PO­E­MA DE CAR­LOS MES­QUI­TA

a lá­gri­ma

Jornal Cultura - - ARTE POÉTICA -

a uma mu­lher

es­ta lá­gri­ma cris­ta­li­na que cho­ve dos nos­sos sen­ti­men­tos e se cris­ta­li­za em nos­sos co­ra­ções, uma lá­gri­ma que ver­te no olhar das mal­da­des hu­ma­nas, uma lá­gri­ma que es­cor­re em nos­sos ros­tos qu­an­do as pes­so­as não se com­pre­en­dem, qu­an­do elas ima­gi­nam al­go que nos é da­do pe­la sa­pi­ên­cia di­vi­na, pe­la trans­cen­dên­cia mo­ral te­o­ló­gi­ca, uma lá­gri­ma que inun­da e con­so­me, per­fu­ra a nos­sa in­ti­mi­da­de, uma lá­gri­ma fria, ou aque­ci­da pe­los nos­sos pul­sa­res hu­ma­nos que se es­va­zi­am go­ta a go­ta na emo­ção da tris­te­za, da ale­gria, da nos­tal­gia, da frus­tra­ção do amor, uma lá­gri­ma que nem é do ho­mem, nem da mu­lher, nem do ani­mal, to­dos dei­tam a inal a mes­ma lá­gri­ma, por do­res, por sa­tis­fa­ção, por atin­gi­rem o mag­ma da re­a­li­da­de, por te­rem al­can­ça­do êxi­tos ou por se­rem des­fei­tos, hu­mi­lha­dos, re­cal­ca­dos e ex­te­nu­a­dos.

uma lá­gri­ma do es­cra­vo, do po­e­ta, do po­lí­ti­co, do es­po­sa e do es­po­so, do li­ber­ta­dor, do he­rói, do ad­vo­ga­do, do juiz, da cri­an­ça, do ve­lho, do ado­les­cen­te, da jo­vem, en im, uma lá­gri­ma dor­mi­da e do­ri­da e es­pre­mi­da, uma lá­gri­ma que per­ten­ce a to­dos sem dis­tin­ção da cor, da ra­ça, da et­nia, do lo­cal on­de ha­bi­ta, on­de nas­ceu e de on­de se vai, até no se­nhor a lá­gri­ma ha­bi­ta no co­ra­ção do cen­tro pei­to­ral de je­sus, uma lá­gri­ma a pre­to e bran­co, uma lá­gri­ma que se des­pe das am­bi­ções e das hu­mil­da­des, o po­bre cho­ra co­mo o ri­co cho­ra, o pre­si­den­te cho­ra co­mo cho­ra o ope­rá­rio, o guar­da, de­les sai a lá­gri­ma. ar­den­te, ca­la­mi­to­sa, in­ju­ri­o­sa, a ici­o­na­da, amo­ro­sa, va­zia ou cheia, a lá­gri­ma é sem­pre a água bran­ca, sal­ga­da nas ver­ten­tes de ca­da olho e da in­te­ri­o­ri­da­de hu­ma­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.