“RAÍ­ZES CANTAM” NA PENA DE JOB SIPITALI

Jornal Cultura - - PRIMERA PAGINA - GOCIANTE PATISSA

A pro­vín­cia de Ben­gue­la­en­gue­la vol­tav a ins­cre­ver, co­mom ca­ne­ta dou­ra­da,dour na his­tó­ria da pro­du­ção odu­ção li­te­rá­ria an­go­la­na, um po­e­má­rio con­sis­ten­te,, «RRaí­zes Can­tamCan­tam», que des­pon­ta­ta da se­gun­da dé­ca­da do pós-pós-guer­ra.

A pro­vín­cia de Ben­gue­la vol­ta a ins­cre­ver, com ca­ne­ta dou­ra­da, na his­tó­ria da pro­du­ção li­te­rá­ria an­go­la­na, um po­e­má­rio con­sis­ten­te, «Raí­zes Cantam», que des­pon­ta da se­gun­da dé­ca­da do pós­guer­ra, cu­jo mar­co é o ano de 2010, da qual o autor faz par­te.

Pede-me o Job Sipitali que pre­fa­cie o seu li­vro. Ora, te­nho du­as bo­as ra­zões pa­ra ne­gar. A pri­mei­ra é pou­pá- lo do azar ( a úni­ca vez que pre­fa­ci­ei um li­vro no pre­lo foi há coi­sa de cin­co anos, e nun­ca che­gou a ser pu­bli­ca­do). A se­gun­da ra­zão –e a mais for­te – é que a obra tem tu­do pa­ra vin­gar por si, com uma ma­tu­ri­da­de es­té­ti­ca tão ra­ra em es­tre­an­tes e que, por is­so mes­mo, dis­pen­sa qual­quer empurrão. Agra­de­ço pois a hon­ra e par­ti­lho en­tão es­tas li­nhas pe­la con­si­de­ra­ção que me me­re­ce o autor e a ri­que­za do tex­to.

«Raí­zes Cantam», po­e­sia con­tem­po­râ­nea con­gé­ni­ta, re­ce­be por em­prés­ti­mo do seu fa­ze­dor a re­la­ção in­ten­sa «ci­da­de-cam­po», com es­te úl­ti­mo só­cio-an­tro­po­lo­gi­ca­men­te in­con­for­ma­do na Ca­mi­sa-de-for­ças do es­pa­ço ur­ba­no, on­de se viu en­cai­xa­do à or­dem da pól­vo­ra. Fi­ca tam­bém a in­ter­ro­ga­ção qu­an­to ao que icou por di­zer da par­te do autor, ten­do em con­ta as re­ti­cên­ci­as que an­te­ce­dem e en­cer­ram o tí­tu­lo de ca­da po­e­ma.

Pa­ra um lei­tor que se­ja fa­lan­te da lín­gua Um­bun­du ( on­de lín­gua im­pli­ca a cul­tu­ra des­te gru­po et­no­lin­guís­ti­co de ori­gem Ban­tu, que pre­do­mi­na no li­to­ral cen­tro, sul e su­do­es­te de An­go­la), se­rá ine­vi­tá­vel ex­pe­ri­men­tar a in­ter­tex­tu­a­li­da­de en­tre a tra­di­ção oral e o tri­co­tar ale­gó­ri­co do po­e­ta. Te­mos is­to mes­mo em ... A ELEI­ÇÃO DO VERBO..., on­de « Acor­da- se o si­lên­cio com o si­no ru­ral: co­co­ro­có – co­co­ro­có…/ E uma me­ren­da so­bre as bra­sas do fu­mo/ er­gue os olhos da en­xa­da. » Es­te ví­vi­do ru­ral lem­bra um cân­ti­co que in­da­ga com me­lan­co­lia: « Ku­lo ka ku­li akon­dom­bo­lo / pwãi ku­ca­ca nda­ti? » ( Aqui não há ga­los / en­tão co­mo é fa­zem pa­ra ama­nhe­cer?). De res­to, «A es­cri­ta ru­ral / voa com o fu­mo / na cha­ma dos pa­rá­gra­fos», co­mo bem ad­vo­ga o po­e­ma …SÁBIO RU­RAL…

No po­e­ma … FUTURAS PA­LA­VRAS…, te­mos a enun­ci­a­ção que le­va a in­fe­rir que a saú­de do fu­tu­ro re­si­de no re­en­con­tro com o que há de li­ção e tra­di­ção no pas­sa­do, na es­sên­cia gri­ot. «Vão ao se­rão / não se­rão / ór­fãos de pa­la­vras. / No se­rão ou­vem-se / pa­la­vras cir­cun­ci­sas./ Vão. Não se­rão ór­fãos. » Só mes­mo a em­bri­a­guez de po­e­ta pa­ra ain­da crer na exe­qui­bi­li­da­de de uma tal su­ges­tão de res­ga­te, pre­ci­sa­men­te nu­ma so­ci­e­da­de, co­mo a an­go­la­na, que faz cul­to (ins­ti­tu­ci­o­nal, até) à en­car­na­ção me­câ­ni­ca de mo­de­los/ pa­drões iden­ti­tá­ri­os e ci­vi­li­za­ci­o­nais que im­pli­cam a au­to- ne­ga­ção on­to­ló­gi­ca afri­ca­na. Mas há que ves­tir a cer­te­za que o autor pin­ta na es­tro­fe pri­mei­ra do po­e­ma …VI­A­GEM…, que abre o li­vro: «Ver­da­de ou não im­por­ta / o im­pe­ra­ti­vo / dos so­nhos.»

Atento aos fe­nó­me­nos, vir­tu­des e de­ge­ne­ra­ções no ru­mo da sua so­ci­e­da­de, te­mos no po­e­ma …ADJECTIVO… o de­sen­can­to pe­lo pa­pel do in­te­lec­tu­al mo­der­no, de quem se es­pe­ra­va, va­ga­lu­me, gui­ar o seu po­vo, in­te­lec­tu­al es­te que, no lu­gar de de­fen­der cau­sas, es­co­lheu de­fen­der la­dos con­for­me o char­me do ace­no. O que res­ta é que «As al­mas de­fen­dem-se / dos cor­pos epis­té­mi­cos / dos iló­so­fos nos olhos.» Ou, di­to de ou­tra for­ma, «O ex pro­fes­so / Car­re­ga con­si­go / O na­ci­o­na­lis­mo au­ri­do» (do po­e­ma ...MIS­SÃO…)

No­ta-se um dis­tan­ci­a­men­to em re­la­ção à ten­dên­cia dos da sua ge­ra­ção, aque­la no­ta acen­tu­a­da­men­te só­cio-re­a­lis­ta e de­cla­ra­ti­va, com tex­tos pro­li­xos e a pas­sar ao la­do do la­bor es­té­ti­co. Job Sipitali des­pon­ta pe­la di­fe­ren­ça. Traz uma po­e­sia con­ci­sa, pro­ver­bi­al e pe­ne­tran­te, en im um ma­te­ri­al es­te­ti­ca­men­te co­zi­do pa­ra sal­tar da gaveta pa­ra as pá­gi­nas de um li­vro. Que des­ta pro­mis­so­ra la­vra ve­nham ou­tros e que re­ce­ba um aco­lhi­men­to à al­tu­ra. Ain­da era só is­so.

Ben­gue­la, An­go­la, 01 de Ju­lho de 2017

Job Sipitali apre­sen­tou no do­min­go (30/07) ao pú­bli­co na Me­di­a­te­ca de Ben­gue­la a obra li­te­rá­ria de es­treia in­ti­tu­la­da “Raí­zes Cantam”. Com 55 pá­gi­nas, o for­ma­to é de li­vro de bol­so e sai pe­la edi­to­ra Per il Cri­a­ti­vo, com se­de em Por­tu­gal, que pa­ra a pri­mei­ra edi­ção co­lo­ca à dis­po­si­ção de aman­tes da lei­tu­ra 150 exem­pla­res.

Job Sipitali (1985) nas­ceu no Mu­ni­cí­pio do Cu­bal, Pro­vín­cia de Ben­gue­la - An­go­la. É Ba­cha­rel em Lin­guís­ti­ca-Por­tu­guês pe­lo ISCED (Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção) - Ben­gue­la. É mem­bro e co-fun­da­dor da ALCA (As­so­ci­a­ção Li­te­rá­ria e Cul­tu­ral de An­go­la), on­de exer­ce a fun­ção de co­or­de­na­dor do dis­tri­to de Ben­gue­la. Es­cre­ve, prin­ci­pal­men­te, po­e­sia e con­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.