”.Uma lei­tu­ra mais ina de­pa­ra-se po­rém com uma sé­rie de di icul­da­des, agra­va­das pe­la au­sên­cia de pon­tu­a­ção.Ape­sar dis­so, o au­tor re­cor­re à maiús­cu­la ini­ci­al nos v. 1,3 e 6, o que nos per­mi­te con­si­de­rar o poema co­mo sen­do for­ma­do por três mo­men­tos.

Nos dois pri­mei­ros ver­sos, a “ha­bi­ta­ção” do tí­tu­lo dá lu­gar ao mais con­cre­to “ca­sa”, cu­ja lo­ca­li­za­ção é de ini­da por re­fe­rên­cia ao mundo, a cu­jas por­tas se si­tua: o lu­gar a que o su­jei­to cha­ma sua ca­sa es­tá as­sim fo­ra do mundo, em­bo­ra pró­xi­mo de­le. Que es­ta ca­sa tem um sentido me­ta­fó­ri­co com­pro­va-o a sua iden­ti ica­ção com “es­te / rio”, um sin­tag­ma cin­di­do em dois ver­sos, o que su­ge­re al­gu­ma for­ma de cri­se no su­jei­to, tan­to mais que o en­ca­val­ga­men­to não su­pe­ra to­tal­men­te es­sa que­bra. O não uso de pon­tu­a­ção faz com que a ora­ção re­la­ti­va do se­gun­do ver­so pos­sa ser li­da tan­to co­mo res­tri­ti­va quan­to co­mo ex­pli­ca­ti­va. In­de­pen­den­te­men­te dis­so, ica cla­ro que es­te rio “não dor­me”, sur­gin­do no en­tan­to no­va dú­vi­da: “não dor­me co­mo um rio”, is­to é, não dor­me co­mo um rio cos­tu­ma dor­mir, ou não dor­me co­mo ne­nhum rio dor­me, da­do que não é da na­tu­re­za dos ri­os dor­mir? A se­gun­da hi­pó­te­se pa­re­ce fa­zer mais sentido, tan­to mais que o rio é ha­bi­tu­al­men­te to­ma­do co­mo sím­bo­lo de mo­vi­men­to, de mu­dan­ça. Sen­do as­sim, a ca­sa do su­jei­to é de ini­da pe­la im­per­ma­nên­cia, pe­la ins­ta­bi­li­da­de, pe­lo es­ta­do lí­qui­do, as­su­min­do-se mais co­mo a “Ha­bi­ta­ção” do tí­tu­lo, co­mo uma mo­ra­da es­pi­ri­tu­al, co­mo a mo­ra­da do ser de que fa­la­va Hei­deg­ger re­fe­rin­do-se à lin­gua­gem.

Nos três ver­sos se­guin­tes sur­ge um “tu” cu­jo re­fe­ren­te não é ex­pli­ci­ta­do. O fac­to po­rém de o ver­bo es­tar no im­per­fei­to do in­di­ca­ti­vo (“Pre­ci­sa­vas”) su­ge­re, jun­ta-men­te com a re­fe­rên­cia a um ca­mi­nho lon­go e aos na­vi­os, que se tra­ta de um an­te­pas­sa­do his­tó­ri­co do su­jei­to, o afri­ca­no es­cra­vi­za­do, ar­ran­ca­do do in­te­ri­or e le­va­do pa­ra o li­to­ral, ca­mi­nhan­do “a pla­ní­cie” (e não ao lon­go de­la), on­de ha­via na­vi­os que “dão à luz a ine­xis­tên­cia do re­al”: os na­vi­os que ge­ram a ine­xis­tên­cia, que apa­gam a exis­tên­cia, são na­vi­os pa­ra os qu­ais os ri­os – que não dor­mem – pas­sam a ser pla­ní­ci­es.

Res­ta as­sim ao su­jei­to, co­mo se diz no dís­ti­co inal, icar “De fa­xi­na à po­ei­ra”, pre-ser­var a me­mó­ria his­tó­ri­ca, fa­zer da sua ca­sa, fa­zer da sua pa­la­vra, “uma má­qui­na de con­ta­bi­li­zar o esquecimento”. Se­ria es­te o ca­mi­nho pa­ra su­pe­rar a ci­são e a ins­ta­bi­li­da­de e fa­zer da ha­bi­ta­ção uma ca­sa es­tá­vel e per­ma­nen­te.

De um mo­do si­mul­ta­ne­a­men­te con­ti­do e aber­to, Jo­sé Luís Men­don­ça ofe­re­ce-nos em «Ha­bi­ta­ção» uma in­ter­pre­ta­ção pes­so­al do ho­mem afri­ca­no, num poema que re­pre­sen­ta bem a dic­ção elíp­ti­ca e ten­sa que ca­rac­te­ri­za a sua po­e­sia.

Pa­ra ter­mi­nar, ve­ja­mos en­tão o re­sul­ta­do inal da ex­pe­ri­ên­cia de tra­du­ção pa­ra in­glês con­du­zi­da por Thomas P. Wil­kin­son:

By the do­ors of the world my hou­se is this ri­ver that do­es not sle­ep li­ke a ri­ver You ne­e­ded to walk day by day the plain whe­re the ships that had gi­ven birth to the non-exis­ten­ce of the re­al Cle­a­ning the dust and a ma­chi­ne to ac­count the obli­vi­on

Afri­ca­le­ma (102 po­e­mas es­co­lhi­dos). Vi­la No­va de Cer­vei­ra: Nós­so­mos, 2011.

Trans­cri­ção do poema: «Ha­bi­ta­ção // Às por­tas do mundo a mi­nha ca­sa é es­te / rio que não dor­me co­mo um rio / Pre­ci­sa­vas ca­mi­nhar di­as a io / a pla­ní­cie on­de os na­vi­os que ha­via / dão à luz a ine­xis­tên­cia do re­al / De fa­xi­na à po­ei­ra e uma má­qui­na / de con­ta­bi­li­zar o esquecimento» (p. 102).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.