LUTO PE­LO GUI­TAR­RIS­TA ZÉ KENO MÚ­SI­CA AN­GO­LA­NA PER­DE UM DOS SEUS “GÉNIOS”

Jornal Cultura - - ARTES -

Quan­do se es­cre­ve so­bre a mú­si­ca an­go­la­na, exis­tem no­mes, que im­pre­te­ri­vel­men­te sem­pre vão ser par­te im­por­tan­te da sua his­tó­ria. Zé Keno é com cer­te­za um des­tes. O seu ta­len­to na gui­tar­ra, que, ao lon­go dos anos, o fi­ze­ram afir­mar-se co­mo um dos “génios”, pro­va­ram a to­dos, pú­bli­co, fãs e mú­si­cos, que o seu no­me me­re­ce es­tar no “hall da fa­ma” dos gran­des.

Ape­sar dos ins­tru­men­tis­tas não se­rem tão co­nhe­ci­dos co­mo os can­to­res, al­guns, co­mo Zé Keno, fo­ram e sem­pre se­rão ex­cep­ção. Du­ran­te anos, co­mo his­tó­ri­co lí­der dos Jo­vens do Prenda, o gui­tar­ra so­lo já re­ce­beu vá­ri­as ho­me­na­gens, pe­lo seu con­tri­bu­to pa­ra a va­lo­ri­za­ção e di­vul­ga­ção da mú­si­ca po­pu­lar an­go­la­na.

A sua mor­te, no pas­sa­do dia 4 de Agos­to, na África do Sul, ví­ti­ma de do­en­ça, dei­xou um “va­zio” enor­me na mú­si­ca an­go­la­na. A per­da já foi e con­ti­nua a ser la­men­ta­da em vá­ri­os sec­to­res da clas­se. O Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra e a União Na­ci­o­nal dos Ar­tis­tas e Com­po­si­to­res ( UNAC) tam­bém ex­pri­mi­ram os seus sen­ti­men­tos de pe­sar à fa­mí­lia en­lu­ta­da. Os ar­tis­tas con­ti­nu­am a fa­zê-lo, de for­ma es­cri­ta, nas re­des so­ci­ais, ou em en­tre­vis­tas aos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al.

Co­mo re­al­ça a no­ta de con­do­lên­ci­as do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, Zé Keno foi “um gui­tar­ris­ta de mãos chei­as”, que con­se­guiu cons­truir uma car­rei­ra bem-su­ce­di­da ao lon­go dos anos e in­flu­en­ci­ou to­da uma ge­ra­ção de ins­tru­men­tis­tas. Pa­ra quem o ou­viu “so­lar” a sua gui­tar­ra, apren­deu a ver ino­va­ções no seu jei­to de to­car.

O seu tra­ba­lho, fru­to da ex­pe­ri­ên­cia ad­qui­ri­da com ou­tros ar­tis­tas de sua épo­ca, aju­dou a “imor­ta­li­zar” o agru­pa­men­to Os Jo­vens do Prenda, dos anos 70 e 80, com a pro­du­ção de gran­des re­fe­rên­ci­as mu­si­cais no mer­ca­do da Mú­si­ca Po­pu­lar An­go­la­na, en­tre as quais se des­ta­cam “Pa­tos Fo­ra”, “Fi­lho Do­en­te”, “Pan­gueYa­mi”, “Pôr do Sol”, “Hu­ke- ba”, “Ma­ma”, “De­ses­pe­ro” e “No­va Co­o­pe­ra­ção”. Co­mo um dos trans­mis­so­res e de­fen­so­res da Mú­si­ca Po­pu­lar An­go­la­na, o gui­tar­ris­ta pro­cu­rou, fre­quen­te­men­te, man­ter vi­vas as su­as raí­zes mu­si­cais e, ape­sar das inú­me­ras ci­sões e no­vos ros­tos dos Jo­vens do Prenda, sem­pre se man­te­ve fi­el aos seus ide­ais.

Mes­mo an­tes da sua mor­te, ho­me­na­gens não lhe fal­ta­ram. O an­ti­go Maria das Cre­que­nhas, ho­je cen­tro cul­tu­ral e re­cre­a­ti­vo Ki­lam­ba, al­ber­gou al­gu­mas de­las. Na mai­o­ria to­das elas fo­ram con­si­de­ra­das, quer pe­los ar­tis­tas con­vi­da­dos, quer pe­lo pú­bli­co, co­mo de­vi­das e apro­pri­a­das, pois ser­vi­ram pa­ra mos­trar a gran­de­za de um “gé­nio”.

O “SOLISTA” DOS JO­VENS

Nas­ci­do, em Ma­lan­je, a 15 de De­zem­bro de 1950, Jo­sé João Ma­nu­el, “Zé Keno”, foi o prin­ci­pal pro­ta­go­nis­ta da tra­jec­tó­ria dos Jo­vens do Prenda que li­de­rou com in­vul­gar mes­tria, 4 ge­ra­ções, ten­do ini­ci­a­do, ofi­ci­al­men­te, a car­rei­ra mu­si­cal, ao fun­dar o con­jun­to, em 1968, jun­ta­men­te com Chi­co Mon­te­ne­gro, Di­di da Mãe Pre­ta, Tony do Fu­mo, Au­gus­to Cha­caya, ten­do ain­da co­mo co- fun­da­do­res Kan­gon­go, Min­go e Ver­ry Iná­cio, aos quais se jun­ta o vo­ca­lis­ta Gaby Mon­tei­ro.

Cri­a­do em 1968 no bair­ro do Prenda, em Lu­an­da, Os Jo­vens do Prenda fo­ram um dos pri­mei­ros gru­pos an­go­la­nos a ter re­co­nhe­ci­men­to in­ter­na­ci­o­nal. No prin­cí­pio ti­nha a de­sig­na­ção de Jo­vens do Ca­tam­bor, mas, no mes­mo ano, adop­tou a de­no­mi­na­ção de Jo­vens da Mai­an­ga e, inal­men­te em 1969, pas­sam a ter a de­sig­na­ção ac­tu­al.

O no­me sur­ge a con­se­lho de Man­gu­xi, um em­pre­sá­rio do Sam­bi­zan­ga que era pro­pri­e­tá­rio do Sa­lão Bra­guês e alu­ga­va apa­re­lha­gens, que lhes dis­se que “O cer­to é de­no­mi­nar o gru­po com o no­me do bair­ro de on­de vo­cês são pro­ve­ni­en­tes”, daí o no­me Os Jo­vens do Prenda, já que o gru­po era ori­gi­ná­rio des­te his­tó­ri­co de bair­ro Lu­an­da. Uma se­gun­da ge­ra­ção dos Jo­vens do Prenda sur­ge em 1980 e anos se­guin­tes, com Dom Ca­e­ta­no, Ze­cax, Min­go Ca­nho­to, Kin­ti­no, Twely Bam­ba, Ro­mão Tei­xei­ra, Al­fre­do Hen­ri­ques, De­o­de­nay, To­mé Domingos, Con­cei­ção Al­ber­to, Luís Ma­to­so “Mas­sy”, Jo­sé Faus­to Ri­car­do, Cas­si­a­no dos San­tos, Ju­li­nho Vi­cen­te. E de­pois, Zé Mu­e­ne­pu­tu, que for­ma, ac­tu­al­men­te, du­pla com Im­pe­ri­al Baião.

Ar­tis­ta aju­dou a di­vul­gar a Mú­si­ca Po­pu­lar An­go­la­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.