DOS JO­VENS DO PRENDA PA­RA A ETERNIDADE

Jornal Cultura - - PRIMERA PAGINA - JO­SÉ L. MEN­DON­ÇA

Quem guar­da a me­mó­ria da evo­lu­ção vo­cal e ins­tru­men­tal do Sem­ba não po­de dei­xar de re­gur­gi­tar, lá bem no fun­do da al­ma, um ver­so da canção de Tony Ca­e­ta­no, que diz “sola, Zé Keno, sola”. Es­te ver­so nas­ceu es­pon­tâ­neo da veia ins­pi­ra­do­ra de Ca­e­ta­no, co­mo uma ho­me­na­gem a um dos mai­o­res so­lis­tas de An­go­la, que só de­ve ao con­go­lês Francô, “o fei­ti­cei­ro da gui­tar­ra”, a im­preg­na­ção da voz à te­lú­ri­ca vi­bra­ção do me­tal.

Quem guar­da a me­mó­ria da evo­lu­ção vo­cal e ins­tru­men­tal do Sem­ba não po­de dei­xar de re­gur­gi­tar, lá bem do fun­do da al­ma, um ver­so da canção de Tony Ca­e­ta­no, que diz “sola, Zé Keno, sola”. Es­te ver­so nas­ceu es­pon­tâ­neo da veia ins­pi­ra­do­ra de Ca­e­ta­no, co­mo uma ho­me­na­gem a um dos mai­o­res so­lis­tas de An­go­la, que só de­ve ao con­go­lês Francô, “o fei­ti­cei­ro da gui­tar­ra”, a im­preg­na­ção da voz à te­lú­ri­ca vi­bra­ção do me­tal.

Os Jo­vens do Prenda sur­gi­ram nu­ma fa­se da his­tó­ria da mú­si­ca afri­ca­na em que o rit­mo so­lo da vi­o­la vin­do do Con­go (RDC) fa­zia um eco ex­tra­or­di­ná­rio nos qua­dran­tes dos Gran­des La­gos e da cha­ma­da África Ocidental por­tu­gue­sa, de­pois de Ni­co­las Ka­san­da, Dou­tor Ni­co, ter ex­traí­do das den­sas lo­res­tas do Con­go, das cor­das de luz que se il­tra­vam por en­tre a fo­lha­gem, to­do um dis­cur­so afro-re­nas­cen­tis­ta pa­ra a sua gui­tar­ra. Em An­go­la, cir­cu­la­va um som de vi­o­la e de gui­tar­ra que nos che­ga­va de Por­tu­gal e que acom­pa­nha­va o Fa­do. Os an­go­la­nos sen­ti­ram a ne­ces­si­da­de ex­pres­sa no po­e­ma de A. Ne­to, A Voz Igual, de bus­car “a for­ma e o âma­go do es­ti­lo de vi­da afri­ca­no”, os ar­tis­tas dei­xa­ram-se con­ta­mi­nar pe­lo im­pul­so na­tu­ral de sor­ver um tra­go do re­ti­nir iri­des­cen­te da vi­o­la por­tu­gue­sa, res­ga­tar a ple­ni­tu­de da Rum­ba con­go­le­sa, mas sem dei­xar de ser ge­nui­na­men­te an­go­la­nos. A es­pes­su­ra so­lar da gui­tar­ra co­me­çou a afri­ca­ni­zar-se des­de os tem­pos de Li­ceu Vi­ei­ra Di­as e do con­jun­to Nza­ji. Abra­çan­do es­se le­ga­do, que era já uma ar­ma da lu­ta an­ti-co­lo­ni­al, pe­la via da Cul­tu­ra, Zé Keno, o vir­tu­o­so cri­a­dor de gui­tar­ras de la­ta na in­fân­cia, traz pa­ra a so­no­ri­da­de da mú­si­ca an­go­la­na uma vi­bra­ção me­tá­li­ca con­ta­gi­an­te, elec­tri­zan­te, que nos le­va da me­di­ta­ção trans­cen­den­tal (ins­tru­men­tal) à ex­pres­si­vi­da­de da dan­ça de sa­lão (me­ren­gue e sem­ba). Imor­tais são os ins­tru­men­tais “Ru­fo da Li­ber­da­de”, com o con­jun­to Me­ren­gue, e, na bar­ri­ga mãe dos jo­vens do Prenda, “Far­ra na Ma­dru­ga­da”, “Sem­ba Da Ilha”, ou o nos­tál­gi­co “Ilha Vir­gem”, pa­ra além de ou­tros que vi­e­ram de­cre­tar a ida­de de ou­ro da mú­si­ca an­go­la­na, que sa­bia be­ber do Car­na­val to­da a al­qui­mia do ba­tu­que, quan­do ain­da não se usa­va o sin­te­ti­za­dor nem o com­pu­ta­dor.

Um dos gran­des su­ces­sos que im­pri­me es­ta vir­tu­o­si­da­de do so­lo ze­que­nis­ta ao Sem­ba can­ta­do é, sem dú­vi­da, “Ngon­go”, na voz de An­tó­nio do Fu­mo.

De “Ngon­go”, canção da mu­lher que sa­be “nas­cer ilho” (we­jia ku vu­a­la), mas não sa­be cui­dar (kwe­jia ku sa­sa), até “No­va Co­o­pe­ra­ção” vai um sal­to his­tó­ri­co mui­to gran­de. Es­ta com­po­si­ção ma­gis­tral, na voz de Dom Ca­e­ta­no, ga­nha­ria o Top dos Mais Qu­e­ri­dos por­que, pa­ra além da te­má­ti­ca con­di­zen­te com o no­vo pe­río­do da eman­ci­pa­ção do po­vo an­go­la­no, é um po­e­ma sar­cás­ti­co em quim­bun­do (o Sem­ba tem ou­tro en­tro­sa­men­to com as tum­bas, o re­co-re­co e a ex­plo­são das vi­o­las bai­xo, so­lo e rit­mo quan­do can­ta­do nu­ma lín­gua na­ci­o­nal) e a ins­tru­men­ta­li­za­ção é de to­do mo­der­na, bem cui­da­da, re­pre­sen­tan­do já uma fa­se su­pe­ri­or dos Jo­vi­tos e do de­di­lhar ca­le­ja­do mas sin­té­ti­co de Zé Keno.

Des­se de­di­lhar da vi­o­la so­lo, Zé Keno ain­da nos le­gou “Ca­ma­ra­da, Pa­tos Fo­ra!” e ou­tras em­ble­má­ti­cas me­lo­di­as po­pu­la­res dos Jo­vens do Prenda e do Or­feu gui­tar­ris­ta.

Após a no­tí­cia da sua par­ti­da pa­ra Ka­lun­ga Ngom­be Dij­kan­ga, em jei­to de me­re­ci­da ho­me­na­gem, res­tou-nos co­mo re­cur­so ir até à casa de San­são, ami­go de in­fân­cia de Zé Keno, ali no Ca­zen­ga, pa­ra re­cor­dar tem­pos que já lá vão e dei­xa­ram ja­ne­las aber­tas que a mor­te não con­se­gue fe­char.

“COMEÇÁMOS A FA­ZER VI­O­LAS DE LA­TA”

Car­los Al­ber­to de Al­mei­da Gomes (San­são), de 65 anos, co­nhe­ceu Zé Keno “quan­do ele veio de Ma­lan­je pe­la se­gun­da vez”, ti­nha San­são ape­nas seis anos de ida­de. Es­te en­con­tro ini­ci­al de­cor­reu, por­tan­to, em 1958, no bair­ro Prenda, me­lhor, no Mar­go­so (on­de es­tá exac­ta­men­te a clí­ni­ca do Prenda), es­cla­re­ce San­são. Zé Keno era dois anos mais ve­lho que San­são e es­tu­da­va no Pos­to 15, per­to dos Lo­tes do Prenda, “mas ele não es­tu­dou mui­to, por­que não ti­nha di­nhei­ro pa­ra os es­tu­dos”.

“Nós começámos a fa­zer vi­o­las de la­ta”, re­cor­da San­são, “ha­via umas la­tas de azei­te-do­ce que vi­nham de Por­tu­gal, de cin­co li­tros, em for­ma de pa­ra­le­le­pí­pe­do e ele me­tia cor­das de ny­lon, fa­zia um bra­ço de ma­dei­ra e os a ina­do­res. O Zé Keno ti­nha mui­to jei­to pa­ra fa­bri­car ob­jec­tos e co­me­çou a ou­vir aque­las mú­si­cas dos Jin­gas, do Duia, tais co­mo “La­men­to”, “Ma­ri­a­na” e “Ka­zu­zé” e co­me­çou a imi­tar, ti­nha ele já oi­to ou no­ve anos. En­tão re­sol­ve­mos for­mar um agru­pa­men­to cha­ma­do Sem­bas, lá mes­mo no Mar­go­so. Era um gru­po equi­pa­do ape­nas de tum­bas, re­co-re­co e ou­tros ins­tru­men­tos ru­di­men­ta­res de per­cus­são, não tí­nha­mos ain­da vi­o­la. Ha­via ou­tros gru­pos no Ca­tam­bor, mes­mo lá no Prenda, e jun­tou-se os Sem­bas aos Jo­vens do Ca­tam­bor e daí nas­ce­ram Os Jo­vens do Prenda, em 1968. O gru­po foi fun­da­do por mim, Zé Keno, Di­di, Iná­cio, Kan­gon­go, Xi­co Mon­te­ne­gro e o Ga­ma”.

San­são, en­quan­to jo­vem..

Zé Keno vi­bran­do em No­va Co­o­pe­ra­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.