“PO­DE UMA PO­LÍ­TI­CA DE MULTICULTURALIDADE EXIS­TIR SEM UMA GRAN­DE NAR­RA­TI­VA?”

Jornal Cultura - - ECO DE ANGOLA - VIC­TOR CHONGOLOLA

Es­te tra­ba­lho pre­ten­de efec­tu­ar uma re le­xão so­bre os con­cei­tos de mul­ti­cul­tu­ra­lis­mo e multiculturalidade bem co­mo o de iso­mor is­mo, es­ta­be­le­cen­do uma re­la­ção com o es­pa­ço e a re­a­li­da­de cul­tu­ral de An­go­la. O mul­ti­cul­tu­ra­lis­mo pren­de-se com po­lí­ti­cas do po­der e é po­si­ti­vo, qu­an­do con­se­gue pro­mo­ver a di­ver­si­da­de cul­tu­ral, a igu­ran­do-se as di­fe­ren­tes cul­tu­ras co­mo fon­te de en­ri­que­ci­men­to mú­tuo. De­sa­for­tu­na­da­men­te, po­de to­mar uma di­rec­ção opos­ta, pri­vi­le­gi­an­do uma cul­tu­ra e des­va­lo­ri­zan­do as de­mais, sen­do nes­te ca­so fon­te de con li­tos. Ba­se­an­do-nos nas lei­tu­ras de obras re­la­ci­o­na­das com o te­ma, bem co­mo nou­tros tra­ba­lhos que se de­bru­çam so­bre cul­tu­ra, a im de tor­nar os con­cei­tos mais cla­ros, pas­sa­mos a con­tex­tu­a­li­zá-los pa­ra o ca­so de An­go­la, fa­zen­do igual­men­te li­ga­ção com a Lei cons­ti­tu­ci­o­nal do país no que diz res­pei­to às lín­guas e à cul­tu­ra. Es­ta re le­xão le­va-nos a ad­mi­tir que há mui­to tra­ba­lho pe­la fren­te, pois em­bo­ra a lei es­te­ja vi­ra­da pa­ra a va­lo­ri­za­ção e pro­mo­ção das lín­guas e cul­tu­ras an­go­la­nas, na prá­ti­ca, pou­co ou qua­se na­da se faz pa­ra dar vi­si­bi­li­da­de a tais lín­guas e, por con­se­guin­te, às cul­tu­ras que as mes­mas vei­cu­lam, as­sim co­mo às nos­sas tra­di­ções. Só um co­nhe­ci­men­to ade­qua­do das nos­sas lín­guas e das nos­sas cul­tu­ras é ca­paz de pro­mo­ver um mai­or ní­vel de com­pre­en­são en­tre nós mes­mos, pe­lo que, te­mos gran­de ne­ces­si­da­de de es­ten­der o pres­cri­to na lei pa­ra a prá­ti­ca.

In­tro­du­ção

As re­la­ções en­tre os ho­mens e en­tre os po­vos cons­ti­tu­em uma re­a­li­da­de com­ple­xa e re­ple­ta de si­nu­o­si­da­des. As so­ci­e­da­des en­con­tram-se or­ga­ni­za­das em clas­ses e es­tas man­têm en­tre si re­la­ções ca­rac­te­ri­za­das, em re­gra, por de­si­gual­da­des, des­de as mais ma­ni­fes­tas às mais sub­tis. As eli­tes, a su­pe­res­tru­tu­ra, es­me­ram-se em emi­tir de­cla­ra­ções que fa- çam trans­pa­re­cer um cli­ma de har­mo­nia, pois le­vam as clas­ses su­bal­ter­ni­za­das a cre­rem que as di icul­da­des vi­vi­das são di­ta­das pe­la pró­pria na­tu­re­za, fa­zen­do-as, as­sim, con­for­mar-se com o es­ta­do de coi­sas, qu­an­do, a ver­da­de é bem di­fe­ren­te. Se, a da­do pas­so da his­tó­ria da hu­ma­ni­da­de, o pre­con­cei­to e as in­jus­ti­ças se en­con­tra­vam pa­ten­tes nas pró­pri­as leis, ho­je, ve­ri ica-se a exis­tên­cia de leis apa­ren­te­men­te jus­tas, po­rém, di icil­men­te se trans­põe tal jus­te­za pa­ra a prá­ti­ca, ain­da do­mi­na­da por ma­ni­fes­ta­ções pre­con­cei­tu­o­sas, es­pe­ci­al­men­te, em so­ci­e­da­des mul­tiét­ni­cas. Es­te tra­ba­lho tem co­mo ob­jec­ti­vo dis­cu­tir os con­cei­tos de mul­ti­cul­tu­ra­lis­mo, multiculturalidade e iso­mor is­mo, es­ta­be­le­cen­do a de­vi­da con­tex­tu­a­li­za­ção pa­ra a re­a­li­da­de an­go­la­na.

1. A multiculturalidade

Se­gun­do CAHEN (2014), Lo­ren­zo Ma­cag­no re­fe­re-se aos con­cei­tos de multiculturalidade e de mul­ti­cul­tu­ra­lis­mo, con­si­de­ran­do o pri­mei­ro co­mo uma si­tu­a­ção e o se­gun­do, uma te­o­ria ou uma po­lí­ti­ca. Nes­ta or­dem de idei­as, en­ten­de­mos por multiculturalidade não só a par­ti­lha de um ter­ri­tó­rio co­mum por di­fe­ren­tes cul­tu­ras, ou “he­ran­ças cul­tu­rais”, no di­zer de Cahen, mas tam­bém o con­jun­to de re­la­ções que as mes­mas man­têm en­tre si. O mul­ti­cul­tu­ra­lis­mo re lec­ti­ria, en­tão, o olhar do po­der pa­ra as cul­tu­ras exis­ten­tes no ter­ri­tó­rio sob sua ju­ris­di­ção.

O au­tor traz tam­bém à luz o con­cei­to de iso­mor is­mo de ini­do co­mo a iden­ti ica­ção exac­ta en­tre uma lín­gua, uma so­be­ra­nia e um ter­ri­tó­rio. Po­de­mos pois, en­ten­der o iso­mor is­mo, igual­men­te, co­mo uma ori­en­ta­ção po­lí­ti­ca.

Da de­cla­ra­ção uni­ver­sal dos di­rei­tos lin­guís­ti­cos, de­pre­en­de-se que ca­da co­mu­ni­da­de lin­guís­ti­ca tem o di­rei­to a de­sen­vol­ver a sua lín­gua, a ser ins­truí­do na pró­pria lín­gua, a ser as­sis­ti­do ad­mi­nis­tra­ti­va e ju­ri­di­ca­men­te na pró­pria lín­gua.

Ten­do em con­ta es­tes con­si­de­ran­dos, olhan­do pa­ra a nos­sa si­tu­a­ção em An­go­la, so­be­ja­men­te co- nhe­ci­da co­mo mul­ti­lin­gue e sa­ben­do que ca­da lín­gua vei­cu­la uma cul­tu­ra, sur­gem, na­tu­ral­men­te, al­gu­mas pre­o­cu­pa­ções:

Quan­tas co­mu­ni­da­des lin­guís­ti­cas exis­tem em An­go­la? Ao es­ta­be­le­cer o Por­tu­guês co­mo a úni­ca lín­gua o ici­al foi ti­do em con­si­de­ra­ção o con­cei­to de co­mu­ni­da­des lin­guís­ti­cas? Ou, em no­me da uni­da­de na­ci­o­nal, se ig­no­rou a di­ver­si­da­de?

Pa­re­ce-nos que nos en­con­tra­mos num au­tên­ti­co iso­mor is­mo que pro­cu­ra iden­ti icar o ter­ri­tó­rio an­go­la­no e a sua so­be­ra­nia com uma úni­ca lín­gua, o Por­tu­guês, vo­tan­do as lín­guas afri­ca­nas de An­go­la a um ver­da­dei­ro aban­do­no. Ora, is­so re­sul­ta não só no des­pre­zo da cul­tu­ra mas tam­bém no des­ca­so do gran­de nú­me­ro de an­go­la­nos que co­mu­ni­cam me­lhor nu­ma ou nou­tra des­sas lín­guas do que em Por­tu­guês, di icul­tan­do-lhes, à par­ti­da, o di­rei­to à in­for­ma­ção e ao co­nhe­ci­men­to por­que ex­pres­sos em Por­tu­guês. Além dis­so, reduz-se-lhes sig­ni ica­ti­va­men­te a pos­si­bi­li­da­de de uma par­ti­ci­pa­ção ac­ti­va e crí­ti­ca na vi­da da sociedade.

Lem­bra CAHEN (2014, p. 33) que «(n)un­ca se de­ve es­que­cer que o fa­mo­so “di­rei­to à di­fe­ren­ça”, qu­an­do trans­cri­to na prá­ti­ca, sig­ni ica a “di­fe­ren­ça do di­rei­to”». Quer is­to di­zer que se ca­da pes­soa ou ca­da in­di­ví­duo tem o di­rei­to de ser as­sis­ti­do na sua pró­pria lín­gua, é de­ver e obri­ga­ção do Es­ta­do cri­ar to­das as con­di­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra que es­sa lín­gua cum­pra re­al­men­te es­sas fun­ções. Uma ma­nei­ra de fa­zer is­so é pro­mo­ver o es­tu­do e o en­si­no des­sas lín­guas, é co­nhe­cer e pro­mo­ver as di­fe­ren­tes cul­tu­ras exis­ten­tes no ter­ri­tó­rio sob sua ju­ris­di­ção. É di ícil e com­ple­xo, sem dú­vi­da, mas é o ca­mi­nho mais se­gu­ro e pro­mis­sor pa­ra al­can­çar tal de­si­de­ra­to.

2. Os uni­ver­sa­lis­mos

As rei­vin­di­ca­ções que se fa­çam têm, na mai­or par­te dos ca­sos, se­não sem­pre, co­mo ina­li­da­de a bus­ca de uma sociedade mais in­clu­si­va. Os ho­mens e os gru­pos so­ci­ais lu­tam por uma a ir­ma­ção ou se­ja por

uma pre­sen­ça con­cre­ta na sociedade, as­pi­ram por um pro­ta­go­nis­mo na con­du­ção do pró­prio des­ti­no. É mui­to di ícil, no en­tan­to, en­con­trar uma dis­po­ni­bi­li­da­de por par­te das eli­tes di­ri­gen­tes que fa­vo­re­ça a ma­te­ri­a­li­za­ção des­ses in­ten­tos, pois bus­cam sub­til ou os­ten­si­va­men­te a ins­tru­men­ta­li­za­ção das mas­sas.

CAHEN (2014) in­di­ca dois ti­pos de uni­ver­sa­lis­mos: os abs­trac­tos e os con­cre­tos: os pri­mei­ros es­tão re­la­ci­o­na­dos com igual­da­des teó­ri­cas, ide­ais, con­subs­tan­ci­a­das em dis­cur­sos, às qu­ais fal­ta a com­po­nen­te prá­ti­ca; os se­gun­dos es­tão re­la­ci­o­na­dos com me­di­das es­pe­cí icas ade­qua­das à re­so­lu­ção de pro­ble­mas con­cre­tos com ca­rac­te­rís­ti­cas par­ti­cu­la­res. Es­tes con­cei­tos re­me­tem-nos aos de igual­da­de e de equi­da­de, e bem as­sim, às di­fe­ren­ças iden­ti ica­das en­tre os mes­mos. En­quan­to a igual­da­de equi­va­le­ria a pôr um bem à dis­po­si­ção de to­dos, a equi­da­de pre­o­cu­par-se-ia em pro­por­ci­o­nar con­di­ções a ca­da um pa­ra que re­al­men­te usu­frua da­que­le bem. En­quan­to es­sas con­di­ções não exis­ti­rem não se po­de fa­lar de jus­ti­ça.

Com efei­to, o aces­so a um de­ter­mi­na­do bem não é da­do pe­la sua exis­tên­cia, mas pe­las con­di­ções de que ca­da um dis­põe pa­ra po­der usu­fruir do mes­mo. É, pois ne­ces­sá­rio do­tar as pes­so­as de mei­os que as aju­dem a al­can­çar aqui­lo de que têm di­rei­to, sob pe­na de se cair em abs­trac­ções que na­da mais pro­mo­vem se­não de­si­gual­da­des so­ci­ais, uma vez que aqui­lo que é vis­to co­mo de to­dos, na ver­da­de é pa­ra o cír­cu­lo res­tri­to de in­di­ví­du­os.

3. A cul­tu­ra e a iden­ti­da­de

Se­gun­do MORIN (2000, p. 56), «A cul­tu­ra é cons­ti­tuí­da pe­lo con­jun­to de sa­be­res, fa­ze­res, re­gras, nor­mas, proi­bi­ções, es­tra­té­gi­as, cren­ças, idei­as, va­lo­res, mi­tos que se trans­mi­te de ge­ra­ção em ge­ra­ção, se re­pro­duz em ca­da in­di­ví­duo, con­tro­la a exis­tên­cia da sociedade e man­tém a com­ple­xi­da­de ide­o­ló­gi­ca e so­ci­al».

Sem cul­tu­ra o ho­mem não é dig­no des­se no­me. É a cul­tu­ra que lhe abre o mun­do de sig­ni ica­ções. É a cul­tu­ra que es­ta­be­le­ce a di­ver­si­da­de hu­ma­na na sua uni­da­de bi­o­ló­gi­ca. Da­do que ca­da cul­tu­ra re­pre­sen­ta uma ma­nei­ra pró­pria de con­ce­ber o mun­do, a im­po­si­ção de de­ter­mi­na­das cul­tu­ras so­bre as ou­tras po­de ge­rar con li­tos.

ABBAGNANO et al. (1992) fa­lam de cul­tu­ras es­tá­ti­cas ou pri­má­ri­as e cul­tu­ras di­nâ­mi­cas ou se­cun­dá­ri­as, en­ten­den­do as pri­mei­ras co­mo as con­ser­va­do­ras ou aque­las que atri­bu­em um ca­rác­ter sa­gra­do às nor­mas que per­mi­tem a so­bre­vi­vên­cia do gru­po, sen­do a vi­o­la­ção das mes­mas pas­sí­vel de san­ções. As cul­tu­ras di­nâ­mi­cas são aque­las aber­tas às ino­va­ções e pos­su­em ins­tru­men­tos que lhes per­mi­tem en­fren­tá-las, com­pre­en­dê-las e uti­li­zá-las. Quer di­zer que es­tas so­ci­e­da­des, atra­vés de um olhar crí­ti­co so­bre as no­vi­da­des, são ca­pa­zes de fa­zer uma il­tra­gem àqui­lo que lhes che­ga de ou­tras cul­tu­ras e in­cor­po­rar o que ne­las en­con­tram de po­si­ti­vo.

Ora o con­tex­to ac­tu­al pa­re­ce des­fa­vo­rá­vel à ma­nu­ten­ção das cul­tu­ras es­tá­ti­cas, que se­rão, ho­je em dia, mui­to re­du­zi­das, pois, se por um la­do, te­mos de ad­mi­tir o con­tac­to en­tre po­vos an­tes da ex­pan­são eu­ro­peia, que foi fei­ta de mo­do ex­tre­ma­men­te vi­o­len­to pa­ra as cul­tu­ras lo­cais, vi­san­do a sua neu­tra­li­za­ção, es­tas em­bo­ra ten­do re­sis­ti­do, fo­ram, ain­da as­sim, in­cor­po­ran­do ele­men­tos das cul­tu­ras eu­ro­pei­as, re­pre­sen­ta­dos es­pe­ci­al­men­te pe­la lín­gua.

A cul­tu­ra é igual­men­te a ba­se da cons­tru­ção da iden­ti­da­de. KALUF (2005) iden­ti ica três fun­ções da cul­tu­ra, en­tre as qu­ais:

1-Pris­ma atra­vés do qual o ho­mem in­ter­pre­ta o mun­do, dá sen­ti­do à vi­da em sociedade, or­ga­ni­za as su­as re­la­ções com ou­trem;

2-Vec­tor da iden­ti­da­de;

3-Reú­ne os se­res hu­ma­nos nu­ma hu­ma­ni­da­de co­mum.

Co­mo se po­de ver, sem cul­tu­ra não há iden­ti­da­de, pois es­ta im­pli­ca sem­pre a pre­sen­ça do ou­tro, a qual, por sua vez, só é pos­sí­vel se for vis­ta co­mo uma re­la­ção. A iden­ti­da­de apre­sen­ta-se a dois ní­veis: a in­di­vi­du­al e a so­ci­al ou cul­tu­ral. A pri­mei­ra é a que faz com que um in­di­ví­duo se­ja aqui­lo que re­al­men­te é e não se con­fun­da com o ou­tro e a se­gun­da é a que de­ter­mi­na que um gru­po se­ja o que ver­da­dei­ra­men­te é e não ou­tro (PAPILA, et al., 2001). A iden­ti­da­de in­di­vi­du­al for­ma-se den­tro de um con­tex­to gru­pal, a fa­mí­lia, os ami­gos, a co­mu­ni­da­de, a igre­ja e ou­tros. O gru­po for­ne­ce o subs­tra­to cul­tu­ral pa­ra o in­di­ví­duo, e, co­mo ele não é pas­si­vo, tra­ba­lha-o, re­no­va-o, in­te­ri­o­ri­za-o, tor­na-o seu, uma vez que lhe trans­mi­te al­go da sua per­so­na­li­da­de e, com is­so, in lu­en­cia tam­bém a cul­tu­ra do gru­po a que per­ten­ce.

A iden­ti­da­de so­ci­al ou cul­tu­ral con­sis­te na es­pe­ci ici­da­de de ca­da gru­po hu­ma­no, na­qui­lo que as­se­me­lha os seus cons­ti­tuin­tes e os di­fe­ren­cia dos ou­tros.

Uma vez que, a cul­tu­ra não é es­tá­ti­ca, a iden­ti­da­de que em gran­de me­di­da de­pen­de de­la tam­bém não o é. As­sim, uma pes­soa po­de ter tan­tas iden­ti­da­des quan­tos os gru­pos, cu­jos va­lo­res for in­cor­po­ran­do e que mar­cam pre­sen­ça na sua ma­nei­ra de vi­ver e de ac­tu­ar. Des­te mo­do, uma pes­soa que exer­ça a pro is­são de pro­fes­sor e te­nha a sua cons­ci­ên­cia ét­ni­ca, iden­ti icar-se-á com os va­lo­res da sua pro is­são e ao mes­mo tem­po com os do seu gru­po ét­ni­co.

Por ou­tro la­do, o pró­prio fac­to de ca­da in­di­ví­duo e to­dos os gru­pos hu­ma­nos pos­suí­rem uma cul­tu­ra es­tá na ba­se da ter­cei­ra fun­ção da cul­tu­ra, pois sur­ge co­mo um atri­bu­to co­mum a to­dos os ho­mens e a to­dos os agru­pa­men­tos hu­ma­nos, o que le­va, lo­gi­ca­men­te, a olhar pa­ra os ou­tros ho­mens e pa­ra os ou­tros gru­pos. No di­zer de KALUF (2005, p. 17) «[...] cul­tu­ra es [...] tam­bén una ma­ne­ra de ver a otros, de pen­sar-se com el­los, de to­mar con­ci­en­cia de que a per­te­nen­cia a un gru­po co­man­da al mis­mo ti­em­po ci­er­tas re­glas de re­la­ción com los otros.» Em úl­ti­ma ins­tân­cia, po­de di­zer-se que es­ta fun­ção da cul­tu­ra con­sis­te em per­mi­tir a con­vi­vên­cia hu­ma­na na sua di­ver­si­da­de e a to­dos os ní­veis. In­fe­liz­men­te, nem sem­pre is­so tem si­do pos­sí­vel, ao lon­go da his­tó­ria da hu­ma­ni­da­de, mar­ca­da por de­sen­ten­di­men­tos e guer­ras, re­sul­tan­tes das ten­ta­ti­vas de im­por uma cul­tu­ra às ou­tras, pro­cu­ran­do ofus­cá-las ou eli­mi­ná­las. Com is­so, pro­cu­ra-se igual­men­te anu­lar a iden­ti­da­de dos gru­pos sub­ju­ga­dos bem co­mo de seus mem­bros. Tais po­si­ci­o­na­men­tos são de­cor­ren­tes do pre­con­cei­to so­ci­al nas su­as di­ver­sas ma­ni­fes­ta­ções que le­vam os seus pro­ta­go­nis­tas a pen­sar que o seu gru­po ou a sua clas­se tem mais va­lor que os ou­tros, co­arc­tan­do a es­tes as pos­si­bi­li­da­des de re­a­li­za­ção.

As­sim, o re­co­nhe­ci­men­to da di­ver­si­da­de cul­tu­ral a igu­ra-se ho­je co­mo uma das con­di­ções pa­ra a paz. Is­to im­pli­ca a cri­a­ção e a im­ple­men­ta­ção de po­lí­ti­cas in­clu­si­vas e par­ti­ci­pa­ti­vas que, além de con­tri­buí­rem pa­ra a com­pre­en­são do es­ta­do de coi­sas, pro­por­ci­o­nem a to­dos os gru­pos e a ca­da in­di­ví­duo uma opor­tu­ni­da­de de par­ti­ci­par con­jun­ta­men­te com os de­mais na re­so­lu­ção dos pro­ble­mas que os a li­gem.

As po­lí­ti­cas têm um pa­pel de­ter­mi­nan­te no que diz res­pei­to ao cli­ma que se vi­ve nu­ma de­ter­mi­na­da sociedade. Já ABBAGNANO et al. (1992) di­zi­am que o pro­gres­so in­te­lec­tu­al que a Gré­cia co­nhe­ceu não se de­veu à ex­cep­ci­o­na­li­da­de do seu po­vo, mas sim às po­lí­ti­cas em­pre­gues, que fa­vo­re­ci­am o de­sen­vol­vi­men­to do pen­sa­men­to. Pa­ra não va­ri­ar, diz a de­cla­ra­ção da UNESCO so­bre os di­rei­tos cul­tu­rais, artigo 2 que «[...] o plu­ra­lis­mo cul­tu­ral é pro­pí­cio aos in­ter­câm­bi­os cul­tu­rais e ao de­sen­vol­vi­men­to das ca­pa­ci­da­des cri­a­do­ras que ali­men­tam a vi­da pú­bli­ca.». Quer di­zer que a di­ver­si­da­de cul­tu­ral, lon­ge de cri­ar pro­ble­mas pa­ra a sociedade, en­ri­que­ce-a, pois po­de ofe­re­cer di­ver­sos ân­gu­los pa­ra en­ca­rar um de­ter­mi­na­do pro­ble­ma e alar­gar o le­que de so­lu­ções pa­ra o mes­mo, o que se po­de tra­du­zir nu­ma opor­tu­ni­da­de de cres­ci­men­to e pro­gres­so das cul­tu­ras.

Ima­gem de um dos qua­dros do pin­tor mo­çam­bi­ca­no Ma­lan­ga­ta­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.